Co­mo ou­sa?

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - MI­GUEL REALE JÚ­NI­OR

Afu­ga da re­a­li­da­de no dis­cur­so de Bol­so­na­ro na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU cau­sou apre­en­são. Co­mo o che­fe de Es­ta­do bra­si­lei­ro é ca­paz de pro­du­zir, pe­ran­te re­pre­sen­tan­tes de 192 paí­ses, um

pot-pour­ri cu­jos as­sun­tos des­co­ne­xos têm um ele­men­to co­mum: a fan­ta­sia?

Por sua fa­la, vi­ve-se uma cru­za­da em de­fe­sa dos cris­tãos con­tra os in­va­so­res de al­mas pa­ra se­ques­trar Deus e des­truir a fa­mí­lia, car­re­ga­dos de ide­o­lo­gi­as. Além da con­vo­ca­ção pa­ra a gu­er­ra san­ta, o pre­si­den­te dis­se so­bre a Amazô­nia: “Ela não es­tá sen­do de­vas­ta­da e nem con­su­mi­da pe­lo fo­go, co­mo diz men­ti­ro­sa­men­te a mí­dia. Ca­da um de vo­cês po­de com­pro­var o que es­tou fa­lan­do ago­ra”.

Não pre­ten­do alis­tar-me no exér­ci­to de Bol­so­le­o­ne na lu­ta con­tra os ima­gi­ná­ri­os des­trui­do­res dos va­lo­res oci­den­tais cris­tãos, mas acei­to o de­sa­fio de sa­ber o que acon­te­ce na Amazô­nia. Os re­la­tos de ór­gãos ofi­ci­ais e de ONGs, há dé­ca­das mo­ni­to­ran­do a re­gião, pre­o­cu­pam.

Já em 1981 o geó­gra­fo An­to­nio Gi­a­co­mi­ni Ri­bei­ro (Ac­ta Amaz. vol.11 n.º 2 Ma­naus Apr./Ju, www.sci­e­lo.br/sci­e­lo.php?script=sci_art­text&pid) ob­ser­va­va que o en­vio de umi­da­de pa­ra a atmosfera de­cor­ria prin­ci­pal­men­te da eva­po­trans­pi­ra­ção, an­tes da chu­va, por in­ten­sa ati­vi­da­de de fo­tos­sín­te­se e na chu­va an­tes de a água atin­gir o so­lo. E aler­ta­va o geó­gra­fo que a cri­a­ção das nu­vens ti­po “u cu­mu­lus es­far­ra­pa­dus”, pro­pí­ci­as pa­ra chu­vas, ocor­re na flo­res­ta den­sa e nem se­quer se dá em áre­as de cam­po e des­ma­ta­men­tos.

Es­se fa­to é im­por­tan­te, pois se cons­ta­tou, ao lon­go do tem­po, que a Amazô­nia pro­duz me­ta­de de su­as pró­pri­as chu­vas, for­man­do um ci­clo hi­dro­ló­gi­co fe­cha­do, ca­ben­do a per­gun­ta de El­ton Alis­son, da Fa­pesp: qual se­ria o ní­vel de des­ma­ta­men­to a par­tir do qual o ci­clo hi­dro­ló­gi­co amazô­ni­co se de­gra­da­ria (agen­cia.fa­pesp.br/print/des­ma­ta­men­to-na-ama­zo­nia-es­ta-pres­tes-a-atin­gir-li­mi­te-ir­re­ver­si­vel)?

Res­pon­dem a es­sa per­gun­ta os re­no­ma­dos pro­fes­so­res Tho­mas Lo­ve­joy e Car­los No­bre, na re­vis­ta Sci­en­ce Ad­van­ce(http://ad­van­ces.sci­en­ce­mag.org/con­tent/4/2/ea­at234) e no si­te de no­tí­ci­as Virtù. Ex­pli­cam que a Flo­res­ta Amazô­ni­ca de­pen­de do ci­clo hi­dro­ló­gi­co que ela mes­ma pro­duz, ha­ven­do des­sar­te um ní­vel de des­ma­ta­men­to além do qual es­se ci­clo per­de for­ça a pon­to de não mais pro­du­zir a chu­va ne­ces­sá­ria pa­ra a vi­da dos ecos­sis­te­mas da flo­res­ta tro­pi­cal.

Lo­ve­joy, en­tão, es­cla­re­ce que ele e Car­los No­bre, di­an­te de cir­cuns­tân­ci­as na­tu­rais e de in­ter­ven­ção hu­ma­na, re­a­va­li­a­ram pa­ra bai­xo a por­cen­ta­gem de des­ma­ta­men­to a par­tir da qual o ecos­sis­te­ma amazô­ni­co pas­sa­ria do pon­to de não re­tor­no, sen­do o tip­ping point en­tre 20% e 25%. E o pi­or: “O pon­to de não re­tor­no es­tá sen­do atin­gi­do. Es­ta si­tu­a­ção uma vez ins­ta­la­da não po­de mais ser re­ver­ti­da. Uma vez que­bra­do o ci­clo hi­dro­ló­gi­co, o ecos­sis­te­ma amazô­ni­co en­tra em co­lap­so e não mais po­de ser re­cu­pe­ra­do por me­di­das de pre­ser­va­ção”, ha­ven­do o pe­ri­go imi­nen­te de a Amazô­nia vir a ter ape­nas ve­ge­ta­ção tí­pi­ca do cer­ra­do e, por ri­co­che­te, cau­san­do se­ca no Su­des­te.

Com a par­ti­ci­pa­ção de ci­en­tis­tas bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros, co­or­de­na­do pe­lo cli­ma­to­lo­gis­ta Jo­sé Ma­ren­go, do Cen­tro Na­ci­o­nal de Mo­ni­to­ra­men­to e Aler­ta de De­sas­tres Na­tu­rais (Ce­ma­den), do Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia, pes­qui­sa so­bre o cli­ma na Amazô­nia e o que po­de acon­te­cer pe­lo des­ma­ta­men­to em gran­de es­ca­la

(Fron­ti­ers in Earth Sci­en­ce, com

o tí­tu­lo Chan­ges in Cli­ma­te and Land Use Over the Ama­zon Re­gi­on) con­cluiu: “Os efei­tos com­bi­na­dos da se­ca e do des­ma­ta­men­to, jun­ta­men­te com o fo­go, po­dem am­pli­ar os im­pac­tos e cau­sar o co­lap­so do ecos­sis­te­ma da flo­res­ta tro­pi­cal” (www.ce­ma­den.gov.br/im­pac­tos-na-ama­zo­nia).

En­tre 1o de ja­nei­ro e 29 de agos­to de 2019 o In­pe de­tec­tou 45.256 fo­cos de ca­lor no bi­o­ma Amazô­nia, o mai­or já re­gis­tra­do des­de 2010. Es­se au­men­to ex­pres­si­vo de fo­cos, com­pa­ra­do a anos an­te­ri­o­res, se ve­ri­fi­cou em pra­ti­ca­men­te to­das as ca­te­go­ri­as fun­diá­ri­as; e ape­sar da pro­te­ção am­bi­en­tal as uni­da­des de con­ser­va­ção em 2019 mos­tra­ram au­men­to sur­pre­en­den­te,

com o do­bro dos fo­cos re­gis­tra­dos em re­la­ção à mé­dia dos úl­ti­mos oi­to anos, com con­cen­tra­ção em de­ter­mi­na­das uni­da­des, co­mo a Flo­res­ta Na­ci­o­nal do Ja­man­xim.

Con­for­me no­ti­cia a WWF Bra­sil (www.wwf.org.br/?72843/ ama­zo­nia-um-em-tres-quei­ma­das-tem-re­la­cao-com-des­ma­ta­men­to), na Amazô­nia 31% dos fo­cos de quei­ma­das re­gis­tra­dos até agos­to des­te ano lo­ca­li­za­vam-se em áre­as que eram flo­res­ta até ju­lho de 2018, con­clu­são es­sa fru­to da aná­li­se fei­ta so­bre fo­cos de quei­ma­das no bi­o­ma, com ba­se em sé­ri­es his­tó­ri­cas de ima­gens de sa­té­li­te e em da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais (In­pe).

Ou­tro da­do tra­zi­do pe­la WWF Bra­sil é sig­ni­fi­ca­ti­vo: a área com aler­tas de des­ma­ta­men­to em agos­to foi de 1.394 km2, um va­lor 120% mai­or que o do mes­mo mês em 2018. So­men­te nos oi­to pri­mei­ros me­ses de 2019 a área to­tal com aler­tas de des­ma­ta­men­to foi de 6 mil km2, 62% mais do que o ob­ser­va­do no mes­mo pe­río­do em 2018.

Con­for­me ma­té­ria do si­te G1 (1.glo­bo.com/na­tu­re­za/no­ti­cia/2019/08/21/au­men­to-das-que ima­das-no-bra­sil-ve­ja-12-per­gun­tas-e-res­pos­tas-so­bre-o-te­ma.ghtml), Ane Alen­car, uma das mai­o­res es­pe­ci­a­lis­tas em in­cên­di­os na Flo­res­ta Amazô­nia, di­re­to­ra do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Am­bi­en­tal da Amazô­nia, diz: as quei­ma­das au­men­ta­ram por cau­sa do des­ma­ta­men­to, “é uma re­la­ção di­re­ta”, pois, quan­do se des­ma­ta uma área pa­ra pas­ta­gem ou agri­cul­tu­ra, ca­be se li­vrar da­que­la bi­o­mas­sa. Es­sa li­ga­ção en­tre des­ma­ta­men­to e quei­ma­da é acen­tu­a­da em ou­tra en­tre­vis­ta, dis­po­ní­vel em https://con­gres­so­em­fo­co.uol.com. br/opi­ni­ao/fo­rum/o-go­ver­no­nao-po­de-es­pa­lhar-o-fo­go-na­a­ma­zo­nia/.

Em se­tem­bro, com atu­a­ção do Exér­ci­to, re­du­ziu-se um pou­co a quei­ma­da, mas o des­ma­te, ação ile­gal que an­te­ce­de o fo­go, per­sis­te ele­va­do.

Es­tes da­dos im­põem re­cor­rer à ex­pres­são de Gre­ta Thun­berg: co­mo ou­sa, pre­si­den­te?

Ris­co de a Amazô­nia ter ape­nas ve­ge­ta­ção de cer­ra­do é imi­nen­te, e com se­cas no Su­des­te

AD­VO­GA­DO, PRO­FES­SOR TI­TU­LAR SÊ­NI­OR DA FA­CUL­DA­DE DE DI­REI­TO DA USP, MEM­BRO DA ACA­DE­MIA PAU­LIS­TA DE LE­TRAS, FOI MI­NIS­TRO DA JUS­TI­ÇA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.