A re­a­ção das cor­po­ra­ções

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página -

A Lei do Abu­so re­ti­ra a im­pu­ni­da­de de quem abu­sa do­lo­sa­men­te da au­to­ri­da­de. Mais cons­ti­tu­ci­o­nal, im­pos­sí­vel.

Bas­tou o Con­gres­so der­ru­bar 18 dos 33 ve­tos re­fe­ren­tes à Lei do Abu­so de Au­to­ri­da­de (Lei 13.869/19) pa­ra que se ir­rom­pes­se a re­a­ção das cor­po­ra­ções con­tra a no­va lei. Me­nos de uma se­ma­na de­pois de o Con­gres­so ter res­tau­ra­do ar­ti­gos im­por­tan­tes, que cri­mi­na­li­zam o exer­cí­cio abu­si­vo da au­to­ri­da­de, pro­te­gen­do, por­tan­to, ga­ran­ti­as e li­ber­da­des fun­da­men­tais dos ci­da­dãos, a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Au­di­to­res Fis­cais de Tri­bu­tos dos Mu­ni­cí­pi­os e Dis­tri­to Fe­de­ral (Ana­fis­co) e a As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos Brasileiro­s (AMB) pro­to­co­la­ram no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) du­as Ações Di­re­tas de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de con­tra a Lei 13.869/19.

A ação da Ana­fis­co in­sur­ge­se con­tra três ar­ti­gos da no­va lei que, no seu en­ten­der, res­trin­gi­ri­am o exer­cí­cio do car­go de au­di­tor fis­cal. Tal afir­ma­ção re­ve­la a con­fu­são que a en­ti­da­de faz en­tre exer­cí­cio do car­go e abu­so de po­der. Por exem­plo, a Ana­fis­co diz que o art. 29 é in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Ele pre­vê de­ten­ção de seis me­ses a dois anos a quem “pres­tar informa­ção fal­sa so­bre pro­ce­di­men­to ju­di­ci­al, po­li­ci­al, fis­cal ou ad­mi­nis­tra­ti­vo com o fim de pre­ju­di­car in­te­res­se de in­ves­ti­ga­do”. Ora, co­mo po­de fa­zer par­te do exer­cí­cio da fun­ção pú­bli­ca pres­tar informa­ção fal­sa com o fim de pre­ju­di­car a pes­soa investigad­a? Se é es­sa a li­ber­da­de de atu­a­ção que de­se­jam os au­di­to­res, mui­to ne­ces­sá­ria é a Lei do Abu­so de Au­to­ri­da­de.

Mais am­pla, a ação pro­pos­ta pe­la AMB di­ri­ge-se con­tra 16 dis­po­si­ti­vos da Lei 13.869/19. Se­gun­do a as­so­ci­a­ção, a no­va lei aten­ta­ria con­tra a in­de­pen­dên­cia ju­di­ci­al. Ora, o tex­to le­gal é cris­ta­li­no no sen­ti­do de que “a di­ver­gên­cia na in­ter­pre­ta­ção de lei ou na ava­li­a­ção de fa­tos e pro­vas não con­fi­gu­ra abu­so de au­to­ri­da­de”.

A Lei 13.869/19 não veio res­trin­gir a li­ber­da­de de in­ter­pre­ta­ção dos juí­zes na ho­ra de apli­car o Direito. O es­co­po da no­va lei é pu­nir um es­pe­cí­fi­co mo­do de exer­cer o car­go pú­bli­co: a atu­a­ção do­lo­sa con­tra a lei “com a fi­na­li­da­de es­pe­cí­fi­ca de pre­ju­di­car ou­trem ou be­ne­fi­ci­ar a si mes­mo ou a ter­cei­ro, ou, ain­da, por me­ro ca­pri­cho ou sa­tis­fa­ção pes­so­al”. A Lei 13.869/19 veio, as­sim, re­a­fir­mar o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Direito, on­de o po­der de­ve ser exer­ci­do den­tro dos es­tri­tos li­mi­tes le­gais. Não cabe im­pu­ni­da­de a quem uti­li­za do­lo­sa, ile­gal e abu­si­va­men­te o po­der do car­go pú­bli­co pa­ra in­te­res­se pes­so­al.

In­sur­gin­do-se con­tra a pos­si­bi­li­da­de de cri­mi­na­li­za­ção da con­du­ta abu­si­va de ma­gis­tra­dos, a AMB ale­ga que a no­va lei ti­pi­fi­ca “con­du­tas cu­ja po­ten­ci­a­li­da­de le­si­va é mí­ni­ma. (...) O abu­so há de ser cor­ri­gi­do em ca­da pro­ces­so, por meio de recursos pró­pri­os e ade­qua­dos e, ex­cep­ci­o­nal­men­te, por meio de san­ção dis­ci­pli­nar ad­mi­nis­tra­ti­va”. Há aqui uma gran­de dis­tor­ção, que tal­vez se­ja a ra­zão de tan­tas in­com­pre­en­sões a res­pei­to da no­va lei.

Ao con­trá­rio do que diz a AMB, a con­du­ta abu­si­va de ma­gis­tra­dos, bem co­mo de ou­tras au­to­ri­da­des, é su­ma­men­te le­si­va. Por exem­plo, uma pri­são ma­ni­fes­ta­men­te ile­gal, de­cre­ta­da com a fi­na­li­da­de es­pe­cí­fi­ca de pre­ju­di­car uma pes­soa, pro­vo­ca da­nos ir­re­pa­rá­veis. Pos­tu­lar que uma con­du­ta de tal gra­vi­da­de não de­va re­ce­ber san­ção pe­nal – no máximo, uma san­ção ad­mi­nis­tra­ti­va – é me­nos­pre­zar o va­lor da li­ber­da­de.

Co­mo bem afir­ma a AMB, o Direito Pe­nal de­ve es­tar res­tri­to à de­fe­sa dos bens ju­rí­di­cos mais re­le­van­tes. Cha­ma a aten­ção, no en­tan­to, que a en­ti­da­de não qua­li­fi­que de re­le­van­tes os bens ju­rí­di­cos pro­te­gi­dos nos dis­po­si­ti­vos da lei con­tra os quais se in­sur­ge. Eis uns exem­plos: o direito de não ser preso ile­gal­men­te, o direito ao si­lên­cio, o direito à am­pla de­fe­sa, o direito de não ser per­se­gui­do ar­bi­tra­ri­a­men­te pe­lo po­der pú­bli­co, o direito de não ter bens blo­que­a­dos ile­gal­men­te. Se is­so não me­re­cer pro­te­ção da lei, o que de­ve­rá me­re­cer? Va­le lem­brar que a Jus­ti­ça apli­ca a pe­na de de­ten­ção de seis me­ses a dois anos a quem de­sa­ca­tar fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co no exer­cí­cio da fun­ção ou em ra­zão de­la. Não é ho­ra de se ins­tau­rar um mí­ni­mo de equi­lí­brio?

A Lei 13.869/19 não re­ti­ra ne­nhu­ma vír­gu­la da au­to­ri­da­de dos juí­zes e dos fun­ci­o­ná­ri­os públicos. O que ela veio foi re­ti­rar a im­pu­ni­da­de de quem abu­sa do­lo­sa­men­te de sua au­to­ri­da­de. Mais cons­ti­tu­ci­o­nal, im­pos­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.