‘Nós cri­a­mos os nos­sos pró­pri­os ini­mi­gos’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 -

Aos 51 anos, Will Smith con­fron­ta a si mes­mo em Pro­je­to Ge­mi­ni. O ator fa­lou do fil­me em uma co­le­ti­va pa­ra a imprensa em Los An­ge­les.

Vo­cê dis­se que, aos 23 anos, não po­de­ria in­ter­pre­tar pa­péis co­mo o que vi­ve ago­ra no fil­me. Por quê?

Pa­ra Ang Lee, era al­go mui­to pes­so­al. Nas nos­sas con­ver­sas ini­ci­ais, ele fa­lou mui­to de si mes­mo, pa­ra me fa­zer en­ten­der o que es­ta­va ten­tan­do cap­tar en­tre es­ses dois per­so­na­gens. Aos 23 anos, eu nem se­quer com­pre­en­de­ria o que ele es­ta­va ten­tan­do di­zer, da re­fle­xão de pen­sar em quem vo­cê é, o que fez, ver uma ver­são si­mi­lar de si mes­mo in­do pe­lo mes­mo ca­mi­nho e lutar con­tra o ar­re­pen­di­men­to.

O fil­me usa mui­tos es­pe­lhos. É uma me­tá­fo­ra?

Sim, eu gos­to mui­to da ideia de que vo­cê gu­ar­da as se­men­tes de seu pró­prio pe­sa­de­lo. Que nós cri­a­mos nos­so pi­or ini­mi­go.

• Que ti­po de co­men­tá­rio po­lí­ti­co e social o fil­me es­tá fa­zen­do so­bre cor­po­ra­ções e o go­ver­no?

Pa­ra mim é me­nos so­bre o go­ver­no e a po­lí­ti­ca e mui­to mais so­bre a ar­ro­gân­cia do ser hu­ma­no, a in­sa­ni­da­de de que­rer ser Deus, con­tro­lar a na­tu­re­za e achar que tem o direito e o dom da cri­a­ção.

• Quais eram su­as ex­pec­ta­ti­vas an­tes de co­me­çar a tra­ba­lhar com Ang Lee?

Exis­te uma di­fe­ren­ça en­tre o ator e o as­tro de ci­ne­ma. E uma das di­fe­ren­ças é que o as­tro pre­ci­sa car­re­gar o fil­me nas cos­tas. O as­tro pre­ci­sa di­zer pa­ra to­do mun­do re­la­xar, fa­zer is­so e aqui­lo pa­ra che­gar­mos até a se­ma­na de es­treia. Mas, qu­an­do se tra­ba­lha com um di­re­tor co­mo Ang Lee, vo­cê é so­men­te um ator. Ele as­su­me to­do es­se pe­so. En­tão é um alí­vio tra­ba­lhar sa­ben­do que al­guém tem o con­tro­le da si­tu­a­ção. E is­so faz com que vo­cê se abra mais na sua in­ter­pre­ta­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.