Go­ver­no quer apoio pri­va­do pa­ra vol­tar a ex­plo­rar urâ­nio

Mi­ne­ra­ção, que pe­la Cons­ti­tui­ção é mo­no­pó­lio da União, es­tá pa­ra­da há cin­co anos; País tem 7ª re­ser­va do mun­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - An­ne Warth / BRA­SÍ­LIA

O go­ver­no quer re­to­mar a mi­ne­ra­ção de urâ­nio no País, pa­ra­li­sa­da há cin­co anos. A me­di­da faz parte da es­tra­té­gia de am­pli­a­ção do pro­gra­ma nu­cle­ar brasileiro – o mi­né­rio é ma­té­ria-pri­ma pa­ra o com­bus­tí­vel usa­do nas usi­nas nu­cle­a­res. A ex­plo­ra­ção é mo­no­pó­lio cons­ti­tu­ci­o­nal da União, e só po­de ser fei­ta pe­la es­ta­tal In­dús­tri­as Nu­cle­a­res do Brasil (INB). A ideia é fir­mar par­ce­ri­as com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, quan­do a pre­sen­ça de urâ­nio em uma re­ser­va é mi­no­ri­tá­ria. “Pre­ci­sa­mos bus­car par­ce­ri­as. Não po­de­mos fi­car es­pe­ran­do di­nhei­ro do go­ver­no”, diz o pre­si­den­te da INB, Car­los Frei­re. O mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Al­bu­quer­que, tam­bém de­fen­de a que­bra do mo­no­pó­lio em um segundo mo­men­to e até a ex­plo­ra­ção de usi­nas nu­cle­a­res pe­lo se­tor pri­va­do, o que exi­gi­rá o aval do Con­gres­so. Em­pre­sas es­tran­gei­ras já ma­ni­fes­ta­ram in­te­res­se. Com ape­nas um ter­ço do território na­ci­o­nal pros­pec­ta­do, o Brasil tem a sé­ti­ma mai­or re­ser­va do mi­né­rio do mun­do.

Di­an­te das res­tri­ções de Or­ça­men­to, ideia é fir­mar par­ce­ri­as com ini­ci­a­ti­va pri­va­da pa­ra ex­plo­rar o mi­ne­ral em áre­as nas quais ele não é ma­jo­ri­tá­rio, pa­ra não al­te­rar a Cons­ti­tui­ção; com ape­nas um ter­ço do território pros­pec­ta­do, País tem 7ª mai­or re­ser­va glo­bal

Após cin­co anos, o go­ver­no pre­ten­de re­to­mar a mi­ne­ra­ção de urâ­nio em território na­ci­o­nal co­mo es­tra­té­gia pa­ra am­pli­ar o pro­gra­ma nu­cle­ar brasileiro. O mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Al­bu­quer­que, dis­se ao ‘Es­ta­do’ que es­se não é ape­nas um de­se­jo do go­ver­no, mas uma de­ci­são po­lí­ti­ca que se­rá ado­ta­da. A ex­pec­ta­ti­va é ini­ci­ar os trabalhos na mi­na do En­ge­nho, em Ca­e­ti­té, na Bahia, até o fim des­te ano.

A ex­plo­ra­ção se­rá fei­ta uni­ca­men­te pe­la es­ta­tal In­dús­tri­as Nu­cle­a­res do Brasil (INB), mas a ideia do go­ver­no, di­an­te das res­tri­ções do Or­ça­men­to pa­ra re­a­li­zar in­ves­ti­men­tos, é fir­mar par­ce­ri­as com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da pa­ra ex­plo­rar o po­ten­ci­al de urâ­nio em território na­ci­o­nal.

Com ape­nas um ter­ço do território pros­pec­ta­do, o Brasil tem ho­je a sé­ti­ma mai­or re­ser­va ge­o­ló­gi­ca de urâ­nio do mun­do – atrás de Aus­trá­lia, Ca­sa­quis­tão, Ca­na­dá, Rús­sia, Áfri­ca do Sul e Nigéria. O urâ­nio é ma­té­ria-pri­ma pa­ra o com­bus­tí­vel uti­li­za­do em usi­nas nu­cle­a­res, e sua ex­plo­ra­ção é mo­no­pó­lio cons­ti­tu­ci­o­nal da União. Ho­je, ape­nas a es­ta­tal INB po­de atu­ar na área.

Mas o go­ver­no ava­lia que é pos­sí­vel fir­mar par­ce­ri­as em ca­sos es­pe­cí­fi­cos, par­ti­cu­lar­men­te quan­do a pre­sen­ça de urâ­nio é mi­no­ri­tá­ria em uma re­ser­va. É o ca­so da mi­na de San­ta Qui­té­ria, no Ceará, em que há 90% de fos­fa­to e 10% de urâ­nio. Por isso, a INB for­mou o con­sór­cio com o Gru­po Gal­va­ni, que de­ve co­me­çar a ope­rar até o iní­cio de 2024, de acor­do com o pre­si­den­te da INB, Car­los Frei­re (ler en­tre­vis­ta na pág. B3). Pa­ra o mi­nis­tro, es­se se­rá o pri­mei­ro pas­so pa­ra a for­ma­ção de ou­tras par­ce­ri­as.

“Exis­tem al­gu­mas al­ter­na­ti­vas sem ne­ces­si­da­de de al­te­ra­ção da Cons­ti­tui­ção pa­ra que es­sa ati­vi­da­de mi­ne­rá­ria pos­sa ser fei­ta pe­la INB e uma ou­tra em­pre­sa de capital pri­va­do. No que diz res­pei­to ao urâ­nio, a INB se­ria ma­jo­ri­tá­ria. Na ex­plo­ra­ção, não tem só urâ­nio, po­de ter ou­tro mi­ne­ral e nor­mal­men­te tem”, afir­mou o mi­nis­tro Al­bu­quer­que.

Mu­dan­ça. Pa­ra o mi­nis­tro, po­rém, é pos­sí­vel avan­çar. Ele de­fen­de a que­bra do mo­no­pó­lio da União na ex­plo­ra­ção de urâ­nio e até a ex­plo­ra­ção de usi­nas nu­cle­a­res pe­lo se­tor pri­va­do. Pa­ra isso, no en­tan­to, se­ria pre­ci­so apro­var uma Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) no Con­gres­so – com apoio de três quin­tos dos de­pu­ta­dos e se­na­do­res, em dois tur­nos de vo­ta­ção em ca­da ca­sa le­gis­la­ti­va.

“Se­gu­ran­ça exis­te. Ope­ra­mos usi­nas nu­cle­a­res há mais Ben­to Al­bu­quer­que de 40 anos. Não exis­te pro­ble­ma com o se­tor pri­va­do. Qual a di­fe­ren­ça do se­tor pri­va­do e do se­tor es­ta­tal? Ne­nhu­ma, des­de que se te­nha con­di­ções de con­tro­lar e fis­ca­li­zar. Es­sa dis­cus­são é coi­sa do pas­sa­do e, se for ho­je pa­ra o Con­gres­so, não vai ha­ver es­se ti­po de re­sis­tên­cia. Es­sa é a mi­nha opi­nião pes­so­al, até pe­lo con­ví­vio que te­nho com o Con­gres­so e di­ver­sos par­la­men­ta­res”, dis­se.

Em­pre­sas es­tran­gei­ras de países co­mo Chi­na, Es­ta­dos Uni­dos, Fran­ça, Ja­pão, Co­reia do Sul e Rús­sia já ma­ni­fes­ta­ram in­te­res­se em ex­plo­rar urâ­nio no País, segundo a se­cre­tá­ria es­pe­ci­al do Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos (PPI), Martha Seil­li­er.

Segundo Martha, isso fi­cou cla­ro em ro­da­das sobre a re­to­ma­da das obras de An­gra 3 – quan­do o go­ver­no en­con­trou o se­tor e apre­sen­tou es­tu­dos e in­for­ma­ções pre­li­mi­na­res pa­ra tes­tar al­ter­na­ti­vas com o se­tor pri­va­do.

“Tes­ta­mos al­guns mo­de­los pa­ra ver a re­a­ção dos in­ves­ti­do­res po­ten­ci­ais e ten­tar mon­tar al­go mais atra­ti­vo. O que tem aparecido nas con­ver­sas é o in­te­res­se do in­ves­ti­dor de não vir só pa­ra An­gra 3, mas mui­to mais vol­ta­do numa agen­da de con­ti­nui­da­de do pro­gra­ma nu­cle­ar brasileiro, e um in­te­res­se em to­da a ca­deia pro­du­ti­va, em não es­tar só na usi­na, mas tam­bém na ex­plo­ra­ção do urâ­nio”, dis­se ela.

Usi­nas. O Brasil tem ho­je du­as usi­nas nu­cle­a­res em ope­ra­ção – An­gra 1 e An­gra 2. An­gra 3, com 67% das obras con­cluí­das, foi pa­ra­li­sa­da em 2015, quan­do in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to des­co­bri­ram um es­que­ma de des­vio de re­cur­sos por parte das em­prei­tei­ras. Ago­ra, a usi­na pre­ci­sa de R$ 16 bi­lhões pa­ra ser con­cluí­da e, pa­ra isso, o go­ver­no tam­bém es­tu­da uma par­ce­ria com o se­tor pri­va­do.

“Te­mos um li­mi­ta­dor cons­ti­tu­ci­o­nal em re­la­ção à ati­vi­da­de nu­cle­ar no Brasil. No ca­so de An­gra 3, não se­ria um con­tro­la­dor, mas um mi­no­ri­tá­rio. Pa­ra ser atra­ti­vo pa­ra o mi­no­ri­tá­rio, es­ta­mos con­si­de­ran­do que ele te­nha de fa­to 49% das ações ou um nú­me­ro re­le­van­te”, dis­se.

A ideia, segundo a se­cre­tá­ria es­pe­ci­al do PPI, é pu­bli­car o edi­tal pa­ra a es­co­lha de um par­cei­ro pri­va­do pa­ra An­gra 3 no pri­mei­ro se­mes­tre de 2020 e re­to­mar as obras da usi­na no segundo se­mes­tre do ano que vem.

Des­sa vez, po­rém, o go­ver­no fa­rá res­tri­ções no edi­tal e vai exi­gir em­pre­sas com ex­pe­ri­ên­cia na área – em­prei­tei­ras, por exem­plo, se­rão ve­ta­das. “O go­ver­no só tem pra­ti­ca­men­te feito son­da­gens de mer­ca­do com em­pre­sas ex­plo­ra­do­ras de ati­vi­da­de nu­cle­ar. Isso já é uma si­na­li­za­ção de que o edi­tal vai exi­gir es­se ní­vel de ex­pe­ri­ên­cia pa­ra par­ti­ci­par da par­ce­ria”, dis­se.

“Se­gu­ran­ça exis­te. Ope­ra­mos usi­nas nu­cle­a­res há mais de 40 anos. Não há pro­ble­ma com o se­tor pri­va­do des­de se fis­ca­li­ze”

‘Não po­de­mos es­pe­rar di­nhei­ro do go­ver­no’, diz Frei­tas, do INB

MI­NIS­TRO DAS MI­NAS E ENER­GIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.