VOZ DO CEN­TRO DA TER­RA

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Bru­na Me­ne­guet­ti

“‘Fa­lem’, dis­se, nos ame­a­çan­do ar­ran­car a lín­gua, que es­ta­va, mal ela sa­bia, em uma das nos­sas mãos”, con­ta Bi­bi­a­na, uma das per­so­na­gens do li­vro Tor­to Ara­do, de Ita­mar Vi­ei­ra Ju­ni­or, au­tor vencedor do Prê­mio Leya 2018. No tre­cho, Bi­bi­a­na era uma cri­an­ça e es­ta­va jun­to de sua ir­mã ca­çu­la Be­lo­ní­sia. Elas me­xi­am nos per­ten­ces da avó Do­na­na qu­an­do en­con­tram uma fa­ca de pra­ta com ca­bo de mar­fim, e, ma­ra­vi­lha­das pe­lo ob­je­to, o co­lo­cam na bo­ca. É des­sa for­ma ines­pe­ra­da e sim­ples que Ita­mar co­me­ça o li­vro e con­duz os lei­to­res pe­las pá­gi­nas que, aos pou­cos, vão es­cla­re­cen­do quem são e co­mo vi­vem as du­as ir­mãs, além de qual de­las te­ria per­di­do a lín­gua. “Eu sei que a dú­vi­da pa­ra quem es­tá len­do é uma coi­sa cheia de sig­ni­fi­ca­dos e eu que­ria que o lei­tor fos­se co­mi­go nes­se exer­cí­cio”, ex­pli­ca o es­cri­tor em entrevista ao Aliás.

A obra, di­vi­di­da em par­tes (Fio de Cor­te, Tor­to Ara­do e Rio de San­gue), é con­ta­da por três nar­ra­do­ras di­fe­ren­tes, que vão dis­cor­ren­do so­bre a vi­da das ir­mãs des­de a in­fân­cia até me­a­dos dos anos 2000, já na vi­da adul­ta. Mo­ra­do­ras da Fa­zen­da Água Ne­gra – o lo­cal es­ta­ria lo­ca­li­za­do no mu­ni­cí­pio de Len­çóis, na Cha­pa­da Di­a­man­ti­na –, Bi­bi­a­na e Be­lo­ní­sia têm uma re­la­ção di­fe­ren­te com a ter­ra: o pai de­las é cu­ra­dor e do­mi­na as er­vas, chegando a dei­tar no chão pa­ra ouvir o que o so­lo diz e, des­sa for­ma, en­con­trar so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas agrícolas. Ze­ca Cha­péu Gran­de, co­mo é co­nhe­ci­do, pra­ti­ca o Ja­rê, um sis­te­ma de cren­ças que mis­tu­ra o ca­to­li­cis­mo ru­ral, es­pi­ri­tis­mo, re­li­giões xa­mâ­ni­cas e afro-bra­si­lei­ras. As­sim, Ze­ca é vis­to co­mo um lí­der re­li­gi­o­so da fa­zen­da que não é de­le e de ne­nhum dos tra­ba­lha­do­res que ali mo­ram.

Ain­da em um sis­te­ma aná­lo­go ao es­cra­va­gis­ta, na dé­ca­da 1960 as fa­mí­li­as tro­cam um pe­da­ço de ter­ra, on­de po­dem cons­truir ca­sas de bar­ro e plan­tar, por seus tra­ba­lhos bra­çais com a con­di­ção de tam­bém do­a­rem ao fa­zen­dei­ro um ter­ço do que pro­du­zem. Mui­tas ve­zes, por fal­ta de tem­po, se li­mi­tam a com­prar man­ti­men­tos no bar­ra­cão do lo­cal que pos­sui pre­ços ex­tor­si­vos. Des­sa for­ma, sem nun­ca re­ce­ber seus sa­lá­ri­os, as pes­so­as es­tão sem­pre de­ven­do mais do que de­ve­ri­am re­ce­ber. Po­rém, a princípio, as ir­mãs não per­ce­bem o sis­te­ma no qual es­tão in­se­ri­das. A lín­gua per­di­da rou­ba to­da a aten­ção, fa­zen­do com que cri­em no­vas ma­nei­ras de se co­mu­ni­car e com que a re­la­ção se es­trei­te pro­fun­da­men­te: “Foi as­sim que vi­mos os anos pas­sa­rem e nos sen­ti­mos qua­se si­a­me­sas ao di­vi­dir o mes­mo ór­gão pa­ra pro­du­zir os sons que ma­ni­fes­ta­vam o que pre­ci­sá­va­mos ser”.

A pri­mei­ra pa­la­vra que a ir­mã sem lín­gua de­ci­de fa­lar é “ara­do”, por cau­sa da di­fi­cul­da­de da so­no­ri­da­de e, tal­vez, por sua re­la­ção com a ter­ra.

Jo­vem e pre­mi­a­do es­cri­tor, Ita­mar Vi­ei­ra Jr., em seu ‘Tor­to Ara­do’, usa no­tas de pes­qui­sa so­ci­o­ló­gi­ca que fez na Cha­pa­da Di­a­man­ti­na, cru­zan­do fa­tos com fic­ção, san­tos e pa­gãos, pa­ra pro­var que o País vi­ve no passado

No en­tan­to, o som sai tor­to. Pa­ra Ita­mar, além das pa­la­vras “tor­to ara­do” es­ta­rem pre­sen­tes no po­e­ma Ma­rí­lia de Dir­ceu, de Tomás Antô­nio Gon­za­ga (on­de as leu pe­la pri­mei­ra vez qu­an­do te­ve a ideia ini­ci­al do li­vro, aos 16 anos), o ara­do é um ob­je­to car­re­ga­do de sig­ni­fi­ca­dos, pois atra­ves­sou o tem­po den­tro da­que­la fa­zen­da, in­do da es­cra­vi­dão até os di­as atu­ais: “Ara­do é uma pa­la­vra que nes­sa segunda sí­la­ba pas­sa por nós ras­gan­do, en­tão a in­ten­ção era a per­so­na­gem se im­por es­se au­to­fla­ge­lo. Tam­bém tem uma so­no­ri­da­de que se vo­cê fa­lar mui­to rá­pi­do po­de to­mar ou­tro sen­ti­do, o de ‘tor­tu­ra­do’”, ex­pli­ca lem­bran­do tam­bém que, ape­sar do ara­do “ras­gar a ter­ra”, ele “per­mi­te que plan­tem e cul­ti­vem”.

No en­tan­to, lo­go as mu­dan­ças da vi­da agem tam­bém co­mo um ara­do e dis­tan­ci­am as du­as mu­lhe­res num mo­vi­men­to cí­cli­co de aproximaçã­o e afas­ta­men­to que per­cor­re to­da a obra e des­trin­cha o gran­de grau de li­ga­ção e in­di­vi­du­a­li­da­de que po­de exis­tir nas re­la­ções en­tre ir­mãos. É in­te­res­san­te ob­ser­var que tal­vez a fal­ta de tra­ves­sões e diá­lo­gos ex­ten­sos no li­vro se­jam um re­fle­xo da co­mu­ni­ca­ção en­tre Bi­bi­a­na e Be­lo­ní­sia, po­rém po­dem sim­bo­li­zar tam­bém co­mo o ne­gro é cri­a­do pa­ra não ex­por sua voz e co­mo vai en­con­tran­do-a a par­tir da to­ma­da de cons­ci­ên­cia so­bre seu passado e pre­sen­te. Não à toa, a pri­mei­ra fa­la com­pri­da da obra ocor­re qu­an­do a ir­mã com a lín­gua to­ma o lu­gar do ma­ri­do na lu­ta de clas­ses que ele en­ca­be­ça­va.

Nes­se sen­ti­do, Tor­to Ara­do to­ca em te­mas tra­gi­ca­men­te atu­ais. “Es­sa fa­zen­da é fic­tí­cia, mas ao lon­go do meu tra­ba­lho vi mui­tos lu­ga­res pa­re­ci­dos, en­tão a ques­tão da servidão e da sub­ser­vi­ên­cia, fo­ram coisas que eu en­con­trei pe­lo ca­mi­nho”, dis­cor­re o au­tor que há 13 anos tra­ba­lha com cam­po­ne­ses e cu­ja te­se de dou­to­ra­do foi uma et­no­gra­fia so­bre uma co­mu­ni­da­de da re­gião da Cha­pa­da, o que, se­gun­do con­ta, o aju­dou a apren­der a ouvir, a fa­zer nar­ra­ti­vas e tam­bém nas su­as pes­qui­sas so­bre a re­gião. “Ain­da exis­tem co­mu­ni­da­des in­tei­ras à es­pe­ra de que o Es­ta­do pos­sa re­gu­la­ri­zar su­as terras, ain­da há pes­so­as sen­do as­sas­si­na­das”.

In­clu­si­ve, foi a par­tir da no­tí­cia do as­sas­si­na­to de oi­to tra­ba­lha­do­res, co­nhe­ci­dos de Ita­mar e mor­tos nas dis­pu­tas por ter­ra, que o au­tor de­ci­diu mu­dar o rumo de um dos seus per­so­na­gens. “A ar­te é um es­pe­lho da vi­da, en­tão ele é as­sas­si­na­do, co­mo aque­las pes­so­as. É aque­la coi­sa cho­can­te que fi­ca pi­ni­can­do na nos­sa es­cri­ta, por­que a gen­te vi­ve is­so tam­bém”, ex­pli­ca. “Acho que a in­ten­ção do ro­man­ce era mes­mo re­tra­tar uma re­a­li­da­de que pou­co mu­dou no Bra­sil. Es­se sis­te­ma de ex­plo­ra­ção, que de­ve­ria ter ter­mi­na­do com o fim da es­cra­vi­dão, se trans­for­mou em ou­tras coisas”.

Ou­tra par­ti­cu­la­ri­da­de do li­vro é a ri­que­za com que são de­ta­lha­dos os mo­men­tos de far­tu­ra e es­cas­sez no plan­tio, mos­tran­do o quan­to a na­tu­re­za po­de cas­ti­gar a po­pu­la­ção do campo, as­sim co­mo as im­po­si­ções do fa­zen­dei­ro: “Na ma­nhã se­guin­te, Su­té­rio apa­re­ceu em nos­sa ca­sa (...) Lem­brou a meu pai da ter­ça par­te que ti­nha que dar da produção do quin­tal. Mas as ba­ta­tas não eram da produção do quin­tal. Da ter­ra não bro­ta­va nem pas­to, mui­to me­nos ba­ta­ta”. Ao me­nos, o do­no das terras to­le­ra­va a prá­ti­ca da cren­ça Ja­rê. Ao con­trá­rio do sis­te­ma es­cra­vis­ta, o Ja­rê es­tá de­sa­pa­re­cen­do na re­gião, de for­ma que o li­vro po­de até mes­mo ser vis­to co­mo uma documentaç­ão des­ta cul­tu­ra.

Ita­mar con­fes­sa que a fé nos en­can­ta­dos, es­pé­ci­es de en­ti­da­des, exer­ceu gran­de fas­cí­nio so­bre ele de­vi­do à so­li­da­ri­e­da­de que a acom­pa­nha. “Ali vo­cê vai ter san­tos ca­tó­li­cos com ca­bo­clos in­dí­ge­nas, com ori­xás, to­dos no pan­teão de dei­da­des de en­can­ta­dos do Ja­rê, e is­so é mui­to Bra­sil, é mui­to nos­so, e me en­can­tou pro­fun­da­men­te por­que per­mi­tiu que es­sas po­pu­la­ções atra­ves­sas­sem dé­ca­das e dé­ca­das de des­ca­so do go­ver­no bra­si­lei­ro. Es­sa re­de de so­li­da­ri­e­da­de per­mi­tiu que eles so­bre­vi­ves­sem”.

As­sim, já no fi­nal do li­vro, o lei­tor se de­pa­ra com a voz de San­ta Ri­ta Pes­quei­ra, uma en­can­ta­da. San­ta Ri­ta, se­gun­do Ita­mar, foi fru­to de su­as pes­qui­sas. “Eu en­con­trei re­la­tos so­bre ela na re­gião, em al­gum mo­men­to San­ta Ri­ta exis­tiu por­que eles re­gis­tra­ram o no­me, só que nin­guém sa­bia me fa­lar so­bre ela. Is­so pa­ra mim foi um em­ba­te por­que eu pen­sei que, se nin­guém sa­be na­da, é por­que a tra­di­ção es­tá se per­den­do tam­bém. Es­ses per­so­na­gens um pou­co va­zi­os a gen­te pre­en­che com fic­ção”, ex­pli­ca.

Pa­ra o au­tor, a pre­sen­ça da en­can­ta­da é uma ale­go­ria de co­mo “a his­tó­ria não nos aban­do­na”. Por is­so, na nar­ra­ti­va, San­ta Ri­ta fa­la de fa­tos que se per­de­ram no tem­po e que mais nin­guém po­de­ria con­tar, mos­tran­do co­mo o es­que­ci­men­to dos co­nhe­ci­men­tos so­bre a na­tu­re­za, que são pas­sa­dos com me­nor in­ten­si­da­de pa­ra as pró­xi­mas gerações, se re­fle­tem da mes­ma ma­nei­ra na tra­di­ção e na cul­tu­ra. Além do mais, es­ses ele­men­tos do passado – a re­al di­men­são da ex­plo­ra­ção de escravos na mi­ne­ra­ção de di­a­man­tes no sé­cu­lo 19 na Cha­pa­da, a ma­nei­ra abu­si­va co­mo vi­vi­am seus an­te­pas­sa­dos e, co­mo se não bas­tas­se, o am­bi­en­te ser­vil le­va­do pa­ra den­tro das ca­sas, nas re­la­ções en­tre ma­ri­do e es­po­sa – apa­re­cem jus­ta­men­te con­for­me as ir­mãs vão to­man­do cons­ci­ên­cia de sua con­di­ção atu­al. Um cla­ro si­nal de que o ato de olhar pa­ra a pró­pria re­a­li­da­de tem co­mo con­sequên­cia en­xer­gar o passado com mai­or lu­ci­dez.

É JOR­NA­LIS­TA E AU­TO­RA DE ‘O ÚL­TI­MO TI­RO DA GUANABARA’ (EDI­TO­RA REFORMATÓR­IO)

C­MA­RA MU­NI­CI­PAL DA PÓ­VOA DE VAR­ZIM/TO­DA­VIA

O au­tor. Em retrato da cren­ça po­pu­lar nos ‘en­can­ta­dos’,, Ita­mar Vi­i­ei­i­ra Jr.. vi­iu que Paíís não mu­dou

TOR­TO ARA­DO AU­TOR: ITA­MAR VI­EI­RA JU­NI­OR EDI­TO­RA: TO­DA­VIA 264 PÁ­GI­NAS, R$ 54,90

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.