Pal­co de ati­tu­de

Fes­ti­val. Rock in Rio viu do synth­rock do Pa­nic! at the Dis­co à pon­te Bra­sil-Cu­ba er­gui­da por Emi­ci­da na noi­te das di­ver­si­da­des

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Gui­lher­me So­bo­ta e Le­an­dro Nunes / RIO

A mis­são era gran­di­o­sa, an­te­ci­par a che­ga­da do he­a­dli­ner Red Hot Chil­li Pep­pers, sen­do que as ban­das têm tão pou­co em co­mum. Mas o pú­bli­co e seus gri­tos fe­mi­ni­nos não pa­re­ci­am se im­por­tar. Pa­nic! traz a voz de Urie e uma ban­da agres­si­va e es­tri­den­te, mui­to ex­plo­si­va.

Em Vic­to­ri­ous, os agu­dos de Urie têm efei­tos di­ver­sos. Don't Th­re­a­ten Me With a Go­od Ti­me faz der­re­ter a pla­teia mais fã mas tam­bém pro­vo­ca gar­ga­lha­das e es­tra­nha­men­to. Em Hal­le­lu­jah, o vo­ca­lis­ta faz o si­nal da cruz e lan­ça vá­ri­os gri­tos.

Mas nin­guém é de fer­ro. Ao fim de Crazy, o pal­co es­cu­re­ce por mi­nu­tos ate Urie re­tor­nar com os ver­sos do hit The Bal­lad of Mo­na Li­sa. Su­per aplau­di­do.

No pi­a­no, Urie é acom­pa­nha­do pe­las pal­mas em Ni­ne in The Af­ter­no­on. Em Girls/Girls/Boys ele lou­va a bissexuali­dade que já atraiu tan­ta aten­ção e pro­tes­tos. Em uma des­sas oca­siões, Urie dis­se que da­ria di­nhei­ro pa­ra ins­ti­tui­ções de di­rei­tos LGBT por ca­da re­li­gi­o­so que fos­se pro­tes­tar em seus shows.

Em Dan­cing’s Is Not a Cri­me, Urie vol­ta com nos agu­dos. “O que eu dis­se pra vo­cês? Dan­cem, dan­cem!”

Urie re­com­pen­sa a pla­teia fi­el no hit I Wri­te Sins Not Tra­ge­di­es. “Is­so é sel­va­gem”, pa­ra de­pois fa­lar em por­tu­guês. “Te amo. Obri­ga­do, de na­da.” Um co­ver de Bohe­mi­an Rhap­sody qua­se ma­tou a sau­da­de de quem viu Queen por es­sas ban­das.

Emi­ci­da. Mis­tu­ran­do o pe­so do hip hop pau­lis­ta­no de Emi­ci­da com a world mu­sic con­tem­po­râ­nea do duo fran­co-cu­ba­no Ibeyi, o Pal­co Sun­set tes­te­mu­nhou, no iní­cio da noi­te de quin­ta, um dos en­con­tros mais aguar­da­dos des­ta edi­ção. E eles fo­ram ova­ci­o­na­dos em mais de um mo­men­to.

Em um pros­se­gui­men­to da cu­ra­do­ria aten­ta que o Sun­set os­ten­tou até ago­ra, o rap­per pau­lis­ta­no – tam­bém à fren­te da Lab Fan­tas­ma, em­pre­sa gra­va­do­ra que se tor­nou modelo de ne­gó­ci­os pa­ra o hip hop bra­si­lei­ro – dá uma au­la de co­mo apro­xi­mar ou­tros gê­ne­ros da mú­si­ca rap que o con­sa­grou.

Com uma ban­da com­ple­ta no pal­co (de per­cus­são a trom­pe­te, com o DJ Nyack co­man­dan­do o es­pe­tá­cu­lo que tem di­re­ção mu­si­cal de Mar­cio Aran­tes), o show pas­seia por rit­mos la­ti­nos e afri­ca­nos, li­gan­do os ar­tis­tas às an­ces­tra­li­da­des em co­mum, um dos pon­tos de li­ga­ção do show.

Mas Emi­ci­da sa­be fa­zer rap e o show tem su­ces­sos mais an­ti­gos co­mo A Cha­pa é Quen­te (2009), Bang e Ho­je Ce­do, de 2013 (can­ta­da do iní­cio pe­la pla­teia e com re­frão em por­tu­guês das Ibeyi, du­as cons­tan­tes no show), Pas­sa­ri­nhos (2015) e a mais re­cen­te Pan­te­ra Ne­gra (2018).

“Rock in Rio, fa­çam ba­ru­lho pa­ra Sa­bo­ta­ge, Cho­rão, Cham­pig­non, pes­so­as que lu­ta­ram an­tes pa­ra que es­ti­vés­se­mos aqui ago­ra”, pe­de Emi­ci­da, uma es­tre­la no pal­co. “Li­ber­da­de pa­ra DJ Ren­nan da Pe­nha!”, gri­ta em ou­tro mo­men­to, re­fe­rin­do-se à con­de­na­ção apon­ta­da co­mo con­tra­di­tó­ria do prin­ci­pal pro­du­tor do Bai­le da Gai­o­la, no Rio, ce­lei­ro de ta­len­tos do funk na­ci­o­nal nos úl­ti­mos anos.

Do­na One­te. Foi ela quem co­man­dou o show iné­di­to e ex­clu­si­vo Pa­rá Pop no Pal­co Sun­set do Rock in Rio 2019 na tar­de des­ta quin­ta-fei­ra, 3, re­to­man­do a ma­ra­to­na de shows que vai até o pró­xi­mo do­min­go, 6. A ta­re­fa foi fá­cil com su­ces­sos na pon­ta da lín­gua do pú­bli­co, co­mo Jam­bu Tre­me e No Meio do Pi­tiú. O en­con­tro ain­da viu su­bir ao pal­co Fa­fá de Be­lém, Gaby Ama­ran­tos, Ja­loo (de dis­co no­vo na ba­ga­gem) e Lu­cas Es­tre­la (jo­vem gui­tar­ris­ta pa­ra­en­se que an­tes tra­ba­lhou co­mo ro­a­die pa­ra al­guns des­ses no­mes).

“É um or­gu­lho re­ce­ber o es­ta­do do Pa­rá no Rock in Rio”, dis­se o cu­ra­dor do Sun­set, Zé Ri­car­do, an­tes do show co­me­çar. No pal­co, Do­na One­te en­si­na pa­ra o Bra­sil o que é o ca­rim­bó. Na sua ver­são, ele vem “cha­me­ga­do”, pa­ra dan­çar jun­ti­nho mas tam­bém, co­mo ela mos­trou com seus tra­ba­lhos na úl­ti­ma dé­ca­da, pa­ra to­mar con­ta de uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va das pis­tas de São Pau­lo e Rio.

Gaby Ama­ran­tos trou­xe sua qua­li­da­de pop pa­ra o tec­no­bre­ga, com can­ções co­mo Xir­ley e Ex Mai Lo­ve (2012). Ja­loo, sem­pre ca­ris­má­ti­co, e Ma­no­el Cor­dei­ro, um dos fun­da­do­res da gui­tar­ra­da pa­ra­en­se, pre­pa­ra­ram o pal­co pa­ra a che­ga­da de Fa­fá.

De ca­rac­te­ri­za­ção in­dí­ge­na no ros­to, a voz de Be­lém com­ple­ta uma se­le­ção bem pen­sa­da, que ter­mi­na o show com uma fes­ta de Ban­zei­ro, de Do­na One­te – de car­rei­ra tar­dia, aos 80 anos, uma das com­po­si­to­ras mais so­fis­ti­ca­das da ge­ra­ção atu­al da mú­si­ca po­pu­lar bra­si­lei­ra.

FO­TOS: WILTON JU­NI­OR / ESTADÃO

Bren­don Uri. Vo­ca­lis­ta te­ve au­ge com um co­ver de Bohe­mi­an Rhap­sody

One­te e Gaby. En­con­tro fez tre­mer o Sun­set

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.