ROBÓTICA EM VEZ DE JUDÔ

Cur­sos que fo­cam tecnologia e pro­gra­ma­ção atra­em ca­da vez mais cri­an­ças e ado­les­cen­tes

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Gil­ber­to Amen­do­la

Cur­sos de robótica e pro­gra­ma­ção par acri­an­ças e ado­les­cen­tes ganham es­pa­ço an­tes ocu­pa­do por au­las de in­glês, judô ou na­ta­ção.

As cri­an­ças da ge­ra­ção pas­sa­da eram “man­da­das pa­ra o in­glês” por pais cons­ci­en­tes do di­fe­ren­ci­al que um idi­o­ma es­tran­gei­ro po­de­ria re­pre­sen­tar no fu­tu­ro de seus fi­lhos. Ho­je, ape­sar de ain­da fun­da­men­tal, o in­glês não é mais o “pu­lo do ga­to” – trans­for­mou-se em uma fer­ra­men­ta bá­si­ca. O tal di­fe­ren­ci­al tem si­do pro­cu­ra­do em ou­tra lín­gua, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te no idi­o­ma da tecnologia. Cur­sos de robótica e pro­gra­ma­ção pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes (de 5 a 17 anos) vêm se es­pa­lhan­do pe­lo País.

Ve­ja só o Mau­rí­lio Mo­ra­es, de 13 anos, que até bem pou­co tem­po ti­nha uma agen­da ocu­pa­da pe­lo in­glês, pe­la na­ta­ção e pe­lo judô. Ul­ti­ma­men­te, ele tam­bém tem as sex­tas-fei­ras, que an­tes eram li­vres, blo­que­a­das por uma ati­vi­da­de. Vo­cê po­de en­con­trá-lo, por exem­plo, con­cen­tra­do em apren­der a pro­gra­mar uma lâm­pa­da que se acen­de so­zi­nha ou um car­ri­nho in­te­li­gen­te que des­via dos obs­tá­cu­los. “Acho que no fu­tu­ro pos­so tra­ba­lhar com tecnologia”, ga­ran­te.

Nas es­co­las vi­si­ta­das pe­la re­por­ta­gem do Es­ta­do, as au­las par­tem de exer­cí­ci­os lú­di­cos (com blo­cos pa­ra en­cai­xar e apli­ca­ti­vos que já aju­dam as cri­an­ças me­no­res a co­me­çar a en­ten­der a ló­gi­ca da pro­gra­ma­ção), mas avan­çam em di­re­ção à cri­a­ção de apli­ca­ti­vos, robótica, de­sen­vol­vi­men­to de ga­mes e in­ter­net das coisas e ma­ker (au­las em que os alu­nos são in­cen­ti­va­dos a cri­a­rem ob­je­tos e exe­cu­ta­rem pro­je­tos).

Em mé­dia, o cus­to des­ses cur­sos vai de R$ 250 a R$ 450 – com au­las se­ma­nais que du­ram de 1h30 a 2 ho­ras.

“Com a pro­gra­ma­ção, a cri­an­ça co­me­ça a apren­der a pen­sar, a de­sen­vol­ver um ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co e a tra­ba­lhar com cri­a­ti­vi­da­de. Às ve­zes, os pais não en­ten­dem co­mo o in­te­res­se na­tu­ral das cri­an­ças pe­lo com­pu­ta­dor, jo­gos e YouTu­be po­de ser ca­na­li­za­do pa­ra o fu­tu­ro”, dis­se o idealizado­r da es­co­la CTRL+ Play, Hen­ri­que Nóbrega.

Mer­ca­do. Fun­da­dor da es­co­la Happy Co­de, Ro­dri­go San­tos apon­ta uma das fun­ções prá­ti­cas dos cur­sos li­vres de pro­gra­ma­ção e robótica. “Um dos gran­des pro­ble­mas no mer­ca­do de tra­ba­lho mun­di­al e, prin­ci­pal­men­te, bra­si­lei­ro é en­con­trar pro­fis­si­o­nais ca­pa­zes de criar tecnologia. Te­mos um dé­fi­cit de mão de obra nes­sa área. Em um país com tan­tos de­sem­pre­ga­dos, es­sa é uma ques­tão im­por­tan­te.”

Al­guns alu­nos, já che­gam nes­se ti­po de es­co­la im­buí­dos de es­pí­ri­to de inova­ção tec­no­ló­gi­ca, co­mo é o ca­so de João Lél­lis, de 15 anos. “Eu gos­ta­ria de criar coisas pa­ra aju­dar as pes­so­as. Acho que pos­so fa­zer is­so atra­vés da pro­gra­ma­ção”, con­ta Lél­lis, que es­ta­va tra­ba­lhan­do na au­to­ma­ção de uma ma­que­te en­vol­ven­do a sin­cro­nia de um fa­rol de trân­si­to e uma can­ce­la.

Em ou­tra au­la, fla­gra­mos os alu­nos de­sen­vol­ven­do saí­das pa­ra ga­mes – e so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas co­lo­ca­dos pe­los pró­pri­os per­so­na­gens cri­a­dos por eles. Pedro Cam­pos, de 10 anos, por exem­plo, quer fa­zer um mi­li­o­ná­rio ar­re­ca­dar di­nhei­ro pa­ra con­tra­tar pro­fes­so­res. “Ele vai ti­rar de quem tem mui­to di­nhei­ro e in­ves­tir nos pro­fes­so­res”, dis­se Pedro – que se ani­mou ao ter a sua cri­a­ção com­pa­ra­da a Ro­bin Ho­od. Pa­ra o ga­ro­to, as au­las têm fun­ci­o­na­do bem. Ele, que já so­nhou em ser as­tro­fí­si­co, tem pen­sa­do se­ri­a­men­te em se es­pe­ci­a­li­zar no de­sen­vol­vi­men­to de jo­gos.

Sustentabi­lidade. Em For­ta­le­za, o pro­fes­sor An­dré Car­do­so de­sen­vol­ve um tra­ba­lho de robótica sus­ten­tá­vel em es­co­las pú­bli­cas e par­ti­cu­la­res. Des­de 2016, ele usa cai­xas de pa­pe­lão, tam­pi­nhas de gar­ra­fa e to­da va­ri­e­da­de de li­xo ele­trô­ni­co pos­sí­vel na constru­ção de robôs. “Ti­nha a ideia de en­si­nar robótica, mas não ti­nha recursos. Daí nasceu a ideia de en­si­ná-la de for­ma sus­ten­tá­vel”, con­tou o pro­fes­sor. “Ao mes­mo tem­po em que en­si­no tecnologia, fa­lo em con­ser­va­ção do meio am­bi­en­te”, com­ple­tou.

Car­do­so afir­mou que al­guns

“A cri­an­ça co­me­ça a apren­der a pen­sar, a de­sen­vol­ver um ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co, cri­a­ti­vi­da­de. Os pais não en­ten­dem co­mo o in­te­res­se na­tu­ral das cri­an­ças pe­lo com­pu­ta­dor, jo­gos e YouTu­be po­de ser ca­na­li­za­do pa­ra o fu­tu­ro.” Hen­ri­que Nóbrega IDEALIZADO­R DA CTRL+ PLAY

dos seus alu­nos já es­tão em­pre­en­den­do a par­tir do co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do. “Eles cri­a­ram di­nos­sau­ros e ja­ca­rés que já par­ti­ci­pam de dis­pu­ta de robôs e são usados em fes­tas de cri­an­ça”, dis­se. “Mes­mo sem re­cur­so é pos­sí­vel pen­sar e tra­ba­lhar com robótica pa­ra cri­an­ças e ado­les­cen­tes”, com­ple­tou. Al­to lá. A psi­co­pe­da­go­ga e con­se­lhei­ra da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Psi­co­pe­da­go­ga (ABPp) Qué­zia Bom­bo­nat­to prefere fa­zer pon­de­ra­ções so­bre o afã tec­no­ló­gi­co de pais e cri­an­ças. “Os pais di­zem que es­tão pre­pa­ran­do os fi­lhos pa­ra o fu­tu­ro. Eu pos­so en­ten­der is­so, mas é pre­ci­so lem­brar que o fu­tu­ro não pas­sa ape­nas pe­la tecnologia”, dis­se. “O pe­ri­go é vo­cê não es­ti­mu­lar ou­tras ha­bi­li­da­des em uma cri­an­ça – e dei­xá-la aco­mo­da­da nes­se mun­do vir­tu­al”, com­ple­ta.

Pa­ra Qué­zia, tecnologia é útil co­mo fer­ra­men­ta, mas não co­mo fim. “Não po­de subs­ti­tuir ou­tros apren­di­za­dos. A cri­an­ça pre­ci­sa de ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas, de­sen­vol­ver em­pa­tia e con­vi­vên­cia em gru­po.”

Prá­ti­ca. Mau­rí­lio Mo­ra­es, 13 anos TI­A­GO QU­EI­ROZ / ES­TA­DÃO

FO­TOS TI­A­GO QU­EI­ROZ/ES­TA­DÃO

Fãs da au­la. Mau­rí­lio (ao cen­tro) já pen­sa em um fu­tu­ro li­ga­do à tecnologia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.