Ode­bre­cht in­ten­si­fi­ca ne­go­ci­a­ções com cre­do­res

Com fa­lên­cia pe­di­da pe­la Cai­xa es­ta se­ma­na, gru­po ten­ta en­con­trar so­lu­ção glo­bal, en­vol­ven­do to­dos os ne­gó­ci­os em vez de re­sol­ver pro­ble­mas de ma­nei­ra iso­la­da; par­te dos di­vi­den­dos da Bras­kem de­ve ali­men­tar cai­xa da cor­po­ra­ção, pa­ra con­ti­nu­ar ope­ran­do

O Estado de S. Paulo - - Política - Re­née Pe­rei­ra

Em meio ao ata­que ju­di­ci­al da Cai­xa, que nes­ta se­ma­na pe­diu a fa­lên­cia da Ode­bre­cht, o gru­po bai­a­no in­ten­si­fi­cou as ne­go­ci­a­ções com cre­do­res pa­ra ten­tar fe­char o pla­no de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. As con­ver­sas gi­ram em tor­no, so­bre­tu­do, da ven­da da pe­troquí­mi­ca Bras­kem e da re­es­tru­tu­ra­ção da At­vos – bra­ço de açú­car e ál­co­ol da Ode­bre­cht –, tam­bém em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. A so­lu­ção in­clui ain­da o des­fe­cho da re­ne­go­ci­a­ção das dí­vi­das da cons­tru­to­ra do gru­po.

Pe­la le­gis­la­ção, a em­pre­sa te­ria de fa­zer a as­sem­bleia de cre­do­res até 18 de no­vem­bro, mas a ex­pec­ta­ti­va é que a reu­nião se­ja aber­ta e sus­pen­sa em se­gui­da – prá­ti­ca co­mum no pro­ces­so ju­di­ci­al. Fon­tes ou­vi­das pe­lo Es­ta­do afir­mam que, mes­mo ace­le­ran­do o rit­mo das ne­go­ci­a­ções, na me­lhor das hi­pó­te­ses, um pla­no so­men­te se­ria fe­cha­do em de­zem­bro.

Em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al des­de 18 de ju­lho, com uma dí­vi­da de qua­se R$ 100 bi­lhões, a Ode­bre­cht ten­ta con­ven­cer os cre­do­res de que pre­ci­sa de uma so­lu­ção glo­bal, en­vol­ven­do to­dos os ne­gó­ci­os do gru­po. Por is­so, a as­sem­bleia da At­vos, mar­ca­da pa­ra 24 de ou­tu­bro, tam­bém de­ve ser aber­ta e sus­pen­sa. Is­so por­que não adi­an­ta re­sol­ver os pro­ble­mas de for­ma iso­la­da, diz uma fon­te a par do as­sun­to. Mas a pro­pos­ta não tem a apro­va­ção de to­dos os cre­do­res, prin­ci­pal­men­te quan­do se in­clui os ati­vos não ope­ra­ci­o­nais.

Nas con­tes­ta­ções apre­sen­ta­das na quin­ta-fei­ra – pra­zo fi­nal pa­ra in­cluir as ob­je­ções ao pla­no de re­cu­pe­ra­ção – os ban­cos dei­xa­ram cla­ro que não con­cor­dam com um pla­no de re­cu­pe­ra­ção úni­co, o que po­de­ria pre­ju­di­car os cre­do­res. “Até o pre­sen­te mo­men­to, não há qual­quer jus­ti­fi­ca­ti­va por par­te do gru­po do porquê se­ria ade­qua­do aglu­ti­nar em um mes­mo pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al to­das as em­pre­sas não ope­ra­ci­o­nais do gru­po, ex­cluin­do des­te pro­ce­di­men­to as em­pre­sas ope­ra­ci­o­nais”, ques­ti­o­na a Cai­xa, em seu pe­di­do de fa­lên­cia.

Di­vi­den­dos. Des­de que a em­pre­sa apre­sen­tou um pla­no de re­cu­pe­ra­ção ge­né­ri­co, ape­nas pro for­ma, as ne­go­ci­a­ções com os cre­do­res co­me­ça­ram a avan­çar. Na me­sa, es­tá uma sé­rie de ques­tões en­vol­ven­do a Bras­kem. Um de­les en­vol­ve o pa­ga­men­to de di­vi­den­dos. Na quin­ta-fei­ra, a pe­troquí­mi­ca apro­vou a dis­tri­bui­ção de R$ 667,4 mi­lhões aos aci­o­nis­tas. Des­ta fa­tia, ca­be­rá à Ode­bre­cht cer­ca de R$ 253 mi­lhões.

O va­lor de­ve­ria aba­ter dí­vi­das com os ban­cos. Mas, se­gun­do apu­rou o Es­ta­do, al­guns cre­do­res en­ten­dem que o gru­po pre­ci­sa des­ses re­cur­sos pa­ra dar an­da­men­to na re­cu­pe­ra­ção. A ex­pec­ta­ti­va é que as ins­ti­tui­ções acei­tem dei­xar es­se vo­lu­me com a com­pa­nhia pa­ra for­ta­le­cer o flu­xo de cai­xa.

Ati­vo à ven­da. A con­tra­par­ti­da, no en­tan­to, en­vol­ve a ven­da da Bras­kem pa­ra pa­gar os cre­do­res que têm ga­ran­ti­as. Além dis­so, es­sa ven­da pre­ci­sa ocor­rer num pra­zo de um ano, afir­mou uma fon­te li­ga­da às ne­go­ci­a­ções. Mas po­de ha­ver al­gu­ma fle­xi­bi­li­da­de nes­se pe­río­do de­pen­den­do do pre­ço da ação. Uma fon­te li­ga­da ao gru­po afir­ma que o tem­po de um ano pa­ra ven­der é fac­tí­vel, mas pre­ci­sa sa­ber a par­tir de quan­do es­se pra­zo co­me­ça­rá a ser con­ta­do. Ou­tro pon­to é de­fi­nir pa­ra on­de vai o va­lor da ven­da.

As ne­go­ci­a­ções, no en­tan­to, vão ser in­flu­en­ci­a­das pe­lo hu­mor da Cai­xa, que es­tá nu­ma dis­pu­ta ju­di­ci­al com a Ode­bre­cht. Na quin­ta-fei­ra, a ins­ti­tui­ção pe­diu ao juiz da re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al pa­ra de­cre­tar a fa­lên­cia do gru­po. A prin­ci­pal jus­ti­fi­ca­ti­va é que até ago­ra a em­pre­sa não apre­sen­tou ne­nhum pla­no con­sis­ten­te mos­tran­do co­mo vai se re­cu­pe­rar e co­mo irá pa­gar os cre­do­res. De acor­do com um es­pe­ci­a­lis­ta no as­sun­to, co­mo a em­pre­sa es­tá den­tro do pro­ces­so ju­di­ci­al, o pe­di­do não de­ve ser aca­ta­do pe­lo juiz.

As de­mais ins­ti­tui­ções cre­do­ras, me­nos ar­re­di­as co­mo a Cai­xa, tam­bém não fi­ca­ram fe­li­zes com o pla­no da Ode­bre­cht. Nas con­tes­ta­ções do Bra­des­co, a ins­ti­tui­ção afir­ma que “há de se im­pug­nar a ab­sur­da for­ma de pa­ga­men­to pro­pos­ta pe­lo gru­po aos cre­do­res qui­ro­gra­fá­ri­os (sem ga­ran­tia)”. Se­gun­do o pla­no, es­ses cre­do­res se­rão pa­gos por meio da subs­cri­ção de tí­tu­los de par­ti­ci­pa­ção ou ou­tros ins­tru­men­tos emi­ti­dos pe­lo gru­po. A Ode­bre­cht e a Cai­xa não se pro­nun­ci­a­ram.

JF DIORIO /ESTADÃO–13/2/2017

Pla­no. As­sem­bleia de cre­do­res de­ve ser aber­ta e fe­cha­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.