Sil­vi­a­no San­ti­a­go

Obra reú­ne ar­ti­gos que re­ve­lam a di­ver­si­fi­ca­da car­rei­ra in­te­lec­tu­al de Sil­vi­a­no San­ti­a­go em mais de 60 anos

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ubi­ra­tan Bra­sil

Obra reú­ne ar­ti­gos que mos­tram a car­rei­ra do es­cri­tor e crí­ti­co li­te­rá­rio.

Sil­vi­a­no San­ti­a­go gos­ta de de­sa­fi­os in­te­lec­tu­ais – um dos mais im­por­tan­tes crí­ti­cos li­te­rá­ri­os do Bra­sil, ele (que tam­bém é um pre­mi­a­do es­cri­tor) ga­nhou pro­je­ção ao lon­go dos anos por seu in­can­sá­vel in­te­res­se em in­ves­tir em ter­ri­tó­ri­os inex­plo­ra­dos e, prin­ci­pal­men­te, por cor­ri­gir seu ru­mo se ne­ces­sá­rio e até em se des­men­tir.

Com seis dé­ca­das de uma car­rei­ra in­te­lec­tu­al di­ver­si­fi­ca­da e múl­ti­pla, o crí­ti­co tem par­te sig­ni­fi­ca­ti­va de sua obra en­saís­ti­ca ago­ra reu­ni­da no vo­lu­me 35 En­sai­os de Sil­vi­a­no San­ti­a­go (Com­pa­nhia das Le­tras), com or­ga­ni­za­ção de Íta­lo Mo­ri­co­ni. “A obra en­saís­ti­ca de Sil­vi­a­no di­a­lo­ga com uma fa­mí­lia de que fa­zem par­te no­mes co­mo Jo­a­quim Na­bu­co, Gil­ber­to Frey­re, Sér­gio Bu­ar­que de Ho­lan­da, An­to­nio Can­di­do, Caio Pra­do Jr., Cel­so Fur­ta­do, Ray­mun­do Fa­o­ro, en­tre tan­tos ou­tros”, ob­ser­va Mo­ri­co­ni, no pre­fá­cio.

De fa­to, os no­vos ru­mos da cul­tu­ra e a po­lí­ti­ca da glo­ba­li­za­ção nun­ca es­ca­pa­ram ao olhar aten­to do es­cri­tor e en­saís­ta, que se de­bru­çou em ques­tões so­ci­ais e tam­bém na for­ma co­mo a crí­ti­ca li­te­rá­ria é exer­ci­da na im­pren­sa. Au­tor de obras re­fe­ren­ci­ais, co­mo Uma Li­te­ra­tu­ra nos Tró­pi­cos (1978) e Cos­mo­po­li­tis­mo do Po­bre (2005), Sil­vi­a­no, em con­ver­sa com o Es­ta­do, faz uma re­la­ção en­tre dois clás­si­cos, Os Ser­tões, de Eu­cli­des da Cu­nha, e Gran­de Ser­tão: Ve­re­das, de Gui­ma­rães Ro­sa.

Sil­vi­a­no San­ti­a­go res­pon­deu, por e-mail, às se­guin­tes ques­tões do Es­ta­do.

O se­nhor já dis­se que o en­saio tem a ver com a ten­ta­ti­va, com a ex­pe­ri­ên­cia e com a au­dá­cia de tri­lhar ca­mi­nhos des­co­nhe­ci­dos.

Per­doe a in­sis­tên­cia no tom sub­je­ti­vo. Te­nho for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria, es­cre­vi e de­fen­di te­se de dou­to­ra­do, fui pro­fes­sor por 40 anos, ori­en­tei umas 50 te­ses, mas sou tam­bém es­cri­tor. Des­de lo­go, jul­guei o en­saio mais har­mo­ni­zá­vel com a car­rei­ra de es­cri­tor. Sim, en­saio é ex­pe­ri­men­to, dis­se-o The­o­dor Ador­no, e o re­pe­ti. Nu­ma te­se, vo­cê es­miú­ça uma obra, a de Car­los Drum­mond, por exem­plo. É tra­ba­lho de meia-vi­da, um ca­ta­tau de 400 pá­gi­nas. Num en­saio, 20 pá­gi­nas, vo­cê ele­ge o ob­je­to de es­tu­do, cen­tra­li­za o fo­co da aten­ção e da in­ten­ção em de­ta­lhe a ser des­ta­ca­do e exa­mi­na­do à luz de mi­cros­có­pio.

Co­mo as­sim?

Exem­pli­fi­co o mo­men­to-cha­ve da op­ção. Em me­a­dos dos anos 1960, já co­nhe­cia bem a po­e­sia de Drum­mond, mas a lia com a aju­da dos ma­ni­fes­tos de van­guar­da. De re­pen­te, to­po com o po­e­ma A Má­qui­na

do Mun­do, no li­vro Cla­ro Enig­ma. Pu­ro Ca­mões e Os Lu­sía­das. Is­so não acon­te­ce num po­e­ta mo­der­nis­ta! Acon­te­ceu. In­sa­na­men­te, de­di­co-me a ques­tões pa­ra­le­las a Drum­mond. Es­cre­vo en­saio e o pu­bli­co. Apre­sen­ta lei­tu­ra ori­gi­nal do po­e­ma de Drum­mond, mas fa­la tam­bém do pa­pel da tra­di­ção na van­guar­da mo­der­nis­ta, das re­la­ções di­tas co­mo nu­las en­tre os mo­der­nis­tas bra­si­lei­ros e a li­te­ra­tu­ra por­tu­gue­sa clás­si­ca, da ne­ces­si­da­de de se es­tu­dar a li­te­ra­tu­ra na­ci­o­nal da pers­pec­ti­va com­pa­ra­da, e as­sim por di­an­te. O po­e­ta não gos­tou do en­saio e me en­vi­ou um po­e­ma bem irô­ni­co (in­cluiu-o nas Obras

Com­ple­tas). Em na­da re­co­men­dá­vel na épo­ca, o ex­pe­ri­men­to atin­giu a cons­ci­en­te in­cons­ci­ên­cia do mo­der­nis­ta e o ner­vo do po­e­ma.

No en­saio ‘Re­tó­ri­ca da Ve­ros­si­mi­lhan­ça’, o se­nhor afir­ma, acer­ca dos des­ca­mi­nhos que en­con­tra­va na crí­ti­ca ma­cha­di­a­na, que Ma­cha­do é es­sen­ci­al­men­te um ro­man­cis­ta “éti­co”.

Nar­ra­dor e per­so­na­gens do ro­man­ce ma­cha­di­a­no não re­que­rem a cum­pli­ci­da­de fra­ter­na do lei­tor. Ne­nhu­ma em­pa­tia. Eis a gran­de ori­gi­na­li­da­de e sua mi­sé­ria em ter­ra e em épo­ca de lei­to­res apres­sa­dos e al­tis­so­nan­tes. O ro­man­ce ma­cha­di­a­no des­pre­za a cum­pli­ci­da­de do lei­tor de cal­ças cur­tas; re­quer seu es­pí­ri­to crí­ti­co. Re­to­man­do Le­o­nar­do da Vin­ci, o ro­man­ce pa­ra ele “é co­sa men­ta­le”, que se ofe­re­ce ao lei­tor co­mo ob­je­to ma­trei­ro e se­du­tor, bem no pon­to pa­ra ser ser­vi­do à re­fle­xão. Ao con­trá­rio do mes­tre Jo­sé de Alen­car que, co­mo bom na­ci­o­na­lis­ta, se de­di­cou a pin­tar os he­róis da bra­va gen­te bra­si­lei­ra, Ma­cha­do é um au­tor pós-épi­co.

Co­mo as­sim?

Seus per­so­na­gens são sub-he­róis. Não são es­cri­tos só com a me­mó­ria re­cen­te da in­de­pen­dên­cia. São es­cri­tos com “to­da a me­mó­ria do mun­do”, pa­ra re­to­mar o tí­tu­lo do do­cu­men­tá­rio de Alain Res­nais so­bre a Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal. Pós-dra­má­ti­co, o au­tor não che­ga a en­dos­sar os va­lo­res do Ilu­mi­nis­mo, à di­fe­ren­ça dos com­pa­nhei­ros Aluí­sio Aze­ve­do e Li­ma Bar­re­to. Ma­cha­do é tão mo­der­no qu­an­to Franz Kaf­ka, Sa­mu­el Bec­kett ou Jor­ge Luis Bor­ges. É o ro­man­cis­ta da voz can­sa­da, ín­ti­ma e per­cu­ci­en­te. Trê­fe­gos, fa­las­trões e dis­si­mu­la­dos, seus per­so­na­gens es­con­dem à flor da pe­le as im­per­fei­ções da al­ma. Em Ma­cha­do, a es­té­ti­ca se alia à éti­ca. Exi­ge seus prin­cí­pi­os no ato de lei­tu­ra. Se não há he­róis, tam­pou­co há ver­da­de es­can­ca­ra­da. Ou me­lhor, a ver­da­de só se es­can­ca­ra na di­men­são da lei­tu­ra. Em Dom Cas­mur­ro, es­can­ca­ra­se a ve­ros­si­mi­lhan­ça do adul­té­rio fe­mi­ni­no pa­ra que o lei­tor che­gue à ver­da­de do ciú­me mas­cu­li­no, pos­ses­si­vo. Se o lei­tor se en­can­tar com a ve­ros­si­mi­lhan­ça, tro­pe­ça, cai no chão e é de­vo­ra­do pe­la es­fin­ge.

Uma das prin­ci­pais fun­ções da crí­ti­ca ho­je se­ria a in­ter­me­di­a­ção en­tre o lei­tor e a obra de ar­te de di­fí­cil com­pre­en­são?

A ques­tão da do­mes­ti­ca­ção é de­pen­den­te da boa in­ten­ção do crí­ti­co. Ele já tem um re­per­tó­rio de lei­tu­ras e, no diá­lo­go com o lei­tor, jul­ga ne­ces­sá­rio lhe ofe­re­cer co­mo in­ter­me­diá­rio uma se­gun­da obra que o aju­da­rá na com­pre­en­são da pri­mei­ra. Com­pa­ra a obra que apre­sen­ta cer­ta es­tra­nhe­za à obra já co­nhe­ci­da e as­si­mi­la­da. As bo­as in­ten­ções da in­ter­me­di­a­ção po­dem pa­vi­men­tar a de­so­ri­en­ta­ção mai­or do lei­tor.

Co­mo as­sim?

Uma obra de ar­te, se com­pa­ra­da a ou­tra, aju­da (fa­ci­li­ta a lei­tu­ra da es­tra­nhe­za) e não aju­da (em­ba­ra­lha a com­pre­en­são jus­ta da es­tra­nhe­za). O pro­ble­ma es­tá me­nos na aju­da du­ma obra pa­ra a lei­tu­ra de ou­tra do que no pro­to­co­lo de lei­tu­ra exi­gi­do por uma obra e pe­la ou­tra.

Que ti­po de pro­ble­ma pro­vo­ca?

Abor­dar o Gran­de Ser­tão: Ve­re­das, apoi­an­do-se em Os Ser­tões, de Eu­cli­des da Cu­nha, aju­da o lei­tor, mas em­ba­ra­lha a com­pre­en­são dos dois. São du­as obras ad­mi­rá­veis e afins, mas são dís­pa­res na lei­tu­ra. O épi­co de Eu­cli­des re­pre­sen­ta um acon­te­ci­men­to his­tó­ri­co que se pas­sa em re­gião pre­ci­sa. É sim­bó­li­co da pas­sa­gem da mo­nar­quia à Re­pú­bli­ca e apre­sen­ta um tra­ba­lho com per­so­na­gens que le­vam os no­mes de ba­tis­mo. Na­ção em tu­mul­to, re­vi­são das ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais (o Exér­ci­to), re­vol­ta do atra­so à mo­der­ni­za­ção, etc., ser­vem de re­fe­rên­cia cla­ra e ne­ces­sá­ria na cons­tru­ção da tra­ma. Os Ser­tões se en­qua­dra no gê­ne­ro ro­man­ce his­tó­ri­co. Já Gran­de Ser­tão é ro­man­ce de ca­rá­ter ale­gó­ri­co. Por meio de ale­go­ri­as, fa­la du­ma na­ção de gos­to de­sen­vol­vi­men­tis­ta que aca­ba por ser uma das mais in­jus­tas do pla­ne­ta. No pre­sen­te, pas­sa­do e fu­tu­ro, a os­ten­ta­ção con­vi­ve com a mi­sé­ria so­ci­al e econô­mi­ca. Pen­sem: a aber­tu­ra da Ave­ni­da Cen­tral, ho­je Rio Bran­co, é cau­sa da in­ven­ção da fa­ve­la ca­ri­o­ca. Ho­je, a Bar­ra da Ti­ju­ca da Olim­pía­da con­vi­ve com o mor­ro do Ale­mão. Seus per­so­na­gens vi­vem, por­tan­to, num en­cla­ve per­di­do e fe­roz e não se ex­pres­sam co­mo “vi­das se­cas”, afô­ni­cas. Co­mo re­fe­rên­cia ge­o­grá­fi­ca, o ro­man­ce de Ro­sa só tem a pro­xi­mi­da­de de Bra­sí­lia, que o ne­ga, e seu es­ti­lo tem co­mo mo­de­lo a es­té­ti­ca do “me­nos que é mais”, que ele ne­ga. Não é ro­man­ce mo­der­no, é nos­so con­tem­po­râ­neo. Sob o efei­to das lu­zes do pla­nal­to cen­tral, quer en­xer­gar as tre­vas da na­ci­o­na­li­da­de. Se adu­ba­do pe­la lei­tu­ra de Os

Ser­tões, o lei­tor se per­de­rá ao em­bre­nhar na sel­va sel­vag­gia cri­a­da de ma­nei­ra in­tem­pes­ti­va por Gui­ma­rães Ro­sa.

‘Nar­ra­dor e per­so­na­gens do ro­man­ce ma­cha­di­a­no não re­que­rem a cum­pli­ci­da­de fra­ter­na do lei­tor’ SO­BRE O PRA­ZER DE LER MA­CHA­DO

‘Os Ser­tões se en­qua­dra no gê­ne­ro ro­man­ce his­tó­ri­co. Já Gran­de Ser­tão: Ve­re­das é ro­man­ce de ca­rá­ter ale­gó­ri­co’

DA­NI­EL TEI­XEI­RA/ESTADÃO - 8/12/2015

Crí­ti­co. San­ti­a­go, ao re­ce­ber o Prê­mio Oceanos, em 2015

FER­NAN­DO AZE­VE­DO

San­ti­a­go. Seus ar­ti­gos aju­dam a en­ten­der a for­ma­ção da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra

35 EN­SAI­OS Au­tor: Sil­vi­a­no San­ti­a­go Org.: Íta­lo Mo­ri­co­ni Edi­to­ra: Com­pa­nhia das Le­tras (640 págs., R$ 94,90 pa­pel, R$ 39,90 e-bo­ok)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.