João Do­min­gos

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - JOÃO DO­MIN­GOS E-MAIL: JOAODOMING­[email protected] TWIT­TER: @JOAODOMING­OS14 JOÃO DO­MIN­GOS É JOR­NA­LIS­TA E ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Se­na­do e Câ­ma­ra cor­rem o ris­co de pôr a per­der par­te da boa ima­gem que cons­truí­ram ao lon­go des­te ano.

Se­na­do e Câ­ma­ra cor­rem o ris­co de pôr a per­der, se­não to­da ela, pe­lo me­nos uma par­te da boa ima­gem que cons­truí­ram nes­te ano. Lo­go de­pois da pos­se, em fe­ve­rei­ro, mui­ta gen­te olhou pa­ra a com­po­si­ção das du­as Ca­sas – es­se re­pór­ter tam­bém –, e não te­ve dú­vi­das em di­zer que era o pi­or Con­gres­so des­de o fim da di­ta­du­ra mi­li­tar.

Re­cu­pe­ra­dos da sur­pre­sa da ex­clu­são da me­sa farta do Pa­lá­cio do Pla­nal­to e da per­da do po­der de man­do so­bre a Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os e es­ta­tais, co­mo Pe­tro­brás, Ban­co do Bra­sil, Cai­xa, BNDES e Cor­rei­os, pa­ra ci­tar al­guns dos al­vos mais de­se­ja­dos, de­pu­ta­dos e se­na­do­res se re­co­lhe­ram. Fo­ram pen­sar no que fa­zer di­an­te da du­ra re­a­li­da­de que lhes im­pu­nha o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ao lhes ne­gar as te­tas do go­ver­no.

En­ten­de­ram que o me­lhor jei­to de en­fren­tar tal si­tu­a­ção sem que mor­res­sem por ina­ni­ção era fa­zer va­ler a voz e a von­ta­de do Con­gres­so. Dei­xa­ri­am de ser um apên­di­ce do Exe­cu­ti­vo, co­mo nos go­ver­nos an­te­ri­o­res, e cui­da­ri­am de uma pau­ta pró­pria. Lo­go as­su­mi­ram pa­ra si a agen­da po­si­ti­va do go­ver­no, tra­du­zi­da pri­mei­ra­men­te na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. De­cre­tos e ou­tras ini­ci­a­ti­vas do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­me­ça­ram a ser der­ru­ba­dos, a exem­plo do de­cre­to que au­men­ta­va o nú­me­ro de agen­tes pú­bli­cos au­to­ri­za­dos a di­zer o que era do­cu­men­to se­cre­to ou ul­tras­se­cre­to e do que fle­xi­bi­li­za­va a pos­se de ar­mas, subs­ti­tuí­do por um pro­je­to de lei.

Por achar que man­ter o Co­af no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça for­ta­le­ce­ria de­mais o mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro e o apa­re­lho de con­tro­le fi­nan­cei­ro, fis­cal e de in­ves­ti­ga­ção, o Con­gres­so mu­dou a me­di­da pro­vi­só­ria que re­du­ziu mi­nis­té­ri­os e fun­diu ou­tros. Sem que o go­ver­no na­da pu­des­se fa­zer, o Co­af foi de­vol­vi­do ao Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia (pos­te­ri­or­men­te o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro o trans­fe­riu pa­ra o Ban­co Cen­tral).

Tu­do o que os de­pu­ta­dos con­si­de­ra­ram que era alheio ao te­ma Pre­vi­dên­cia, e que cons­ta­va do pro­je­to de re­for­ma en­vi­a­do pe­lo go­ver­no, foi ar­ran­ca­do ain­da na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça da Câ­ma­ra. E a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia an­dou. Rá­pi­da, se­gu­ra. Era o Con­gres­so di­zen­do à so­ci­e­da­de que as­su­mia ali a agen­da po­si­ti­va pa­ra o País. Era o Con­gres­so di­zen­do que, ape­sar das apa­rên­ci­as, es­ta­va dis­pos­to a des­men­tir os que o con­si­de­ra­vam o pi­or da His­tó­ria re­cen­te.

Va­le in­sis­tir, to­da es­sa ima­gem boa, po­rém, po­de de­sa­pa­re­cer. Ao con­di­ci­o­nar a vo­ta­ção do se­gun­do tur­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia à dis­tri­bui­ção do di­nhei­ro do lei­lão do pré-sal, mar­ca­do pa­ra no­vem­bro, o Se­na­do re­duz o seu pa­pel, re­cua anos ao pas­sa­do e se ex­põe aos que acu­sam os con­gres­sis­tas de chan­ta­gem. A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia de­ve ser vis­ta co­mo um pro­je­to de País, im­por­tan­te pa­ra a re­du­ção do dé­fi­cit fis­cal e pa­ra a ma­nu­ten­ção do pró­prio sis­te­ma de apo­sen­ta­do­ri­as. Po­de-se dis­cor­dar do con­teú­do, mas não há um úni­co par­ti­do que não di­ga que a re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria não é im­por­tan­te.

Fa­la-se mui­to en­tre os se­na­do­res que eles es­tão des­con­ten­tes com o go­ver­no por­que na­da do que vem de pro­mes­sa lá das ban­das do Pa­lá­cio do Pla­nal­to é cum­pri­do. Ou que mui­tos se sen­tem traí­dos pe­la for­ma in­di­vi­du­a­lis­ta co­mo tem atu­a­do o pre­si­den­te da Ca­sa, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP). Di­fi­cul­tar a vo­ta­ção do se­gun­do tur­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se­ria uma for­ma de re­ta­li­ar o go­ver­no e o pre­si­den­te do Se­na­do. É um er­ro. A re­for­ma é do País, não do pre­si­den­te Bol­so­na­ro ou de Al­co­lum­bre. Se que­rem re­ta­liá-los, exis­tem ou­tros pro­je­tos que di­zem mui­to mais res­pei­to aos dois do que à so­ci­e­da­de. Não é pre­ci­so ir lon­ge. A in­di­ca­ção do de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP) pa­ra a Em­bai­xa­da do Bra­sil em Washing­ton é mui­to mais um de­se­jo do pai, o pre­si­den­te, que a ne­go­ci­ou com Al­co­lum­bre, do que uma ne­ces­si­da­de do País.

Atra­pa­lhar o se­gun­do tur­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é um er­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.