HI­TLER, UM ES­PEC­TRO

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Talya Zax /TRA­DU­ÇÃO DE CLAU­DIA BOZZO

Du­as no­vas bi­o­gra­fi­as so­bre o di­ta­dor, a de Peter Lon­ge­ri­ch e de Bren­dam Simms, ve­em se­me­lhan­ças en­tre os fa­tos atu­ais e a cri­se de Wei­mar que le­vou, em 1933, um lu­ná­ti­co ao po­der, im­pon­do o ter­ror na Ale­ma­nha e em ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa, o que não es­tá lon­ge de se repetir

Qu­an­do não es­tá tra­ba­lhan­do em um li­vro so­bre as raí­zes do an­tis­se­mi­tis­mo em seu país, o his­to­ri­a­dor ale­mão e es­pe­ci­a­lis­ta em Ho­lo­caus­to Peter Lon­ge­ri­ch tem pen­sa­do em 1923. Na­que­le ano, Lon­ge­ri­ch ex­pli­cou, a Ale­ma­nha en­fren­tou uma grave cri­se. A economia os­ci­lou, os mo­vi­men­tos se­pa­ra­tis­tas se ace­le­ra­ram em vá­ri­os es­ta­dos e, em no­vem­bro, o po­lí­ti­co ini­ci­an­te Adolf Hi­tler ten­tou um gol­pe na Ba­vi­e­ra. Ain­da as­sim, “a Re­pú­bli­ca de Wei­mar con­se­guiu superar a cri­se e se es­ta­bi­li­zar”.

Uma dé­ca­da de­pois, ou­tra cri­se te­ve um re­sul­ta­do mui­to di­fe­ren­te: Hi­tler tor­nou-se chan­ce­ler do Rei­ch, ra­pi­da­men­te eli­mi­nou os con­tro­les ins­ti­tu­ci­o­nais so­bre seu po­der e lan­çou uma di­ta­du­ra. Co­mo Hi­tler foi ca­paz de trans­for­mar uma na­ção de­mo­crá­ti­ca em uma au­to­cra­cia or­ga­ni­za­da em tor­no do ódio ra­ci­al? Nos úl­ti­mos anos, co­mo gran­de par­te do mun­do oci­den­tal viu uma mu­dan­ça no­tá­vel, às ve­zes vi­o­len­ta, em di­re­ção ao na­ci­o­na­lis­mo e ao an­tis­se­mi­tis­mo, es­sa se tor­nou uma ques­tão de vas­to e an­si­o­so in­te­res­se. Nes­te ou­to­no, dois no­vos li­vros bus­cam res­pos­tas: Hi­tler: A Bi­o­graphy (Hi­tler: Uma Bi­o­gra­fia), de Lon­ge­ri­ch, e Hi­tler: A Global Bi­o­graphy (Hi­tler:

Uma Bi­o­gra­fia Global), do his­to­ri­a­dor de Cam­brid­ge Bren­dan Simms. Am­bos es­ta­vam em an­da­men­to bem an­tes do tu­mul­to dos acon­te­ci­men­tos atu­ais, mas am­bos os bió­gra­fos re­co­nhe­cem que as ten­dên­ci­as po­lí­ti­cas re­cen­tes tor­na­ram o as­sun­to es­pe­ci­al­men­te den­so.

“As ques­tões que Hi­tler es­ta­va abor­dan­do – de­si­gual­da­de, mi­gra­ção, o desafio do ca­pi­ta­lis­mo in­ter­na­ci­o­nal – são tão im­por­tan­tes quan­to eram qu­an­do ele se propôs a for­ne­cer res­pos­tas pe­cu­li­ar­men­te des­tru­ti­vas e pre­o­cu­pan­tes”, dis­se Simms. “De uma ma­nei­ra mui­to alar­man­te e per­tur­ba­do­ra, Hi­tler é re­al­men­te me­nos es­tra­nho ho­je do que era há 20 ou 30 anos.”

Pa­ra Lon­ge­ri­ch, ape­nas al­guns no­vos fa­to­res se­pa­ram os even­tos de 1923 e 1933. Uma ali­an­ça en­tre fac­ções con­ser­va­do­ras que du­rou ape­nas o tem­po su­fi­ci­en­te. Uma de­gra­da­ção cons­tan­te da Cons­ti­tui­ção do país pa­ra pre­pa­rar o ca­mi­nho. Mais im­por­tan­te, um lí­der que, por meio da pers­pi­cá­cia, for­ça de von­ta­de e ca­ris­ma, uniu um mo­vi­men­to de­vi­do a pa­ra­li­san­tes lu­tas in­ter­nas.

Du­ran­te dé­ca­das, as ati­tu­des aca­dê­mi­cas pre­do­mi­nan­tes mi­ni­mi­za­ram a im­por­tan­te po­si­ção cen­tral des­se lí­der, pre­fe­rin­do exa­mi­nar as es­tru­tu­ras que pos­si­bi­li­ta­ram o am­plo ter­ror do Ter­cei­ro Rei­ch. “Os acon­te­ci­men­tos de al­guns paí­ses (Polô­nia, No­ru­e­ga, Itá­lia, Fran­ça) e pro­fun­da­men­te na União So­vié­ti­ca, não po­dem ser ex­pli­ca­dos sim­ples­men­te pe­la to­ma­da cen­tral de de­ci­sões”, dis­se Jür­gen Matthäus, che­fe de pes­qui­sa do Mu­seu Me­mo­ri­al do Ho­lo­caus­to dos EUA.

Mas Lon­ge­ri­ch e Simms es­tão en­tre vá­ri­os his­to­ri­a­do­res que re­a­va­li­am es­sa ati­tu­de atu­al­men­te (ou­tro é Vol­ker Ull­ri­ch, au­tor de uma bi­o­gra­fia re­cen­te de Hi­tler em dois vo­lu­mes). Não é o ca­so de que “acon­te­ci­men­tos pe­ri­go­sos se ori­gi­nem ape­nas de mo­vi­men­tos so­ci­ais ou ten­dên­ci­as estruturai­s”, dis­se Lon­ge­ri­ch. “Tam­bém po­de ser, sim­ples­men­te, que uma pes­soa te­nha a ca­pa­ci­da­de de usar uma cer­ta si­tu­a­ção po­lí­ti­ca pa­ra de­fi­nir no­vos ob­je­ti­vos.”

Em um vo­lu­me de 2018 do anuá­rio ale­mão de his­tó­ria con­tem­po­râ­nea de­di­ca­do a no­vas pes­qui­sas so­bre Hi­tler, os edi­to­res Eli­za­beth Har­vey e Johan­nes Hür­ter iden­ti­fi­ca­ram um re­cen­te “bo­om de Hi­tler”, um aumento ines­pe­ra­do na pes­qui­sa ale­mã so­bre Hi­tler, ini­ci­a­do em 2013. Mas eles são cau­te­lo­sos em atri­buir es­se aumento às pre­o­cu­pa­ções do pú­bli­co.

Os aca­dê­mi­cos, dis­se Har­vey, em gran­de par­te não es­tão res­pon­den­do ao “pre­o­cu­pan­te aumento que ocor­re ho­je do ex­tre­mis­mo de di­rei­ta, an­tis­se­mi­tis­mo, ra­cis­mo, po­pu­lis­mo de di­rei­ta, li­de­ran­ças de fi­gu­ras ex­tre­mis­tas” pen­san­do: “Cer­to, vou es­cre­ver uma me­lhor bi­o­gra­fia de Hi­tler pa­ra cor­ri­gir is­so.”

Na ver­da­de, os his­to­ri­a­do­res pro­fis­si­o­nais têm re­ceio de tra­çar mui­tos pa­ra­le­los en­tre Hi­tler e os lí­de­res atu­ais de men­ta­li­da­de au­to­ri­tá­ria. “A his­tó­ria”, dis­se Matthäus, “é pro­va­vel­men­te mais com­ple­xa do que tais ana­lo­gi­as gos­ta­ri­am que fos­se”.

Simms com­par­ti­lha des­sa opinião. “Não acho que exis­tam quais­quer ar­gu­men­tos par­ti­dá­ri­os sim­ples que vo­cê pos­sa sa­car ho­je, com ba­se nas des­co­ber­tas des­ses li­vros”, dis­se ele. “Se hou­ver uma com­pa­ra­ção ou uma li­ção a ser ti­ra­da, é que é pre­ci­so le­var a sé­rio e ob­ser­var aten­ta­men­te o que as pes­so­as di­zem e o que ar­gu­men­tam an­tes de che­gar ao po­der, e não as­su­mir que se­rão do­mi­na­das pe­las es­tru­tu­ras.” Ao es­cre­ver so­bre a ob­ses­são fu­ri­o­sa de Hi­tler pe­la emi­gra­ção ale­mã pa­ra os EUA, Simms (que é bri­tâ­ni­co) in­cluiu uma re­fe­rên­cia ao ce­ná­rio con­tem­po­râ­neo: “O pre­si­den­te é men­ci­o­na­do no li­vro, mas ape­nas no con­tex­to em que seu avô, Fre­de­rick Trump, foi um da­que­les ale­mães que saí­ram da Ale­ma­nha”, dis­se ele.

Simms é um ci­en­tis­ta po­lí­ti­co e pro­fes­sor de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais; es­ta é sua pri­mei­ra bi­o­gra­fia e seu pri­mei­ro li­vro a se con­cen­trar na 2ª. Guer­ra Mun­di­al. Uma mo­ti­va­ção sig­ni­fi­ca­ti­va era pes­so­al: “Mi­nha mãe é ale­mã e eu vi­vi a mai­or par­te da mi­nha in­fân­cia na Ale­ma­nha”, dis­se ele. “Meu avô serviu na 2ª. Guer­ra Mun­di­al no la­do ale­mão.”

Lon­ge­ri­ch – cu­jos li­vros an­te­ri­o­res in­clu­em bi­o­gra­fi­as dos lí­de­res na­zis­tas Hein­ri­ch Himm­ler e Jo­seph Go­eb­bels, bem co­mo en­sai­os (Ho­lo­caust: The Na­zi Mur­der and the Per­se­cu­ti­on of the Jews, ou Ho­lo­caus­to: o As­sas­si­no Na­zis­ta e a Per­se­gui­ção dos Ju­deus)– tam­bém tem ra­zões pes­so­ais pa­ra o seu in­te­res­se. “Cla­ro, vo­cê se per­gun­ta: por que vo­cê es­tá fa­zen­do is­so?”, ele dis­se. “Por que vo­cê es­tá tão ob­ce­ca­do com es­se pe­río­do?”

Uma ra­zão, ele dis­se, é que ele nasceu na Ale­ma­nha ape­nas uma dé­ca­da após o tér­mi­no da guer­ra. “Meus pro­fes­so­res re­al­men­te ser­vi­ram na Wehr­ma­cht. Meu pro­fes­sor de His­tó­ria era um ex-in­te­gran­te das SS. É di­fí­cil ad­mi­tir que os ido­sos que vo­cê co­nhe­ce es­ta­vam ati­va­men­te en­vol­vi­dos nes­se sis­te­ma.”

Es­sa di­fi­cul­da­de, pa­ra ele, vi­rou cu­ri­o­si­da­de so­bre “a ra­pi­dez com que a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca de Wei­mar, cen­tro da cul­tu­ra mo­der­na, po­de se trans­for­mar em uma di­ta­du­ra – e com que ra­pi­dez es­sa di­ta­du­ra po­de vir a ser transforma­da, no­va­men­te, em uma so­ci­e­da­de de­mo­crá­ti­ca re­la­ti­va­men­te nor­mal.”

Cau­te­la aca­dê­mi­ca à par­te, es­sa cu­ri­o­si­da­de não es­tá de­sa­pe­ga­da da ação; Lon­ge­ri­ch e Simms se jun­ta­ram às cres­cen­tes fi­lei­ras de his­to­ri­a­do­res que fa­lam pu­bli­ca­men­te so­bre as ame­a­ças que iden­ti­fi­cam na so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea. Lon­ge­ri­ch aju­dou a li­de­rar uma co­mis­são par­la­men­tar ale­mã em 2012 que exa­mi­nou o an­tis­se­mi­tis­mo no país, e Simms é pre­si­den­te de um ins­ti­tu­to de al­tos es­tu­dos, o Pro­je­to pa­ra a União De­mo­crá­ti­ca, que apoia a cri­a­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de um úni­co Es­ta­do eu­ro­peu.

“Pa­ra his­to­ri­a­do­res que tra­ba­lham na his­tó­ria do na­ci­o­nal-so­ci­a­lis­mo”, dis­se Har­vey, “há um sen­ti­men­to de obri­ga­ção de in­ter­vir nos de­ba­tes atu­ais”. O mo­men­to da his­tó­ria é de­li­ca­do, e a vi­da de Hi­tler con­ti­nua sen­do um dos exem­plos mais in­com­pre­en­sí­veis de quão ra­pi­da­men­te o to­que da pes­soa er­ra­da, na ho­ra er­ra­da, po­de des­truir uma or­dem que pa­re­cia es­tá­vel. “Era ini­ma­gi­ná­vel”, dis­se Lon­ge­ri­ch, “co­mo o mun­do em que eu ha­via cres­ci­do, ape­nas 25 anos an­tes, pu­des­se ser tão di­fe­ren­te”.

ROLLS PRESS/THE NEW YORK TI­MES

HI­TLER, A GLOBAL Bi­O­GRAPHY AU­TOR: BREN­DAM SIMMS EDI­TO­RA: BASIC BOOKS 704 PÁGS., US$ 35

HI­TLER AU­TOR: PETER LON­GE­RI­CH EDI­TO­RA: OX­FORD 1.344 PÁGS., US$ 28

Lon­ge­ri­ch. Ten­tan­do en­ten­der co­mo uma de­mo­cra­cia vi­ra uma di­ta­du­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.