Ar­re­ca­da­ção com lei­lão po­de aju­dar a des­tra­var re­for­ma tri­bu­tá­ria

Li­de­ran­ças dis­cu­tem usar di­nhei­ro pa­ra criar fun­do re­gi­o­nal que com­pen­sa­ria o fim de in­cen­ti­vos pa­ra Es­ta­dos

O Estado de S. Paulo - - E & N / Economia & Negócios -

Além de “me­lho­rar” a par­ti­lha da di­vi­são do bô­nus que se­rá pa­go no lei­lão pe­las em­pre­sas ven­ce­do­ras, li­de­ran­ças que­rem no­vo destino pa­ra os recursos fu­tu­ros da ex­plo­ra­ção do pré-sal (royal­ti­es e par­ti­ci­pa­ções de pe­tró­leo) que ho­je são da União.

A ideia é usar o di­nhei­ro pa­ra re­sol­ver um dos prin­ci­pais im­pas­ses pa­ra a apro­va­ção da re­for­ma tri­bu­tá­ria: a cri­a­ção de um fun­do de de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal pa­ra com­pen­sar os go­ver­na­do­res pe­lo fim dos in­cen­ti­vos usados pe­los Es­ta­dos me­nos de­sen­vol­vi­dos pa­ra atrair as em­pre­sas. A pro­pos­ta, que tem apoio do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), é abas­te­cer o fun­do com os recursos fu­tu­ros do pré-sal.

O di­ag­nós­ti­co é de que o di­nhei­ro do pré-sal não po­de ser dis­tri­buí­do sem con­tra­par­ti­das, co­mo um “che­que em bran­co”, e tem de ser usa­do pa­ra aju­dar a re­sol­ver a re­for­ma tri­bu­tá­ria e des­tra­var a sua tra­mi­ta­ção.

A pro­pos­ta já foi dis­cu­ti­da com o mi­nis­tro da Economia, Pau­lo Gu­e­des, que ain­da não en­ca­mi­nhou o pro­je­to de re­for­ma do go­ver­no. De­pois do apoio in­su­fi­ci­en­te dos go­ver­na­do­res à apro­va­ção da re­for­ma da Previdênci­a, a ideia é amar­rar os recursos do pré-sal à mu­dan­ça nas re­gras tri­bu­tá­ri­as.

Pre­si­den­te da Co­mis­são Especial de re­for­ma tri­bu­tá­ria que ana­li­sa a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 45 na Câ­ma­ra, de­pu­ta­do Hil­do Ro­cha (MDB-MA), dis­se que a for­ma­ção do fun­do é jus­ta­men­te um dos pon­tos im­por­tan­tes pa­ra a pro­pos­ta avan­çar. Ao Es­ta­do, Ro­cha an­te­ci­pou que o re­pas­se dos recursos do pré-sal é uma das pro­pos­tas.

No passado, a fal­ta de recursos pa­ra fi­nan­ci­ar o fun­do de de­sen­vol­vi­men­to e a com­pen­sa­ção pe­las per­das com mi­gra­ção da co­bran­ça dos lo­cais de produção pa­ra as re­giões de con­su­mo im­pe­di­ram um acor­do pa­ra a apro­va­ção da re­for­ma. Ago­ra, a ex­pec­ta­ti­va é que os recursos do pré-sal po­dem aju­dar a re­sol­ver o im­pas­se do passado.

O eco­no­mis­ta Ro­dri­go Orair, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea), ava­lia que a des­ti­na­ção dos recursos do pré-sal ao fun­do de de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal é uma al­ter­na­ti­va in­te­res­san­te pa­ra des­tra­var a re­for­ma tri­bu­tá­ria. Sem is­so, ele afir­ma que as di­fi­cul­da­des de apro­va­ção da pro­pos­ta fi­ca­rão maiores, pois os go­ver­nos es­ta­du­ais fi­ca­rão sem um ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca re­gi­o­nal.

Be­ne­fí­ci­os. “A re­for­ma tri­bu­tá­ria (da Câ­ma­ra) aca­ba com os be­ne­fí­ci­os fis­cais. Ela é uma po­lí­ti­ca re­gi­o­nal ruim, ine­fi­ci­en­te, mas é pra­ti­ca­men­te a úni­ca po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vos re­gi­o­nais.

Tem de co­lo­car um fun­do de de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal. Se não, vai ti­rar o in­cen­ti­vo fis­cal e não vai dar na­da em tro­ca?”, aler­ta Orair.

Pa­ra o eco­no­mis­ta, o fun­do pre­ci­sa ser bem de­se­nha­do pa­ra ga­ran­tir o apoio a po­lí­ti­cas de mé­dio e lon­go pra­zos, que tor­nem pe­re­ne as ri­que­zas ob­ti­das com a ex­plo­ra­ção do pe­tró­leo. A mai­or di­fi­cul­da­de, po­rém, não é a for­ma­ta­ção do fun­do, mas sim tra­zer o go­ver­no pa­ra o gru­po de apoio à pro­pos­ta. “Só con­si­go ver um fun­do de de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal se o go­ver­no to­mar a pro­e­mi­nên­cia da pro­pos­ta”, diz.

A pro­pos­ta da Câ­ma­ra aca­ba com três tri­bu­tos fe­de­rais – IPI, PIS e Co­fins – e tam­bém com o ICMS (es­ta­du­al) e o ISS (mu­ni­ci­pal), que in­ci­dem so­bre o con­su­mo. Cria no lu­gar o Im­pos­to so­bre Ope­ra­ções com Bens e Serviços (IBS), de com­pe­tên­cia de mu­ni­cí­pi­os, Es­ta­dos e União.

O pre­si­den­te da Co­mis­são Especial da re­for­ma pre­vê a vo­ta­ção en­tre o fim de ou­tu­bro e no­vem­bro pa­ra que ha­ja tem­po de vo­ta­ção no ple­ná­rio da Câ­ma­ra até o fim do ano. Ele ava­lia que a his­tó­ria já mos­trou que os go­ver­nos só têm o pri­mei­ro ano de man­da­to pa­ra apro­var gran­des re­for­mas. Se­gun­do Ro­cha, o mi­nis­tro Gu­e­des, lhe dis­se que apre­sen­ta­ria a pro­pos­ta do go­ver­no nos pró­xi­mos di­as.

Maia pror­ro­gou até o dia 10 o pra­zo pa­ra que os par­la­men­ta­res apre­sen­tem emen­das à pro­pos­ta. Es­ta é a quarta vez que o pra­zo é pror­ro­ga­do à es­pe­ra da pro­pos­ta do go­ver­no. O pra­zo an­te­ri­or ter­mi­nou no dia 26. Até ago­ra já fo­ram apre­sen­ta­das cer­ca de 130 emen­das. Ca­da emen­da apre­sen­ta­da pre­ci­sa ter a as­si­na­tu­ra de pe­lo me­nos 171 de­pu­ta­dos.

DIDA SAM­PAIO/ESTADAO -2/10/2019

Re­for­ma. Ro­dri­go Maia apoia cri­a­ção de fun­do re­gi­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.