Will Smith em do­bro

Ator con­tra­ce­na com sua ver­são mais jo­vem.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ma­ri­a­ne Mo­ri­sawa

Ang Lee gos­ta de ex­pe­ri­men­tar no­vas tec­no­lo­gi­as. Em As Aven­tu­ras de Pi, pe­lo qual le­vou seu se­gun­do Os­car de di­re­ção, to­do o ce­ná­rio e os ani­mais eram digitais. Em A Lon­ga Ca­mi­nha­da de Billy Lynn, so­bre um sol­da­do que vol­ta pa­ra ca­sa de­pois de lutar na Guer­ra do Iraque, uti­li­zou 120 qu­a­dros por se­gun­do (em vez dos tra­di­ci­o­nais 24) e 3D.

Lee vol­ta a usar o mes­mo re­cur­so em Pro­je­to Ge­mi­ni, que es­treia na quin­ta-fei­ra, 10, no Bra­sil, mas com al­gu­mas com­pli­ca­ções, por exem­plo, um Will Smith de 23 anos de ida­de cri­a­do por uma com­bi­na­ção de cap­tu­ra de per­for­man­ce e ani­ma­ção. “Que­ro dei­xar bem cla­ro que não é re­ju­ve­nes­ci­men­to, co­mo tan­tos ou­tros fil­mes têm fei­to”, dis­se ele em entrevista co­le­ti­va em Los An­ge­les, sem ci­tar exem­plos co­mo Ca­pi­tã Mar­vel e O Ir­lan­dês. “Nós cri­a­mos um no­vo per­so­na­gem, um jo­vem Will Smith”, com­ple­tou. O pró­prio ator en­fa­ti­zou a di­fe­ren­ça. “Não sou eu, é al­guém re­cri­a­do. É co­mo os per­so­na­gens de O Rei Leão”, dis­se.

Mas é um pou­co mais com­ple­xo ain­da do que is­so. Por­que Ang Lee, mes­mo gos­tan­do de tecnologia e efei­tos vi­su­ais mi­ra­bo­lan­tes, é ba­si­ca­men­te um ator de dra­ma – seu ou­tro Os­car de di­re­ção foi por O Se­gre­do de Bro­ke­back Moun­tain,

afi­nal. “O fil­me é um th­ril­ler de ação, com um pou­co de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, mas no fun­do é um dra­ma”, ex­pli­cou o ci­ne­as­ta.

Will Smith in­ter­pre­ta Henry Bro­gan, um ma­ta­dor, que um dia se vê ca­ça­do por um ou­tro ma­ta­dor: uma ver­são mais jo­vem de si mes­mo, um clo­ne que aten­de pe­lo no­me de Ju­ni­or. “Pre­ci­sa­va ser uma pes­soa. Não um robô, mas um ser hu­ma­no de ver­da­de, um per­so­na­gem re­a­lis­ta, não ape­nas pa­ra um fil­me de ação, mas pa­ra um dra­ma”, dis­se Lee. “Eu me iden­ti­fi­quei mui­to com Henry. Se vo­cê pu­des­se vi­ver du­as ve­zes e en­con­trar sua ver­são mais jo­vem, o que di­ria pa­ra ele? E qual se­ria o seu fu­tu­ro, co­mo vi­ver com sua pró­pria tra­je­tó­ria? Es­sas ques­tões exis­ten­ci­ais es­tão es­con­di­das no en­tre­te­ni­men­to, o que é em­pol­gan­te pa­ra mim. En­tão es­se clo­ne pre­ci­sa­va ter al­ma e emo­ção.”

Pa­ra Smith, foi um desafio co­mo pou­cos em sua car­rei­ra. “Deu um pou­co de me­do, por­que seus ve­lhos tru­ques não fun­ci­o­nam. Coisas que pos­so es­con­der em 24 qu­a­dros por se­gun­do são im­pos­sí­veis de dis­far­çar em 120 qu­a­dros por se­gun­do. E com a câ­me­ra 3D to­da to­ma­da é mui­to pró­xi­ma, en­tão dá pa­ra ver ca­da po­ro. Se vo­cê fin­gir um mo­men­to, to­do o mun­do vai ver.” Qu­an­do con­tra­ce­nou con­si­go mes­mo, pri­mei­ro fil­mou to­das as ce­nas co­mo Henry, com ou­tro ator – que es­tu­dou o Will Smith aos 20 e pou­cos anos – fa­zen­do o papel de Ju­ni­or. De­pois, no fim, com a pa­ra­fer­ná­lia de cap­tu­ra de per­for­man­ce, Will Smith fez a par­te de Ju­ni­or. Há ce­nas de lu­ta, in­clu­si­ve, que fo­ram fei­tas as­sim, só que com um du­blê fa­zen­do a par­te de Ju­ni­or, já que o ros­to se­ria re­cri­a­do pe­los ar­tis­tas da WETA Di­gi­tal.

Pa­ra Ang Lee, o pro­ces­so to­do é di­fe­ren­te. “É co­mo per­ce­be­mos as pes­so­as na vi­da, não é um ator com su­as mo­ti­va­ções”, lem­brou. “En­tão a ma­nei­ra de in­ter­pre­tar es­ses per­so­na­gens com es­sas tec­no­lo­gi­as é não atu­ar, mas usar o ins­tin­to. Meu mo­do de di­ri­gir tam­bém pre­ci­sa mu­dar. Pre­ci­so fa­zer com que os per­so­na­gens fi­quem vi­vos, re­ais. Se o ator atu­ar, dá pa­ra ver que es­tá atuando. É pre­ci­so sen­tir as pro­fun­de­zas da vi­da, da emo­ção, e is­so vai atin­gir o pú­bli­co. O ator pre­ci­sa ser re­al, com­pli­ca­do, su­til, ma­du­ro. Tem de ser um ator me­lhor. Mas a re­com­pen­sa é bo­ni­ta.” Will Smith dis­se que não te­me que o ator fi­que ob­so­le­to. “Acho que não, por­que ain­da se tra­ta do co­ra­ção e da al­ma humanos. Um com­pu­ta­dor nun­ca vai ser ca­paz de re­pro­du­zir os er­ros humanos e o em­bar­go na voz”, con­si­de­rou.

Ang Lee ad­mi­tiu que não sa­be ain­da se seu ex­pe­ri­men­to deu cer­to, mas que hou­ve um apren­di­za­do em re­la­ção a Billy Lynn. “Lá foi mi­nha pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia com a ca­dên­cia mais rá­pi­da e foi co­mo se eu ti­ves­se de tro­car de re­li­gião”, con­tou. “Ti­ve de me li­vrar de al­guns dos ve­lhos mé­to­dos de fa­zer ci­ne­ma. Aqui, eu sei me­lhor o que es­tou fa­zen­do. E tam­bém é um fil­me nu­ma di­re­ção opos­ta, um ar­ti­fí­cio com­ple­to, uma his­tó­ria fic­ci­o­nal, de gê­ne­ro. Que­ria que fos­se bo­ni­to, es­tu­da­mos mui­to co­mo fa­zer a luz. Es­tou nu­ma mis­são de ten­tar des­co­brir uma no­va es­té­ti­ca no ci­ne­ma di­gi­tal, que é di­men­são com cla­re­za. Dá pa­ra so­nhar com cla­re­za? Es­sa era a mi­nha no­va ta­re­fa.”

O di­re­tor es­pe­ra que o pú­bli­co e ou­tros di­re­to­res abra­cem es­sa no­va ma­nei­ra de fa­zer ci­ne­ma. “Eu acre­di­to que há um no­vo ter­ri­tó­rio a ser ex­plo­ra­do, que vai tra­zer pes­so­as de vol­ta às sa­las de ci­ne­ma, em vez de as­sis­ti­rem na te­le­vi­são ou no iPho­ne. Por­que, num fil­me com es­sa tecnologia, vo­cê não es­tá ven­do a his­tó­ria de al­guém, mas vi­ven­ci­an­do a his­tó­ria. É uma ex­pe­ri­ên­cia imer­si­va, e eu acre­di­to tre­men­da­men­te ne­la.”

FO­TOS PARAMOUNT PICTURES

Will Smith. O ma­ta­dor que um dia se vê per­se­gui­do por uma ver­são mais jo­vem de si mes­mo, um clo­ne de 23 anos

Ci­ne­as­ta e ator. Smith co­mo o as­sas­si­no Henry Bro­gan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.