O ‘cha­ma­do’

O Estado de S. Paulo - - Política - ELIANE CANTANHÊDE E-MAIL: ELIANE.CAN­TA­NHE­[email protected] TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELIANE CANTANHÊDE ES­CRE­VE ÀS TER­ÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Quem acom­pa­nha de perto as ar­ti­cu­la­ções do “cen­tro de­mo­crá­ti­co” pa­ra se re­co­lo­car no jo­go po­lí­ti­co e ter al­gu­ma chan­ce em 2022 ana­li­sa que o úl­ti­mo gran­de obs­tá­cu­lo à can­di­da­tu­ra de Lu­ci­a­no Huck caiu com a entrevista de sua mu­lher, a tam­bém apre­sen­ta­do­ra An­gé­li­ca, à re­vis­ta Ma­rie Clai­re. An­gé­li­ca nun­ca quis o ma­ri­do pre­si­den­ciá­vel, mas ago­ra clas­si­fi­ca a can­di­da­tu­ra co­mo “uma es­pé­cie de cha­ma­do” e ad­mi­te: “É uma coi­sa tão especial que, se ele qui­ses­se se can­di­da­tar, eu apoi­a­ria”.

So­ou co­mo uma se­nha pa­ra o gru­po he­te­ro­gê­neo que ca­da vez se pre­o­cu­pa me­nos em es­con­der al­mo­ços, jan­ta­res e en­con­tros pa­ra dis­cu­tir o lan­ça­men­to de Huck, mais ati­vo do que nun­ca. Ora ocor­rem no Rio, ora em São Pau­lo, mas com per­so­na­gens que ex­tra­po­lam es­ses Es­ta­dos e o Ci­da­da­nia – o par­ti­do que pri­mei­ro apos­tou no po­ten­ci­al de­le.

Em 2018, Huck es­te­ve a um pas­so de se lançar, ins­ti­ga­do pe­lo ago­ra mi­nis­tro de Bol­so­na­ro Pau­lo Gu­e­des. Qua­se as­si­nou a ficha do PPS, atu­al Ci­da­da­nia, pas­sou a con­tra­tar pes­qui­sas de opinião ex­clu­si­vas e mon­tou equi­pes de es­tu­do em di­fe­ren­tes áre­as, co­mo edu­ca­ção e saúde.

Por que re­cu­ou? O prin­ci­pal mo­ti­vo foi jus­ta­men­te que o ca­sal, an­tes, co­mo ago­ra, “te­ria mais a per­der do que ga­nhar”, co­mo dis­se An­gé­li­ca à Ma­rie Clai­re. De fa­to, bas­tou Huck co­me­çar a ser ci­ta­do co­mo pre­si­den­ciá­vel, in­clu­si­ve nes­te es­pa­ço, pa­ra que seu mun­do cor de ro­sa pas­sas­se a ser in­va­di­do por fo­tos, mei­as ver­da­des, ma­le­di­cên­ci­as e fa­ke news.

Com du­as es­tre­las da TV, o ca­sal sem­pre apa­re­ce ri­co, lin­do, fe­liz e do bem. Des­li­zan­do pa­ra a po­lí­ti­ca, o no­ti­ciá­rio é totalmente di­fe­ren­te, procurando as pi­o­res bre­chas, os ân­gu­los mais des­fa­vo­rá­veis, as com­pa­nhi­as me­nos in­di­ca­das. Huck e An­gé­li­ca en­tra­ram em pânico e po­lí­ti­cos têm de ter cou­ro du­ro.

E por que o re­cuo do re­cuo? An­gé­li­ca po­li­ti­za a dis­cus­são: “Es­ta­mos num mo­men­to tão lou­co na po­lí­ti­ca que não que­ro, ja­mais, ser egoís­ta e le­vi­a­na de im­pe­dir al­go nes­se sen­ti­do” – a can­di­da­tu­ra do ma­ri­do. Quem dis­cor­da de­la quan­to ao “mo­men­to tão lou­co”? Não Fer­nan­do Hen­ri­que, que tem crí­ti­cas ao PT e a Lu­la, es­tá pre­o­cu­pa­do com os ru­mos do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro e, des­de o iní­cio, ana­li­sa a can­di­da­tu­ra Huck sem pre­con­cei­to. Foi a par­tir de de­cla­ra­ções de­le, aliás, que pas­sa­ram a olhar pa­ra Huck com prag­ma­tis­mo.

Além de FHC, o pre­si­den­te e o lí­der do Ci­da­da­nia, Ro­ber­to Frei­re e Da­ni­el Co­e­lho, ex-go­ver­na­dor Pau­lo Har­tung, eco­no­mis­ta Ar­mí­nio Fra­ga, ex-mi­nis­tro Raul Jung­mann, em­pre­sá­rio Gui­lher­me Le­al e ACM Ne­to, Ro­dri­go Maia e Men­don­ça Ne­to, do DEM. Eles bus­cam um “po­lo de­mo­crá­ti­co” pa­ra ti­rar o Bra­sil dos ex­tre­mos e “das mãos das cor­po­ra­ções pú­bli­cas e pri­va­das”.

Frei­re, um dos pri­mei­ros a apos­tar em Huck, diz que Lu­la se trans­for­mou num fa­tor per­tur­ba­dor e que Bol­so­na­ro, na ONU ,“se as­so­ci­ou co­ma ex­tre­ma di­rei­ta, na­ci­o­na­lis­ta, an­ti glo­ba­lis­ta e obs­cu­ran­tis­ta, com lai­vos de fun­da­men­ta­lis­mo”. Huck é uma al­ter­na­ti­va a es­sa po­la­ri­za­ção, mas sair em campo a três anos das elei­ções é fi­car não só su­jei­to a chu­vas e tro­vo­a­das, mas tam­bém à ma­ni­pu­la­ção de da­dos que – sus­pei­ta-se – o Pla­nal­to ten­de a con­cen­trar de­pois de in­ter­vir no ex-Co­af, na Receita ena Po­lí­cia Fe­de­ral.

Por ora, po­rém, as reu­niões são pa­ra ana­li­sar ce­ná­ri­os e da­dos de pes­qui­sas: Huck com­pe­te com Lu­la nas fai­xa s Ce De com Bol­son aron a B, mas sua for­ça vai di­mi­nuin­do e pra­ti­ca­men­te de­sa­pa­re­ce na clas­se A, dos mais ri­cos, on­de só dá Bol­so­na­ro. Lo­go, a ma­ni­fes­ta­ção de An­gé­li­ca é só uma se­nha, um co­me­ço. Há mui­tos obs­tá­cu­los, mui­tos no­mes vão sur­gir, desaparece­r, con­fun­dir, e só há uma cer­te­za: pre­si­den­tes são fa­vo­ri­tos em pro­ces­sos de re­e­lei­ção e na­da nu­ma cam­pa­nha co­mo a ve­lha e boa ca­ne­ta, BIC ou não.

An­gé­li­ca dá a se­nha pa­ra o ‘po­lo de­mo­crá­ti­co’ ar­ti­cu­lar no­me de Huck pa­ra 2022

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.