Mais po­bres ain­da de­pen­dem de do­a­ções e do Bol­sa Fa­mí­lia

Fa­mí­li­as tam­bém vi­vem a ba­se de pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da e de pen­sões, apu­ra pes­qui­sa do IBGE

O Estado de S. Paulo - - Economia - VINÍCIUS BRI­TO, ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO, RE­CI­FE

Qu­an­to mais po­bre a fa­mí­lia, mais de­pen­den­tes ela é de pro­gra­mas de trans­fe­rên­ci­as de ren­da e de aqui­si­ções não mo­ne­tá­ri­as, ou se­ja, do­a­ções ou con­su­mo de bens e ser­vi­ços gra­tui­tos, sem a exis­tên­cia de pa­ga­men­to, co­mo ali­men­tos pro­du­zi­dos pa­ra o pró­prio con­su­mo, se­gun­do a pes­qui­sa POF do IBGE .

Os ren­di­men­tos não mo­ne­tá­ri­os e as trans­fe­rên­ci­as re­pre­sen­ta­ram qua­se 60% dos va­lo­res re­ce­bi­dos pe­las fa­mí­li­as de me­nor ren­da . Na fai­xa de ren­da fa­mi­li­ar men­sal de até dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos, ape­nas 41% dos re­cur­sos vi­nham do ren­di­men­to de tra­ba­lho. Ou­tros 28,8% eram ori­gi­ná­ri­os das trans­fe­rên­ci­as (15,8% de apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões do INSS e 7,7% de pro­gra­mas so­ci­ais fe­de­rais, co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia); 28,2% eram re­cur­sos não mo­ne­tá­ri­os e 0,3%, de alu­guéis.

Ma­ria das Do­res dos San­tos, 54, so­bre­vi­ve ape­nas com o au­xí­lio do Bol­sa Fa­mí­lia. “O va­lor não che­ga nem a R$ 100”, afir­ma. Co­mo os fi­lhos não têm con­di­ções de aju­dá-la, é pre­ci­so re­cor­rer ao pro­gra­ma so­ci­al. “Quan­do apa­re­ce uma ôia (tra­ba­lho in­for­mal) aqui e aco­lá, a pes­soa faz, mas vi­vo as­sim”. Ma­ria das Do­res, que vi­ve em co­mu­ni­da­de em Pau­lis­ta (PE), não no­ta mu­dan­ças subs­tan­ci­ais na eco­no­mia de­la nos úl­ti­mos anos. “Con­ti­nua do mes­mo jei­to, vou le­van­do”, con­ta.

Já Alex­san­dra Lu­ce­na, 39 anos, vi­ve com o ma­ri­do e os qua­tro fi­lhos, com ida­des de 5 a 16 anos, em Pau­lis­ta. A ren­da fa­mi­li­ar é ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te do Bol­sa Fa­mí­lia, do qual a do­na de ca­sa re­ce­be R$ 287 men­sal­men­te. “An­ti­ga­men­te, a gen­te não ia bem de vi­da, ago­ra, gra­ças a Deus, me­lho­rou um pou­co, não mui­to, mas dá pa­ra so­bre­vi­ver”, diz . “Não dá pa­ra com­prar mui­tas coi­sas, mas dá pa­ra le­var”. Alex­san­dra vi­ve em uma ca­sa pró­pria que ga­nhou do pai. Com o sa­lá­rio do ma­ri­do, o fa­tu­ra­men­to não che­ga a R$ 500 por mês, afir­ma. /

JF DIORIO/ESTADÃO

Bol­sa. Ma­ria não ga­nha nem R$ 100

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.