Po­lí­cia pren­de mais de 300 em on­da de pro­tes­tos.

Ma­ni­fes­ta­ções con­tra au­men­to do pre­ço dos com­bus­tí­veis fi­ze­ram go­ver­no de Le­nín Mo­re­no de­cre­tar es­ta­do de exceção por 60 di­as

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - QUI­TO e AP, com CAR­LA BRIDI

O Equador con­fir­mou on­tem que 350 pes­so­as fo­ram pre­sas du­ran­te as ma­ni­fes­ta­ções ini­ci­a­das na noi­te de qu­ar­ta con­tra o au­men­to no pre­ço dos com­bus­tí­veis após acor­do fei­to com o FMI. De acor­do com a mi­nis­tra de Go­ver­no, Ma­ría Pau­la Ro­mo, o mai­or nú­me­ro de de­ten­ções foi na ci­da­de de Gu­aya­quil: 159 de­ti­dos.

Em Qui­to, se­gun­do a mi­nis­tra, ou­tras 118 pes­so­as fo­ram de­ti­das. Pau­la Ro­mo afir­mou que, ape­sar de al­guns dos pre­sos se­rem ma­ni­fes­tan­tes, a gran­de mai­o­ria dos de­ti­dos es­te­ve en­vol­vi­da em in­ci­den­tes vi­o­len­tos “gra­ves”.

“Os par­ti­ci­pan­tes des­tas ati­vi­da­des vi­o­len­tas e de van­da­lis­mo quei­ma­ram uma Uni­da­de de Po­lí­cia Co­mu­ni­tá­ria (UPC)”, dis­se a mi­nis­tra so­bre o in­ci­den­te em Gu­aya­quil. Ou­tras 24 pes­so­as fo­ram pre­sas em pro­vín­ci­as no nor­te do Equador. Se­gun­do ela, cer­ca de 3 mil pes­so­as par­ti­ci­pa­ram de atos de van­da­lis­mo e sa­ques du­ran­te a tar­de de quin­ta-fei­ra, dia em que o pre­si­den­te Le­nín Mo­re­no de­cre­tou es­ta­do de exceção em to­do o país.

Na quin­ta-fei­ra, 35 pes­so­as fi­ca­ram fe­ri­das, en­tre elas 21 po­li­ci­ais. O mi­nis­tro da De­fe­sa, Oswal­do Jar­rín, de­fen­deu o de­cre­to de es­ta­do de exceção e atri­buiu o nú­me­ro “mí­ni­mo” de ocor­rên­ci­as re­gis­tra­das on­tem ao con­tro­le da po­lí­cia. Pau­la Ro­mo in­for­mou que vá­ri­as pro­vín­ci­as es­ta­vam re­tor­nan­do à nor­ma­li­da­de. Mes­mo as­sim, mo­to­ris­tas de trans­por­te pú­bli­co e ca­mi­nho­nei­ros con­ti­nu­a­ram em gre­ve on­tem. Sem tá­xis e ôni­bus, as es­co­las sus­pen­de­ram as au­las.

Em Qui­to, so­men­te o ser­vi­ço mu­ni­ci­pal de trans­por­te fun­ci­o­nou, o que é in­su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der a de­man­da da po­pu­la­ção, e as For­ças Ar­ma­das co­lo­ca­ram à dis­po­si­ção veí­cu­los pa­ra au­xi­li­ar na lo­co­mo­ção. Vá­ri­as pes­so­as fo­ram vis­tas ca­mi­nhan­do pa­ra o tra­ba­lho ou pe­din­do ca­ro­na a mo­to­ris­tas de veí­cu­los par­ti­cu­la­res. A pre­sen­ça de mi­li­ta­res nas ru­as de­ve du­rar 60 di­as, po­den­do ser pror­ro­ga­da por mais 30.

De­ci­são. Em de­cla­ra­ção à im­pren­sa on­tem, Mo­re­no in­sis­tiu que não vol­ta­rá atrás na eli­mi­na­ção do sub­sí­dio aos com­bus­tí­veis, me­di­da que au­men­tou em mais de 100% os pre­ços da ga­so­li­na e do di­e­sel. “Em cir­cuns­tân­cia al­gu­ma va­mos al­te­rar a me­di­da. Que fi­que cla­ro, eli­mi­nou­se o sub­sí­dio, aca­bou-se a re­vol­ta. Da­qui pa­ra fren­te, va­mos cons­truir o no­vo Equador que to­dos an­si­a­mos, que to­dos so­nha­mos.”

Mo­re­no cri­ti­cou a gre­ve dos mo­to­ris­tas. Em res­pos­ta, o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Mo­to­ris­tas de Trans­por­tes Pe­sa­dos, Luis Viz­caí­no, afir­mou que não há in­ten­ção de de­ses­ta­bi­li­zar o país. “Se as ta­ri­fas de com­bus­tí­veis fo­rem re­du­zi­das um pou­co, creio que po­de ha­ver uma saí­da pa­ra que o Equador vol­te a ter paz.”

Com o fim dos sub­sí­di­os, um gas­to es­ti­ma­do em US$ 1,3 bi­lhão por ano, a ga­so­li­na su­biu de US$ 0,48 o li­tro pa­ra US$ 0,60 e o di­e­sel de US$ 0,27 pa­ra US$ 0,60. O acor­do fei­to com o

“Em cir­cuns­tân­cia al­gu­ma va­mos al­te­rar a me­di­da. Que fi­que cla­ro, eli­mi­nou-se o sub­sí­dio, aca­bou-se com a re­vol­ta e da­qui pa­ra fren­te va­mos cons­truir no­vo Equador que to­dos an­si­a­mos e so­nha­mos’’ Le­nín Mo­re­no

PRE­SI­DEN­TE DO EQUADOR

FMI vai ofe­re­cer um em­prés­ti­mo de US$ 4,2 bi­lhões ao Equador, que po­de­rão ser pa­gos em um pra­zo de 15 anos. Ou­tros ór­gãos tam­bém fa­rão em­prés­ti­mos de US$ 6 bi­lhões.

O jor­na­lis­ta da re­de de TV Ecu­a­vi­sa, Car­los Ro­jas, ex­pli­cou ao Es­ta­do que o fa­to de a eco­no­mia ser do­la­ri­za­da po­de aju­dar a man­ter os pre­ços dos pro­du­tos e das cor­ri­das de tá­xi e pas­sa­gens de ôni­bus es­tá­veis. “Mui­tos eco­no­mis­tas acre­di­tam que, já que o Equador usa uma mo­e­da for­te e não po­de im­pri­mir sua pró­pria mo­e­da, evi­ta que exis­ta es­pe­cu­la­ção mai­or com os pre­ços. Acre­di­ta-se que os pre­ços dos pro­du­tos su­bi­rão, mas não mui­to”, dis­se. /

IVAN AL­VA­RA­DO/REU­TERS

Con­fron­to. Po­li­ci­al ten­ta con­ter ma­ni­fes­tan­te du­ran­te pro­tes­to ocor­ri­do on­tem em Qui­to

JO­SÉ JÁ­CO­ME / EFE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.