Bol­so­na­ro e Maia dis­cu­tem pré-sal e pro­je­tos de re­for­ma

En­con­tro es­ta­va fo­ra da agen­da; en­tre pri­o­ri­da­des es­ta­ria a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, que pre­vê o fim da es­ta­bi­li­da­de pa­ra os ser­vi­do­res

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Re­na­to Ono­fre / BRA­SÍ­LIA É JOR­NA­LIS­TA

Em en­con­tro, on­tem, Jair Bol­so­na­ro e o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), dis­cu­ti­ram pro­je­tos de re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va – que pre­vê o fim da es­ta­bi­li­da­de pa­ra ser­vi­do­res –, par­ti­lha dos re­cur­sos do pré-sal e um no­vo tex­to pa­ra a regra de ou­ro.

Em en­con­tro fo­ra da agen­da, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro re­ce­beu o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEMRJ), on­tem, no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da. De acor­do com Maia, o en­con­tro ser­viu pa­ra tra­tar das pau­tas da Câ­ma­ra, co­mo a dis­cus­são sobre a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, que pre­vê o fim da es­ta­bi­li­da­de pa­ra os ser­vi­do­res pú­bli­cos, o no­vo tex­to pa­ra a regra de ou­ro e a par­ti­lha dos re­cur­sos do me­ga­lei­lão do pré-sal.

“O que eu pe­di ao mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (da Eco­no­mia) é que ele en­ca­mi­nhe pri­mei­ro aqui­lo que tra­ta das des­pe­sas, até por­que já tem uma pro­pos­ta na Câ­ma­ra e no Se­na­do. Pre­ci­sa­mos ra­pi­da­men­te, ain­da es­te ano, con­tro­lar as des­pe­sas”, afir­mou Maia. Sobre a re­for­ma tri­bu­tá­ria, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra in­for­mou que não há pra­zo pa­ra o go­ver­no en­ca­mi­nhar ao Le­gis­la­ti­vo a sua ver­são.

Maia dis­se ain­da que o go­ver­no de­ve en­ca­mi­nhar até o dia 17 o no­vo tex­to sobre a regra de ou­ro – me­ca­nis­mo que proí­be o go­ver­no de fa­zer dí­vi­das pa­ra pa­gar des­pe­sas cor­ren­tes, co­mo sa­lá­ri­os e be­ne­fí­ci­os de apo­sen­ta­do­ria. Quan­do a regra é des­cum­pri­da, os ges­to­res e o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­dem ser en­qua­dra­dos em cri­me de res­pon­sa­bi­li­da­de.

Me­ga­lei­lão. O go­ver­no de­fen­de di­vi­dir os R$ 106,5 bi­lhões pre­vis­tos do bô­nus da as­si­na­tu­ra do lei­lão, mar­ca­do pa­ra no­vem­bro, da se­guin­te for­ma: de­pois do pa­ga­men­to de R$ 33,6 bi­lhões à Pe­tro­brás, Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e par­la­men­ta­res fi­ca­ri­am, ca­da um, com 10%, o que cor­res­pon­de a R$ 7,3 bi­lhões. O Rio te­ria R$ 2,19 bi­lhões e, a União, a fa­tia mai­or de R$ 48,9 bi­lhões.

Maia afir­mou a Bol­so­na­ro que a pro­pos­ta da equi­pe econô­mi­ca não tem chan­ce de pas­sar no Con­gres­so. Ele dis­se que a cú­pu­la do Con­gres­so de­fen­de me­lho­rar o tex­to que foi apro­va­do no Se­na­do, em dis­cus­são na Câ­ma­ra, des­ti­nan­do 15% (R$ 10,95 bi­lhões) pa­ra Es­ta­dos e 15% pa­ra mu­ni­cí­pi­os. “Va­mos cons­truir um tex­to em con­jun­to que vai ser vo­ta­do mui­to rá­pi­do e vai garantir, ain­da es­te ano, os 15% do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os e a regra dos Es­ta­dos, que os lí­de­res do Se­na­do e seu pre­si­den­te Da­vi (Al­co­lum­bre), além dos lí­de­res da Câ­ma­ra, en­ten­de­rem re­le­van­te dos 15%, va­mos res­pal­dar tam­bém.”

Sem ruí­dos. Maia ne­gou ruí­do en­tre o Le­gis­la­ti­vo e o go­ver­no na ques­tão do va­lor. “Não hou­ve ruí­do. É to­do mun­do ten­tan­do aju­dar; Pau­lo Gu­e­des, Bol­so­na­ro ten­tan­do aju­dar. Hou­ve ruí­do com o se­na­dor Cid Go­mes, que foi de­se­le­gan­te e não foi cor­re­to. A for­ma que ele ata­ca é a mes­ma for­ma dos ra­di­cais de di­rei­ta na re­de so­ci­al.”

Os pre­si­den­tes da Câ­ma­ra e do Se­na­do ar­ti­cu­lam uma reu­nião com to­dos os go­ver­na­do­res pa­ra ten­tar acer­tar a di­vi­são do di­nhei­ro. O objetivo é pôr fim à dis­pu­ta de­fla­gra­da en­tre

“Va­mos cons­truir um tex­to (me­ga­lei­lão) em con­jun­to que vai ser vo­ta­do rá­pi­do e garantir, ain­da es­te ano, 15% do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os e a regra dos Es­ta­dos.” Ro­dri­go Maia (DEM-RJ)

PRE­SI­DEN­TE DA C­MA­RA

Nor­te e Nor­des­te, mai­o­res con­tem­pla­dos pe­la pro­pos­ta do Se­na­do, e as das de­mais re­giões, que di­zem te­rem si­do “ex­cluí­dos”.

O me­ga­lei­lão foi des­tra­va­do com a re­vi­são do acor­do da chamada ces­são one­ro­sa, fe­cha­do pe­la Pe­tro­brás com a União em 2010 e que per­mi­tiu à es­ta­tal, em tro­ca de R$ 74,8 bi­lhões, ex­plo­rar 5 bi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo em cam­pos do pré-sal na Ba­cia de San­tos, sem li­ci­ta­ção. O go­ver­no es­ti­ma, po­rém, que a área po­de ren­der de 6 bi­lhões a 15 bi­lhões de bar­ris, o que le­vou a dis­pu­ta pe­los re­cur­sos da re­gião.

FE­LI­PE RAU/ESTADÃO - 16/9/2019

Regra de ou­ro. Maia dis­se que no­vo tex­to se­gui­rá até dia 17

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.