Co­mo man­ter o em­pre­go

O Estado de S. Paulo - - Esportes - E-MAIL: [email protected]

OF­la­men­go es­tá ga­nhan­do to­das. Joga co­mo nun­ca jo­gou an­tes do téc­ni­co Jor­ge Je­sus. Ele é a cau­sa dis­so? Sim, e seu gran­de trun­fo é o pou­co que se sa­be so­bre ele. Era, até pou­co tem­po, des­co­nhe­ci­do pa­ra jo­ga­do­res e tor­ce­do­res. De­le se sa­bia o no­me e os clu­bes que trei­nou, to­dos fo­ra do Bra­sil. A re­de sub­ter­râ­nea de in­for­ma­ções mon­ta­da pe­los jo­ga­do­res de fu­te­bol fun­ci­o­na pou­co num ca­so as­sim. Sim­ples­men­te não há informa­ção dis­po­ní­vel. De­ve ha­ver uns pou­cos bo­a­tos, nar­ra­ções in­com­ple­tas, fa­tos um pou­co in­cer­tos.

A len­da de Jor­ge Je­sus se for­mou lon­ge. Não che­ga tra­zen­do na sua ba­ga­gem fei­tos e his­tó­ri­as. Su­as ma­nei­ras ain­da são des­co­nhe­ci­das, seu mo­do de agir co­mo ser hu­ma­no ain­da se­rá tes­ta­do, tu­do é no­vo. É qua­se um ho­mem sem passado. E o que atra­pa­lha os trei­na­do­res é exa­ta­men­te seu passado, va­le di­zer um lon­go passado. Dão a im­pres­são, às ve­zes, de que se fo­ram pa­ra sem­pre, mas eis que su­bi­ta­men­te re­a­pa­re­cem. E pou­co mu­da­dos, prin­ci­pal­men­te sem mo­di­fi­ca­ções de per­so­na­li­da­des e mé­to­dos, su­per­co­nhe­ci­dos.

Se os pró­pri­os tor­ce­do­res já têm opi­niões de­fi­ni­ti­vas so­bre eles à sim­ples men­ção de seus no­mes, ima­gi­ne-se os jo­ga­do­res, mui­to mais in­te­res­sa­dos do que qual­quer um no ho­mem que os vai di­ri­gir. Qu­an­do Fe­li­pão, Abel Bra­ga, Cu­ca, Oswal­do de Oli­vei­ra, en­tre ou­tros, che­gam num clu­be, tra­zem con­si­go to­dos es­ses anos de car­rei­ra.

São fa­tos e mais fa­tos que cor­rem de um jo­ga­dor pa­ra ou­tro des­de o pri­mei­ro dia e ser­vem de avi­so a to­dos e de pre­pa­ra­ção de de­fe­sa.

Cu­ri­o­sa­men­te es­ses trei­na­do­res mui­to ro­da­dos pa­re­cem sem­pre iguais, não se va­lem de dis­far­ces a não ser uma ino­cen­te tin­tu­ra de ca­be­lo, uma pan­ça se­mi dis­far­ça­da ou uma be­la den­ta­du­ra de um bran­co li­gei­ra­men­te ar­ti­fi­ci­al. Mas é im­pos­sí­vel mu­dar o que não de­pen­de de­les. Os epi­só­di­os de lon­gas car­rei­ras chei­as de ba­ta­lhas que dei­xa­ram de­sa­fe­tos e mal-en­ten­di­dos es­pa­lha­dos pe­los cam­pos de ba­ta­lha da vi­da, re­pe­ti­dos e trans­mi­ti­dos sem ces­sar de ti­me pa­ra ti­me.

Não é ape­nas is­so. A mai­o­ria não pra­ti­cou mal­da­des in­ten­ci­o­nal­men­te, nem pre­ju­di­cou nin­guém de pro­pó­si­to. Mas há de­fei­tos ir­ri­tan­tes, de­fei­tos de per­so­na­li­da­de, que não es­ca­pam ao jo­ga­dor. Es­ca­pam do pú­bli­co, mas não de bo­lei­ros ex­pe­ri­men­ta­dos. Por­tan­to, qu­an­do o trei­na­dor che­ga, to­dos es­tão pre­pa­ra­dos, à sua es­pe­ra pa­ra o bem e pa­ra o mal. To­dos pre­ve­ni­dos, não há uma en­tre­ga to­tal e ime­di­a­ta.

Ao con­trá­rio, to­dos que­rem co­o­pe­rar, mas com um pé atrás e já com es­tra­té­gi­as pron­tas pa­ra as ine­vi­tá­veis ma­ni­as.

Men­ci­o­nei aci­ma al­guns trei­na­do­res que fo­ram de­mi­ti­dos ou saí­ram de seus clu­bes re­cen­te­men­te, a mai­o­ria de for­ma trau­má­ti­ca, com tor­ce­do­res pe­din­do e vo­ci­fe­ran­do às por­tas dos CTs. Es­sas re­cla­ma­ções são fei­tas mui­to mais pe­lo que não fi­ze­ram do que pe­lo que fi­ze­ram no passado, cu­jos ecos re­ver­be­ram sem­pre que há a pri­mei­ra der­ro­ta. Acho que es­se é o se­gre­do de Jor­ge Je­sus e, em cer­to sen­ti­do, tam­bém de Sam­pa­o­li, no San­tos. Car­rei­ras con­so­li­da­das e pou­ca informa­ção so­bre o que pas­sou. Os jo­ga­do­res os acei­tam co­mo se fos­sem fo­lhas em bran­co so­bre as quais não há es­cri­to na­da.

Cla­ro que são com­pe­ten­tes, mas te­nho cer­te­za que uma car­rei­ra fei­ta fo­ra da­qui, lon­ge dos olhos, aju­da mui­to. É cla­ro tam­bém que exis­te uma ar­te so­fis­ti­ca­da, não de eli­mi­nar o passado, mas de su­a­vi­zá-lo, ti­rar-lhe os con­tor­nos e as ares­tas.

Ma­no Me­ne­zes, por exem­plo, é um dos maiores, se não o mai­or, mes­tre nes­sa ar­te. Tu­do ne­le é um pou­co dis­tan­te e fu­gi­dio. Qua­se nun­ca en­tra em po­lê­mi­cas e sai de um clu­be co­mo en­trou: dis­cre­ta e si­len­ci­o­sa­men­te pe­la por­ta da fren­te. Re­cen­te­men­te sua úl­ti­ma entrevista co­le­ti­va, no mo­men­to em que era anun­ci­a­da sua de­mis­são do Cru­zei­ro, foi uma pro­va dis­so. Obra-pri­ma da di­plo­ma­cia, da clas­se e da ele­gân­cia de quem tem co­mo ta­re­fa prin­ci­pal sair sem ser no­ta­do. Exa­ta­men­te co­mo qu­an­do che­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.