Adu­ban­do o agro­ne­gó­cio

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Bo­as no­tí­ci­as fo­ram anun­ci­a­das pa­ra o se­tor. Mi­nis­té­rio es­tá em­pe­nha­do em am­pli­ar e aper­fei­ço­ar po­lí­ti­cas bem-su­ce­di­das em ad­mi­nis­tra­ções an­te­ri­o­res.

Bo­as no­tí­ci­as pa­ra o se­tor mais com­pe­ti­ti­vo da eco­no­mia bra­si­lei­ra, o agro­ne­gó­cio, fo­ram anun­ci­a­das no co­me­ço de ou­tu­bro pe­lo go­ver­no. Cré­di­to mais far­to e mais ba­ra­to po­de­rá re­sul­tar da MP do Agro, Me­di­da Pro­vi­só­ria as­si­na­da no dia 1.º de ou­tu­bro. No mes­mo dia foi lan­ça­do o AgroNor­des­te, pro­gra­ma de apoio a pe­que­nos e mé­di­os pro­du­to­res nor­des­ti­nos. São re­sul­ta­dos tan­gí­veis, pro­du­zi­dos por um Mi­nis­té­rio em­pe­nha­do em am­pli­ar e aper­fei­ço­ar po­lí­ti­cas bem-su­ce­di­das em ad­mi­nis­tra­ções an­te­ri­o­res. A mi­nis­tra Te­re­za Cris­ti­na vem tra­ba­lhan­do com ba­se nu­ma he­ran­ça acu­mu­la­da du­ran­te dé­ca­das. Es­sa he­ran­ça é vi­sí­vel no bom abas­te­ci­men­to in­ter­no e no su­ces­so co­mer­ci­al do agro­ne­gó­cio. Com ex­por­ta­ções de US$ 64,57 bi­lhões en­tre ja­nei­ro e agos­to, o se­tor acu­mu­lou su­pe­rá­vit de US$ 55,34 bi­lhões em oi­to me­ses, ga­ran­tin­do ao País o ex­ce­den­te co­mer­ci­al de US$ 31,76 bi­lhões nes­se pe­río­do. O co­mér­cio de mer­ca­do­ri­as con­ti­nu­ou su­pe­ra­vi­tá­rio em se­tem­bro, gra­ças prin­ci­pal­men­te à efi­ci­ên­cia da agro­pe­cuá­ria.

As du­as no­vi­da­des anun­ci­a­das no co­me­ço do mês de­vem con­tri­buir pa­ra a con­ti­nu­a­ção des­sa his­tó­ria de su­ces­so. A MP do Agro de­ve pos­si­bi­li­tar, na pri­mei­ra eta­pa, a adi­ção de R$ 5 bi­lhões ao cré­di­to ru­ral, se­gun­do o sub­se­cre­tá­rio de Po­lí­ti­ca Agrí­co­la do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Ro­gé­rio Bou­e­ri. Os pro­du­to­res te­rão me­lho­res con­di­ções de ga­ran­tia, com a cri­a­ção do Fun­do de Aval Fra­ter­no (FAF) e do pa­trimô­nio de afe­ta­ção da pro­pri­e­da­de ru­ral. O FAF de­pen­de­rá da for­ma­ção de as­so­ci­a­ções pa­ra sus­ten­ta­ção do aval. Po­de­rão par­ti­ci­par pro­du­to­res agro­pe­cuá­ri­os, in­te­gran­tes da ca­deia pro­du­ti­va, for­ne­ce­do­res de in­su­mos e be­ne­fi­ci­a­do­res.

O aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to po­de­rá ocor­rer em con­di­ções mais fá­ceis e mais equi­li­bra­das com a adap­ta­ção do con­cei­to de pa­trimô­nio de afe­ta­ção. O can­di­da­to ao cré­di­to po­de­rá des­mem­brar sua pro­pri­e­da­de pa­ra com­pro­me­ter ape­nas uma par­te co­mo ga­ran­tia. No ve­lho sis­te­ma tem si­do ob­ser­va­da, com frequên­cia, uma des­pro­por­ção en­tre o bem imó­vel apre­sen­ta­do pe­lo to­ma­dor e o va­lor do em­prés­ti­mo. A pe­que­na pro­pri­e­da­de, os bens de fa­mí­lia e os di­rei­tos de ter­cei­ros con­ti­nu­am pre­ser­va­dos.

A MP do Agro tam­bém es­ten­de a em­pre­sas ce­re­a­lis­tas o aces­so a fi­nan­ci­a­men­to pa­ra cons­tru­ção e ex­pan­são de si­los e ar­ma­zéns, per­mi­te a emis­são de tí­tu­los do agro­ne­gó­cio re­fe­ren­ci­a­dos a mo­e­da es­tran­gei­ra e in­clui no­vas ins­ti­tui­ções no sis­te­ma de cré­di­to sub­ven­ci­o­na­do. Es­se ti­po de fi­nan­ci­a­men­to, com equa­li­za­ção de ta­xas de ju­ros, só era re­a­li­za­do por meio de ban­cos fe­de­rais, ban­cos co­o­pe­ra­ti­vos e co­o­pe­ra­ti­vas de cré­di­to. Com a MP do Agro, po­de­rão par­ti­ci­par do sis­te­ma to­das as ins­ti­tui­ções en­vol­vi­das no cré­di­to ru­ral.

To­das as me­di­das vol­ta­das pa­ra a me­lho­ra do sis­te­ma de ga­ran­ti­as e am­pli­a­ção da re­de fi­nan­ci­a­do­ra de­vem re­sul­tar, se­gun­do a jus­ti­fi­ca­ção ofi­ci­al, em di­nhei­ro mais ba­ra­to e mais far­to pa­ra o agro­ne­gó­cio.

O ou­tro gran­de pro­gra­ma, o AgroNor­des­te, de­ve ser im­plan­ta­do nes­te ano e no pró­xi­mo em 230 mu­ni­cí­pi­os de 9 Es­ta­dos nor­des­ti­nos e de par­te de Mi­nas Ge­rais, nu­ma área com po­pu­la­ção ru­ral de 1,7 mi­lhão de pes­so­as. Es­ses mu­ni­cí­pi­os se­rão di­vi­di­dos em 12 ter­ri­tó­ri­os. A agen­da in­clui as­sis­tên­cia téc­ni­ca, fa­ci­li­ta­ção de aces­so a mer­ca­dos di­ver­si­fi­ca­dos, mai­or or­ga­ni­za­ção de pro­du­to­res, ga­ran­tia de se­gu­ran­ça hí­dri­ca e de­sen­vol­vi­men­to de pro­du­tos com qua­li­da­de e va­lor agre­ga­do. O tra­ba­lho, com apoio de en­ti­da­des pri­va­das e pú­bli­cas, co­mo o Se­brae e ban­cos ofi­ci­ais, de­ve par­tir da aná­li­se da pro­du­ção, da vo­ca­ção pro­du­to­ra e das pos­si­bi­li­da­des de agre­ga­ção de va­lor de ca­da área se­le­ci­o­na­da. Se­rá, as­si­na­lou a mi­nis­tra, uma ex­pan­são do con­jun­to de ações já exe­cu­ta­das pe­lo Mi­nis­té­rio.

Em vez de ata­car os go­ver­na­do­res e fa­lar em res­tri­ção a re­cur­sos pa­ra o Nor­des­te, a mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra de­ci­diu cui­dar de um pla­no pa­ra for­ta­le­cer a re­gião. De­pois atri­buiu a ini­ci­a­ti­va a uma so­li­ci­ta­ção do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e o cha­mou pa­ra lan­çar o pla­no. Ela se tem es­pe­ci­a­li­za­do nes­se ti­po de ação. Já o ha­via re­a­li­za­do ao con­ver­sar com go­ver­nan­tes mu­çul­ma­nos ir­ri­ta­dos pe­la di­plo­ma­cia trum­pis­ta do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro no Ori­en­te Mé­dio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.