Dei­xa­ram de­san­dar

O Estado de S. Paulo - - Política - VERA MA­GA­LHÃES E-MAIL: VERA.MA­GA­LHA­[email protected] TWIT­TER: @VERAMAGALH­AES PO­LI­TI­CA.ESTADAO.COM.BR/CO­LU­NAS/VERA-MA­GA­LHA­ES/

Opro­je­to mais im­por­tan­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da economia do País cor­re o ris­co de de­san­dar na re­ta fi­nal de sua ten­sa, de­li­ca­da, mas em gran­de me­di­da bem-su­ce­di­da tra­mi­ta­ção gra­ças ao pou­co ca­so com a ne­ces­sá­ria ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca que o go­ver­no Jair Bol­so­na­ro faz ques­tão de exi­bir com cer­to or­gu­lho inex­pli­cá­vel des­de o seu iní­cio.

A re­for­ma da Previdênci­a pas­sou pe­la sua eta­pa mais pesada e di­fí­cil, a da Câ­ma­ra, com al­gum va­gar, uma boa do­se de vai­vém, mas, sur­pre­en­den­te­men­te, sem gran­des pro­tes­tos por par­te da so­ci­e­da­de co­mo um to­do.

Ex­ce­tu­an­do-se a atu­a­ção dos lob­bi­es de ser­vi­do­res e de al­gu­mas ca­te­go­ri­as mais or­ga­ni­za­das, acon­te­ceu o que nun­ca se po­de­ria ima­gi­nar nas ve­zes em que ou­tros go­ver­nos me­xe­ram, de for­ma me­nos pro­fun­da, nas apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões: a mai­o­ria da po­pu­la­ção entendeu que era ine­vi­tá­vel fa­zer a re­for­ma.

Gra­ças a is­so, à com­ple­ta fal­ta de ar­ti­cu­la­ção da opo­si­ção e à co­la­bo­ra­ção que se cri­ou en­tre o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia, e a equipe econô­mi­ca, com Pau­lo Gu­e­des e Ro­gé­rio Marinho, a re­for­ma cum­priu sua eta­pa na Câ­ma­ra com o Pa­lá­cio do Pla­nal­to au­sen­te das ne­go­ci­a­ções e só en­tran­do de vez em qu­an­do pa­ra atra­pa­lhar, co­mo Bol­so­na­ro fez na re­ta fi­nal ao ten­tar ar­ran­car al­guns bi­lhões pa­ra fa­vo­re­cer po­li­ci­ais.

Em vez de apro­vei­tar es­se em­ba­lo que o pro­je­to ga­nhou na Câ­ma­ra e apro­vá-lo ra­pi­da­men­te no Se­na­do, o go­ver­no caiu nu­ma ar­ma­di­lha tão lo­go a pro­pos­ta atra­ves­sou do Sa­lão Ver­de pa­ra o Azul: en­dos­sou a ideia de Da­vi Al­co­lum­bre e ou­tros se­na­do­res de con­di­ci­o­nar sua apro­va­ção a um tal pac­to fe­de­ra­ti­vo pa­ra sal­var Es­ta­dos da ban­car­ro­ta, em que en­tra­ram pro­je­tos que iam da di­vi­são de recursos dos lei­lões de pe­tró­leo ao adi­a­men­to da obri­ga­ção de se qui­tar pre­ca­tó­ri­os ven­ci­dos.

O que foi fes­te­ja­do co­mo uma ma­nei­ra re­pu­bli­ca­na de re­fa­zer as re­la­ções fe­de­ra­ti­vas vi­rou, na ho­ra do va­mos ver, uma fa­ca no pes­co­ço do go­ver­no, ten­do a re­for­ma co­mo re­fém. Nu­ma ação tí­pi­ca de se­ques­tra­do­res que ne­go­ci­am com a fa­mí­lia da ví­ti­ma, os se­na­do­res até apro­va­ram a pro­pos­ta em pri­mei­ro tur­no, dan­do uma “pro­va de vi­da”, mas com me­nos R$ 74,6 bi­lhões, co­mo aque­le tu­fo de ca­be­lo en­vi­a­do pa­ra que os ne­go­ci­a­do­res sai­bam que não se es­tá de brin­ca­dei­ra e que cum­pram o que pro­me­te­ram ou a coi­sa po­de pi­o­rar.

De no­vo, a ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca do go­ver­no é ine­xis­ten­te. O ge­ne­ral Luiz Eduardo Ra­mos, brin­cam se­na­do­res e de­pu­ta­dos, “não é do ramo”, e quem es­tá à fren­te da con­ver­sa, de no­vo, são Gu­e­des e com­pa­nhia. A con­ver­sa vi­rou uma ca­co­fo­nia de ali­an­ças di­fí­ceis de ma­pe­ar. Su­per­fi­ci­al­men­te, po­de-se di­zer que se­na­do­res de­fen­dem os in­te­res­ses dos Es­ta­dos na par­ti­lha de recursos do pe­tró­leo, e a Câ­ma­ra, os dos mu­ni­cí­pi­os, mas não é só is­so.

Es­ta­dos pro­du­to­res e não-pro­du­to­res tra­vam ou­tra dis­pu­ta par­ti­cu­lar, e go­ver­na­do­res do Su­des­te, Sul e Cen­tro-Oes­te co­man­dam uma re­be­lião pe­lo fa­to de os vi­zi­nhos do Nor­te e Nor­des­te es­ta­rem sen­do con­tem­pla­dos pe­lo pac­to, sen­do que os se­na­do­res des­ses Es­ta­dos não cum­pri­ram com a sua par­te de vo­tar a fa­vor da Previdênci­a. Gu­e­des ten­ta se­lar um acor­do ten­do Maia e Al­co­lum­bre co­mo fi­a­do­res, pa­ra se con­tra­por às ten­ta­ti­vas de san­grar ain­da mais o Te­sou­ro com be­nes­ses.

E on­de es­tá Bol­so­na­ro en­quan­to o pro­je­to mais im­por­tan­te dos seus qua­tro anos de man­da­to pa­de­ce em ca­ti­vei­ro? Ti­ran­do sel­fi­es com tu­ris­tas se la­men­tan­do da necessidad­e de re­a­li­zar a re­for­ma, acre­di­te quem qui­ser. Diz o di­ta­do que mui­to aju­da quem não atra­pa­lha. Qu­an­do ele se apli­ca ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e ao en­tor­no do pa­lá­cio, é mais fá­cil en­ten­der co­mo se dei­xou que a re­for­ma essencial caís­se nes­sa ci­la­da ar­ma­da pe­la ve­lha po­lí­ti­ca. É por­que a no­va é uma pi­a­da de sa­lão.

Pou­co ca­so da área po­lí­ti­ca do go­ver­no faz re­for­ma da Previdênci­a em­pa­car na re­ta fi­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.