Fo­tó­gra­fo ama­dor, pro­fes­sor re­tra­tou pri­mei­ro fes­ti­val

Em 1985, Wag­ner Lun­gov en­fren­tou de tu­do pe­las ima­gens de Yes, AC/DC, Queen e seu fa­vo­ri­to, Ozzy Os­bour­ne

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ti­a­go Qu­ei­roz

Em 1985, o fí­si­co de for­ma­ção Wag­ner Lun­gov, ho­je com 60 anos, era um jo­vem fo­tó­gra­fo ama­dor de 25 anos que ga­nha­va a vi­da co­mo pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca, em São Pau­lo. Em ja­nei­ro da­que­le ano, du­ran­te uma se­ma­na, dei­xou as fór­mu­las ma­te­má­ti­cas e a fa­mí­lia pa­ra se tor­nar tes­te­mu­nha ocu­lar da his­tó­ria do rock no Bra­sil. Ele fo­to­gra­fou com sua pe­que­na e com­pac­ta Olym­pus OM1 e uma len­te 135 mm al­guns dos prin­ci­pais rock stars que o País já viu.

Tu­do co­me­çou quan­do na épo­ca os jor­nais co­me­ça­ram a no­ti­ci­ar a vin­da ao Rio de um gran­de fes­ti­val de mú­si­ca, o Rock in Rio. Fas­ci­na­do por rock e apai­xo­na­do por fo­to­gra­fia, Lun­gov bo­tou na ca­be­ça que pre­ci­sa­va es­tar pre­sen­te e não bas­ta­va es­tar lá sem a sua câ­me­ra. Mas co­mo? Ele não era jor­na­lis­ta nem re­pór­ter-fo­to­grá­fi­co e ar­ru­mar cre­den­ci­al era fei­to qua­se im­pos­sí­vel pa­ra um pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca.

Lem­brou de uma ami­ga cu­jo pai era do­no de uma edi­to­ra. Na­da re­la­ci­o­na­do ao uni­ver­so da mú­si­ca, mui­to me­nos do rock, mas era a úni­ca so­lu­ção pa­ra con­se­guir a tão al­me­ja­da cre­den­ci­al, pas­sa­por­te pa­ra de­ci­béis in­con­tro­lá­veis no ou­vi­do e per­for­man­ces nun­ca vis­tas em ter­ras bra­si­lei­ras.

Na­que­les tem­pos sem e-mail a so­li­ci­ta­ção foi fei­ta via car­ta. As se­ma­nas pas­sa­vam e na­da de a res­pos­ta che­gar. Nem sim, nem não, só a in­di­fe­ren­ça que fa­zia com que ele se sen­tis­se co­mo um “pe­ne­tra”. Até que a pa­ci­ên­cia de Lun­gov se es­go­tou. Pas­sou a li­gar pa­ra a pro­du­ção do even­to, nú­me­ro que con­se­guiu na ba­se de mui­ta pes­qui­sa. Cer­to dia, do ou­tro la­do da li­nha uma se­nho­ra com a voz can­sa­da per­gun­ta o no­me do pro­fes­sor. “Wag­ner Lun­gov!” “Humm, acho que vi uma cre­den­ci­al es­ses di­as com es­se no­me, ve­nha que ela es­tá fei­ta sim.” Foi a se­nha pa­ra Lun­gov dis­pa­rar pa­ra a ro­do­viá­ria. Na mo­chi­la, uma mu­da de rou­pa, a câ­me­ra com uma úni­ca len­te, 10 fil­mes co­lo­ri­dos e 2 pre­to e bran­co. Um to­tal de 432 cha­pas pa­ra 10 noi­tes de show.

“Ti­ve sor­te, pois na épo­ca mi­nha ir­mã mo­ra­va no Rio e fi­quei na ca­sa de­la. Era um du­ro.” Quan­do foi re­ti­rar sua cre­den­ci­al, sur­pre­sa, não es­ta­va cre­den­ci­a­do. “Pro­tes­tei, dis­se que ha­via te­le­fo­na­do an­tes e ti­nha saí­do de São Pau­lo até o Rio pa­ra fo­to­gra­far os shows.” Só de­pois de mui­ta con­fu­são con­se­guiu a cre­den­ci­al.

Na pri­mei­ra noi­te de show, en­con­trou re­pór­te­res-fo­to­grá­fi­cos de gran­des veí­cu­los de re­por­ta­gem na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais às dú­zi­as, mu­ni­dos com as pe­sa­das, po­ten­tes e gi­gan­tes­cas câ­me­ras pro­fis­si­o­nais Ni­kon. “Mi­nha câ­me­ra era até boa, mas na épo­ca a Olym­pus era ti­da co­mo mar­ca pa­ra ama­do­res”, lem­bra.

Os fil­mes co­lo­ri­dos eram re­ve­la­dos no dia se­guin­te ao show e ele foi com­pa­ran­do o re­sul­ta­do dos seus cli­ques com o que era pu­bli­ca­do na im­pren­sa. “Mi­nhas fo­tos não fi­ca­vam de­ven­do na­da pa­ra o res­to da tur­ma.”

No Rock in Rio 1985, a ban­da mais co­bi­ça­da pe­los re­pór­te­res-fo­to­grá­fi­cos era o gru­po de rock pro­gres­si­vo Yes. Wag­ner não só fez es­sas fo­tos co­mo tam­bém re­gis­trou o Queen e o in­subs­ti­tuí­vel Fred­die Mer­cury, o AC/DC com seu in­cen­diá­rio gui­tar­ris­ta An­gus Young, o vo­ca­lis­ta Ozzy Os­bour­ne e a can­to­ra Ni­na Ha­gen. “Lo­go de ca­ra me cha­mou a aten­ção o pro­fis­si­o­na­lis­mo das per­for­man­ces.” Mui­to di­fe­ren­te de tu­do que ti­nha vis­to no Bra­sil. “Os shows eram co­re­o­gra­fa­dos. Fo­to­gra­fei as du­as apre­sen­ta­ções da ban­da Scor­pi­ons e os mo­vi­men­tos eram exa­ta­men­te iguais”, lem­bra.

Vol­tan­do pa­ra São Pau­lo, ao fim do Rock in Rio, re­ve­lou os úl­ti­mos fil­mes que fal­ta­vam. Wag­ner Lun­gov tem es­pe­ci­al ca­ri­nho por uma ima­gem do Ozzy com a ca­mi­sa do Fla­men­go, em pre­to e bran­co, olhar de­ci­di­do em di­re­ção ao fo­tó­gra­fo. “Gos­to de­la por­que pa­re­ce que ele es­tá olhan­do mes­mo pa­ra mim, mas sei que eles eram chei­os de téc­ni­cas, de mi­rar o olhar pa­ra a mas­sa de fo­tó­gra­fos.”

TI­A­GO QU­EI­ROZ/ESTADÃO

His­tó­ria. Um to­tal de 432 cha­pas pa­ra 10 noi­tes de show

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.