Fer­nan­do Rei­na­ch

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: fer­nan­[email protected]­na­ch.com MAIS IN­FOR­MA­ÇÕES: DECLINE OF THE NORTH AME­RI­CAN AVIFAUNA. SCI­EN­CE VOL. 366 PÁG. 120 (2019)

Em 1970 ha­via apro­xi­ma­da­men­te 10 bi­lhões de pas­sa­ri­nhos no Ca­na­dá e nos Es­ta­dos Uni­dos. Ho­je, são 7 bi­lhões.

Nos da­mos con­ta de que a bi­o­di­ver­si­da­de es­tá de­sa­pa­re­cen­do quan­do um ani­mal re­la­ti­va­men­te gran­de se ex­tin­gue. Foi o que acon­te­ceu com o do­do, uma ave de 1 me­tro e 15 qui­los que não vo­a­va. Des­co­ber­ta em 1598, ela foi ca­ça­da vi­o­len­ta­men­te e o úl­ti­mo exem­plar foi avis­ta­do em 1662. Aca­ba­mos com a es­pé­cie em me­nos de cem anos.

Atu­al­men­te há lis­tas de es­pé­ci­es ame­a­ça­das de ex­tin­ção e de­ze­nas de es­pé­ci­es de­sa­pa­re­cem to­dos os anos. É o ca­so do mi­co-leão-dou­ra­do, com cer­ca de 3 mil exem­pla­res nas ma­tas do li­to­ral bra­si­lei­ro e que cor­re o ris­co de de­sa­pa­re­cer. Quan­do uma es­pé­cie en­tra nes­sas lis­tas, ge­ral­men­te é tar­de, pois o sim­ples fa­to de exis­tir pou­cos exem­pla­res já in­di­ca que seu há­bi­tat es­tá mui­to res­tri­to ou em vi­as de de­sa­pa­re­cer.

Pa­ra os ci­en­tis­tas, é im­por­tan­te iden­ti­fi­car es­pé­ci­es ain­da fre­quen­tes na na­tu­re­za, mas cu­jo nú­me­ro de in­di­ví­du­os es­tá di­mi­nuin­do ra­pi­da­men­te. Es­sas es­pé­ci­es são can­di­da­tas a apa­re­cer nas lis­tas nos pró­xi­mos anos e ser ex­tin­tas em se­gui­da. O pro­ble­ma é co­mo fa­zer um cen­so do nú­me­ro de in­di­ví­du­os de uma es­pé­cie e, mais di­fí­cil, re­pro­du­zir es­se cen­so a ca­da cin­co ou dez anos pa­ra iden­ti­fi­car as es­pé­ci­es cu­ja po­pu­la­ção es­tá di­mi­nuin­do. Tec­ni­ca­men­te, é mui­to com­pli­ca­do.

Ima­gi­ne ten­tar es­ti­mar com pre­ci­são o nú­me­ro de in­di­ví­du­os de um ma­ca­co que ha­bi­ta to­da a Amazô­nia ou de on­ças pin­ta­das. As me­di­das ge­ral­men­te

são im­pre­ci­sas e as di­fe­ren­ças no nú­me­ro de in­di­ví­du­os de uma dé­ca­da pa­ra ou­tra po­dem ser sim­ples­men­te por cau­sa de er­ros nas es­ti­ma­ti­vas.

A no­vi­da­de é que os ci­en­tis­tas con­se­gui­ram es­ti­mar com a pre­ci­são ne­ces­sá­ria o nú­me­ro de in­di­ví­du­os de 529 es­pé­ci­es de pás­sa­ros que vi­vem nos Es­ta­dos Uni­dos e Ca­na­dá (que re­pre­sen­tam 76% de to­das as es­pé­ci­es na re­gião) e co­mo es­se nú­me­ro di­mi­nuiu en­tre 1970 e 2019.

Fa­zer a con­ta­gem de pás­sa­ros é mui­to mais sim­ples pois eles po­dem ser con­ta­dos vi­su­al­men­te nos lu­ga­res em que vi­vem, quan­do mi­gram ou se aglo­me­ram na épo­ca da re­pro­du­ção.

Jun­tan­do to­dos es­ses da­dos, pa­ra ca­da uma das es­pé­ci­es foi es­ti­ma­da a quan­ti­da­de de in­di­ví­du­os que vi­vi­am em ca­da um dos bi­o­mas da re­gião: la­gos e ri­os, na cos­ta, em di­fe­ren­tes ti­pos de flo­res­ta, nos cam­pos, e as­sim por di­an­te. Os re­sul­ta­dos mos­tram que em

to­dos os bi­o­mas, com uma exceção, hou­ve di­mi­nui­ção de 15% a 45% no nú­me­ro to­tal de in­di­ví­du­os, o que re­pre­sen­ta per­da de 29% no nú­me­ro to­tal de pás­sa­ros en­tre 1970 e 2019. As úni­cas es­pé­ci­es que au­men­ta­ram seus nú­me­ros são os di­fe­ren­tes ti­pos de pa­tos, mar­re­cos e si­mi­la­res que vi­vem em la­gos, la­go­as e ri­os. Es­ses au­men­ta­ram apro­xi­ma­da­men­te 12%.

A que­da é tão rá­pi­da (49 anos) e ocor­reu em tan­tas es­pé­ci­es (75% das pre­sen­tes nes­ses paí­ses) que de iní­cio os ci­en­tis­tas não acre­di­ta­ram nos da­dos. Mas de­pois des­co­bri­ram um mo­do en­ge­nho­so de con­fir­mar o re­sul­ta­do. Os ra­da­res de pre­vi­são de chu­vas de um sis­te­ma cha­ma­do Nex­rad são ca­pa­zes de de­tec­tar a quan­ti­da­de to­tal de pás­sa­ros que so­bre­vo­am Es­ta­dos Uni­dos e Ca­na­dá du­ran­te a noi­te. Eles não con­tam os pás­sa­ros nem iden­ti­fi­cam as es­pé­ci­es, mas são ca­pa­zes de me­dir a mas­sa to­tal que cru­za os céus.

Es­ses da­dos, dis­po­ní­veis des­de 2007, de­mons­tram que a quan­ti­da­de to­tal de pás­sa­ros di­mi­nuiu qua­se 15% nas áre­as mais afe­ta­das e me­nos de 5% em ou­tras áre­as. Quan­do es­ses da­dos do ra­dar são so­bre­pos­tos às con­ta­gens fei­tas nos úl­ti­mos 12 anos, con­fir­mam os nú­me­ros das con­ta­gens di­re­tas.

Em va­lo­res ab­so­lu­tos, es­se es­tu­do de­mons­tra que o nú­me­ro de pás­sa­ros di­mi­nuiu 3 bi­lhões. Em 1970 ha­via apro­xi­ma­da­men­te 10 bi­lhões de pas­sa­ri­nhos no Ca­na­dá e nos Es­ta­dos Uni­dos. Ho­je, são 7 bi­lhões. Nes­se mes­mo pe­río­do, a po­pu­la­ção hu­ma­na nes­ses paí­ses au­men­tou de 220 mi­lhões de pes­so­as pa­ra 367 mi­lhões (al­ta de 147 mi­lhões). Um ra­ci­o­cí­nio sim­plis­ta in­di­ca que, pa­ra ca­da ser hu­ma­no acres­cen­ta­do à po­pu­la­ção dos dois paí­ses, fo­ram per­di­dos 20.400 pás­sa­ros. Is­so dá uma ideia do quão mor­tais pa­ra os pás­sa­ros são as mu­dan­ças que pro­vo­ca­mos no meio am­bi­en­te. Nes­se rit­mo, nos pró­xi­mos cem anos não te­re­mos pás­sa­ros por lá. E aí, adeus aos pas­sa­ri­nhos.

Nes­se rit­mo, nos pró­xi­mos cem anos não te­re­mos pás­sa­ros nos Es­ta­dos Uni­dos e Ca­na­dá

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.