Sem res­tau­ro, o Co­pan so­fre

Um dos edi­fí­ci­os mais icô­ni­cos de São Pau­lo so­fre com in­fil­tra­ções, fun­gos, da­nos na ar­ma­du­ra de sus­ten­ta­ção e até in­ter­ven­ções ir­re­gu­la­res na fa­cha­da; com obra pa­ra­da há três anos, con­do­mí­nio tem me­nos de um mês pa­ra apre­sen­tar pla­no de ação

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Pris­ci­la Men­gue

Tom­ba­da pe­lo pa­trimô­nio mu­ni­ci­pal, a obra-pri­ma de Os­car Ni­e­meyer no cen­tro de SP so­fre com pro­ble­mas es­tru­tu­rais e des­ca­rac­te­ri­za­ção da fa­cha­da. Uma te­la de pro­te­ção foi co­lo­ca­da há 7 anos; sín­di­co diz que res­tau­ro co­me­ça ‘em bre­ve’.

Há mais de 50 anos as cur­vas do edi­fí­cio Co­pan se des­ta­cam na pai­sa­gem da Ave­ni­da Ipi­ran­ga. A fa­cha­da si­nu­o­sa se­gue ins­pi­ran­do ca­mi­se­tas, ca­ne­tas e lo­go­mar­cas co­mo sím­bo­lo de São Pau­lo, embora so­fra com pro­ble­mas es­tru­tu­rais que vão de da­nos na ar­ma­du­ra de sus­ten­ta­ção a fun­gos, in­fil­tra­ção, fis­su­ras e que­da de re­ves­ti­men­to, en­tre ou­tros. Re­la­tó­ri­os a que o Es­ta­do te­ve aces­so apon­tam que o edi­fí­cio, pro­je­ta­do por Os­car Ni­e­meyer, pre­ci­sa de obras emer­gen­ci­ais pa­ra garantir a se­gu­ran­ça dos fre­quen­ta­do­res e mo­ra­do­res.

A si­tu­a­ção co­me­çou a cha­mar a aten­ção após uma pas­ti­lha da fa­cha­da cair e atingir um ca­chor­ro em 2009, o que originou um pedido de in­ter­ven­ção, que ho­je acu­mu­la cen­te­nas de pá­gi­nas, di­vi­di­das em apos­ti­las e mais du­as cai­xas com ma­te­ri­ais ane­xos. O pedido se re­fe­ria es­pe­ci­al­men­te à co­lo­ca­ção de uma te­la, que en­vol­ve o imóvel há se­te anos, mas per­du­ra prin­ci­pal­men­te pe­la fal­ta de apre­sen­ta­ção de um pro­je­to de res­tau­ro com­ple­to.

Em 2015, o con­do­mí­nio co­me­çou a re­ti­ra­da das pas­ti­lhas, obra que foi em­bar­ga­da pe­la Pre­fei­tu­ra. Com isso, as du­as em­pe­nas fi­ca­ram ex­pos­tas. Após 11 anos de pro­ces­so, ór­gãos de pa­trimô­nio de­ter­mi­na­ram na úl­ti­ma se­gun­da-fei­ra, 30, que um pla­no de ação se­ja apre­sen­ta­do por re­pre­sen­tan­tes do Co­pan até o fim des­te mês. O sín­di­co pro­me­te que as obras co­me­ça­rão em bre­ve (leia abai­xo).

De­gra­da­ção. Re­la­tó­ri­os sobre as con­di­ções do Co­pan fo­ram con­tra­ta­dos e apre­sen­ta­dos aos ór­gãos mu­ni­ci­pais de pre­ser­va­ção por uma em­pre­sa de en­ge­nha­ria, em 2013, e nes­te ano pe­la ar­qui­te­ta Va­lé­ria Bon­fim. Eles apon­tam os mes­mos pro­ble­mas, embora a de­gra­da­ção te­nha au­men­ta­do. Um dos pon­tos des­ta­ca­dos é o das de­fi­ci­ên­ci­as nas jun­tas de di­la­ta­ção que unem a es­tru­tu­ra e que, quan­do se mo­vi­men­tam, des­pren­dem parte da ar­ga­mas­sa.

O mapa de da­nos feito por Va­lé­ria apon­ta “ma­ni­fes­ta­ções pa­to­ló­gi­cas que se es­pa­lham em um avan­ça­do es­tá­gio de de­gra­da­ção física” e des­cre­ve 12 pro­ble­mas: des­co­la­men­to das pas­ti­lhas, que­da do re­ves­ti­men­to, la­cu­na no re­ves­ti­men­to, fis­su­ras, in­fil­tra­ção, cor­ro­são dos ele­men­tos me­tá­li­cos, su­ji­da­de, cros­ta ne­gra (acú­mu­lo de su­jei­ra após so­frer re­a­ções quí­mi­cas), co­lo­ni­za­ção bi­o­ló­gi­ca e adi­ção de ele­men­tos in­tru­si­vos (des­ca­rac­te­ri­za­ção).

O re­la­tó­rio ex­pli­ca que fa­lhas nos re­jun­tes per­mi­tem a en­tra­da de água, cau­san­do a per­da da ade­rên­cia das pas­ti­lhas, que ca­em. Ao mes­mo tem­po, a in­fil­tra­ção se es­pa­lha por bai­xo do re­ves­ti­men­to, cau­san­do fis­su­ras e per­mi­tin­do a en­tra­da de ele­men­tos agres­so­res, que tam­bém ace­le­ram a cor­ro­são.

Por fim, es­sa si­tu­a­ção co­me­ça a cau­sar a ex­pan­são da ar­ma­du­ra me­tá­li­ca, que aca­ba ex­pul­san­do o con­cre­to e fi­can­do ex­pos­ta, “tal co­mo uma fra­tu­ra, que, se não cui­da­da, con­ti­nu­a­rá per­den­do se­ção até que não te­nha mais fun­ção es­tru­tu­ral”. “Lo­go, se as cau­sas das ma­ni­fes­ta­ções pa­to­ló­gi­cas não fo­rem sa­na­das, o edi­fí­cio po­de­rá cor­rer ris­co es­tru­tu­ral, com­pro­me­ten­do a se­gu­ran­ça dos usuá­ri­os e a me­mó­ria do pa­trimô­nio”, diz o re­la­tó­rio da ar­qui­te­ta.

Pa­ra Va­lé­ria, que es­tu­dou o Co­pan em sua te­se de mes­tra­do e de­pois foi chamada pa­ra in­ter­me­di­ar a si­tu­a­ção do con­do­mí­nio jun­to ao Mu­ni­cí­pio, a de­gra­da­ção se de­ve ao en­ve­lhe­ci­men­to dos ma­te­ri­ais e à fal­ta de ma­nu­ten­ção. Ela pon­tua que, durante dé­ca­das, per­sis­tiu a ideia de que a ar­qui­te­tu­ra mo­der­na era “in­des­tru­tí­vel”. “Se não se tomar ações cor­re­tas, a gen­te vai per­der es­se pa­trimô­nio.”

Pas­ti­lhas. Pa­ra ela, a in­di­ca­ção de re­ti­rar to­das pas­ti­lhas da fa­cha­da foi ina­de­qua­da, pois

parte ain­da es­ta­va com boa fi­xa­ção. “O Co­pan es­tá na UTI, es­ta­mos ten­tan­do fa­zer com que so­bre­vi­va. Acho que va­mos con­se­guir”, diz. “Mas a ques­tão é que tu­do es­tá dei­xan­do de ser um pro­ble­ma es­té­ti­co e pas­san­do a ser um pro­ble­ma es­tru­tu­ral, que po­de le­var ao co­lap­so.”

Den­tre as in­ter­ven­ções ne­ces­sá­ri­as, Va­lé­ria con­si­de­ra a mais ur­gen­te a re­cu­pe­ra­ção das em­pe­nas. “O pro­ble­ma de in­fil­tra­ção já che­gou nos apar­ta­men­tos”, co­men­ta. “Se isso não for tra­ta­do lo­go, vai co­me­çar a cau­sar sé­ri­os pro­ble­mas es­tru­tu­rais. Ali, es­tá só no ci­men­to, não tem pas­ti­lha.”

A se­gun­da pri­o­ri­da­de se­ria tra­tar a ar­ma­du­ra. “Tem al­gu­mas que não exis­tem mais, é co­mo se tivesse mor­ri­do, vi­rou só uma pi­lha de fer­ru­gem”. Por isso, é pre­ci­so iden­ti­fi­car se é ne­ces­sá­rio uti­li­zar ou­tras bar­ras de aço e re­com­por o con­cre­to.

O pro­ces­so ao qual o Es­ta­do te­ve aces­so con­tém ofí­ci­os, atas, fo­to­gra­fi­as e le­van­ta­men­tos téc­ni­cos. O ar­qui­vo traz o que o con­do­mí­nio de­fen­deu por anos co­mo so­lu­ção: a tro­ca das pas­ti­lhas ori­gi­nais por ou­tras de vi­dro chi­ne­sa, bri­lho­sas e com de­sign di­vi­di­do em no­ve pe­que­nos qua­dra­dos em re­le­vo, e tam­bém mais ba­ra­tas. As pe­ças fo­ram ve­ta­das pe­los ór­gãos de pa­trimô­nio, que pe­dem ver­sões de ce­râ­mi­ca fos­ca e li­sa, mais pró­xi­mas das ori­gi­nais, de por­ce­la­na, cu­ja fa­bri­can­te ain­da es­tá em funcioname­nto.

Des­ca­rac­te­ri­za­ção. Além da fal­ta de ma­nu­ten­ção, in­ter­ven­ções nas fa­cha­das dos apar­ta­men­tos, es­pe­ci­al­men­te os dos fun­dos, têm tro­ca­do co­bo­gós, cai­xi­lhos (on­de fi­cam as ja­ne­las) e ou­tros ele­men­tos ca­rac­te­rís­ti­cos do pro­je­to de Ni­e­meyer por ti­jo­los, con­cre­to e até vi­dros de co­res va­ri­a­das. Há ca­sos em que as áre­as de ser­vi­ço pra­ti­ca­men­te vi­ra­ram va­ran­das gour­met, embora o pré­dio se­ja tom­ba­do na esfera mu­ni­ci­pal. A des­ca­rac­te­ri­za­ção pra­ti­ca­da por pro­pri­e­tá­ri­os é apon­ta­da por ór­gãos de pa­trimô­nio há pe­lo me­nos três anos e al­vo de

uma de­nún­cia pro­to­co­la­da na Pre­fei­tu­ra em fe­ve­rei­ro.

Sobre as des­ca­rac­te­ri­za­ções, Va­lé­ria diz que não há re­gis­tros de quan­do co­me­ça­ram. A ar­qui­te­ta co­men­ta que as al­te­ra­ções es­tão as­so­ci­a­das às mu­dan­ças nas for­mas de mo­ra­dia nas úl­ti­mas dé­ca­das, em que áre­as de ser­vi­ço gran­des não são mais tão ne­ces­sá­ri­as. “Co­me­ça­ram a dar no­vos usos, ana­li­sa­ram do pon­to de vis­ta in­ter­no e es­que­ce­ram que es­tão den­tro de um pa­trimô­nio tom­ba­do.”

Com uma reu­nião con­do­mi­ni­al por ano, os mo­ra­do­res têm pou­cas in­for­ma­ções sobre a si­tu­a­ção. Tam­bém não há a ori­en­ta­ção sobre quais in­ter­ven­ções po­dem ser fei­tas na área ex­ter­na dos apar­ta­men­tos. “A ques­tão da te­la, eu gos­ta­ria que es­ti­ves­se sem, mas não é uma coi­sa que me in­co­mo­da mui­to no dia a dia. O Co­pan me­re­ce uma res­tau­ra­ção, por­que é um pré­dio icô­ni­co da ci­da­de”, diz Mi­le­na Go­mes, 41 anos, que mo­ra e tem co­mér­cio no edi­fí­cio. “Acho que tem certa de­mo­ra, um des­ca­so, mas já ou­vi fa­lar tam­bém que tem mui­tos con­fli­tos.”

Tam­bém mo­ra­dor, o ar­tis­ta Ma­teus Ca­pe­lo, de 35 anos, foi à pe­núl­ti­ma reu­nião do con­se­lho mu­ni­ci­pal de pa­trimô­nio pa­ra “po­der exi­gir so­lu­ções” e acre­di­ta que o diá­lo­go en­tre as par­tes “me­lho­rou”. “Há muitas his­tó­ri­as em tor­no da re­for­ma, mui­ta ne­bu­lo­si­da­de.”

FOTOS: TI­A­GO QU­EI­ROZ/ESTADÃO

FOTOS TI­A­GO QU­EI­ROZ / ESTADÃO

Fa­cha­da. Ins­ta­la­da há se­te anos, te­la de pro­te­ção do edi­fí­cio Co­pan evi­ta que pas­ti­lhas cai­am sobre fre­quen­ta­do­res

Al­te­ra­ção. Do­nos des­ca­rac­te­ri­za­ram parte dos fun­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.