En­ge­nha­ri­as, co­mo ci­vil e elétrica, for­mam os “re­sol­ve­do­res de pro­ble­mas”

Com mui­ta téc­ni­ca, cál­cu­los e ló­gi­ca, as en­ge­nha­ri­as de ma­nei­ra ge­ral qua­li­fi­cam os pro­fis­si­o­nais que se­rão for­ma­dos pa­ra de­sen­vol­ver pro­du­tos e pro­ces­sos na era da In­dús­tria 4.0

O Estado de S. Paulo - - Engenharia­s -

EN­GE­NHA­RIA CI­VIL

O se­tor imo­bi­liá­rio vol­ta a dar si­nais de cres­ci­men­to no País, uma boa no­tí­cia pa­ra os en­ge­nhei­ros. “As ofer­tas de es­tá­gio dão uma ideia da si­tu­a­ção do se­tor. No mo­men­to, a pro­cu­ra pe­los dis­cen­tes vol­tou”, con­ta Lu­ci­e­ni Lo­ren­zi, che­fe do De­par­ta­men­to de En­ge­nha­ria Ci­vil da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio Gran­de do Sul (UFRGS), de Por­to Ale­gre (RS).

Res­pon­sá­vel por pro­je­tar e exe­cu­tar os mais di­ver­sos ti­pos de obras, o engenheiro ci­vil acom­pa­nha to­das as eta­pas da constru­ção, da aná­li­se do so­lo às re­des de ins­ta­la­ção elétrica e hi­dráu­li­ca. Um de­sa­fio na for­ma­ção é man­ter-se atu­a­li­za­do com as no­vas tec­no­lo­gi­as. A pro­fes­so­ra Lu­ci­e­ni ci­ta co­mo exem­plo o uso do sis­te­ma BIM (Buil­ding In­for­ma­ti­on Mo­de­ling): “É um pro­ces­so de mo­de­la­gem em que os softwa­res têm co­mu­ni­ca­ção en­tre si agi­li­zan­do o tra­ba­lho do engenheiro”, ex­pli­ca. As me­lho­res es­co­las já es­tão co­lo­can­do es­se ti­po de con­teú­do em su­as gra­des cur­ri­cu­la­res.

EN­GE­NHA­RIA DA COM­PU­TA­ÇÃO

O cur­so de En­ge­nha­ria da Com­pu­ta­ção for­ma o pro­fis­si­o­nal que vai pro­je­tar sis­te­mas di­gi­tais, com­pu­ta­ci­o­nais (hardwa­res) e até robôs. Uma par­ti­cu­la­ri­da­de des­sa gra­du­a­ção é que ela po­de mes­clar di­re­tri­zes cur­ri­cu­la­res tan­to dos cur­sos de en­ge­nha­ria (co­mo na área de Elétrica)

co­mo dos cur­sos de com­pu­ta­ção (co­mo Ci­ên­cia da Com­pu­ta­ção).

Por cau­sa de sua for­te for­ma­ção na área de hard­ware, o pro­fis­si­o­nal tam­bém atua nos se­to­res de au­to­ma­ção e con­tro­le, além de ro­bó­ti­ca. En­tre as ca­rac­te­rís­ti­cas que fa­zem uma boa gra­du­a­ção, a pro­fes­so­ra Thaís Gau­den­cio, do cur­so de En­ge­nha­ria da Com­pu­ta­ção da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Pa­raí­ba (UFPB), cha­ma a aten­ção pa­ra a im­por­tân­cia da in­fra­es­tru­tu­ra: “É in­te­res­san­te ter um la­bo­ra­tó­rio de hard­ware com equi­pa­men­tos de cir­cui­tos ló­gi­cos, ele­tri­ci­da­de, ele­trô­ni­ca, mi­cro­con­tro­la­do­res e ro­bó­ti­ca, além de bons la­bo­ra­tó­ri­os de soft­ware com com­pu­ta­do­res pa­ra que os alu­nos te­nham au­las prá­ti­cas”.

EN­GE­NHA­RIA DE CON­TRO­LE E AU­TO­MA­ÇÃO

A In­dús­tria 4.0 ou Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al se re­fe­re à di­gi­ta­li­za­ção do am­bi­en­te in­dus­tri­al, com no­vas tec­no­lo­gi­as tor­nan­do os pro­ces­sos mais efi­ci­en­tes e pro­du­ti­vos. Ter­mos co­mo in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, in­ter­net das coi­sas e big da­ta são as­sun­tos ca­da vez mais em al­ta. “Es­ta­mos fa­lan­do em pro­ces­sos a dis­tân­cia, con­tro­les em tem­po re­al de plan­tas in­dus­tri­ais des­lo­ca­das e au­to­ma­ção dos pro­du­tos, co­mo os car­ros autô­no­mos. Ain­da há mui­tas no­vi­da­des que che­ga­rão”, con­ta Re­na­to Gi­a­co­mi­ni, co­or­de­na­dor do De­par­ta­men­to de Au­to­ma­ção e Con­tro­le do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio FEI (SP).

É pa­ra es­sa di­re­ção que os cur­sos es­tão apon­tan­do seus cur­rí­cu­los pa­ra for­mar o engenheiro que pro­je­ta, ge­ren­cia e ope­ra sis­te­mas au­to­ma­ti­za­dos de con­tro­le de equi­pa­men­tos na in­dús­tria. Quem quer fa­zer es­se ba­cha­re­la­do pre­ci­sa es­tar pre­pa­ra­do pa­ra li­dar com mui­ta ci­ên­cia exa­ta. Cál­cu­lo, fí­si­ca, com­pu­ta­ção, me­câ­ni­ca e ele­trô­ni­ca fa­zem par­te da gra­de cur­ri­cu­lar.Mes­mo num mo­men­to de re­ces­são econô­mi­ca, o mer­ca­do de tra­ba­lho é fa­vo­rá­vel. É que as in­dús­tri­as pre­ci­sam me­lho­rar sua pro­du­ti­vi­da­de e re­du­zir gas­tos e, pa­ra is­so, con­tam com pro­ces­sos au­to­ma­ti­za­dos.

EN­GE­NHA­RIA DE PRO­DU­ÇÃO

A for­ma co­mo as pes­so­as con­so­mem pro­du­tos e serviços es­tá em trans­for­ma­ção. “Em vez de com­prar uma lâm­pa­da, o cli­en­te po­de ad­qui­rir um ser­vi­ço de ilu­mi­na­ção”, exem­pli­fi­ca An­dré Luís Hel­le­no, co­or­de­na­dor do cur­so de En­ge­nha­ria de Pro­du­ção da Uni­ver­si­da­de Pres­bi­te­ri­a­na Mac­ken­zie, em São Pau­lo (SP). Is­so me­xe pro­fun­da­men­te com a es­tra­té­gia de pro­du­ção das em­pre­sas e, cla­ro, com os en­ge­nhei­ros que tra­ba­lham com is­so. “A in­ter­net das coi­sas e o big da­ta es­tão trans­for­man­do o engenheiro de pro­du­ção em um ci­en­tis­ta de da­dos de for­ma a pre­ver as di­nâ­mi­cas do mer­ca­do e, com agi­li­da­de, to­mar de­ci­sões de ges­tão”, diz o co­or­de­na­dor.

Com só­li­da for­ma­ção em mo­de­la­men­to ma­te­má­ti­co, aná­li­se de da­dos e ges­tão de ope­ra­ções, es­se pro­fis­si­o­nal po­de atu­ar em to­das as eta­pas do de­sen­vol­vi­men­to de um pro­du­to ou ser­vi­ço, co­mo pes­qui­sa de mer­ca­do, con­cep­ção, pro­du­ção, lo­gís­ti­ca e trans­por­te. Tra­ba­lha nos mais di­ver­sos ra­mos in­dus­tri­ais e tam­bém se des­ta­ca nas áre­as fi­nan­cei­ra e ad­mi­nis­tra­ti­va.

EN­GE­NHA­RIA ELÉTRICA

O Bra­sil ain­da não ofe­re­ce aces­so à luz elétrica pa­ra to­da a sua po­pu­la­ção. Pro­je­ta­do pa­ra atin­gir su­as me­tas até 2008, o pro­gra­ma fe­de­ral Luz pa­ra To­dos foi es­ten­di­do até 2022. “A pro­fis­são é exer­ci­da em áre­as co­mo pro­je­to, mon­ta­gem, ma­nu­ten­ção e ope­ra­ção de ins­ta­la­ções e sis­te­mas elétricos. O ba­cha­rel po­de atu­ar em au­to­ma­ção de ins­ta­la­ções e sis­te­mas, sis­te­mas in­dus­tri­ais e fon­tes de ener­gia re­no­vá­veis”, ex­pli­ca Eir­ton Vi­o­lin, pre­si­den­te do Nú­cleo Do­cen­te Es­tru­tu­ran­te do ba­cha­re­la­do em En­ge­nha­ria Elétrica, da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ita­ju­bá (Uni­fei). O de­sen­vol­vi­men­to de no­vas tec­no­lo­gi­as, co­mo a mo­bi­li­da­de elétrica de au­to­mó­veis e ôni­bus, ten­de a aque­cer ain­da mais o mer­ca­do de tra­ba­lho pa­ra es­se pro­fis­si­o­nal.

Os cur­sos ofe­re­cem uma ba­se só­li­da em dis­ci­pli­nas co­mo fí­si­ca e quí­mi­ca, além de au­las de pro­je­tos de sis­te­mas elétricos, ma­te­ri­ais, sis­te­mas di­gi­tais e ele­tro­mag­ne­tis­mo, en­tre ou­tras.

EN­GE­NHA­RIA ME­C­NI­CA

Den­tro das en­ge­nha­ri­as, a Me­câ­ni­ca é um dos cur­sos com for­ma­ção mais ge­ne­ra­lis­ta. Em­bo­ra a atu­a­ção tra­di­ci­o­nal des­se engenheiro com­pre­en­da de­sen­vol­ver pro­je­tos e pro­ces­sos pa­ra fa­bri­car máquinas e equi­pa­men­tos, a gra­du­a­ção pre­pa­ra o alu­no pa­ra atu­ar em pra­ti­ca­men­te qual­quer área téc­ni­ca. “Mui­tos alu­nos acre­di­tam que o cur­so de En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca não se­ja uma op­ção mo­der­na pe­lo fa­to de não ter em seu no­me as pa­la­vras ‘au­to­ma­ção’ ou ‘ele­trô­ni­ca’”, diz Jo­seph Yous­sif Sa­ab Ju­ni­or, co­or­de­na­dor do cur­so de En­ge­nha­ria Me­câ­ni­ca do Ins­ti­tu­to Mauá de Tec­no­lo­gia, em São Ca­e­ta­no do Sul (SP). “Mas a fle­xi­bi­li­da­de do cur­so é uma gran­de van­ta­gem que per­mi­te ao alu­no es­tar pre­pa­ra­do pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas com­ple­xos em qual­quer ati­vi­da­de.” O co­or­de­na­dor con­ta que há ex-alu­nos atu­an­do em ven­das, ban­cos, star­tups e, cla­ro, mui­tos na in­dús­tria.

Os bons cur­sos de­vem in­cluir as áre­as de con­tro­le, au­to­ma­ção, ele­trô­ni­ca em­bar­ca­da e im­pac­to am­bi­en­tal. Tam­bém pre­ci­sam ter um cur­rí­cu­lo que con­tem­ple uma ba­se só­li­da em ci­ên­ci­as bá­si­cas e ati­vi­da­des ele­ti­vas des­de o pri­mei­ro ano.

EN­GE­NHA­RIA QUÍ­MI­CA

O de­sen­vol­vi­men­to de no­vos pro­du­tos é um dos mai­o­res atra­ti­vos do se­tor in­dus­tri­al. Res­pon­sá­vel pe­la trans­for­ma­ção de ma­té­ri­as-pri­mas, o engenheiro quí­mi­co ocu­pa um lu­gar de des­ta­que nes­se pro­ces­so de inova­ção, de­fi­nin­do quais pro­du­tos es­sas ma­té­ri­as-pri­mas da­rão ori­gem, pes­qui­san­do tec­no­lo­gi­as e oti­mi­zan­do a pro­du­ção. É so­li­ci­ta­do em di­ver­sos seg­men­tos, co­mo pe­tro­lí­fe­ro, far­ma­cêu­ti­co, quí­mi­co, têx­til, si­de­rúr­gi­co e ali­men­tí­cio.

Em­pre­en­der é ou­tro ca­mi­nho pos­sí­vel. “An­tes, o engenheiro era um em­pre­ga­do da in­dús­tria. Ho­je há um mo­vi­men­to di­fe­ren­te no mer­ca­do. Mui­tos alu­nos es­tão abrin­do pe­que­nas em­pre­sas ou tra­ba­lhan­do em star­tups”, con­ta Va­nes­sa de Frei­tas Lins, pro­fes­so­ra do De­par­ta­men­to de Quí­mi­ca da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG). Com is­so as me­lho­res gra­du­a­ções es­tão in­cluin­do dis­ci­pli­nas co­mo em­pre­en­de­do­ris­mo, ges­tão e estatístic­a. Mas se­guem tam­bém com mui­ta ma­te­má­ti­ca, fí­si­ca e, cla­ro, quí­mi­ca. Boa par­te da for­ma­ção ocor­re em la­bo­ra­tó­ri­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.