A ló­gi­ca das mal­di­ções

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - LE­AN­DRO KARNAL LE­AN­DRO KARNAL ES­CRE­VE ÀS QUAR­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

Ao­ri­gem é in­cer­ta, pois a au­ra de mis­té­rio de­ve cer­car es­se ti­po de coi­sa. Con­ta-se (o su­jei­to ocul­to tam­bém acres­cen­ta cre­di­bi­li­da­de!) que era o ano de 1811. Os EUA vi­vi­am al­ter­nan­do pe­río­dos de in­ten­so con­fli­to com tré­guas du­ra­men­te acor­da­das com os in­dí­ge­nas com quem fa­zi­am fron­tei­ra. Ao fim de um en­con­tro ten­so e de ti­ros dis­pa­ra­dos en­tre o ge­ne­ral Wil­li­am Henry Har­ri­son e os lí­de­res Te­cum­seh e Tenskwa­tawa, o pri­mei­ro dos na­ti­vos ha­via mor­ri­do.

Anos de­pois, em 1836, o “pro­fe­ta” Tenskwa­tawa es­ta­ria (re­pa­re o con­di­ci­o­nal de quem não tem cer­te­za do que diz) po­san­do pa­ra um retrato qu­an­do ou­viu pes­so­as es­pe­cu­lan­do so­bre o re­sul­ta­do da elei­ção pre­si­den­ci­al da­que­le ano. Har­ri­son con­cor­ria con­tra o de­mo­cra­ta Mar­tin Van Bu­ren. O lí­der na­ti­vo in­ter­rom­peu a con­ver­sa afir­man­do que seu an­ti­go de­sa­fe­to per­de­ria o plei­to da­que­le ano, mas ga­nha­ria o pró­xi­mo. Foi além: cra­vou que ele mor­re­ria na pre­si­dên­cia, co­mo uma vin­gan­ça do Gran­de Es­pí­ri­to, ir­ri­ta­do des­de a der­ro­ta in­dí­ge­na. Co­mo se não bas­tas­se, pros­se­guiu: to­dos os pre­si­den­tes elei­tos a ca­da 20 anos a par­tir de 1840 mor­re­ri­am no car­go.

Os mais in­cré­du­los dos lei­to­res e lei­to­ras de­vem es­tar com um sor­ri­si­nho nos lá­bi­os, des­con­fi­an­do da bo­ba­gem con­ta­da. Mas, pas­mem, tu­do o que foi pre­vis­to acon­te­ceu. Har­ri­son per­deu a elei­ção de 1836, ele­geu­se em 1840 e mor­reu com pou­co mais de um mês no car­go, ví­ti­ma de uma do­en­ça pul­mo­nar. Lin­coln, elei­to em 1860, foi as­sas­si­na­do no iní­cio de seu se­gun­do man­da­to. Gar­fi­eld, que che­gou à pre­si­dên­cia em 1880, fa­le­ceu no ano se­guin­te de com­pli­ca­ções li­ga­das a uma ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to. Mc­kin­ley (elei­to em 1900) foi as­sas­si­na­do; Har­ding (1920) te­ve um ata­que car­día­co ful­mi­nan­te; Ro­o­se­velt (1940) mor­reu no fim da guer­ra, de AVC; Ken­nedy (1960) foi ba­le­a­do e mor­to em 1963. Ner­vo­so? Re­pen­san­do sua in­cre­du­li­da­de? Apa­ren­te­men­te a mal­di­ção per­deu for­ça nos anos 1980: Re­a­gan foi gra­ve­men­te ba­le­a­do, to­da­via so­bre­vi­veu.

Ou­tra his­tó­ria fan­tás­ti­ca so­bre o mes­mo te­ma, pre­si­den­tes ame­ri­ca­nos, cir­cu­la há dé­ca­das, com­pa­ran­do dois as­sas­si­na­tos fa­mo­sos: o de Lin­coln e o de Ken­nedy. Am­bos fo­ram elei­tos (com um sé­cu­lo de di­fe­ren­ça) pa­ra o con­gres­so no ano de 46 e pa­ra a pre­si­dên­cia no ano 60. Am­bos têm 7 le­tras no no­me e seus as­sas­si­nos ti­nham três no­mes, os dois pis­to­lei­ros eram su­lis­tas. O su­ces­sor de am­bos era um John­son. E vai lon­ge!

Moral da his­tó­ria: ne­nhu­ma! Ape­nas a de que nos­so cé­re­bro ado­ra fa­zer co­ne­xões e criar al­gum ti­po de ex­pli­ca­ção me­ta­fí­si­ca pa­ra coin­ci­dên­ci­as. Se o lei­tor, ago­ra con­ven­ci­do de que o mun­do é re­ple­to de mal­di­ções e que va­le com­prar al­gum amu­le­to pro­te­tor, sou­ber que a his­tó­ria da mal­di­ção foi aven­ta­da nos anos 1930 pe­la re­vis­ta Acre­di­te se Qui­ser, um su­ces­so de ven­das ba­se­a­do na ex­plo­ra­ção de coisas in­só­li­tas ou fal­sas? Man­te­ria sua opinião? E se ten­tás­se­mos en­cai­xar a mor­te de Za­chary Tay­lor, que mor­reu no exer­cí­cio da pre­si­dên­cia em 1849, ten­do si­do elei­to no ano an­te­ri­or? Co­mo fi­ca­ria o padrão? E se sou­bés­se­mos que, des­de os anos 1830, qua­se to­do pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no so­freu al­gu­ma ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to? Não se­ria mais cor­re­to per­ce­ber que ape­nas se tra­ta de um car­go cheio de ris­cos em um país que fler­ta com a vi­o­lên­cia co­mo so­lu­ção po­lí­ti­ca?

Que no ca­so da com­pa­ra­ção Lin­coln-Ken­nedy al­guns da­dos são mei­as-ver­da­des, que tam­bém é pos­sí­vel tra­çar opo­si­ções en­tre am­bos: um era re­pu­bli­ca­no, ou­tro de­mo­cra­ta; um foi al­ve­ja­do na rua, ou­tro num te­a­tro; um en­fren­tou uma guer­ra ci­vil, ou­tro não...

Re­pa­re­mos na imen­sa ten­ta­ção de li­gar os pon­tos, que mui­tas ve­zes nem se­quer exis­tem. Nem tu­do tem ló­gi­ca na His­tó­ria. Mui­to me­nos moral. O sen­ti­do é sem­pre da­do pe­lo in­tér­pre­te dos fa­tos.

Ti­ve um ami­go que fa­zia um ve­re­dic­to du­ro so­bre pen­sa­men­to má­gi­co e ten­ta­ti­va de es­ta­be­le­cer co­ne­xões ale­a­tó­ri­as: “Má for­ma­ção”, sen­ten­ci­a­va. Não con­si­go ser tão du­ro. São ten­ta­ti­vas de sen­ti­do e te­mos se­de de ló­gi­cas bi­o­grá­fi­cas e his­tó­ri­cas. Sem­pre é im­por­tan­te, já re­co­men­dei, uma vez por ano, ao me­nos, ler o con­to A Car­to­man­te, de Ma­cha­do de As­sis. O ce­ti­cis­mo do ca­ri­o­ca é um an­tí­do­to com for­ça pa­ra nos­sos de­va­nei­os. Co­me­çou a ler pro­fe­ci­as? Acre­di­tou que o dia 13 po­de nu­blar seus planos se cair na sex­ta? O si­nal fe­cha exa­ta­men­te por­que vo­cê es­tá atra­sa­do? O céu abriu em rai­os fúl­gi­dos e as nu­vens eva­po­ra­ram por­que sua fi­lha ca­sa­rá ho­je? Seu sem­blan­te foi ilu­mi­na­do pe­la ló­gi­ca da coin­ci­dên­cia ou sur­gi­ram lá­gri­mas pe­lo bom tem­po “jus­ta­men­te” no dia em que mais vo­cê pre­ci­sa­va? Leia Ma­cha­do, mui­tas ve­zes, ava­lie o fi­nal com mé­to­do. Po­de ser que as coisas con­ti­nu­em sen­do má­gi­cas, po­rém há uma chan­ce de a sua ex­pres­são em por­tu­guês me­lho­rar.

Não há mal­di­ções re­ais, ine­xis­te sor­te ou azar, a vi­da não apre­sen­ta um sen­ti­do cla­ro e pre­de­fi­ni­do, o destino é não exis­tir destino, exis­tên­cia an­te­ce­de to­da es­sên­cia e as re­la­ções de cau­sa-efei­to en­con­tram-se em planos ve­ri­fi­cá­veis. Se­ria bom que tu­do ti­ves­se um ve­tor, uma se­ta, uma di­re­ção. In­fe­liz­men­te, pre­si­den­tes se­rão as­sas­si­na­dos em anos ale­a­tó­ri­os e nos­sa vi­da se­gue sem en­re­do pré­vio. Boa sor­te pa­ra to­dos nós na se­ma­na que se ini­cia.

Ine­xis­te sor­te ou azar, a vi­da não apre­sen­ta um sen­ti­do cla­ro e pre­de­fi­ni­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.