Es­ta­tal apro­va­da no Con­gres­so opõe De­fe­sa à Eco­no­mia

Mi­li­ta­res apoi­am cri­a­ção da NAV, pa­ra atu­ar no se­tor aé­reo; MP vai a san­ção de Bol­so­na­ro

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - An­ne Warth Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

Me­di­da pro­vi­só­ria her­da­da do go­ver­no de Mi­chel Te­mer, re­la­ta­da pe­lo se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ) e apro­va­da pe­la Câ­ma­ra e pe­lo Se­na­do, cri­ou a NAV Bra­sil Ser­vi­ços de Na­ve­ga­ção Aé­rea. Se a MP for san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a no­va es­ta­tal te­rá se­de no Rio de Ja­nei­ro e irá na con­tra­mão da di­re­triz da equi­pe econô­mi­ca de re­du­zir o ta­ma­nho do Es­ta­do. O se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de De­ses­ta­ti­za­ção do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Sa­lim Mat­tar, ten­tou, sem su­ces­so, fa­zer uma ar­ti­cu­la­ção no Con­gres­so pa­ra que a me­di­da fos­se re­jei­ta­da. Na co­mis­são es­pe­ci­al do Se­na­do que ana­li­sou o te­ma, Flá­vio Bol­so­na­ro aca­tou par­ci­al­men­te emen­da do de­pu­ta­do Edu­ar­do Cury (PSDB-SP), que tra­zia o im­pe­ra­ti­vo da se­gu­ran­ça na­ci­o­nal co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a cri­a­ção da em­pre­sa. De­fen­di­da pe­los mi­li­ta­res e pe­lo Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, a qu­em se­rá vin­cu­la­da, a NAV, se san­ci­o­na­da por Bol­so­na­ro, se­rá a pri­mei­ra es­ta­tal cri­a­da por par­te da União des­de 2013. Dois mil fun­ci­o­ná­ri­os da In­fra­e­ro po­de­rão ser trans­fe­ri­dos pa­ra a no­va em­pre­sa.

NAV é coi­sa do go­ver­no pas­sa­do (...) Não es­tá se­gu­ra sua exis­tên­cia” SA­LIM MAT­TAR SE­CRE­TÁ­RIO ES­PE­CI­AL DE DE­SES­TA­TI­ZA­ÇÃO

Na con­tra­mão da es­tra­té­gia da equi­pe econô­mi­ca de re­du­zir o ta­ma­nho do Es­ta­do e aca­bar com as es­ta­tais, o go­ver­no as­sis­tiu a um mo­vi­men­to da Câ­ma­ra e do Se­na­do que po­de re­sul­tar no nas­ci­men­to da pri­mei­ra em­pre­sa pú­bli­ca do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro: a NAV Bra­sil Ser­vi­ços de Na­ve­ga­ção Aé­rea. A ini­ci­a­ti­va é de­fen­di­da pe­lo Mi­nis­té­rio da De­fe­sa. Se for san­ci­o­na­da pe­lo pre­si­den­te, se­rá a pri­mei­ra es­ta­tal cri­a­da pe­la União des­de 2013, quan­do a pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff cri­ou a Agên­cia Bra­si­lei­ra Ges­to­ra de Fun­dos Ga­ran­ti­do­res e Ga­ran­ti­as (ABGF).

A NAV te­rá se­de no Rio de Ja­nei­ro e fi­ca­rá com as re­cei­tas das ta­ri­fas de na­ve­ga­ção aé­rea. A cri­a­ção da NAV foi apro­va­da pe­lo Con­gres­so na se­ma­na pas­sa­da e tex­to se­rá en­vi­a­do ao pre­si­den­te, que te­rá 15 di­as úteis pa­ra ana­li­sar se san­ci­o­na ou ve­ta a cons­ti­tui­ção da no­va es­ta­tal. Se for cri­a­da, dois mil fun­ci­o­ná­ri­os da In­fra­e­ro po­dem ser trans­fe­ri­dos pa­ra a no­va em­pre­sa.

Com a mis­são de re­du­zir o nú­me­ro de es­ta­tais, o se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de De­ses­ta­ti­za­ção do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Sa­lim Mat­tar, cri­ti­cou a cri­a­ção da NAV, na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, em co­le­ti­va de im­pren­sa, an­te­ci­pan­do uma pro­vá­vel re­co­men­da­ção de ve­to que fa­rá a Bol­so­na­ro. Se­gun­do ele, a em­pre­sa é “coi­sa do go­ver­no pas­sa­do” e ain­da é pre­ci­so com­pro­var se a no­va es­ta­tal é um im­pe­ra­ti­vo pa­ra a área de se­gu­ran­ça. “Não es­tá ab­so­lu­ta­men­te se­gu­ro se vai con­ti­nu­ar a exis­tên­cia da NAV Bra­sil”, afir­mou.

Com frequên­cia, o se­cre­tá­rio faz re­fe­rên­cia ao ar­ti­go 173 da Cons­ti­tui­ção, que per­mi­te a ex­plo­ra­ção de ati­vi­da­des econô­mi­cas pe­lo Es­ta­do em ca­sos de “im­pe­ra­ti­vos da se­gu­ran­ça na­ci­o­nal ou a re­le­van­te in­te­res­se co­le­ti­vo”. A pre­o­cu­pa­ção da equi­pe econô­mi­ca é que a cri­a­ção da NAV en­fra­que­ça a po­lí­ti­ca li­be­ral de re­du­ção das es­ta­tais, que en­fren­ta re­sis­tên­cia em vá­ri­os mi­nis­té­ri­os. A ex­pec­ta­ti­va é que, ao me­nos, a NAV se man­te­nha equi­li­bra­da e com boa go­ver­nan­ça, sem ser usa­da pe­lo Mi­nis­té­rio da De­fe­sa pa­ra fa­zer des­pe­sas que não pas­sem pe­lo Or­ça­men­to.

Ori­gem. A Me­di­da Pro­vi­só­ria que cri­a­va a NAV foi en­vi­a­da ao Con­gres­so pe­lo ex-pre­si­den­te Mi­chel Te­mer em 20 de de­zem­bro. A em­pre­sa, vin­cu­la­da ao Co­man­do da Ae­ro­náu­ti­ca e ao Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, sur­ge da ci­são par­ci­al da In­fra­e­ro, es­ta­tal que ad­mi­nis­tra ae­ro­por­tos.

Em 22 de maio, o go­ver­no Bol­so­na­ro re­vo­gou a pro­pos­ta que cri­a­va a NAV, por meio do en­vio de ou­tra Me­di­da Pro­vi­só­ria. Na jus­ti­fi­ca­ti­va, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, ale­ga­va que a MP an­te­ri­or es­ta­va tran­can­do a pau­ta de vo­ta­ções da Câ­ma­ra e im­pe­dia a vo­ta­ção do tex­to que or­ga­ni­zou os mi­nis­té­ri­os de Bol­so­na­ro. Co­mo to­das as MPs, a MP 883 ti­nha for­ça de lei na da­ta de sua pu­bli­ca­ção, mas pre­ci­sa­va ser apro­va­da pe­lo Con­gres­so até 18 de se­tem­bro pa­ra vi­go­rar per­ma­nen­te­men­te – o que não acon­te­ceu.

Usan­do um pre­ce­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) em uma Ação Di­re­ta de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (Adin) jul­ga­da em 1993, o Con­gres­so fez um mo­vi­men­to le­gal, em­bo­ra in­co­mum: re­to­mou o pra­zo re­ma­nes­cen­te de tra­mi­ta­ção da MP da NAV até que ela fos­se re­vo­ga­da. Res­ta­vam no­ve di­as, o que am­pli­a­va sua vi­gên­cia até 27 de se­tem­bro. Na se­ma­na se­guin­te, em uma tra­mi­ta­ção re­lâm­pa­go, a Câ­ma­ra apro­vou a pro­pos­ta no dia 25, e o Se­na­do, no dia 26.

Se­gun­do apu­rou o Estadão/Bro­ad­cast, des­de o prin­cí­pio, foi com­bi­na­do com a ala mi­li­tar do go­ver­no que a MP que cri­a­va a NAV se­ria re­to­ma­da, e que a MP que a re­vo­gou iria “ca­du­car”. Mas Mat­tar ten­tou im­pe­dir a vo­ta­ção: li­gou pa­ra o lí­der do No­vo, Mar­cel Van Hat­tem (RS), pa­ra pe­dir ao de­pu­ta­do que or­ga­ni­zas­se uma obs­tru­ção. Sem su­ces­so.

A MP da NAV foi re­la­ta­da pe­lo se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ), o fi­lho 01. Na co­mis­são es­pe­ci­al, o se­na­dor aca­tou par­ci­al­men­te emen­da do de­pu­ta­do Edu­ar­do Cury (PSDB-SP), que tra­zia o im­pe­ra­ti­vo da se­gu­ran­ça na­ci­o­nal co­mo jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra a cri­a­ção da em­pre­sa.

Ba­lan­ço. Tam­bém na en­tre­vis­ta da quin­ta-fei­ra, Mat­tar anun­ci­ou que o go­ver­no “des­co­briu” ter mais em­pre­sas do que ima­gi­na­va. São 637 com­pa­nhi­as en­tre con­tro­la­das pe­la União, sub­si­diá­ri­as, co­li­ga­das e par­ti­ci­pa­ções, de acor­do com ba­lan­ço do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia. A con­ta an­te­ri­or, de 133, não con­si­de­ra­va co­li­ga­das, em­pre­sas in­ter­na­ci­o­nais e par­ti­ci­pa­ções mi­no­ri­tá­ri­as de­ti­das pe­la União. “É um Es­ta­do em­pre­sá­rio.”

De ja­nei­ro a se­tem­bro, se­gun­do Mat­tar, o go­ver­no ven­deu ati­vos es­ti­ma­dos em US$ 23,5 bi­lhões, ou R$ 96,2 bi­lhões. A con­ta con­si­de­ra de­sin­ves­ti­men­tos – ven­da de sub­si­diá­ri­as vin­cu­la­das a em­pre­sas-mãe, co­mo a TAG e a BR Dis­tri­bui­do­ra, da Pe­tro­brás –, con­ces­sões de ae­ro­por­tos, ter­mi­nais por­tuá­ri­os e de um tre­cho fer­ro­viá­rio, além de cam­pos de pe­tró­leo. Até ago­ra, ne­nhu­ma es­ta­tal fe­de­ral de con­tro­le di­re­to da União foi pri­va­ti­za­da.

“NAV é coi­sa do go­ver­no pas­sa­do (...) Não es­tá se­gu­ra sua exis­tên­cia.” Sa­lim Mat­tar, se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de De­ses­ta­ti­za­ção do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia

ENILTON KIRCHHOF/FOR­ÇA AEREA BRA­SI­LEI­RA - 27/12/2013

Tra­ba­lho. Dois mil fun­ci­o­ná­ri­os da In­fra­e­ro po­dem ser trans­fe­ri­dos pa­ra a no­va es­ta­tal

GA­BRI­E­LA BILO / ESTADÃO - 22/8/2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.