O TH­RIL­LER PE­LA MESTRA SUL-COREANA

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Vi­ni­cius Ja­to­bá ✽

O Bom Fi­lho é um ex­tra­or­di­ná­rio exem­plo de co­mo a nar­ra­ti­va au­di­o­vi­su­al, pa­ra mui­tos ad­ver­sá­rio fer­re­nho do ato de lei­tu­ra, po­de ter uma in­fluên­cia cons­tru­ti­va na li­te­ra­tu­ra: uma economia no uso das des­cri­ções das ações mais ba­nais, co­mo abrir uma por­ta e atra­ves­sar uma rua e se ali­men­tar e se lo­co­mo­ver, e uma ex­pan­são da prosa na des­cri­ção grá­fi­ca de mo­men­tos cho­can­tes, que, no ca­so do óti­mo ro­man­ce de You-je­ong Je­ong, es­cri­to­ra sul-coreana, são atos vi­o­len­tos e as­sas­si­na­tos.

O pro­ta­go­nis­ta de O Bom Fi­lho acor­da sem lem­bran­ças cla­ras de sua noi­te an­te­ri­or: fe­ri­do, em

um cô­mo­do re­ple­to de san­gue. Lo­go Yu-jin descobre o cor­po de sua mãe; há mar­cas de uma bri­ga, a im­pres­são de as­sas­si­na­to em de­fe­sa pró­pria. A fa­mí­lia se en­vol­ve, a po­lí­cia. As des­cri­ções do que acon­te­ce no ro­man­ce são econô­mi­cas; o que ocu­pa a nar­ra­ti­va, de for­ma ma­jo­ri­tá­ria, é a dú­vi­da cres­cen­te em Yu-jin de que ele pró­prio é mes­mo o as­sas­si­no, e a par­tir daí uma busca pe­lo ver­da­dei­ro as­sas­si­no se ini­cia.

Um gran­de po­rém da so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea é seu fas­cí­nio pe­la fi­gu­ra do se­ri­al kil­ler, ten­tan­do en­con­trar uma com­ple­xi­da­de in­fla­ci­o­na­da na fi­gu­ra do as­sas­si­no. Não é fá­cil ma­tar; lo­go é com­ple­xo as­sas­si­nar; e es­se binô­mio al­go frá­gil en­con­tra eco pro­fun­do na ar­te nar­ra­ti­va do ci­ne­as­ta nor­te-ame­ri­ca­no David Fin­cher (Se­ven ; Zo­día­co), Bong Jo­on-ho (Me­mó­ri­as de um

As­sas­si­na­to) e Kim Jee-wo­on (Eu Vi o Demô­nio).

O ro­man­ce de You-je­ong Je­ong com­par­ti­lha es­sa fas­ci­na­ção: a men­te do as­sas­si­no co­mo um la­bi­rin­to in­ter­mi­ná­vel.

O gê­ne­ro th­ril­ler fun­ci­o­na com uma téc­ni­ca com­ple­xa: a res­pos­ta da per­gun­ta – nes­se ca­so “eu ma­tei mi­nha pró­pria mãe?” – é sem­pre a pró­xi­ma per­gun­ta, que nos gran­des mes­tres é a mes­ma per­gun­ta re­co­bra­da a par­tir de uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te. Nis­so O Bom Fi­lho é ex­tra­or­di­ná­rio: a lei­tu­ra é vi­ci­an­te, da­que­las de tor­nar im­pos­sí­vel aban­do­nar o li­vro; e mes­mo ope­ran­do com as mes­mas cha­ves de sur­pre­sa e sus­pen­se, uma inova­ção é que o even­to in­ci­tan­te (pa­ra usar um ter­mo de ro­tei­ris­tas) que faz a nar­ra­ti­va avan­çar é uma me­mó­ria co­nhe­ci­da re­vi­si­ta­da de ma­nei­ra dis­tin­ta. Boa par­te do ro­man­ce tem sua ação in­ter­rom­pi­da: pre­sen­te e passado ope­ram um con­tra o ou­tro, ge­ran­do claus­tro­fo­bia, uma cons­tan­te sen­sa­ção de in­de­fi­ni­ção.

É uma for­ma de nar­rar o th­ril­ler em­pre­ga­da com ma­es­tria por You-je­ong Je­ong que ad­qui­re economia das ações por des­cri­ções mui­to sim­ples das mes­mas, mas re­a­li­za al­go que ape­nas a li­te­ra­tu­ra po­de fa­zer: um ex­ces­so de per­gun­tas so­bre si mes­mo, um po­ço sem fun­do de ques­ti­o­na­men­tos, uma di­men­são in­tros­pec­ti­va. É evi­den­te que tam­bém há san­gue, e no ca­so de O Bom Fi­lho cer­to gra­fis­mo pun­gen­te. Mas não se­rá prós­pe­ra a ima­gi­na­ção de uma men­te que se de­bru­çar ape­nas no en­le­vo dos so­li­ló­qui­os de Ham­let ou do rei Le­ar; faz-se ne­ces­sá­rio de­sa­ver­go­nha­do en­tre­te­ni­men­to e vi­o­lên­cia, co­mo uma for­ma de are­jar a men­te com hor­ro­res; e pa­ra ca­da ser-ou-não-ser-eis-aques­tão ha­ve­rá sem­pre tam­bém um Ti­tus An­dro­ni­cus e seus hor­ro­res ca­ni­bais.

✽ É JOR­NA­LIS­TA E CRÍ­TI­CO LI­TE­RÁ­RIO.

Sus­pen­se so­bre um na­da­dor que tem a car­rei­ra in­ter­rom­pi­da pe­la epi­lep­sia, ‘O Bom Fi­lho’ con­sa­grou You­je­ong Je­ong fo­ra da Ásia

TO­DA­VIA

In­cer­te­za. Prosa rá­pi­da da es­cri­to­ra sul-coreana You-je­ong Je­ong re­tra­ta a men­te do as­sas­si­no co­mo um la­bi­rin­to in­ter­mi­ná­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.