Tú­nel do tem­po

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto -

Su­po­nha­mos dois jul­ga­men­tos de ca­sos idên­ti­cos, com os mes­mos pas­sos, em que te­nha ha­vi­do a tal re­cla­ma­ção da de­fe­sa so­men­te num de­les. Se va­ler es­sa re­gra da or­dem dos de­la­to­res e de­la­ta­dos só pa­ra a de­fe­sa que ti­ver re­cla­ma­do na pri­mei­ra ins­tân­cia, en­tão a jus­ti­ça não é igual pa­ra os réus, não há iso­no­mia. O de­la­ta­do que ti­ves­se re­cla­ma­do por seus (su­pos­tos) di­rei­tos se­ria pri­vi­le­gi­a­do pe­lo su­pre­mo in­ven­ci­o­nis­mo – a jus­ti­ça se faz só pa­ra um de­les. Mas, lem­bre­mo-nos, os dois ca­sos são idên­ti­cos. Além dis­so, di­go “su­pos­tos di­rei­tos” por­que lá atrás o pro­ces­so foi re­a­li­za­do res­pei­tan­do in­te­gral­men­te a le­gis­la­ção en­tão vi­gen­te. To­da­via não é pos­sí­vel que uma re­gra pro­ces­su­al no­va re­tro­a­ja pa­ra pro­ces­sos do pas­sa­do – to­da a his­tó­ria pro­ces­su­al do País te­ria de ser re­vis­ta quan­do hou­ves­se réus de­la­to­res e de­la­ta­dos. O su­pre­mo tú­nel do tem­po! OLIMPIO AL­VA­RES olim­pi­[email protected] Cotia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.