‘Re­for­ma tri­bu­tá­ria vi­rá com ou sem go­ver­no’

Apoi­a­dor da pro­pos­ta de Ber­nard Appy, ado­ta­da pe­la Câ­ma­ra, eco­no­mis­ta diz que País te­rá bai­xo cres­ci­men­to até 2021

O Estado de S. Paulo - - Economia - Jo­sé Ro­ber­to Men­don­ça de Bar­ros, eco­no­mis­ta, só­cio-fun­da­dor da MB As­so­ci­a­dos Si­mo­ne Ca­val­can­ti Ex­pan­são me­dío­cre “Qua­tro anos após a mai­or re­ces­são da his­tó­ria mo­der­na do Bra­sil es­se cres­ci­men­to de fa­to é me­dío­cre e mui­to di­fi­cil­men­te vai mu­dar. Não dá te

O só­cio-fun­da­dor da con­sul­to­ria de aná­li­se ma­cro­e­conô­mi­ca MB As­so­ci­a­dos, Jo­sé Ro­ber­to Men­don­ça de Bar­ros, diz que a re­for­ma tri­bu­tá­ria vai “an­dar” no Con­gres­so, te­nha o go­ver­no en­vi­a­do a sua pro­pos­ta ou não. Pa­ra ele, que apoia o pro­je­to do eco­no­mis­ta Ber­nard Appy en­cam­pa­do pe­la Câ­ma­ra e que es­tá em aná­li­se na Co­mis­são Es­pe­ci­al da Ca­sa, a apro­va­ção de um no­vo de­se­nho tri­bu­tá­rio tem gran­de chan­ce de ocor­rer já no pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem.

Mas, ain­da que as re­for­mas – tan­to da Pre­vi­dên­cia qu­an­to a tri­bu­tá­ria – pas­sem, o País so­fre­rá com o bai­xo cres­ci­men­to até pe­lo me­nos 2021, diz. “Qua­tro anos após a mai­or re­ces­são da his­tó­ria mo­der­na do Bra­sil, es­se cres­ci­men­to de fa­to é me­dío­cre e mui­to di­fi­cil­men­te vai mu­dar”, afir­mou.

Leia os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

De­pois da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, qual o pró­xi­mo pas­so im­por­tan­te a ser da­do?

Sem dú­vi­da, a re­for­ma tri­bu­tá­ria en­trou na dis­cus­são. E, em­bo­ra se­ja di­fí­cil ser apro­va­da nes­te ano, é ra­zoá­vel acre­di­tar que até o fim do pri­mei­ro se­mes­tre de 2020 is­so ocor­ra. Se­rá mui­to po­si­ti­vo pa­ra a re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca. Exis­te uma ques­tão que é qual re­for­ma vai en­trar. A que es­tá no Se­na­do, ori­gi­na­da no pro­je­to do ex-de­pu­ta­do (Luiz Car­los) Hauly, traz um im­pos­to se­le­ti­vo con­vi­ven­do com um de va­lor adi­ci­o­na­do. É um sis­te­ma hí­bri­do e não acho que se­ja ra­zoá­vel. A do Appy me pa­re­ce a mais sen­sa­ta do pon­to de vis­ta econô­mi­co e que en­ca­mi­nha me­lhor as ques­tões. E ago­ra os Es­ta­dos re­sol­ve­ram, por una­ni­mi­da­de, se in­cor­po­rar à re­for­ma do Appy. Na ver­da­de, acei­tam os con­cei­tos que es­tão lá e pro­põe uma go­ver­nan­ça dos Es­ta­dos, e não da União.

É a pri­mei­ra vez que há es­sa una­ni­mi­da­de?

Sim, a pri­mei­ra vez. O que é ani­ma­dor. Cla­ro, não é que to­dos fi­ca­ram bon­zi­nhos, é por­que há uma cri­se fis­cal mo­nu­men­tal nos Es­ta­dos. Mas não in­te­res­sa a ra­zão. O fa­to é que é mui­to bem-vin­da e de bom sen­so jun­tar es­sa par­te dos Es­ta­dos na re­for­ma que es­tá sen­do vo­ta­da.

E o go­ver­no fe­de­ral?

Há du­as di­fi­cul­da­des. Pri­mei­ro, for­mal­men­te, o go­ver­no fe­de­ral não mos­trou sua re­for­ma e é sur­pre­en­den­te não ter­mos is­so após dez me­ses do iní­cio do go­ver­no. Tí­nha­mos ape­nas a pro­pos­ta de uma CPMF e uma su­ges­tão de que ha­ve­ria al­gu­mas mu­dan­ças no Im­pos­to de Ren­da da Pes­soa Fí­si­ca e da Ju­rí­di­ca, a união ape­nas do PIS com a Cofins e, em tro­ca da CPMF, uma re­du­ção da con­tri­bui­ção pa­tro­nal so­bre a fo­lha de pa­ga­men­tos. Eu acha­va mui­to pou­co con­vin­cen­te tan­to a pro­pos­ta da CPMF co­mo a ideia de que a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de sa­lá­ri­os da­ria im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo no em­pre­go. To­da evi­dên­cia dis­po­ní­vel su­ge­re que o gros­so des­sa re­du­ção de tri­bu­to so­bre a fo­lha aca­ba fi­can­do na re­com­po­si­ção de mar­gem das em­pre­sas e dá pou­co re­sul­ta­do do pon­to de vis­ta de em­pre­go.

Ape­sar de tu­do is­so em an­da­men­to, a eco­no­mia se­gue min­gua­da. O que po­de­ria dar tra­ção ao cres­ci­men­to?

Nos­sa per­cep­ção aqui na MB As­so­ci­a­dos é que nes­te ano e no pró­xi­mo, in­fe­liz­men­te, o cres­ci­men­to ain­da se­rá me­dío­cre. Pro­je­ta­mos 0,9% pa­ra 2019 e 1,6% pa­ra 2020. Qua­tro anos após a mai­or re­ces­são da his­tó­ria mo­der­na do Bra­sil es­se cres­ci­men­to de fa­to é me­dío­cre e mui­to di­fi­cil­men­te vai mu­dar. Não dá tem­po pa­ra acon­te­cer.

Por quê?

Pa­ra que a gen­te pos­sa cres­cer com mais ro­bus­tez, o que é pos­sí­vel a par­tir de 2021/2022, pre­ci­sa­mos ter coi­sas a mais que não te­mos ho­je. Pri­mei­ro, é pre­ci­so con­so­li­dar a per­cep­ção de que a ques­tão fis­cal não vai nos en­go­lir. Is­so in­clui aca­bar mes­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, avan­çar na tri­bu­tá­ria e ini­ci­ar, ain­da que tar­di­a­men­te, al­gu­ma coi­sa no sen­ti­do de re­du­ção de gas­tos obri­ga­tó­ri­os.

O que mais fal­ta?

A se­gun­da coi­sa, que es­tá em an­da­men­to, mas le­va tem­po, é a con­ti­nui­da­de da que­da da ta­xa de ju­ros pe­lo Ban­co Cen­tral, a con­ti­nui­da­de das mu­dan­ças re­gu­la­tó­ri­as li­ga­das a cré­di­to e a pos­si­bi­li­da­de de as fin­te­chs (star­tups do se­tor fi­nan­cei­ro) le­va­rem a uma re­du­ção dos ju­ros na pon­ta do to­ma­dor, pois o spre­ad se­gue mui­to al­to. Nos­sa pro­je­ção é de uma Se­lic a 4,75% no fim do ano. Es­sas que­das já es­tão ten­do efei­tos po­si­ti­vos no mer­ca­do de cré­di­to.

E os in­ves­ti­men­tos, quan­do vi­rão?

O in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­tu­ra é uma ter­cei­ra par­te pa­ra a re­to­ma­da, mas que ain­da es­tá na es­ta­ca qua­se ze­ro. Se is­so não an­dar, não va­mos vol­tar a cres­cer. Pri­mei­ro por­que es­se ti­po de in­ves­ti­men­to é o úni­co mo­vi­men­to que per­mi­te au­men­tar o em­pre­go de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va no pra­zo re­la­ti­va­men­te cur­to. Co­mo so­bra es­pa­ço na in­dús­tria e no co­mér­cio, o úni­co lu­gar on­de tem es­pa­ço pa­ra in­ves­ti­men­tos é na in­fra­es­tru­tu­ra. Es­se, aliás, au­men­ta a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia no cur­to pra­zo. E co­mo os Te­sou­ros (das três es­fe­ras de go­ver­no) que­bra­ram, a úni­ca for­ma de fa­zer é via in­ves­ti­men­to pri­va­do, com con­ces­sões e pri­va­ti­za­ções.

DA­NI­EL TEI­XEI­RA/ESTADÃO - 25/3/2018 Ba­se pa­ra o PIB. Sem in­ves­ti­men­tos, País não vol­ta a cres­cer, afir­ma Men­don­ça de Bar­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.