Iguais, di­fe­ren­tes – uma ins­pi­ra­ção ju­dai­ca

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - RUBEN STERNSCHEI­N

Ovi­ce-pre­si­den­te Ha­mil­ton Mou­rão abriu seu en­con­tro com par­te da li­de­ran­ça ju­dai­ca pau­lis­ta­na co­ma se­guin­tes en­ten­ça:“P ar amim, to­dos são igual­men­te bra­si­lei­ros”. A gen­til in­ten­ção da fra­se é cla­ra: não há di­fe­ren­ça re­li­gi­o­sa no que diz res­pei­to aos di­rei­tos bá­si­cos. To­da­via re­ver­be­ra no ara per­gun­ta si­len­ci­o­sa: e se não fo­rem bra­si­lei­ros? Qual o lu­gar dos imi­gran­tes nes­ses di­rei­tos? E se al­gum bra­si­lei­ro não ti­ver re­li­gião? E se não fo­rem iguais por al­gum ou­tro pa­râ­me­tro? É ne­ces­sá­rio um grau de igual­da­de pa­ra a ob­ten­ção de al­guns di­rei­tos?

Ao lon­go da His­tó­ria, os mo­vi­men­tos de di­rei­ta apre­sen­ta­ram di­fi­cul­da­des na for­ma de en­xer­gar e tra­tar qu­em não per­ten­ce à mes­ma na­ção. Os li­mi­tes da pro­mo­ção dos in­te­res­ses na­ci­o­nais, as­sim co­mo do be­mes­tar dos “pró­pri­os”, e o que po­de ser fei­to com ou­tras na­ções em prol des­ses in­te­res­ses são par­te dos mai­o­res de­sa­fi­os éti­cos des­ses mo­vi­men­tos. Lim­pe­zas ra­ci­ais por meio de de­por­ta­ções e as­sas­si­na­tos em mas­sa, co­mo pra­ti­ca­dos pe­lo na­zis­mo, fo­ram sua pi­or ex­pres­são.

Tam­bém nos mo­vi­men­tos de es­quer­da a His­tó­ria mos­trou es­sa di­fi­cul­da­de. “To­dos (os ani­mais) são iguais, mas al­guns são mais iguais que ou­tros.” As­sim de­nun­ci­ou Ge­or­ge Orwell o co­mu­nis­mo sta­li­nis­ta, em 1945, no li­vro A Re­vo­lu­ção dos Bi­chos.

Bri­tâ­ni­co so­ci­al-de­mo­cra­ta, Orwell acha­va que Sta­lin ha­via traí­do os va­lo­res co­mu­nis­tas na im­ple­men­ta­ção so­vié­ti­ca que pri­vi­le­gi­a­va os mem­bros do par­ti­do, tor­nan­do-os “mais iguais” que os de­mais mem­bros do po­vo. A cru­el re­pres­são a qual­quer pos­tu­ra, pra­ti­ca­da sob es­se re­gi­me, que não es­ti­ves­se ali­nha­da com o sis­te­ma apa­re­ceu no li­vro 1984, pu­bli­ca­do por Orwell em 1949.

O Bra­sil, co­mo ou­tros paí­ses, en­fren­ta sé­ri­os de­sa­fi­os nes­se sen­ti­do. Di­co­to­mi­as ex­tre­mas im­pe­dem que se en­xer­gue a igual­da­de por trás da di­fe­ren­ça e se aco­lha a di­fe­ren­ça den­tro da igual­da­de. As ri­va­li­da­des ide­o­ló­gi­cas e po­lí­ti­cas apa­re­cem co­mo abis­mos ir­re­con­ci­liá­veis que jus­ti­fi­cam des­le­gi­ti­miz ações e per­se­gui­ções.

O Tal­mu­de, fon­te an­ces­tral do ju­daís­mo, com­pi­la­do no sé­cu­lo 5.º, re­la­ta uma dis­cus­são en­tre dois sá­bi­os so­bre qual ver­sí­cu­lo se­ria mais dig­no de ser de­fi­ni­do co­mo o “gran­de prin­cí­pio” da tra­di­ção ju­dai­ca. O ra­bi­no Aki­va in­di­cou “ama a teu pró­xi­mo co­mo a ti mes­mo” (Le­ví­ti­co, 19:18). Ben Zo­ma dis­se que “nes­te dia cri­ou Deus o ser hu­ma­no à sua ima­gem” (Gê­ne­sis, 2:4) se­ria me­lhor, pois não co­lo­ca a ne­ces­si­da­de de ser pró­xi­mo. Os pró­xi­mos, as­sim co­mo os “dis­tan­tes”, os se­me­lhan­tes as­sim co­mo os di­fe­ren­tes são igual­men­te hu­ma­nos e ima­gem di­vi­na. Em ou­tras pa­la­vras, os di­fe­ren­tes e “dis­tan­tes” me­re­cem, as­sim, o mes­mo grau de igual­da­de pe­lo fa­to de se­rem hu­ma­nos. A con­di­ção hu­ma­na pre­va­le­ce so­bre qual­quer di­fe­ren­ça, se­ja ide­o­ló­gi­ca, ge­o­grá­fi­ca ou so­ci­al. A di­vin­da­de ser­vi­ria aqui pa­ra per­ce­ber a hu­ma­ni­da­de que iguala por ci­ma e por den­tro das di­fe­ren­ças. O la­do divino de qual­quer hu­ma­no, no qual se apoia sua dig­ni­da­de bá­si­ca, não se re­la­ci­o­na com ne­nhu­ma afi­ni­da­de par­ti­cu­lar. Ou se­ja, não é pe­la iden­ti­fi­ca­ção par­ti­dá­ria ou na­ci­o­nal que se de­ve re­co­nhe­cer a igual­da­de que dá di­rei­to a ser di­fe­ren­te.

Uma ale­go­ria ju­dai­ca da mes­ma épo­ca re­fle­te: “Qual é a di­fe­ren­ça en­tre a cri­a­ção hu­ma­na e a di­vi­na? O hu­ma­no cria mo­e­das idên­ti­cas a par­tir de uma ma­triz. Deus cri­ou hu­ma­nos di­fe­ren­tes a par­tir de um Adão”. O pe­que­no tex­to cap­tu­ra, ao mes­mo tem­po, a es­sen­ci­a­li­da­de da igual­da­de e da di­fe­ren­ça. To­dos vêm da mes­ma ma­triz, têm se­me­lhan­ças subs­tan­ci­ais e, ao mes­mo tem­po, são ex­tre­ma­men­te di­fe­ren­tes. To­dos bus­cam fe­li­ci­da­de, su­ces­so, res­pei­to, amor, re­co­nhe­ci­men­to, pra­zer e bem-es­tar, mas em con­tex­tos so­ci­ais di­fe­ren­tes, den­tro de his­tó­ri­as di­fe­ren­tes, por meio de cul­tu­ras, for­ças e fra­que­zas di­fe­ren­tes. To­dos ex­pe­ri­men­tam me­do, in­ve­ja, amor, de­sa­mor, so­li­dão, tris­te­za, rai­va e ale­gria. Ao mes­mo tem­po, as ra­zões, os con­tex­tos e os mo­dos de ex­pres­são e re­a­li­za­ção des­sas igual­da­des são úni­cos e, por­tan­to, di­fe­ren­tes.

Nos di­as que se­guem, a co­mu­ni­da­de ju­dai­ca mun­di­al ce­le­bra o ano-no­vo (Rosh haSha­ná) e, em se­gui­da, o Dia do Per­dão

(Iom Kip­pur). Pe­río­dos de re­fle­xão, es­sas fes­ti­vi­da­des re­pre­sen­tam, ao mes­mo tem­po, o ani­ver­sá­rio do mun­do e da hu­ma­ni­da­de e a mais ín­ti­ma in­tros­pec­ção do in­di­ví­duo. Uma das re­zas cen­trais des­tes di­as, re­pe­ti­da vá­ri­as ve­zes, pe­de que en­xer­gue­mos o divino em to­dos e em tu­do, a fim de que to­dos os mem­bros da hu­ma­ni­da­de se tor­nem uma gran­de uni­da­de co­la­bo­ra­ti­va. Uni­da­de sem uni­for­mi­da­de. Uni­da­de dos di­fe­ren­tes. Es­sa é a cha­ve do mo­no­teís­mo éti­co. Ce­le­bra-se o ani­ver­sá­rio de to­dos ao mes­mo tem­po e por is­so ca­da um é con­vo­ca­do a olhar fun­do den­tro de si, ci­en­te de sua par­te no con­cer­to e no con­ser­to ge­ral. Sem afo­gar me­mó­ri­as com ál­co­ol. Em ple­na cons­ci­ên­cia. O ano-no­vo ju­dai­co cha­ma-se tam­bém dia de

re­cor­da­ção e dia de jul­ga­men­to, em que se lem­bra de tu­do e to­dos. Ava­lia-se o mun­do, a hu­ma­ni­da­de e, prin­ci­pal­men­te, a par­te do in­di­ví­duo ne­la. Não se tra­ta de achar cul­pa­dos nos que ten­de­mos a de­fi­nir co­mo “os ou­tros”. Tra­ta-se de as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la uni­ci­da­de do ins­tru­men­to pes­so­al que ca­da um to­ca na gran­de or­ques­tra.

O fi­ló­so­fo fran­co-ju­deu Em­ma­nu­el Le­vi­nas apon­ta na sua re­fle­xão po­lí­ti­ca que, além de na­ções, in­te­res­ses e po­lí­ti­cas, o ob­je­to des­sa dis­ci­pli­na são po­vos, fa­mí­li­as e in­di­ví­du­os, com iguais as­pi­ra­ções pri­má­ri­as e fi­nais. É uma fer­ra­men­ta cir­cuns­cri­ta, cu­ja úni­ca jus­ti­fi­ca­ti­va é al­can­çar, na con­cre­tu­de, a pro­fun­de­za dos ide­ais hu­ma­nos. Em con­tras­te, a paz en­tre dois po­vos, se­to­res ou ide­o­lo­gi­as de­ve ser mui­to mais do que um acor­do de in­te­res­ses po­lí­ti­cos en­tre du­as na­ções. De­ve ser a ver­da­dei­ra pa­ci­fi­ca­ção de seus po­vos, fa­mí­li­as e in­di­ví­du­os (Além do

Ver­sí­cu­lo, 1980). Aque­la que, no fun­do, to­dos que­rem, por sua con­di­ção hu­ma­na an­te­ri­or e pos­te­ri­or a qual­quer di­fe­ren­ça.

No es­pí­ri­to des­tes di­as do ca­len­dá­rio ju­dai­co tal­vez cai­ba de­se­jar ao Bra­sil, e a ou­tros paí­ses que en­fren­tam po­la­ri­za­ções es­sen­ci­ais, que no ano-no­vo con­si­gam en­xer­gar e va­lo­ri­zar a di­vin­da­de hu­ma­na do ri­val, a igual­da­de do di­fe­ren­te e a di­fe­ren­ça do igual.

DOU­TOR EM FI­LO­SO­FIA JU­DAI­CA PE­LA USP, É RA­BI­NO DA CON­GRE­GA­ÇÃO IS­RA­E­LI­TA PAU­LIS­TA

A con­di­ção hu­ma­na pre­va­le­ce so­bre qual­quer di­fe­ren­ça ide­o­ló­gi­ca, ge­o­grá­fi­ca ou so­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.