Al­guns pas­sos e um avan­ço pa­ra a ci­ên­cia

A tec­no­lo­gia, com ba­se em sen­so­res ce­re­brais, de­mo­rou dez anos pa­ra fi­car pron­ta; sis­te­ma é ex­pe­ri­men­tal e es­tá lon­ge do uso clí­ni­co

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Fa­bi­a­na Cam­bri­co­li / COM AGÊN­CI­AS IN­TER­NA­CI­O­NAIS

Fo­tos em sequên­cia mos­tram que te­tra­plé­gi­co fran­cês con­se­guiu ca­mi­nhar al­guns pas­sos com o au­xí­lio de um exo­es­que­le­to con­tro­la­do pe­lo cé­re­bro. A tec­no­lo­gia co­me­çou a ser de­sen­vol­vi­da há dez anos e pre­ci­sa pas­sar por apri­mo­ra­men­tos pa­ra ser apli­ca­da cli­ni­ca­men­te, res­sal­ta­ram ci­en­tis­tas.

Um fran­cês de 28 anos, te­tra­plé­gi­co há qua­tro anos, con­se­guiu ca­mi­nhar e me­xer os bra­ços usan­do um exo­es­que­le­to con­tro­la­do pe­lo seu cé­re­bro. Em­bo­ra con­si­de­ra­da pro­mis­so­ra, a tec­no­lo­gia ain­da é ex­pe­ri­men­tal e pre­ci­sa pas­sar por mui­tos apri­mo­ra­men­tos pa­ra ser apli­ca­da cli­ni­ca­men­te, res­sal­ta­ram os ci­en­tis­tas fran­ce­ses res­pon­sá­veis.

Foi um lon­go ca­mi­nho até que o pa­ci­en­te Thi­bault con­se­guis­se mo­vi­men­tar os mem­bros. A tec­no­lo­gia, que alia um exo­es­que­le­to a um sis­te­ma de sen­so­res ce­re­brais, co­me­çou a ser de­sen­vol­vi­da há dez anos.

Na pes­qui­sa, dois dis­po­si­ti­vos fo­ram im­plan­ta­dos na ca­be­ça do pa­ci­en­te, en­tre o cé­re­bro e a pe­le, abran­gen­do a re­gião que con­tro­la a sen­sa­ção e a fun­ção mo­to­ra. Ca­da dis­po­si­ti­vo con­ti­nha 64 ele­tro­dos que co­le­ta­vam si­nais ce­re­brais e os trans­mi­ti­am a um al­go­rit­mo de de­co­di­fi­ca­ção. O sis­te­ma tra­du­zia si­nais do cé­re­bro nos mo­vi­men­tos em que o pa­ci­en­te pen­sa­va e en­vi­a­va seus co­man­dos ao exo­es­que­le­to.

Por 24 me­ses, o pa­ci­en­te re­a­li­zou, com a aju­da de um ava­tar vir­tu­al, vá­ri­as ta­re­fas men­tais pa­ra trei­nar o al­go­rit­mo a en­ten­der seus pen­sa­men­tos e au­men­tar o nú­me­ro de mo­vi­men­tos que po­de­ria fa­zer. Após os trei­nos, o pa­ci­en­te co­me­çou a exer­cer a mes­ma ta­re­fa de usar seus pen­sa­men­tos pa­ra mo­vi­men­tar o exo­es­que­le­to. O fei­to foi pu­bli­ca­do an­te­on­tem na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Lan­cet Neu­ro­logy.

Se­gun­do Alim-Louis Be­na­bid, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de Gre­no­ble (Fran­ça) e um dos au­to­res do es­tu­do, tec­no­lo­gi­as an­te­ri­o­res usa­vam sen­so­res in­va­si­vos no cé­re­bro, que po­dem ser mais pe­ri­go­sos e pa­ram de fun­ci­o­nar fre­quen­te­men­te. “É o pri­mei­ro sis­te­ma cé­re­bro­com­pu­ta­dor se­mi-in­va­si­vo e sem fio de­sen­vol­vi­do pa­ra ati­var os qua­tro mem­bros.”

Há cer­ca de qua­tro anos, o fran­cês Thi­bault caiu de uma al­tu­ra de 15 me­tros. O aci­den­te re­sul­tou em uma le­são na me­du­la es­pi­nhal que o dei­xou pa­ra­li­sa­do e o obri­gou, du­ran­te os dois pri­mei­ros anos, a vi­ver no hos­pi­tal. Em 2017, de­ci­diu par­ti­ci­par da in­ves­ti­ga­ção so­bre o exo­es­que­le­to da Cli­na­tec (cen­tro fran­cês de bi­o­me­di­ci­na).

Re­per­cus­são.

Au­to­res do es­tu­do e ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas re­co­nhe­cem que, ape­sar de ino­va­do­ra, a téc­ni­ca ain­da es­tá lon­ge de ser fa­cil­men­te apli­ca­da a to­dos os pa­ci­en­tes. Se­gun­do Tom Sha­kes­pe­a­re, pro­fes­sor da Es­co­la de Hi­gi­e­ne e Me­di­ci­na Tro­pi­cal de Lon­dres, a pes­qui­sa re­pre­sen­ta “um avan­ço bem-vin­do e ani­ma­dor”, mas es­tá mui­to lon­ge de ser uma pos­si­bi­li­da­de clí­ni­ca uti­li­zá­vel. “Mes­mo que se­jam viá­veis, res­tri­ções de cus­to sig­ni­fi­cam que op­ções de al­ta tec­no­lo­gia nun­ca es­ta­rão dis­po­ní­veis pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as com le­sões na me­du­la.”

Pa­ra o neu­ro­lo­gis­ta e neu­ro­fi­si­o­lo­gis­ta Mar­cel Si­mis, res­pon­sá­vel pe­lo la­bo­ra­tó­rio de neu­ro­mo­du­la­ção do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na Fí­si­ca e Re­a­bi­li­ta­ção da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), o es­tu­do mos­tra im­por­tan­te avan­ço no cam­po do exo­es­que­le­to con­tro­la­do pe­lo cé­re­bro, mas a di­fi­cul­da­de é trans­for­mar si­nais ce­re­brais em co­man­dos pa­ra mo­vi­men­tos com­ple­xos. “As prin­ci­pais tec­no­lo­gi­as em es­tu­do ge­ral­men­te per­mi­tem co­man­dos mais sim­ples. Pa­ra ati­vi­da­des co­mo ca­mi­nhar, o mo­vi­men­to é mais com­ple­xo.”

Ou­tra ques­tão a ser apri­mo­ra­da é a ne­ces­si­da­de de o exo­es­que­le­to es­tar sus­pen­so no te­to pa­ra que o pa­ci­en­te con­si­ga su­por­tar o pe­so de to­da a es­tru­tu­ra. Os ci­en­tis­tas já es­tão de­bru­ça­dos so­bre is­so. Ou­tros três pa­ci­en­tes co­me­ça­ram a usar o no­vo sis­te­ma e o pró­xi­mo ob­je­ti­vo é bus­car uma so­lu­ção que per­mi­ta que a pes­soa ca­mi­nhe e man­te­nha o equi­lí­brio por con­ta pró­pria.

JU­LI­ET­TE TREILLET / EFE

Ino­va­ção. Thi­bault (aci­ma) fi­cou te­tra­plé­gi­co após cair de al­tu­ra de 15 me­tros; dis­po­si­ti­vo (à esq.) en­tre o cé­re­bro e a pe­le aju­da a con­tro­lar o mo­vi­men­to do es­que­le­to ar­ti­fi­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.