Per­fil anô­ni­mo lan­ça li­vro so­bre em­pre­en­der.

Com 44 mil se­gui­do­res em re­de social, au­tor de­fen­de ano­ni­ma­to pa­ra dis­cu­tir es­sên­cia do empreended­orismo

O Estado de S. Paulo - - Oportunida­des & Leilões - Ma­ri­na Day­rell

Es­te li­vro não vai te dei­xar ri­co. Di­re­to e com a pro­pos­ta de com­ba­ter o que cha­ma de “empreended­orismo au­to­a­ju­da e co­nhe­ci­men­to su­per­fi­ci­al”, o cri­a­dor anô­ni­mo do per­fil de Twit­ter Star­tup da Re­al apre­sen­ta, lo­go na ca­pa do re­cém-lan­ça­do li­vro, a men­sa­gem que há dois anos ele le­va aos seus mais de 44 mil se­gui­do­res. Co­nhe­ci­do co­mo Start, o do­no do per­fil pre­za pe­lo ano­ni­ma­to em no­me de uma “purificaçã­o da dis­cus­são”.

Du­ran­te a entrevista ao Es­ta­dão PME, o ho­mem por trás do Star­tup da Re­al fa­lou sem más­ca­ra, sob a con­di­ção de que nas fo­tos apa­re­ces­se dis­far­ça­do. Foi des­se jei­to que ele se apre­sen­tou ao la­do do em­pre­sá­rio Fa­cun­do Guer­ra no lan­ça­men­to do li­vro nes­ta se­ma­na na ca­pi­tal pau­lis­ta.

Ao criar o per­fil pa­ra re­ba­ter men­sa­gens so­bre empreended­orismo (“ób­vi­as, com fra­ses pron­tas”), Start es­co­lheu co­mo fo­to de per­fil uma ima­gem do per­so­na­gem Nel­son Bighet­ti, in­ter­pre­ta­do pe­lo ator Josh Bre­ner na sé­rie Si­li­con Val­ley (Va­le do Si­lí­cio), da HBO. “Ele é o ca­ra que ‘caiu pa­ra ci­ma’, não fa­zia na­da e deu sor­te (pa­ra fa­zer su­ces­so).” Pa­ra Start, o pro­ble­ma é o empreended­orismo ser ven­di­do co­mo uma for­ma de al­can­çar a fe­li­ci­da­de. “Se vo­cê tem um em­pre­go ruim, vai em­pre­en­der. Se quer ser fe­liz, vai mon­tar um ne­gó­cio. Não é as­sim”, diz.

Na aber­tu­ra de Es­te Li­vro Não Vai te Dei­xar Ri­co es­tá uma fra­se do en­saís­ta lí­ba­no-ame­ri­ca­no Nas­sim Ni­cho­las Ta­leb, au­tor do best-sel­ler A Ló­gi­ca do Cis­ne Ne­gro: “Evi­te ouvir con­se­lhos de al­guém cu­jo ga­nha-pão se­ja dar con­se­lhos, a me­nos que ha­ja al­gu­ma pe­na­li­da­de pa­ra es­ses con­se­lhos”. O te­ma acom­pa­nha a obra, que abor­da as­sun­tos co­mo me­ri­to­cra­cia e empreended­orismo fit­ness.

Seis me­ses após criar o per­fil no Twit­ter e per­ce­ber que era en­ca­ra­do co­mo uma pá­gi­na hu­mo­rís­ti­ca, ele cri­ou um per­fil no Me­dium, on­de pu­bli­ca tex­tos lon­gos so­bre o que cha­ma de “te­a­tro em­pre­en­de­dor”. No pri­mei­ro de­les, in­ti­tu­la­do “Su­ces­so, di­nhei­ro e cur­so su­pe­ri­or: vo­cê pre­ci­sa mes­mo?”, cri­ti­ca dis­cur­sos que acon­se­lham a lar­gar a fa­cul­da­de pa­ra em­pre­en­der. “O que es­cre­vo não é men­ti­ra.” Após crí­ti­cas so­bre o ne­ga­ti­vis­mo, re­sol­veu de­di­car o úl­ti­mo ca­pí­tu­lo do li­vro pa­ra aju­dar o fu­tu­ro em­pre­en­de­dor a sa­ber por on­de co­me­çar. Con­fi­ra os prin­ci­pais tre­chos da entrevista.

O que os se­gui­do­res sa­bem so­bre vo­cê?

Não sa­bem na­da do meu no­me, on­de eu mo­ro, on­de eu tra­ba­lho, qual a mi­nha pro­fis­são, mas sa­bem que eu sou ca­sa­do, que a mi­nha es­po­sa é mé­di­ca, que eu tra­ba­lhei com pro­gra­ma­ção, que eu fui con­sul­tor de tecnologia, que eu es­tu­dei fo­ra do País. Tem um ca­pí­tu­lo no li­vro que é ba­si­ca­men­te par­te da mi­nha vi­da pa­ra jus­ti­fi­car um pon­to. Eu ti­nha que ma­tar al­guns mi­tos que sur­gi­ram, co­mo “ah, vo­cê cri­ti­ca me­ri­to­cra­cia, mas o seu li­vro é um ca­se de su­ces­so que des­men­te vo­cê”. En­tão, eu ti­ve que mos­trar o quan­to eu fui pri­vi­le­gi­a­do a mi­nha vi­da in­tei­ra pa­ra po­der che­gar, sen­tar e es­cre­ver um li­vro que ven­deu bas­tan­te.

• Acre­di­ta que o ano­ni­ma­to po­de le­var o pú­bli­co a não acre­di­tar em vo­cê, por­que não sa­be o que vo­cê já fez?

Eu acho que o ar­gu­men­to pre­ci­sa

se sus­ten­tar so­zi­nho. Se eu di­go que é fá­cil fi­car ri­co, es­se ar­gu­men­to tem que ser ver­da­dei­ro so­zi­nho. Nin­guém sa­be o que acon­te­ceu co­mi­go, eu pos­so ter uma vi­da boa e fa­lar que foi as­sim que eu fi­quei ri­co, mas nin­guém sa­be se eu ga­nhei na lo­te­ria, se mi­nha fa­mí­lia é ri­ca. Ti­rar a re­a­li­da­de pes­so­al e dei­xar o ar­gu­men­to tra­ba­lhar so­zi­nho acho que é o me­lhor ca­mi­nho.

O que te deu ba­ga­gem pa­ra fa­lar de empreended­orismo?

Eu ti­ve uma empresa de tecnologia, de­pois eu mon­tei uma marca de rou­pas e fo­ram coisas bem sim­ples que ti­ve­ram re­tor­no. Mas fui pa­ra fo­ra e fiz um cur­so de empreended­orismo. Eu vi os ar­gu­men­tos cain­do por ter­ra. Tu­do o que eu fa­lo no li­vro e na in­ter­net eu via to­dos os di­as. Não sou um vi­si­o­ná­rio.

Eu só fui a pes­soa que pa­rou e per­deu tem­po pa­ra fa­lar dis­so.

O seu ob­je­ti­vo é que as pes­so­as não em­pre­en­dam?

Não! Prin­ci­pal­men­te por­que as pes­so­as pre­ci­sam fa­zer a vi­da acon­te­cer e uma das formas é em­pre­en­den­do. O meu pro­ble­ma é o empreended­orismo co­mo for­ma de al­can­çar a fe­li­ci­da­de. Se vo­cê tem um em­pre­go ruim, vai em­pre­en­der. Se vo­cê es­tá in­sa­tis­fei­to, vai mon­tar um ne­gó­cio. Não é as­sim. Tem es­ta­tís­ti­ca den­tro do li­vro mos­tran­do que es­se pa­po de que em­pre­en­de­do­res ganham mais não é ver­da­de. Den­tro da mé­dia do País, o que eles ti­ram é bem abai­xo. Te­mos es­sa im­pres­são er­ra­da por­que eles já têm boa es­tru­tu­ra fa­mi­li­ar, com di­nhei­ro e fa­zem negócios por­que, se fo­rem à fa­lên­cia,

não vão fi­car sem comer no fim do mês. Não é pa­ra não em­pre­en­der, é pa­ra bo­tar o pé no chão.

Qual se­ria o ca­mi­nho pa­ra quem quer em­pre­en­der?

Acho que o que é ven­di­do vem car­re­ga­do de oti­mis­mo exa­ge­ra­do e uma li­nha de pen­sa­men­to que faz vo­cê as­su­mir ris­cos sem te con­tar quais são eles. A pes­soa que quer em­pre­en­der tem que olhar pa­ra o la­do téc­ni­co. Es­tu­dar ad­mi­nis­tra­ção, olhar pa­ra o mar­ke­ting, ver co­mo se es­tu­da mer­ca­do, co­mo me­de o ga­nho de in­ves­ti­men­to em ci­ma de uma cam­pa­nha. Tu­do o que ele pre­ci­sa pa­ra ser um em­pre­en­de­dor de ver­da­de é téc­ni­co. Ele não pre­ci­sa de al­guém di­zen­do “vai lá, vai dar cer­to, olha só o Ste­ve Jobs”.

NIL­TON FUKUDA/ES­TA­DÃO

Per­fil social. Pa­ra au­tor anô­ni­mo, empreended­orismo ven­di­do não é mun­do re­al

ES­TE LI­VRO NÃO VAI TE DEI­XAR RI­CO Edi­to­ra: Pla­ne­ta Pre­ço: R$ 39,90 (233 págs.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.