O RO­MAN­CE SE­GUN­DO BAKHTIN

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Pau­lo No­guei­ra ✽

A Edi­to­ra 34 dá um pro­vi­den­ci­al ba­nho de lo­ja na cul­tu­ra bra­si­lei­ra lan­çan­do três obras de Mikhail Bakhtin de uma ta­ca­da só. Com tra­du­ção e no­tas de Pau­lo Be­zer­ra e sob o título ge­ral de Te­o­ria do Ro­man­ce, os vo­lu­mes são de­sig­na­dos A Es­ti­lís­ti­ca, As Formas do Tem­po e do Cro­no­tro­po e O Ro­man­ce co­mo Gê­ne­ro Li­te­rá­rio. São for­mu­la­ções teó­ri­cas ge­rais, ao con­trá­rio dos ou­tros dois gran­des li­vros de Bakhtin, apoi­a­dos na aná­li­se de um au­tor es­pe­cí­fi­co (Ra­be­lais e Dos­toi­evs­ki). Quem é es­se ca­ri­nha? Bom, pou­cas es­tre­las sin­gra­ram mais ver­ti­gi­no­sa­men­te o fir­ma­men­to crí­ti­co no fi­nal do sé­cu­lo 20 do que Bakhtin. Co­mo ob­ser­vou Tz­ve­tan To­do­rov em “Bakhtin: O Princípio Di­a­ló­gi­co”, as idei­as do teó­ri­co rus­so ir­ri­gam to­das as ci­ên­ci­as hu­ma­nas, na me­di­da em que ele me­teu o be­de­lho na li­te­ra­tu­ra, lin­guís­ti­ca, psi­co­lo­gia, an­tro­po­lo­gia e his­tó­ria social. Mas tal­vez se­ja so­bre­tu­do um fi­ló­so­fo da lin­gua­gem, pro­fes­san­do uma “trans­lin­guís­ti­ca” que ul­tra­pas­se a vi­são da lín­gua co­mo sis­te­ma uní­vo­co.

Bakhtin nasceu em 1895 e mor­reu em 1975 – nin­guém di­ria que vi­ve­ria 80 anos, pois a vi­da ju­di­ou de­le. Nas­ci­do perto de Mos­cou, se deu com as fi­gu­ri­nhas ca­rim­ba­das do For­ma­lis­mo rus­so, que de­pois meio que re­ne­gou, qu­an­do sob Sta­lin a pa­la­vra “for­ma­lis­mo” vi­rou opró­brio (um equi­va­len­te li­te­rá­rio do Trots­kis­mo). Mas o pró­prio Bakhtin pro­vou a fe­ro­ci­da­de do to­ta­li­ta­ris­mo, sen­do con­de­na­do a cin­co anos de tra­ba­lhos for­ça­dos no Gu­lag, por seu en­vol­vi­men­to com a Igre­ja Or­to­do­xa. De­vi­do à saúde pre­cá­ria (com os­te­o­mi­e­li­te, te­ve uma per­na am­pu­ta­da), a pe­na foi con­ver­ti­da em exí­lio no Ca­sa­quis­tão.

Na pri­mei­ra (e que eu sai­ba úni­ca) bi­o­gra­fia do teó­ri­co (Mikhail Bakhtin, de Ka­te­ri­na Clark e Michael Hols­quist), ve­mos o coi­ta­do re­bo­lan­do pa­ra so­bre­vi­ver jun­to com ou­tros in­te­lec­tu­ais, du­ran­te as pre­da­tó­ri­as pur­gas sta­li­nis­tas. Bakhtin ve­ge­tou em vi­la­re­jos je­cas, al­guns de­les pin­ta­dos por Marc Cha­gall (em am­bos os sen­ti­dos: es­sas ca­sas apa­re­cem em su­as te­las mais fa­mo­sas, e Cha­gall li­te­ral­men­te pin­tou as pa­re­des de­las). Bakhtin era ex­cên­tri­co e des­li­ga­dão: dei­xa­va dis­cí­pu­los as­si­na­rem os seus tex­tos, e mais de uma vez ras­gou um de seus ma­nus­cri­tos pa­ra fa­zer um ci­gar­ri­nho.

Cla­ro que nin­guém é per­fei­to. Um dos maiores enig­mas da hu­ma­ni­da­de é por que por ve­zes es­pe­ci­a­lis­tas em es­cri­ta... não sa­bem es­cre­ver. Tal­vez is­so ex­pli­que a la­mú­ria de Ge­or­ge Stei­ner: “Quem se­ria crí­ti­co, se pu­des­se ser es­cri­tor?” Daí tal­vez a ge­ne­ro­sa afir­ma­ção de Bakhtin, de que vi­ra e mexe os pró­pri­os ro­man­cis­tas são os me­lho­res teó­ri­cos (Te­o­ria do Ro­man­ce, Vol. III, pág. 73). Nes­ses três vo­lu­mes, com su­as abs­tra­ções às ve­zes abs­tru­sas, a prosa vol­ta e meia cai num aca­de­mês ári­do e pe­dre­go­so, que pa­re­ce gra­fa­do com uma fo­ci­nhei­ra na pe­na.

Fe­liz­men­te, es­sa re­la­ti­va inép­cia nun­ca des­cam­ba no her­me­tis­mo e mui­to me­nos na pi­ca­re­ta­gem. Bakhtin ja­mais pro­ta­go­ni­za­ria um episódio co­mo aque­le em que Jac­ques Der­ri­da, de­ba­ten­do com o fi­ló­so­fo Karl-Ot­to Apel, pon­ti­fi­cou que “a co­mu­ni­ca­ção é im­pos­sí­vel”. Qu­an­do Apel con­cor­dou com ele, Der­ri­da ime­di­a­ta­men­te fez bei­ci­nho: “Opa, en­tão me ex­pres­sei mal!” Ai, ai, é co­mo dis­se o bom & ve­lho Jac­ques Pré­vert: “Não se de­ve dei­xar in­te­lec­tu­ais brin­car com fós­fo­ros”.

Bakhtin cu­nhou vá­ri­os con­cei­tos pe­ne­tran­tes e úteis. Um de­les é a “car­na­va­li­za­ção” (no meu li­vro pre­fe­ri­do do au­tor: A Cul­tu­ra Po­pu­lar na Ida­de Mé­dia e no Re­nas­ci­men­to). Não se de­ve en­ten­der a no­ção no sen­ti­do, di­ga­mos, Sa­pu­caí – em­bo­ra a car­na­va­li­za­ção pul­se em cer­tos aspectos da Se­ma­na de 22 e do Tro­pi­ca­lis­mo. Pos­tu­la um dis­cur­so am­bi­va­len­te, po­lifô­ni­co, ca­ma­leô­ni­co, der­ri­só­rio – uma re­con­ci­li­a­ção apa­ren­te­men­te im­pos­sí­vel en­tre o ve­lho e o no­vo, o po­pu­lar e o eru­di­to, o re­al e o ima­gi­ná­rio, o obs­ce­no e o su­bli­me. Tro­can­do em miú­dos, um apo­lí­neo di­o­ni­sía­co.

E, cla­ro, a flau­ta de Pã to­ca ou­tras mar­chi­nhas. En­tre eles, o hu­mor, fun­da­men­tal no gê­ne­ro ro­ma­nes­co, que, co­mo re­al­ça Bakhtin, é pa­ró­di­co, crí­ti­co e au­to­crí­ti­co. Bakhtin as­si­na­ria em­bai­xo es­ta opinião de Oc­tá­vio Paz: “Nem Ho­me­ro nem Vir­gí­lio co­nhe­ce­ram o hu­mor – que só to­ma a sua for­ma com Cer­van­tes. O hu­mor é a gran­de in­ven­ção do es­pí­ri­to mo­der­no, e uma in­ven­ção li­ga­da ao nas­ci­men­to do ro­man­ce. O hu­mor não é o ri­so, a ca­ço­a­da mas um ti­po especial de co­mi­ci­da­de que tor­na am­bí­guo tu­do que atinge.”

Ou­tra la­cra­da bakthi­ni­a­na é o di­a­lo­gis­mo. Ao con­trá­rio da mai­o­ria dos lin­guis­tas, ele pro­põe que a uni­da­de fun­da­men­tal da lin­gua­gem não é a sen­ten­ça, mas ou­tra uni­da­de – o enun­ci­a­do­em-diá­lo­go, a tro­ca di­nâ­mi­ca en­tre fa­lan­tes e ou­vin­tes. Con­vém as­si­na­lar (co­mo Pau­lo Be­zer­ra o faz no seu Glos­sá­rio no Vo­lu­me I), que em rus­so não exis­te o ver­bo “di­a­lo­gar”. O que Bakhtin quer di­zer é que o su­jei­to, num pa­po, in­te­ra­ge con­cor­dan­do ou dis­cor­dan­do, com­ple­men­tan­do e se cons­truin­do ao jo­gar con­ver­sa fo­ra, co­mo num per­pé­tuo e re­cí­pro­co ca­lei­dos­có­pio. Em su­ma, so­mos cons­ti­tuí­dos pe­la al­te­ri­da­de – sim, o in­fer­no são os ou­tros, mas o céu tam­bém. Sa­ca­das opor­tu­nas nes­tes nos­sos tem­pos tão sec­tá­ri­os em que, de no­vo com Ge­or­ge Stei­ner, “não se dis­cor­da mais – odeia-se.”

En­quan­to au­tor e pro­fes­sor de Es­cri­ta Cri­a­ti­va, o vo­lu­me que mais me fez sa­li­var foi o III, fer­vi­lhan­do de for­mu­la­ções per­ti­nen­tes so­bre a iden­ti­da­de do ro­man­ce. Por exem­plo, ao con­trá­rio da tra­gé­dia e da epo­peia, “o ro­man­ce é o úni­co gê­ne­ro em for­ma­ção e ain­da ina­ca­ba­do.” Pen­sa­vam que Ja­mes Joy­ce e sua tur­ma ti­nham ma­ta­do a co­bra e mos­tra­do o pau? Que na­da: o ro­man­ce é uma obra em obras – tal­vez por, de no­vo ao con­trá­rio da­que­les ou­tros gê­ne­ros, não ser mais ve­lho que a es­cri­ta e o li­vro. “O es­tu­do dos ou­tros gê­ne­ros é aná­lo­go ao es­tu­do de uma lín­gua mor­ta: o es­tu­do do ro­man­ce é o es­tu­do de uma lín­gua vi­va.”

As pé­ro­las con­cei­tu­ais de Bakhtin têm a per­su­a­são da evi­dên­cia ir­re­fu­tá­vel: 1) “O ro­man­ce não de­ve ser ‘poé­ti­co’” – na prosa, is­so de­ge­ne­ra sem­pre em co­les­te­rol ver­bal ca­fo­na 2) “O pro­ta­go­nis­ta do ro­man­ce não de­ve ser ‘he­roi­co’, nem no sen­ti­do épi­co, nem no sen­ti­do trá­gi­co do ter­mo: de­ve reu­nir tan­to tra­ços po­si­ti­vos quan­to ne­ga­ti­vos, tan­to bai­xos co­mo ele­va­dos, tan­to cô­mi­cos quan­to sé­ri­os.” Co­mo cos­tu­mo en­si­nar nos meus cur­sos, o pro­ta­go­nis­ta per­fei­to (na acep­ção li­te­rá­ria) tem de­fei­tos. 3) “O pro­ta­go­nis­ta não de­ve ser apre­sen­ta­do co­mo imu­tá­vel ou aca­ba­do, mas em mu­dan­ça, sen­do edu­ca­do pe­la vi­da”. Pois, acres­cen­to eu, se re­la­ta não a ro­ti­na do mais do mes­mo, mas um mo­men­to mar­can­te na exis­tên­cia do per­so­na­gem, em que ele apren­de al­go so­bre os ou­tros, so­bre o mun­do e so­bre si mes­mo.

É por es­tas e por ou­tras que, pe­lo me­nos des­de o sé­cu­lo 17 a hu­ma­ni­da­de tem um ro­man­ce com o ro­man­ce – e continuam fei­tos um pa­ra o ou­tro, ape­sar do olho gor­do de al­guns her­me­neu­tas es­trá­bi­cos. Va­leu, Bakhtin!

Edi­ção crí­ti­ca com três li­vros do teó­ri­co rus­so so­bre o gê­ne­ro li­te­rá­rio e tra­du­ção de Pau­lo Be­zer­ra de­sen­vol­ve con­cei­tos co­mo he­te­ro­dis­cur­so, que des­ta­ca a plu­ra­li­da­de

PAU­LO NO­GUEI­RA É AU­TOR DE ‘O AMOR É UM LU­GAR CO­MUM (EDI­TO­RA INTERMEIOS)

THE BLUE HOU­SE/MARC CHA­GALL

Con­de­na­do. Proi­bi­do de vi­ver em gran­des ci­da­des pe­lo re­gi­me, Bakhtin mo­rou em vi­la­re­jos

Bakhtin. Preso em 1928 por Sta­lin, ele mor­reu em 1975

TE­O­RIA DO RO­MAN­CE AU­TOR: MIKHAIL BAKHTIN TRADUTOR: PAU­LO BE­ZER­RA EDI­TO­RA: 34 3 VOL., R$ 108

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.