Um pa­la­vro­so you­tu­ber no fi­gu­ri­no de de­pu­ta­do es­ta­du­al

Ma­mãe Fa­lei (DEM) se no­ta­bi­li­za pe­las ofen­sas e de­fen­de a ‘li­ber­da­de de ex­pres­são ir­res­tri­ta’

O Estado de S. Paulo - - Política - Luiz Ma­klouf Car­va­lho

Cui­da­do, lei­tor, que o de­pu­ta­do es­ta­du­al Arthur Mo­le­do do Val, do De­mo­cra­tas, mais co­nhe­ci­do co­mo Arthur Ma­mãe Fa­lei, vai abrir a bo­ca. Ele tem 33 anos, é sol­tei­ro, e foi o se­gun­do mais vo­ta­do na elei­ção do ano passado, com 478.280 vo­tos. Te­ve as con­tas da cam­pa­nha de­fi­ni­ti­va­men­te de­sa­pro­va­das, por ir­re­gu­la­res, pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral. E man­tém a lín­gua mais ir­res­pon­sa­vel­men­te fe­ri­na en­tre os jo­vens po­lí­ti­cos da no­va sa­fra. Qual de­les di­ria, por exem­plo, ti­rem as cri­an­ças da sa­la, que “mi­nis­tro do STF é um ban­do de fi­lho da pu­ta co­me­dor de la­gos­ta?”. Pois o de­pu­ta­do não só o dis­se – es­tá em seu ca­nal do YouTu­be, o “Ma­mãe Fa­lei”, com 2,58 milhões de ins­cri­tos, 831 ví­de­os e 308 milhões de vi­su­a­li­za­ções –, co­mo o re­pe­tiu, tal e qual, pa­ra o gra­va­dor do Es­ta­do, du­ran­te entrevista em seu gabinete na tar­de da úl­ti­ma quarta-fei­ra. Até a sex­ta-fei­ra pas­sa­da, o ví­deo re­gis­tra­va 320 mil vi­su­a­li­za­ções, com 61 mil cur­ti­das (po­le­gar pa­ra ci­ma) e 864 re­pro­va­ções (pa­ra bai­xo).

– Is­so não é in­ci­ta­men­to ao ódio, além de le­vi­a­no e ir­res­pon­sá­vel?

O de­pu­ta­do ou­ve as per­gun­tas, im­pas­sí­vel, e dis­cor­da: “De for­ma al­gu­ma. Sou a fa­vor da li­ber­da­de de ex­pres­são ir­res­tri­ta. Não é o fa­to de tal­vez um dia ter que de­por no STF que vai se­gu­rar as mi­nhas pa­la­vras. Não te­nho me­do de to­mar pro­ces­so. É um ris­co que eu cor­ro, e fa­ço is­so há mui­to tem­po”.

No no­no mês de man­da­to, e gos­tan­do do no­vo fi­gu­ri­no que o obri­ga ao ter­no e gra­va­ta, o pa­la­vro­so you­tu­ber se diz o mais aus­te­ro dos 94 de­pu­ta­dos que com­põem a As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de São Pau­lo. Não usa o car­ro ofi­ci­al a que tem direito, por exem­plo, e só tem seis fun­ci­o­ná­ri­os dos 32 que po­de­ria con­tra­tar.

Fez um ba­ru­lhão, a seu es­ti­lo po­ei­ra no ven­ti­la­dor, qu­an­do, du­ran­te a re­cen­te dis­cus­são de um pro­je­to, cha­mou to­dos os co­le­gas de “va­ga­bun­dos”, em ple­ná­rio, por du­as ve­zes. Le­va­do à Co­mis­são de Éti­ca, aca­bou por se des­cul­par. Es­tá aguar­dan­do uma de­ci­são – que es­pe­ra se­ja, no máximo, uma ad­ver­tên­cia. “Eu re­al­men­te me ex­ce­di”, re­co­nhe­ceu, du­ran­te a entrevista.

Ex­ce­deu e pa­re­ce que apren­deu al­gu­ma coi­sa so­bre o tra­to ci­vi­li­za­do na Ca­sa, co­mo mos­trou, na mes­ma quarta-fei­ra, em reu­nião da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça. Ca­ba­lou vo­tos, de ou­vi­do em ou­vi­do, pa­ra um pro­je­to que apre­sen­tou, tor­nan­do obri­ga­tó­ria a con­tra­ta­ção de se­gu­ro-ga­ran­tia de exe­cu­ção de con­tra­tos de obras pú­bli­cas. Ga­nhou por 10 a 1.

Seu ob­je­ti­vo na As­sem­bleia, ex­pli­ca, é “trans­mi­tir os ide­ais da ide­o­lo­gia li­be­ral econô­mi­ca e va­lo­ri­zar os pro­fis­si­o­nais da se­gu­ran­ça pú­bli­ca”. Em dois ou­tros pro­je­tos de lei pro­põe a isen­ção de IPVA e ICMS em veí­cu­los no­vos que atu­am no transporte pri­va­do (Uber, por exem­plo), e a ex­tin­ção do auxílio-hos­pe­da­gem pa­ra os de­pu­ta­dos, ou­tra mor­do­mia que tam­bém não usa.

Ali pe­lo co­me­ço de 2015 Arthur Mo­le­do do Val era não mui­to mais do que um des­co­nhe­ci­do, se­quer ilus­tre. Mais ve­lho de três ir­mãos, te­ve uma boa vi­da com o pai em­pre­sá­rio do ramo da su­ca­ta (“co­me­çou co­mo en­gra­xa­te”) e a mãe do­na de ca­sa. Es­tu­dou até o úl­ti­mo ano de Engenharia Química, diz, mas não se for­mou. Já tra­ba­lha­va com o pai, a sé­rio, e co­me­çou a em­pre­en­der. Pri­mei­ro com um es­ta­ci­o­na­men­to de 700 va­gas em Gu­a­ru­lhos, o Ae­ro­park, on­de se deu bem, e, de lá pa­ra cá, in­ves­tin­do em pos­to de ga­so­li­na, empresa de constru­ção ci­vil, ou­tra de su­ca­ta, e uma trans­por­ta­do­ra.

O “Ma­mãe Fa­lei” nasceu du­ran­te uma ma­dru­ga­da in­so­ne em maio de 2015, qu­an­do cri­ou o ca­nal no YouTu­be, “pa­ra ques­ti­o­nar e re­cla­mar de tu­do” e “sair de uma inér­cia de pen­sa­men­to”. Ali­nha­va-se, en­tão, à di­rei­ta, com idei­as do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre e que tais. Em mar­ço de 2016, in­dig­na­do com uma ma­ni­fes­ta­ção a fa­vor da in­di­ca­ção do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va pa­ra mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil no se­gun­do go­ver­no Dil­ma Rous­seff, o em­pre­sá­rio te­ve um “es­ta­lo”: en­trar na ma­ni­fes­ta­ção com uma câ­me­ra na mão, e in­ter­pe­lar os pre­sen­tes so­bre a ra­zão de es­ta­rem ali. “Sou mui­to au­da­ci­o­so e gos­to de cor­rer ris­cos”, ex­pli­cou. “Foi um su­ces­so ins­tan­tâ­neo, com dois milhões de vi­ews em 24 ho­ras”, afir­mou.

“Já le­vei tapa, em­pur­rão, cus­pi­da, so­co na bo­ca, pau­la­da nas cos­tas, pro­ces­sos di­ver­sos, mas na­da vai me fa­zer pa­rar”, diz. Quem der uma olha­da, vai vê-lo em ma­ni­fes­ta­ções de es­quer­da, co­mo um pro­vo­ca­dor pro­fis­si­o­nal. “Não me ar­re­pen­do de na­da – e fa­ria tu­do de no­vo. Se por cau­sa dis­so eu ti­ver que per­der to­do o meu pa­trimô­nio, e até as cu­e­cas, eu vou fa­zer.”

Já per­deu, por exem­plo, pa­ra o de­pu­ta­do fe­de­ral Marcelo Frei­xo e pa­ra es­tu­dan­tes da fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da USP, nes­te ca­so por ter tu­mul­tu­a­do um se­mi­ná­rio so­bre mas­tur­ba­ção fe­mi­ni­na. O ex-de­pu­ta­do Je­an Wyllys tam­bém o processa, en­tre ou­tros. Nas con­tas que ele mes­mo faz, pas­sa de R$ 1 mi­lhão a so­ma de in­de­ni­za­ções a pa­gar se vi­er a per­der to­dos os pro­ces­sos.

Arthur do Val é aman­te dos es­por­tes ra­di­cais: jiu-jit­su (é fai­xa mar­rom) e mo­to­cross, en­tre ou­tros. Faz du­as ho­ras de ma­lha­ção por dia. Tem 1,70 de al­tu­ra e 70 qui­los, “de pu­ra gos­to­su­ra”, co­mo acres­cen­tou, fa­zen­do bla­gue.

Bol­so­na­ro. Na entrevista ao Es­ta­do ele de­fi­niu Bol­so­na­ro co­mo “um pés­si­mo pre­si­den­te”, e Bru­no Co­vas co­mo “o pi­or pre­fei­to que São Pau­lo já te­ve”. Seu de­fei­to – ele tem um – é ser “ex­tre­ma­men­te es­tres­sa­do e an­si­o­so”, prin­ci­pal­men­te com a ine­fi­ci­ên­cia de serviços co­mo o ban­cá­rio e o te­lefô­ni­co. “Se for no ban­co, a mi­nha von­ta­de é ex­plo­dir a agên­cia”, exem­pli­fi­cou. Cui­da­do aí.

Ma­mãe Fa­lei dis­se que quer ser can­di­da­to a pre­fei­to de São Pau­lo, mes­mo que te­nha que sair do DEM. So­bre os pos­sí­veis can­di­da­tos do PSL – a de­pu­ta­da fe­de­ral Joi­ce Has­sel­mann e o de­pu­ta­do es­ta­du­al Gil Di­niz – dis­se que am­bos “não têm com­pe­tên­cia téc­ni­ca pa­ra ge­rir uma ci­da­de co­mo São Pau­lo”. E que ele não só “tem”, co­mo é “mui­to bom” nis­so. Ha­ja ví­deo da­qui até lá.

ALEX SIL­VA/ES­TA­DÃO

Pla­no. Ma­mãe Fa­lei diz que quer ser can­di­da­to a pre­fei­to, mes­mo que te­nha de sair do DEM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.