Ode­bre­cht re­cua de acu­sa­ção con­tra Lu­la

Mar­ce­lo Ode­bre­cht apon­ta con­tra­di­ções em de­poi­men­tos do pai e de Pa­loc­ci em ação

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Bre­no Pi­res / BRA­SÍ­LIA

Em de­poi­men­to à Jus­ti­ça, Mar­ce­lo Ode­bre­cht dis­se que se­ria “tre­men­da­men­te in­jus­to” con­de­nar o ex-pre­si­den­te por cor­rup­ção na li­be­ra­ção de fi­nan­ci­a­men­to por par­te do BNDES. O mo­ti­vo são “con­tra­di­ções” que vê no ca­so.

O ex-pre­si­den­te da Ode­bre­cht Mar­ce­lo Ode­bre­cht dis­se on­tem em de­poi­men­to à Jus­ti­ça que se­ria “tre­men­da­men­te in­jus­to” con­de­nar o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va por cor­rup­ção em uma ação en­vol­ven­do um fi­nan­ci­a­men­to do BNDES pa­ra obras da em­prei­tei­ra no ex­te­ri­or. O mo­ti­vo, se­gun­do ele, são “con­tra­di­ções” em ver­sões do ex­mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci e do em­pre­sá­rio Emí­lio Ode­bre­cht, pai de Mar­ce­lo, so­bre a par­ti­ci­pa­ção do pe­tis­ta no ca­so. A afir­ma­ção re­pre­sen­ta um re­cuo do ex-pre­si­den­te da Ode­bre­cht em re­la­ção a seu acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da.

A de­cla­ra­ção de Mar­ce­lo foi da­da em de­poi­men­to ao juiz Val­lis­ney de Oli­vei­ra, da 10.ª Va­ra da Jus­ti­ça Fe­de­ral em Bra­sí­lia, em pro­ces­so que tra­ta do pa­ga­men­to de pro­pi­na a in­te­gran­tes do PT em tro­ca de fa­ci­li­da­des no go­ver­no à Ode­bre­cht. Além de Lu­la e Pa­loc­ci, o ex-mi­nis­tro Pau­lo Ber­nar­do é réu na ação.

“Tu­do que eu sou­be de Lu­la foi atra­vés de meu pai, Pa­loc­ci e Ale­xan­dri­no (Alen­car, ex-exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht que fez de­la­ção). E os de­poi­men­tos de­les es­tão chei­os de con­tra­di­ções”, dis­se Mar­ce­lo, que foi ou­vi­do via vi­de­o­con­fe­rên­cia. Ele pres­tou o de­poi­men­to em Osas­co.

Mar­ce­lo ha­via men­ci­o­na­do an­tes, em de­la­ção, ter si­do pro­cu­ra­do no fim de 2009 por Pau­lo Ber­nar­do, a man­do de Lu­la, pa­ra tra­tar de um pa­ga­men­to de US$ 40 mi­lhões em tro­ca da li­be­ra­ção de uma li­nha de cré­di­to de US$ 1 bi­lhão pa­ra ex­por­ta­ção de bens e ser­vi­ços. O di­nhei­ro se­ria usa­do pe­la Ode­bre­cht pa­ra obras em An­go­la.

Na au­di­ên­cia de on­tem, po­rém, o em­prei­tei­ro ci­tou um de­poi­men­to pres­ta­do no mês pas­sa­do por Emí­lio no qual ele isen­tou Lu­la de qual­quer pe­di­do in­de­vi­do pa­ra apro­va­ção do fi­nan­ci­a­men­to. Co­mo Mar­ce­lo se ba­se­a­va em um re­la­to de seu pai en­vol­ven­do Lu­la, ele dis­se não ter co­mo sus­ten­tar a ver­são.

Con­tra­di­ção. Em de­poi­men­to em 27 de agos­to na mes­ma ação, Emí­lio dis­se que, “em ne­nhum mo­men­to”, tra­tou com Lu­la so­bre o as­sun­to. “Eu lhe con­fes­so que te­nho mi­nhas dú­vi­das se ele es­ta­va efe­ti­va­men­te en­vol­vi­do nis­so. Não acre­di­to, até pe­la re­la­ção de mais de 25 anos.”

A con­tra­di­ção ci­ta­da por Mar­ce­lo é por­que Pa­loc­ci apre­sen­tou ou­tra ver­são no de­poi­men­to que pres­tou em ju­lho à CPI do BNDES, man­ti­do sob si­gi­lo. Se­gun­do o Es­ta­do apu­rou, o ex-mi­nis­tro afir­mou ter tra­ta­do com Lu­la so­bre a des­ti­na­ção des­ses re­cur­sos acer­ta­dos com a Ode­bre­cht em con­tra­par­ti­da à am­pli­a­ção do cré­di­to da em­pre­sa no ban­co de fo­men­to.

“A es­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, eu não pos­so di­zer na­da. Por­que eu di­go uma coi­sa, meu pai dis­se que fa­lou co­mi­go, fa­lou com o Lu­la ou­tra. En­tão, eu acho que pre­ci­sa es­cla­re­cer a par­ti­ci­pa­ção de Lu­la es­pe­ci­fi­ca­men­te. Pre­ci­sa ser es­cla­re­ci­da por meu pai e por Ale­xan­dri­no. Por meu pai e Pa­loc­ci”, dis­se Mar­ce­lo on­tem. “Meu pai já dis­se que fa­la­va pa­ra mim uma coi­sa e fa­la­va pa­ra Lu­la ou­tra. Ele dis­se que se es­que­ceu de um bo­ca­do de coi­sa.”

Mar­ce­lo tam­bém cor­ri­giu uma in­for­ma­ção so­bre os va­lo­res pa­gos co­mo pro­pi­na pe­la Ode­bre­cht pa­ra ob­ter o fi­nan­ci­a­men­to. Em vez de US$ 40 mi­lhões, dis­se que fo­ram US$ 36,5 mi­lhões. Ele man­te­ve a ver­são de que o pe­di­do par­tiu de Pau­lo Ber­nar­do e que Pa­loc­ci foi o res­pon­sá­vel por ge­ren­ci­ar os va­lo­res in­de­vi­dos des­ti­na­dos ao PT.

O pro­cu­ra­dor Car­los Hen­ri­que Mar­tins de Li­ma, que atua no ca­so, dis­se ain­da não ser pos­sí­vel ava­li­ar se há pro­vas de en­vol­vi­men­to de Lu­la na ne­go­ci­a­ção. “Es­ta­mos nu­ma fa­se da ação em que não aca­ba­mos de ou­vir to­das as tes­te­mu­nhas”, afir­mou. Ele lem­brou que o pró­prio Pa­loc­ci ain­da não pres­tou de­poi­men­to na ação.

‘Vín­cu­lo’. Pa­ra o ad­vo­ga­do de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, os de­poi­men­tos de Mar­ce­lo e de Emí­lio mos­tram que o pe­tis­ta “não pra­ti­cou ne­nhum ato ilí­ci­to”. “Não há co­mo sus­ten­tar vín­cu­lo com o ex-pre­si­den­te. Se ocor­reu al­gum fa­to ilí­ci­to, não tem qual­quer par­ti­ci­pa­ção de Lu­la.”

Em no­ta, a de­fe­sa de Mar­ce­lo Ode­bre­cht dis­se que ele “sem­pre afir­mou não ser o res­pon­sá­vel pe­las tra­ta­ti­vas e pe­la re­la­ção da Ode­bre­cht com Lu­la” e “re­a­fir­ma seu com­pro­mis­so com a efe­ti­vi­da­de do seu acor­do e com a ver­da­de”.

“Tu­do que eu sou­be de Lu­la foi atra­vés de meu pai, Pa­loc­ci e Ale­xan­dri­no (Alen­car, ex-exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht que tam­bém fir­mou de­la­ção). E os de­poi­men­tos de­les es­tão chei­os de con­tra­di­ções.” Mar­ce­lo Ode­bre­cht EX-PRE­SI­DEN­TE DA ODE­BRE­CHT

GIULIANO GO­MES - 1/9/2015

Em­pre­sá­rio. Mar­ce­lo Ode­bre­cht, du­ran­te de­poi­men­to em au­di­ên­cia da CPI da Pe­tro­brás

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.