Ter­ra­pla­nis­mo fis­cal

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

Alen­ti­dão da re­to­ma­da da economia es­tá sen­do usa­da pe­los dou­to­res em gas­to pú­bli­co co­mo pre­tex­to pa­ra le­gi­ti­mar o ar­gu­men­to se­gun­do o qual o Es­ta­do tem o de­ver de im­pri­mir di­nhei­ro.

A de­mo­ra do Bra­sil em re­en­con­trar o ca­mi­nho do cres­ci­men­to econô­mi­co e da ge­ra­ção de em­pre­gos tem es­ti­mu­la­do a re­to­ma­da de um de­ba­te que, pa­ra o bem do País, já de­ve­ria es­tar mor­to e en­ter­ra­do. Aca­dê­mi­cos e po­lí­ti­cos vêm se sen­tin­do à von­ta­de pa­ra su­ge­rir que o pro­ble­ma do esquá­li­do de­sem­pe­nho da economia se de­ve à aus­te­ri­da­de fis­cal – ou se­ja, bas­ta­ria abrir as bur­ras do Te­sou­ro pa­ra o Bra­sil re­to­mar o cres­ci­men­to.

Es­se ti­po de pen­sa­men­to má­gi­co do­mi­nou a era lu­lo­pe­tis­ta, mar­ca­da pe­lo bor­dão “gas­to é vi­da”, que de­fi­niu de for­ma in­de­lé­vel a pas­sa­gem de Dil­ma Rous­seff pe­la Pre­si­dên­cia. Dois anos de re­ces­são cau­sa­dos pe­lo des­va­rio da­que­le go­ver­no de­ve­ri­am ter ser­vi­do pa­ra des­mo­ra­li­zar de vez qual­quer um que ou­sas­se re­cei­tar o ve­ne­no da gas­tan­ça co­mo re­mé­dio pa­ra as do­res do bai­xo cres­ci­men­to bra­si­lei­ro.

In­fe­liz­men­te, a an­gús­tia cau­sa­da pe­la len­ti­dão da re­to­ma­da da economia es­tá sen­do usa­da co­mo pre­tex­to pe­los dou­to­res do gas­to pú­bli­co pa­ra le­gi­ti­mar o ar­gu­men­to se­gun­do o qual o Es­ta­do tem o de­ver de im­pri­mir di­nhei­ro pa­ra cum­prir o papel de pro­pul­sor do de­sen­vol­vi­men­to. Não por aca­so, mui­tos dos que se ali­nham a es­se pen­sa­men­to acu­sam o go­ver­no de in­ven­tar o dé­fi­cit da Previdênci­a pa­ra jus­ti­fi­car uma re­for­ma que, em sua vi­são, des­ti­tui os po­bres do direito à apo­sen­ta­do­ria. O pa­co­te da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de é com­ple­to: o Es­ta­do não de­ve ter li­mi­te de gas­tos – e, di­an­te do ine­vi­tá­vel es­tou­ro das con­tas, é só di­zer que es­se ne­gó­cio de dé­fi­cit sim­ples­men­te não exis­te.

Não há di­fe­ren­ça subs­tan­ci­al en­tre es­se pen­sa­men­to e aque­le que ad­vo­ga que a Ter­ra po­de ser pla­na. Em am­bos os ca­sos, os dis­cur­sos são uma ten­ta­ti­va de de­sa­cre­di­tar a ciência e os fa­tos, com o ob­je­ti­vo de au­ten­ti­car nar­ra­ti­vas “al­ter­na­ti­vas”.

É per­da de tem­po en­ga­jar-se em uma dis­cus­são com os ter­ra­pla­nis­tas, por­que eles não es­tão in­te­res­sa­dos em ar­gu­men­tar na­da, mas ape­nas em cau­sar con­fu­são e re­du­zir o de­ba­te ci­en­tí­fi­co a uma dis­pu­ta en­tre tor­ci­das – na qual ven­ce quem faz mais ba­ru­lho. Do mes­mo mo­do, os de­vo­tos do Es­ta­do pró­di­go não se sen­tem obri­ga­dos a pro­var ma­te­ma­ti­ca­men­te o que di­zem, li­mi­tan­do-se a acu­sar os de­tra­to­res de “ne­o­li­be­rais” ou, pi­or, “ini­mi­gos dos po­bres”.

As­sim co­mo o País não po­de ser di­ri­gi­do por quem jul­ga vá­li­do es­pe­cu­lar so­bre o for­ma­to da Ter­ra, tam­bém é de­sa­con­se­lhá­vel per­mi­tir que a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal vol­te a ser ad­mi­ti­da, in­clu­si­ve por gen­te de den­tro do go­ver­no, co­mo so­lu­ção rá­pi­da pa­ra a cri­se. No en­tan­to, a jul­gar pe­lo no­ti­ciá­rio re­cen­te, é is­so o que vem acon­te­cen­do: o Ministério da Economia es­tá sen­do pres­si­o­na­do por in­te­gran­tes do go­ver­no a mos­trar mais “re­sul­ta­dos” – o que, em ou­tras pa­la­vras, quer di­zer “fle­xi­bi­li­zar” a aus­te­ri­da­de fis­cal pa­ra per­mi­tir gas­tos públicos que ani­mem a ar­qui­ban­ca­da, al­go es­pe­ci­al­men­te im­por­tan­te pa­ra um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que já es­tá em cam­pa­nha pa­ra a re­e­lei­ção, em­bo­ra es­te­ja­mos a três anos do plei­to. Nos bas­ti­do­res do go­ver­no, o te­to de gas­tos – me­di­da sa­lu­tar que in­ter­rom­pe a es­ca­la­da da deterioraç­ão das con­tas pú­bli­cas – es­tá lon­ge de ser uma una­ni­mi­da­de, in­clu­si­ve en­tre os mais ín­ti­mos da Pre­si­dên­cia.

Di­an­te dis­so, é bom en­fa­ti­zar que “não há má­gi­ca nem ata­lho pa­ra o cres­ci­men­to sus­ten­ta­do”, co­mo fez, em entrevista re­cen­te ao Es­ta­do, o ex-di­re­tor de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria do Ban­co Cen­tral (BC) Má­rio To­rós. “É pre­ci­so per­sis­tir nes­sa agen­da que es­tá sen­do ado­ta­da, que os re­sul­ta­dos vão apa­re­cer. Che­ga­mos mui­to perto do fun­do do po­ço e, pa­ra vol­tar, tem de per­sis­tir. Na­da de que­rer ace­le­rar”, de­cla­rou To­rós, acres­cen­tan­do que “o exem­plo da ‘no­va ma­triz econô­mi­ca’ é pa­ra fi­car gu­ar­da­do pa­ra lem­brar o de­sas­tre que foi o re­sul­ta­do e que es­ta­mos pa­gan­do até ho­je”.

O ex-di­re­tor do BC lem­bra que o Bra­sil cresce pou­co por­que há pro­ble­mas estruturai­s gra­ves, que só po­de­rão ser en­fren­ta­dos se as con­tas es­ti­ve­rem em or­dem. Sem a cor­re­ção dos de­se­qui­lí­bri­os ma­cro­e­conô­mi­cos ge­ra­dos por dé­ca­das de po­lí­ti­cas per­du­lá­ri­as, não é pos­sí­vel es­pe­rar cres­ci­men­to sus­ten­ta­do – a não ser que, se­guin­do ló­gi­ca se­me­lhan­te à do dis­cur­so dos ter­ra­pla­nis­tas, se acre­di­te que a arit­mé­ti­ca se­ja ape­nas uma ques­tão de opinião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.