Sé­ri­es e fes­ti­vais aju­dam a po­pu­la­ri­zar ter­ror

Te­le­vi­são. ‘Ci­ne­lab’ e ‘Ci­ne­lab Apren­diz’, do ca­nal Syfy, são dois pro­du­tos que re­pre­sen­tam o bom mo­men­to do gê­ne­ro no Bra­sil

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Pedro Ven­ces­lau

O ano da vi­ra­da do ci­ne­ma de ter­ror no Bra­sil foi em 2007, qu­an­do es­tre­a­ram dois clás­si­cos do gê­ne­ro: Grindhou­se e Wal­king De­ad. O pri­mei­ro é as­si­na­do por Qu­en­tin Ta­ran­ti­no e Ro­bert Ro­dri­guez, e foi uma ho­me­na­gem em for­ma de pa­ró­dia aos fil­mes de hor­ror da dé­ca­da de 1970. O se­gun­do é sé­rie lon­ge­va so­bre zum­bis, que ar­re­ca­dou milhões e con­ta com uma le­gião de se­gui­do­res.

Quem é do ramo con­ta que es­sas du­as obras fo­ram um fa­tor de­ter­mi­nan­te. O avan­ço da tecnologia foi ou­tro. “Em 2009, fi­ze­mos um cur­ta que cus­tou R$ 120 mil. Foi uma gra­na de pós-produção, pa­ra fi­na­li­zar. Três anos de­pois, a gen­te fi­na­li­zou em um com­pu­ta­dor ca­sei­ro com o mes­mo efei­to de com­po­si­ção. Cus­tou R$ 1.200”, con­tam Rapha­el Borghi, Armando Fon­se­ca e Ka­pel Fur­man.

Ain­da se­gun­do eles, o Bra­sil sem­pre te­ve uma produção in­de­pen­den­te de ter­ror, mas só ago­ra, com a no­vas mí­di­as, ela es­tá ten­do aces­so. O trio es­tá à fren­te dos dois pro­du­tos que me­lhor re­pre­sen­tam ho­je o bom mo­men­to do ci­ne­ma fan­tás­ti­co/ter­ror no Bra­sil: as sé­ri­es Ci­ne­lab e Ci­ne­lab Apren­diz, do ca­nal Syfy, pro­du­zi­das pe­la Bou­ti­que Fil­mes.

Tra­ta-se de du­as ver­sões de um re­a­lity­quet ema mes­ma es­tru­tu­ra con­sa­gra­da com Mas­terChef, exi­bi­da no Bra­sil­pel aB and. Adi fe­ren­çaé­queéa com­pe­ti­ção é gra­va­da, o que de­man­da um es­for­ço pa­ra evi­tar va­za­men­tos. A fór­mu­la con­sis­te em mon­tar um

ti­me de com­pe­ti­do­res de­pois de uma tri­a­gem, criar gru­pos e or­ga­ni­zar pro­vas de eli­mi­na­ção.

A di­fe­ren­ça é que o ob­je­ti­vo não é pre­pa­rar pra­tos, mas pro­du­zir ce­nas de ter­ror com mui­tos efei­tos es­pe­ci­ais. No episódio em que a re­por­ta­gem acom­pa­nhou agra­va­ção, o ob­je­ti­vo er afa­zer um monstro sair da pri­va­da. Ess ace­na­mos tra­queé tê­nue o li­mi­te en­tre o sub­gê­ne­ro “fil­me B”, que é en­gra­ça­do de tão tos­co, e o ter­ror pro­pri­a­men­te di­to. Os pro­du­to­res ci­ta­mo exem­plo do clás­si­co Exor­cis­ta, que ti­nha um or­ça­men­to ge­ne­ro­so e de­mo­rou 9 me­ses pa­ra ser fei­to. “Fi­ze­mos o lon­ga Per­cep­ção do Me­do com R$ 25 mil. Ou­tros cus­tam R$ 9 milhões. Di­nhei­ro com­pra tem­po de set ”, con­ta Rapha­elBorghi.Ofil­me, que fez­su ces­so, foi ven­di­do

pa­ra a Tur­ner, o que co­briu os cus­tos. Mas não hou­ve lu­cro.

Fon­se­ca, Fu ma­ne Borghi con­cor­dam que o ci­ne­as­ta, ato­re ro­tei­ris­ta José Mo­ji­ca, o Zé do Cai­xão, foi mui­to im­por­tan­te pa­ra po­pu­la­ri­zar o gê­ne­ro, mas ava­li­am que ain­daé­ced opa­ra di­zer o seg­men­to te­nha re­fe­rên­ci­as. O prin­ci­pal no me­da atu­al ge­ra­ção, se­gun­do eles,éDen nis on Ra­ma­lho, um ve­te­ra­no que só ago­ra vai lançar o seu pri­mei­ro lon­ga, Mor­to não Fa­la, com Da­ni­el de Oli­vei­ra.

Ou­tro exem­plo de co­mo o gê­ne­ro es­tás epo pu­lar izan­doéa pro­li­fe­ra­ção def es­ti­vais te­má­ti­cos. Só na Ar­gen­ti­na são três por ano. O cres­ci­men­to do mer­ca­do le­vou à cri­a­ção es­te ano da Ali­an­ça La­ti­no Ame­ri­ca­na de Fes­ti­vais de Ci­ne­ma Fan­tás­ti­co, que reúne pro­du­to­res do Mé­xi­co, Colôm­bia, Chi­le, Ar­gen­ti­na, Uru­guai e Bra­sil. O ob­je­ti­vo é unir os fes­ti­vais de ci­ne­ma fan­tás­ti­co, pro­mo­ver o in­ter­câm­bio de ex­pe­ri­ên­ci­as de ges­tão cul­tu­ral e co­la­bo­rar co­ma cir­cu­la­ção em ca­da um des­ses paí­ses.

MI­LA CAVALCANTE

O trio. Armando, Rapha­el e Ka­pel: no co­man­do das sé­ri­es

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.