Fez bem o pre­si­den­te pe­ru­a­no em dis­sol­ver o Con­gres­so. E bem fi­ze­ram as For­ças Ar­ma­das ao res­pei­tar au­to­ri­da­de.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ma­rio Var­gas Llo­sa

Fez mui­to bem o pre­si­den­te do Pe­ru, Mar­tín Viz­car­ra, em dis­sol­ver o Con­gres­so e con­vo­car no­vas elei­ções pa­ra 26 de ja­nei­ro, da­ta que aca­ba de ser con­fir­ma­da pe­lo Tri­bu­nal Elei­to­ral. E bem fi­ze­ram as For­ças Ar­ma­das e a po­lí­cia re­co­nhe­cen­do a au­to­ri­da­de do che­fe de Es­ta­do. Não é fre­quen­te na his­tó­ria do Pe­ru que as for­ças mi­li­ta­res apoi­em um go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal co­mo o que Viz­car­ra pre­si­de. O “nor­mal” é con­tri­buí­rem pa­ra der­ru­bá-lo.

A de­ci­são de fe­char o Con­gres­so foi ri­go­ro­sa­men­te cons­ti­tu­ci­o­nal, co­mo de­mons­tra­ram vá­ri­os ju­ris­tas emi­nen­tes e co­mo ex­pli­cou ao gran­de pú­bli­co, com sua lu­ci­dez ca­rac­te­rís­ti­ca, uma das me­lho­res e mais co­ra­jo­sas jor­na­lis­tas do Pe­ru: Ro­sa Ma­ría Pa­la­ci­os. A Cons­ti­tui­ção au­to­ri­za o che­fe de Es­ta­do a fe­char o Con­gres­so se es­te ne­gar du­as ve­zes um vo­to de con­fi­an­ça, e obri­ga o pre­si­den­te a con­vo­car ime­di­a­ta­men­te elei­ções pa­ra subs­ti­tuir o Par­la­men­to des­ti­tuí­do.

Am­bas as exi­gên­ci­as fo­ram cum­pri­das. Não se tra­ta de um gol­pe de Es­ta­do, co­mo quer fa­zer crer a ali­an­ça pró­fu­ji­mo­ris­ta, que ti­nha mai­o­ria sim­ples no Con­gres­so e o ha­via trans­for­ma­do em um circo gro­tes­co de fo­ra­gi­dos e se­mi­a­nal­fa­be­tos, com pou­cas (e res­pei­tá­veis) ex­ce­ções. Por is­so, cen­te­nas de mi­lha­res de pe­ru­a­nos saí­ram às ru­as, em to­das as ci­da­des im­por­tan­tes do país, aplau­din­do Viz­car­ra e co­me­mo­ran­do a me­di­da to­ma­da em no­me da li­ber­da­de e da le­ga­li­da­de das quais a mai­o­ria par­la­men­tar de apris­tas e fu­ji­mo­ris­tas de­bo­cha­va.

Co­mo sem­pre, por bai­xo e por trás das dis­cus­sões le­gais que sus­ten­tam as ins­ti­tui­ções de uma de­mo­cra­cia, exis­tem in­te­res­ses pes­so­ais, mui­tas ve­zes, ig­nó­beis, que cos­tu­mam pre­va­le­cer. Pa­ra is­so, exis­tem a li­ber­da­de de ex­pres­são e o direito de crí­ti­ca, que, bem exer­ci­dos, fa­zem os es­cla­re­ci­men­tos e as de­nún­ci­as ne­ces­sá­ri­os, es­ta­be­le­cen­do as pri­o­ri­da­des e ti­ran­do das tre­vas a ver­da­de e a li­ber­da­de nas quais seus ini­mi­gos qui­se­ram es­con­dê-las.

Nes­se ca­so, sem a me­nor dú­vi­da, am­bos os va­lo­res es­tão re­pre­sen­ta­dos pe­la de­ci­são de Viz­car­ra. Os ver­da­dei­ros ini­mi­gos da ver­da­de e da li­ber­da­de são aque­les que até ago­ra em­por­ca­lha­ram até ex­tre­mos in­con­ce­bí­veis o Con­gres­so da re­pú­bli­ca, con­ver­ten­do-o num ins­tru­men­to da vin­gan­ça de Kei­ko Fu­ji­mo­ri con­tra Pedro Pa­blo Kuczyns­ki, que a der­ro­tou nas ur­nas em elei­ções pre­si­den­ci­ais que ela acre­di­ta­va ga­nhas – as­sim di­zi­am as pes­qui­sas.

Kei­ko, en­tão, por meio do Con­gres­so, se de­di­cou a der­ru­bar mi­nis­tros e im­pe­dir Kuczyns­ki de go­ver­nar. De sua par­te, Kuczyns­ki, que mui­tos acre­di­ta­vam ser o pre­si­den­te mais bem pre­pa­ra­do da his­tó­ria do Pe­ru (aca­bou sen­do um dos pi­o­res), ten­tou apla­car o ti­gre jo­gan­do-lhe cor­dei­ros (ou se­ja, in­dul­tan­do o ex-pre­si­den­te Al­ber­to Fu­ji­mo­ri da con­de­na­ção a 25 anos de pri­são por as­sas­si­na­to e rou­bo). Com is­so, Kuczyns­ki co­me­teu ha­ra­qui­ri po­lí­ti­co e te­ve de fi­nal­men­te re­nun­ci­ar. Es­tá ago­ra em pri­são do­mi­ci­li­ar e sob in­ves­ti­ga­ção do Po­der Ju­di­ciá­rio, acu­sa­do de mui­tos mal­fei­tos.

Pro­va­vel­men­te, na­da do que lhe acon­te­ceu te­ria che­ga­do às pro­por­ções al­can­ça­das se, no meio, não hou­ves­se sur­gi­do a fa­mo­sa Lava Jato no Bra­sil, na qual a Ode­bre­cht e as “de­la­ções pre­mi­a­das” – au­to­con­fis­sões de ilí­ci­tos em tro­ca de sen­ten­ças re­du­zi­das ou sim­bó­li­cas – re­ve­la­ram que no Pe­ru vá­ri­os pre­si­den­tes, mi­nis­tros e par­la­men­ta­res fo­ram com­pra­dos pe­la cé­le­bre empresa (e tam­bém por ou­tras) pa­ra fa­vo­re­cê-la com obras pú­bli­cas e pre­ben­das.

Is­so de­se­qui­li­brou prin­ci­pal­men­te apris­tas e fu­ji­mo­ris­tas, im­pli­ca­dos na su­jei­ra. Seu pânico fi­cou ain­da mai­or qu­an­do, a exem­plo do que ocor­ria no Bra­sil, sur­giu no Ju­di­ciá­rio pe­ru­a­no um gru­po de pro­mo­to­res ho­nes­tos e va­len­tes em­pe­nha­dos em apro­vei­tar as “de­la­ções pre­mi­a­das” pa­ra tra­zer à luz a cor­rup­ção e pu­nir os culpados.

Es­sa é a ra­zão pro­fun­da por trás do ar­bí­trio e das ile­ga­li­da­des co­me­ti­dos pe­la mai­o­ria par­la­men­tar sim­ples de apris­tas e fu­ji­mo­ris­tas que obri­gou Viz­car­ra a fe­char o Con­gres­so e con­vo­car elei­ções pa­ra subs­ti­tuí-lo. To­ma­ra que os pe­ru­a­nos vo­tem em 26 de ja­nei­ro me­lhor que nas elei­ções an­te­ri­o­res e não en­tre­guem de no­vo o Pe­ru a um Par­la­men­to tão me­dío­cre e ob­tu­so quan­to o re­cém-de­sa­pa­re­ci­do.

Con­tu­do, as próprias con­di­ções des­sas elei­ções não fa­vo­re­cem o sur­gi­men­to de mui­tos can­di­da­tos de pe­so. O tem­po de man­da­to de que dis­po­rão se­rá mui­to pe­que­no – uns 16 me­ses – e, co­mo não ha­ve­rá re­e­lei­ção, se­gun­do as no­vas re­gras elei­to­rais, os in­cen­ti­vos pa­ra os no­vos con­gres­sis­tas não são mui­to es­ti­mu­lan­tes.

Em to­do ca­so, tra­ta-se de um pas­so à fren­te na con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia no Pe­ru. Mui­tos pe­ru­a­nos, di­an­te do es­pe­tá­cu­lo ver­go­nho­so des­se Par­la­men­to, que pa­re­cia de­di­ca­do ex­clu­si­va­men­te a im­pe­dir que as ins­ti­tui­ções fun­ci­o­nas­sem e a de­fen­der a cor­rup­ção e seus lí­de­res de­so­nes­tos, ha­vi­am se de­sen­can­ta­do com a le­ga­li­da­de. “Foi pa­ra is­so que ser­vi­ram as elei­ções li­vres?”, per­gun­ta­vam-se. Ago­ra, sa­bem que, por mais er­ros que se­jam co­me­ti­dos em uma de­mo­cra­cia, nu­ma so­ci­e­da­de li­vre se po­de tra­zer ao sol que an­da mal, e es­sa é a gran­de su­pe­ri­o­ri­da­de das so­ci­e­da­des aber­tas so­bre as di­ta­du­ras.

Que­ro tam­bém des­ta­car o es­pí­ri­to cí­vi­co que le­vou tan­tos pe­ru­a­nos a re­no­var nas ru­as sua con­vic­ção de que a li­ber­da­de é sem­pre a me­lhor op­ção. Uma das coisas bo­as que exis­tem no Pe­ru, ape­sar do Con­gres­so, é a li­ber­da­de de ex­pres­são. O jor­na­lis­mo fun­ci­o­nou no país em to­dos es­ses anos ex­pres­san­do a gran­de va­ri­e­da­de po­lí­ti­ca pe­ru­a­na, e mui­tas das crí­ti­cas des­sa imprensa fo­ram cer­tei­ras e im­pe­di­ram que, na de­sor­dem exis­ten­te, a le­ga­li­da­de mor­res­se. Mas um país não fun­ci­o­na ape­nas com a de­mo­cra­cia. É im­pres­cin­dí­vel que ha­ja tra­ba­lho, que os ci­da­dãos sin­tam que exis­te igual­da­de de opor­tu­ni­da­des, que to­dos pos­sam pro­gre­dir se es­for­ça­rem-se, que exis­te uma or­dem le­gal à qual po­dem re­cor­rer as ví­ti­mas de in­jus­ti­ças e maus-tra­tos.

Cu­ri­o­sa­men­te, nes­ses anos de de­sor­dem po­lí­ti­ca, o país foi um dos pou­cos da Amé­ri­ca La­ti­na que cres­ce­ram eco­no­mi­ca­men­te. A clas­se mé­dia se am­pli­ou e, ape­sar das ca­tás­tro­fes na­tu­rais, o Pe­ru avança na cri­a­ção de ri­que­za e opor­tu­ni­da­des. Exis­te ape­nas uma man­cha nes­se pa­no­ra­ma: a ideia de que to­da mi­ne­ra­ção é ne­ga­ti­va e é pre­ci­so com­ba­tê-la pa­ra que não des­trua o meio am­bi­en­te.

É uma ideia ab­sur­da, mas se es­ten­deu além dos de­ma­go­gos de ex­tre­ma es­quer­da, que a pro­mo­vem qu­an­do a mi­ne­ra­ção le­gal cai e a ile­gal cresce – es­ta sim uma ame­a­ça gra­vís­si­ma à saúde eco­ló­gi­ca de um país. To­ma­ra que, li­ber­ta­da des­se Con­gres­so re­pe­len­te e das de­sor­dens que in­cen­ti­va­va, a de­mo­cra­cia pe­ru­a­na co­me­ce tam­bém a fun­ci­o­nar den­tro de uma le­ga­li­da­de e li­ber­da­de dig­nas do no­me.

Dis­so­lu­ção do Con­gres­so é um pas­so à fren­te da de­mo­cra­cia pe­ru­a­na

É PRÊ­MIO NO­BEL DE LI­TE­RA­TU­RA © 2019 EDICIONES EL PAÍS, SL. DI­REI­TOS RE­SER­VA­DOS. PU­BLI­CA­DO SOB LI­CEN­ÇA

PA­O­LO AGUI­LAR/EFE

Queda de bra­ço. Pro­tes­to em Li­ma em fa­vor do pre­si­den­te Viz­car­ra: pre­si­den­te ten­ta evi­tar ma­no­bra dos de­pu­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.