No­vo téc­ni­co no hi­pis­mo

Jo­gos de Tó­quio. Phi­lip­pe Gu­er­dat, téc­ni­co que le­vou a Fran­ça ao ou­ro na Olim­pía­da do Rio, co­man­da a equi­pe bra­si­lei­ra de sal­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Pau­lo Fa­ve­ro

Pa­ra suí­ço, País tem óti­mos ca­va­lei­ros, mas nem to­dos têm óti­mos ca­va­los.

O suí­ço Phi­lip­pe Gu­er­dat, de 68 anos, as­su­miu co­mo téc­ni­co da equi­pe de sal­to do hi­pis­mo do Bra­sil e vai co­man­dar o gru­po nos Jo­gos de Tó­quio. Ele era o trei­na­dor da Fran­ça quan­do foi cam­peã olím­pi­ca no Rio, em 2016, e é pai de Ste­ve Gu­er­dat, atu­al nú­me­ro 1 do mun­do e me­da­lha de ou­ro nos Jo­gos Olím­pi­cos de Lon­dres em 2012.

Com um cur­rí­cu­lo in­ve­já­vel, ele quer aju­dar o ti­me bra­si­lei­ro a fa­zer bo­ni­to no Ja­pão e não co­lo­ca em­pe­ci­lho pa­ra o re­tor­no do ca­va­lei­ro Ro­dri­go Pes­soa ao ti­me. Mas avi­sa que o fa­mo­so atle­ta não fa­rá par­te da equi­pe so­men­te pe­lo no­me, te­rá de mos­trar ser­vi­ço.

“Ele ne­ces­si­ta de bons re­sul­ta­dos e é is­so que co­lo­ca al­guém no ti­me. Cla­ro que Ro­dri­go é um su­per­ca­va­lei­ro, mas não é o úni­co no Bra­sil, te­mos mui­tos”, dis­se o trei­na­dor suí­ço, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do.

“Eu con­ver­sei mui­to com ele e fi­ze­mos um pla­ne­ja­men­to, pois ele fi­cou um bom tem­po sem com­pe­tir no al­to ní­vel. Ape­sar de ele ser um ca­va­lei­ro de pon­ta, pre­ci­sa me­lho­rar sem­pre. Ele es­te­ve na mi­nha po­si­ção na Ir­lan­da por dois anos, en­tão sa­be exa­ta­men­te que não é fá­cil con­ten­tar to­do mun­do. Ele pre­ci­sa pro­var, pois não é por­que é um cam­peão olím­pi­co que en­tra­rá no ti­me. Ele sa­be co­mo sou, le­gal com meus atle­tas e ri­go­ro­so nas es­co­lhas”, avi­sou Phi­lip­pe Gu­er­dat, que se co­mu­ni­ca com seus atle­tas em in­glês ou fran­cês.

O trei­na­dor es­te­ve na se­ma­na pas­sa­da acom­pa­nhan­do os ca­va­lei­ros bra­si­lei­ros no 29.º Con­cur­so de Sal­to In­ter­na­ci­o­nal e Na­ci­o­nal CSI-W e CSN In­do­or da So­ci­e­da­de Hí­pi­ca Pau­lis­ta. Ele apon­ta mui­tos bons atle­tas com chan­ce de re­pre­sen­ta­rem o País nos Jo­gos Olím­pi­cos. “Te­mos 12 ca­va­lei­ros que es­tão bem e pre­ci­so de qua­tro em óti­ma for­ma pa­ra Tó­quio. Em 11 me­ses, te­mos de aper­fei­ço­ar. Mas é im­por­tan­te fri­sar que a equi­pe não é for­ma­da pe­los qua­tro que es­ti­ve­ram em Li­ma, é fei­ta por 12 ca­va­lei­ros.”

Nos Jo­gos Pan-Ame­ri­ca­nos de Li­ma, o Bra­sil con­quis­tou a clas­si­fi­ca­ção olím­pi­ca com a me­da­lha de ou­ro. O quar­te­to foi for­ma­do por Pe­dro Ve­niss, Mar­lon Za­no­tel­li, Edu­ar­do Me­ne­zes e Ro­dri­go Lam­bre. “Foi uma com­pe­ti­ção di­fí­cil e ser­viu co­mo boa opor­tu­ni­da­de pa­ra pre­pa­ra­ção”, afir­mou Gu­er­dat.

Pa­ra ele, o Bra­sil tem óti­mos ca­va­lei­ros, mas nem to­dos pos­su­em óti­mos ca­va­los. “Cla­ro que di­nhei­ro é par­te dis­so, mas nem tu­do. Se com­prar ca­va­los jo­vens, po­de ter su­ces­so com eles, mas pa­ra is­so pre­ci­sa de tem­po. E não te­mos tem­po. É pre­ci­so com­prar ca­va­lo até o fim do ano, por­que no ano que vem não po­de fa­zer is­so pa­ra a Olim­pía­da. Te­mos al­guns bons ca­va­los e tal­vez te­re­mos um ou dois a mais”, ex­pli­cou.

Mis­são. Gu­er­dat re­ve­la que es­tá gos­tan­do de sua mis­são no Bra­sil e con­fes­sa ter si­do sur­pre­en­di­do pe­lo con­vi­te, até por­que sem­pre tra­ba­lhou nos gran­des cen­tros da mo­da­li­da­de. “Ago­ra, no fim da mi­nha car­rei­ra, apa­re­ce es­sa opor­tu­ni­da­de. Co­nhe­ço a mai­o­ria dos ca­va­lei­ros do Bra­sil há mui­to tem­po, en­tão se­rá um bom de­sa­fio. Eu gos­to dis­so e que­ro bons re­sul­ta­dos. São dez gran­des equi­pes de hi­pis­mo sal­to no mun­do e va­mos lu­tar com elas.”

Hu­mil­de, ele brin­ca di­zen­do que um téc­ni­co de hi­pis­mo não po­de fa­zer mui­ta coi­sa. Mas de­pois mos­tra sua re­le­vân­cia. “Acho que po­de­mos fa­zer a se­guin­te com­pa­ra­ção: o Bra­sil é um país do fu­te­bol e vo­cê po­de ter os me­lho­res téc­ni­cos; mas, se não ti­ver jo­ga­dor, não tem ti­me. En­tão tem de dar con­se­lhos, ver o que es­tão fa­zen­do, tra­çar um bom pla­ne­ja­men­to e de­pois vem a coi­sa mais im­por­tan­te: cons­truir uma equi­pe”, dis­se o trei­na­dor.

“O hi­pis­mo não é uma mo­da­li­da­de co­le­ti­va, mas vo­cê pre­ci­sa do ti­me. Pre­ci­sa dei­xar de la­do a vai­da­de e acei­tar o que acon­te­ce com a equi­pe. To­do país tem bons atle­tas, bons ca­va­los, mas fa­zer um ti­me é com­pli­ca­do. No hi­pis­mo, ao fi­nal dos di­as de com­pe­ti­ção vo­cê pre­ci­sa ter um pou­co de sor­te. São dez equi­pes com pos­si­bi­li­da­de de ven­cer”, con­ti­nu­ou o trei­na­dor.

Ele ex­pli­ca que, nos Jo­gos do Rio, em 2016, a equi­pe fran­ce­sa ti­nha bons ca­va­los, mas tam­bém con­tou com a sor­te. “Não é uma pro­va co­mo os 100m ra­sos do atle­tis­mo, na qual se vo­cê fi­zer 9s50 che­ga­rá na fren­te. Por is­so que di­go que é im­por­tan­te mol­dar uma equi­pe, on­de ca­da um lu­ta pe­lo ou­tro e não so­men­te por si pró­prio.”

O téc­ni­co só não gos­ta de fa­lar mui­to so­bre o seu fi­lho, um ca­va­lei­ro vi­to­ri­o­so e que vai bri­gar pe­la me­da­lha olím­pi­ca em Tó­quio. Gu­er­dat diz que se­pa­ra bem as coi­sas e que quan­do es­tão jun­tos cos­tu­mam con­ver­sar so­bre ca­va­los e o pro­gra­ma de trei­na­men­to.

“É di­fí­cil fa­lar de­le, não gos­to mui­to, mas sei que tra­ba­lha du­ro. Quan­do era jo­vem apren­deu a trei­nar e a pre­pa­rar os ca­va­los e me­lho­rou mui­to. Tal­vez não se­ja um dos me­lho­res ca­va­lei­ros do mun­do, mas em pla­ne­ja­men­to é um dos me­lho­res. Ele tra­çou sua car­rei­ra, sou or­gu­lho­so de­le”, co­men­tou Gu­er­dat.

Des­pe­di­da. Pa­ra o suí­ço, a Olim­pía­da de Tó­quio se­rá a sé­ti­ma e úl­ti­ma de que vai par­ti­ci­par. “Gos­to de cur­tir es­se mo­men­to, é a ca­da 4 anos, e se­rá mi­nha úl­ti­ma vez. Te­nho mui­tos so­nhos e sou sor­tu­do por po­der par­ti­ci­par dis­so”, con­cluiu o téc­ni­co.

Phi­lip­pe Gu­er­dat

TÉC­NI­CO DA EQUI­PE BRA­SI­LEI­RA ‘Se com­prar ca­va­los jo­vens, po­de ter su­ces­so com eles, mas pa­ra is­so pre­ci­sa de tem­po. E não te­mos tem­po. É pre­ci­so com­prar ca­va­lo até o fim do ano. Te­mos al­guns bons ca­va­los’

JF DIORIO/ESTADÃO-26/9/2019

Ex­pe­ri­ên­cia. Gu­er­dat des­ta­ca um fa­tor im­por­tan­te: ‘O hi­pis­mo não é uma mo­da­li­da­de co­le­ti­va, mas vo­cê pre­ci­sa do ti­me’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.