O Pa­co­te An­ti­cri­me

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O que se vê no pa­co­te de me­di­das é ape­nas mais uma ten­ta­ti­va de en­du­re­cer as leis pe­nais e pro­ces­su­ais pe­nais.

Ao cus­to de R$ 10 mi­lhões, o go­ver­no lan­çou uma cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria em fa­vor do cha­ma­do Pa­co­te An­ti­cri­me. Des­de fe­ve­rei­ro, quan­do foi apre­sen­ta­do pe­lo mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, o con­jun­to de pro­pos­tas le­gis­la­ti­vas tra­mi­ta no Con­gres­so. “A lei tem que es­tar aci­ma da im­pu­ni­da­de” é o slo­gan da cam­pa­nha. É pe­na que o go­ver­no te­nha en­ve­re­da­do por es­se ca­mi­nho. As mu­dan­ças pro­pos­tas não fa­vo­re­cem o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de. O que se vê no pa­co­te de me­di­das é ape­nas mais uma ten­ta­ti­va de en­du­re­cer as leis pe­nais e pro­ces­su­ais pe­nais, nu­ma re­pe­ti­ção do en­go­do a que o País tan­tas ve­zes as­sis­tiu. Atri­bui-se a cau­sa das al­tas ta­xas de cri­mi­na­li­da­de a uma le­gis­la­ção su­pos­ta­men­te bran­da e, em vez de o po­der pú­bli­co atu­ar co­mo e on­de de­ve, apre­sen­ta-se co­mo pa­na­ceia ge­ral a pro­pos­ta de uma no­va lei, mais rí­gi­da e mais de­se­qui­li­bra­da. Es­se ca­mi­nho foi tri­lha­do ou­tras ve­zes e o re­sul­ta­do foi frus­tran­te. Não há mo­ti­vo pa­ra a tei­mo­sia no mes­mo equí­vo­co, es­qui­van­do-se de en­fren­tar as ver­da­dei­ras cau­sas do cri­me.

Além de ser dis­fun­ci­o­nal, pro­me­ten­do al­go que não con­se­gui­rá re­a­li­zar, o Pa­co­te An­ti­cri­me vi­o­la di­rei­tos e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, o que faz re­co­men­dar sua com­ple­ta re­jei­ção pe­lo Con­gres­so. Às ve­zes se diz que, ex­ce­tu­a­dos al­guns ex­ces­sos, ha­ve­ria no pa­co­te pon­tos me­ri­tó­ri­os, que po­de­ri­am con­tri­buir pa­ra a me­lho­ra da se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Sob es­sa óti­ca, o pro­ble­ma do pa­co­te de Ser­gio Mo­ro re­si­di­ria ape­nas nos ex­ces­sos. Eis um no­vo en­ga­no.

La­men­ta­vel­men­te, fo­ram in­cluí­dos no pa­co­te pon­tos que afron­tam o Es­ta­do de Di­rei­to. Por exem­plo, as pro­pos­tas de al­te­ra­ção re­la­ti­vas à ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de não são me­ras am­pli­a­ções do que já exis­te, co­mo se o go­ver­no pre­ten­des­se es­ten­der a apli­ca­ção dos mes­mos cri­té­ri­os pa­ra ou­tros ca­sos. É o com­ple­to aban­do­no de cri­té­ri­os ra­zoá­veis, in­tro­du­zin­do um ele­men­to sub­je­ti­vo im­pon­de­rá­vel, que am­plia a dis­cri­ci­o­na­ri­e­da­de e a in­se­gu­ran­ça.

O Pa­co­te pre­ten­de que uma vi­o­lên­cia que não po­de ser en­qua­dra­da nu­ma ex­clu­den­te de ili­ci­tu­de – co­mo uma ati­vi­da­de po­li­ci­al que ul­tra­pas­sa os li­mi­tes do “es­tri­to cum­pri­men­to de de­ver le­gal” – re­ce­ba os mes­mos be­ne­fí­ci­os da ex­clu­den­te. Ora, is­so é ma­no­bra pa­ra a im­pu­ni­da­de de ações vi­o­len­tas pra­ti­ca­das ao ar­re­pio da lei, em cla­ra con­tra­di­ção com o slo­gan da no­va cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria.

Mas não são ape­nas es­ses gra­ves equí­vo­cos que pre­ju­di­cam o Pa­co­te An­ti­cri­me. Ele es­tá ori­en­ta­do pe­la ideia de que o au­men­to da pu­ni­ção e o de­se­qui­lí­brio pro­ces­su­al em fa­vor dos ór­gãos de re­pres­são são mo­dos efi­ci­en­tes de com­ba­ter a cri­mi­na­li­da­de. Tra­ta-se de um en­ga­no, que ge­ra um pe­ri­go­so cír­cu­lo vi­ci­o­so.

A di­mi­nui­ção dos di­rei­tos do in­ves­ti­ga­do e do réu cons­ti­tui uma ame­a­ça a to­do e qual­quer ci­da­dão, que, com is­so, fi­ca­rá ex­pos­to ao ris­co de uma con­de­na­ção pe­nal in­jus­ta. Va­le lem­brar que um sis­te­ma de Jus­ti­ça de­se­qui­li­bra­do não afe­ta ape­nas o réu cul­pa­do. To­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co fi­ca en­vi­e­sa­do com o es­trei­ta­men­to das pos­si­bi­li­da­des de con­tra­di­tó­rio. E is­so põe em ris­co o ino­cen­te, o que é inad­mis­sí­vel.

Mas es­se não é o úni­co pro­ble­ma de um sis­te­ma pro­ces­su­al de­sarmô­ni­co. Aqui­lo que, em te­se, fa­ci­li­ta­ria o tra­ba­lho dos ór­gãos de re­pres­são é, na prá­ti­ca, um po­de­ro­so es­tí­mu­lo pa­ra que es­ses ór­gãos fa­çam mal seu tra­ba­lho. De­se­qui­lí­bri­os pro­ces­su­ais trans­mi­tem a pe­ri­go­sa men­sa­gem, por exem­plo, de que uma in­ves­ti­ga­ção não pre­ci­sa se­guir es­tri­ta­men­te as re­gras pa­ra ter va­li­da­de pe­ran­te a Jus­ti­ça. Es­se efei­to re­ver­so so­bre os ór­gãos de re­pres­são é pa­ten­te na am­pli­a­ção dos pra­zos pres­cri­ci­o­nais. Em vez de fa­vo­re­cer o com­ba­te à cri­mi­na­li­da­de, a mai­or di­fi­cul­da­de pa­ra um cri­me pres­cre­ver faz com que os ór­gãos de re­pres­são se­jam me­nos di­li­gen­tes, pois não pre­ci­sam con­tar com a pre­mên­cia do tem­po. Mais do que cri­ar de­se­qui­lí­bri­os, o ca­mi­nho é, por­tan­to, as­se­gu­rar que os ór­gãos de re­pres­são atu­em com efi­ci­ên­cia den­tro da lei.

Ca­be ao Con­gres­so re­jei­tar es­sa ten­ta­ti­va de po­pu­lis­mo em ma­té­ria pe­nal. O pro­ble­ma da se­gu­ran­ça pú­bli­ca é mui­to gra­ve pa­ra que a po­pu­la­ção se frus­tre uma vez mais. O ca­mi­nho do bom Di­rei­to é sem­pre o da li­ber­da­de e o do equi­lí­brio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.