FO­CO NO PRATO PA­RA COMER ME­LHOR

Mind­ful ea­ting ga­nha adep­tos com ban­dei­ra de pres­tar aten­ção aos de­ta­lhes de ca­da refei­ção

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Pau­la Felix

Oca­fé da ma­nhã da ge­ren­te de pro­du­to Laís Gri­mo­ni, de 32 anos, era um mo­men­to pa­ra ver e-mails. “Ago­ra, vi­rou mi­nha refei­ção sa­gra­da. Sen­to e fa­ço um mo­men­to pa­ra mim. Nem a má­qui­na de lavar lou­ça fi­ca li­ga­da.” Em abril, ela se tor­nou adep­ta do mind­ful ea­ting, prá­ti­ca que le­va pa­ra a alimenta­ção téc­ni­cas de me­di­ta­ção do mind­ful­ness pa­ra exer­ci­tar a aten­ção ple­na e apren­der a ter fo­co du­ran­te as re­fei­ções.

Es­tu­dos so­bre a prá­ti­ca são re­a­li­za­dos ao me­nos des­de a dé­ca­da de 1990, prin­ci­pal­men­te pe­la pro­fes­so­ra emé­ri­ta da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de In­di­a­na (EUA) Je­an Kris­tel­ler, que, em 1999, pu­bli­cou uma pes­qui­sa so­bre a téc­ni­ca em um gru­po de mu­lhe­res obe­sas e com trans­tor­no da com­pul­são ali­men­tar. Os re­sul­ta­dos fo­ram re­du­ção da com­pul­são, aumento da cons­ci­ên­cia so­bre fome e sa­ci­e­da­de e me­lho­ra do es­ta­do emo­ci­o­nal.

Ou­tros es­tu­dos am­pli­a­ram o pú­bli­co que po­de­ria uti­li­zar a téc­ni­ca, não ne­ces­sa­ri­a­men­te pes­so­as com trans­tor­nos. Es­pe­ci­a­lis­tas di­zem que não há res­tri­ções pa­ra o mé­to­do, que con­sis­te em se con­cen­trar na refei­ção, não ter pres­sa pa­ra comer, des­co­nec­tar-se de tec­no­lo­gi­as e não pen­sar em ca­lo­ri­as.

“O mind­ful ea­ting não é uma di­e­ta, é uma no­va pers­pec­ti­va fren­te ao ali­men­to. É o que cha­ma­mos de comer cons­ci­en­te, fa­zer ob­ser­va­ção da comida e de co­mo es­tou en­quan­to co­mo”, diz o mé­di­co Marcelo De­mar­zo, fun­da­dor e atu­al co­or­de­na­dor do Cen­tro Bra­si­lei­ro de Mind­ful­ness e Promoção da Saúde – Men­te Aber­ta, li­ga­do à Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Pau­lo (Uni­fesp).

Se­gun­do ele, es­sa ha­bi­li­da­de faz par­te da neu­ro­bi­o­lo­gia do hu­ma­no. “Mas fo­mos per­den­do is­so por­que nos­sa so­ci­e­da­de atu­al aca­ba atra­pa­lhan­do. Não tem mais a con­vi­vên­cia fa­mi­li­ar e social (na ho­ra da refei­ção) e são mui­tos es­tí­mu­los tec­no­ló­gi­cos.” O mind­ful­ness, se­gun­do De­mar­zo, pro­mo­ve trei­na­men­to da aten­ção e até foi in­cor­po­ra­do ao uni­ver­so em­pre­sa­ri­al. “A men­te fi­ca me­nos à de­ri­va. Qu­an­do es­tão sem aten­ção, as pes­so­as en­tram na ru­mi­na­ção men­tal e po­dem ter pen­sa­men­tos au­to de­pre­ci­a­ti­vos .”

Laís nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar da prá­ti­ca. As mu­dan­ças que já ti­nha fei­to em re­la­ção às re­fei­ções eram ape­nas li­ga­das adi­e­tas .“A nu­tri­ci­o­nis­ta fa­lou que eu ti­nha de pres­tar aten­ção, es­tar pre­sen­te no mo­men­to. An­tes, es­ta­va sem­pre afo­ba­da, cor­ren­do, achan­do que o mun­do ia aca­bar e eu não ia dar con­ta.”

Po­de ser um lan­che, mas ela busca se sen­tar à me­sa pa­ra fa­zer as re­fei­ções. “Não co­mo mais na­da se não es­ti­ver sen­ta­da. Eu com­pra­va dez pães de quei­jo ejá co­mia no ca­mi­nho. Só ti­nha seis pa­ra bo­tar na me­sa qu­an­do che­ga­va em ca­sa. Ho­je, po­de es­tar quen­ti­nho, mas es­pe­ro fa­zer um ca­fé, sen­tar e comer. E dois já me dei­xam sa­ci­a­da.” Mes­mo sem cor­tar ne­nhum ali­men­to, Laís per­deu 9 qui­los des­de que ini­ci­ou o pro­ces­so. “Não foi só o ‘ea­ting’. Apren­di pa­ra avi­da .”

Mé­di­co nu­tró­lo­go e ins­tru­tor de mind­ful ea­ting, An­drea Bot­to­ni diz que a per­da de pe­so po­de ser uma con­sequên­cia da prá­ti­ca, mas não é o ob­je­ti­vo. “Ao fa­zer es­co­lhas mais cons­ci­en­tes, o ato de alimenta­ção se tor­na mais pro­fun­do e res­pei­to­so pa­ra o cor­po e pa­ra tu­do que sig­ni­fi­ca alimenta­ção, co­mo es­co­lhas ali­men­ta­res, con­ví­vio e pra­zer à me­sa.”

Ob­ser­va­ção. Con­tem­plar a comida es­tá en­tre as ori­en­ta­ções. Mas não va­le só pa­ra oca­siões es­pe­ci­ais ou pa­ra co­mi­das “ins­ta­gra­má­veis”. “A pes­soa não se ali­men­ta só qu­an­do es­tá em um lo­cal bo­ni­to e tira fo­to pa­ra co­lo­car nas re­des so­ci­ais. As pes­so­as po­dem apren­der a ob­ser­var as emo­ções du­ran­te a refei­ção, sen­tir as me­mó­ri­as afe­ti­vas, pro­cu­rar re­la­xar e con­tem­plar a refei­ção”, diz Bot­to­ni.

A en­fer­mei­ra Ja­ne de As­sis, de 38 anos, bus­ca­va qualidade de vi­da ao ini­ci­ar o mind­ful ea­ting. Du­ran­te dois me­ses, par­ti­ci­pou de en­con­tros se­ma­nais e, há qua­tro me­ses, a prá­ti­ca en­trou não ape­nas na sua ro­ti­na pes­so­al. “Con­se­gui ex­pan­dir is­so pa­ra a mi­nha ca­sa. Es­ta­mos aber­tos pa­ra fa­zer uma refei­ção fo­ca­da, sem uso da te­le­vi­são e com ce­lu­la­res lon­ge: eu, meu ma­ri­do, mi­nhas fi­lhas de 18 e 6 anos, e a mi­nha mãe. To­do mun­do es­tá de­sen­vol­ven­do a téc­ni­ca pa­ra que a refei­ção se­ja mais pra­ze­ro­sa”, con­ta.

A en­fer­mei­ra tam­bém sen­tiu ou­tras mu­dan­ças. “A ques­tão do fo­co e do con­tro­le da an­si­e­da­de mu­da­ram. De­vo­rar uma cai­xa de chocolate sem per­ce­ber era cons­tan­te na TPM. Ho­je, por mais que te­nha von­ta­de de comer um doce, fa­ço com cons­ci­ên­cia.”

Por ser mais uma re­fle­xão so­bre a for­ma de se ali­men­tar, o mind­ful ea­ting não abor­da ques­tões

co­mo ca­lo­ri­as e alimentos li­be­ra­dos ou proi­bi­dos. “Tem mui­to ter­ro­ris­mo nu­tri­ci­o­nal, di­e­tas que di­zem que não po­de comer na­da que te­nha glú­ten e leite e as pes­so­as dei­xam de apro­vei­tam um bo­lo de fu­bá na ca­sa da avó. É pre­ci­so li­mi­tar as sen­sa­ções de cul­pa”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta clí­ni­ca Da­ni­el­le Fontes, que é es­pe­ci­a­lis­ta na prá­ti­ca.

“A gen­te sem­pre fa­lou da qualidade do ali­men­to e, ago­ra, es­ta­mos fa­lan­do do com­por­ta­men­to, de co­mo as pes­so­as co­mem.”

HÉL­VIO RO­ME­RO/ES­TA­DÃO

Comer cons­ci­en­te. An­tes da téc­ni­ca, Laís (aci­ma) se ali­men­ta­va sem nem per­ce­ber, no ca­mi­nho pa­ra ca­sa; Ja­ne (à esq.) apli­ca o mé­to­do de fo­car na refei­ção com to­da a fa­mí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.