ANÁ­LI­SE: Re­na­ta Ca­far­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Re­na­ta Ca­far­do

Wein­traub pre­pa­ra pro­je­to pa­ra au­tor­re­gu­la­ção de fa­cul­da­des, que ti­ra­ria qual­quer va­lor do Ena­de.

Di­fe­ren­te­men­te do Enem, o Ena­de não foi pen­sa­do pa­ra ava­li­ar o alu­no e, sim, os cur­sos de gra­du­a­ção. Is­so não quer di­zer que tec­ni­ca­men­te a pro­va não po­de­ria ser usa­da pa­ra is­so, mas a pro­pos­ta do mi­nis­tro Abraham Wein­traub não se­ria as­sim tão fá­cil de ser co­lo­ca­da em prá­ti­ca.

Pri­mei­ra­men­te por­que o exa­me não é fei­to to­do ano por to­dos os es­tu­dan­tes de to­dos os cur­sos. As no­tas di­vul­ga­das ago­ra são de 2018, quan­do fo­ram ava­li­a­dos Di­rei­to, Ad­mi­nis­tra­ção e Jor­na­lis­mo. Es­sas mes­mas áre­as só se­rão tes­ta­das no­va­men­te da­qui a três anos. Por­tan­to, mes­mo se o pi­or alu­no de Di­rei­to se for­mar em 2020, ele não po­de­rá ser pu­ni­do pe­lo mi­nis­tro da Edu­ca­ção. Pa­ra que o exa­me pas­se a ava­li­ar to­das as áre­as, to­dos os anos, ele pre­ci­sa tri­pli­car de ta­ma­nho, o que cus­ta di­nhei­ro. O Enem, por exem­plo, cus­ta cer­ca de R$ 500 mi­lhões por ano. Já o Ena­de sai por vol­ta de R$ 50 mi­lhões.

Em se­gun­do lu­gar, se a no­ta ruim do Ena­de pas­sas­se a con­di­ci­o­nar a for­ma­tu­ra, o exa­me ga­nha­ria va­lor. O mes­mo va­lor que ga­nhou o Enem, em 2009, quan­do pas­sou de uma sim­ples pro­va pa­ra ava­li­ar es­tu­dan­tes pa­ra uma no­ta que ser­vi­ria pa­ra ga­ran­tir uma va­ga na uni­ver­si­da­de. Pa­ra qu­em não se lem­bra, as­sim que o go­ver­no Lu­la mu­dou o ob­je­ti­vo do Enem, a pro­va foi rou­ba­da da grá­fi­ca e con­se­quen­te­men­te anu­la­da, de­pois que o Es­ta­do re­ve­lou a frau­de.

Is­so quer di­zer que o Ena­de te­ria de ser fei­to com mui­to mais se­gu­ran­ça do que tem ho­je, o que im­pli­ca mais gen­te, mais tec­no­lo­gia, mais di­nhei­ro. O MEC não pa­re­ce ter ver­bas so­bran­do pa­ra fa­zer cres­cer o exa­me.

Qu­em se im­por­ta mes­mo com o Ena­de são as uni­ver­si­da­des pri­va­das, que usam a no­ta do cur­so pa­ra pu­bli­ci­da­de e atrair mais alu­nos. Há anos elas fa­zem lobby pa­ra que a pro­va va­lha al­gu­ma coi­sa. Wein­traub ora de­fen­de as fa­cul­da­des par­ti­cu­la­res, ora diz pa­ra elas se vi­ra­rem. As de­cla­ra­ções de on­tem pa­re­cem mui­to mais só de­cla­ra­ções. Wein­traub gos­ta de fa­lar pa­ra a pla­teia dos re­vol­ta­dos e “con­tra tu­do que es­tá aí”.

Es­se é o pú­bli­co que lhe res­ta. Re­cla­ma, xin­ga, apa­re­ce. En­quan­to is­so, na ver­da­de, pre­pa­ra pro­je­to pa­ra uma au­tor­re­gu­la­ção das fa­cul­da­des e uni­ver­si­da­des pri­va­das, que, pe­lo con­trá­rio, ti­ra­ria qual­quer va­lor do Ena­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.