Moi­sés Naím

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: [email protected] TRA­DU­ÇÃO DE CLAU­DIA BOZZO

É pre­ci­so re­cu­pe­rar a ca­pa­ci­da­de de re­co­nhe­cer e des­mas­ca­rar men­ti­ras. E der­ro­tar quem declara gu­er­ra à ver­da­de.

Po­de­ro­sos sem­pre ata­ca­ram a im­pren­sa, mas hos­ti­li­da­de de Trump é iné­di­ta

Émui­to es­tra­nho o que es­tá acon­te­cen­do nes­tes tem­pos com a in­for­ma­ção. Ela es­tá, ao mes­mo tem­po, mais valorizada e mais des­pre­za­da do que nun­ca.

A in­for­ma­ção, apri­mo­ra­da pe­la revolução di­gi­tal, se­rá o me­ca­nis­mo mais im­por­tan­te da eco­no­mia, po­lí­ti­ca e ci­ên­cia do sé­cu­lo 21. Mas, co­mo já vi­mos, tam­bém se­rá uma fon­te pe­ri­go­sa de confusão, frag­men­ta­ção so­ci­al e con­fli­to.

Gran­des quan­ti­da­des de dados que an­tes não sig­ni­fi­ca­vam na­da ago­ra po­dem ser con­ver­ti­dos em in­for­ma­ções que aju­dam a ge­ren­ci­ar me­lhor go­ver­nos e em­pre­sas, cu­rar do­en­ças, cri­ar ar­mas ou de­ter­mi­nar quem ga­nha as elei­ções, en­tre muitas ou­tras coisas. É o no­vo pe­tró­leo: após o pro­ces­sa­men­to e o re­fi­no, tem um gran­de va­lor econô­mi­co. E se no sé­cu­lo pas­sa­do vá­ri­as guer­ras fo­ram cau­sa­das pe­la bus­ca pe­lo con­tro­le do pe­tró­leo, nes­te sé­cu­lo ha­ve­rá guer­ras pe­lo con­tro­le da in­for­ma­ção.

Mas, en­quan­to há in­for­ma­ções que salvam vi­das e são glo­ri­o­sas, há ou­tras que ma­tam e são tó­xi­cas. A de­sin­for­ma­ção, a frau­de e a ma­ni­pu­la­ção que fo­men­tam con­fli­tos es­tão cres­cen­do tão ra­pi­da­men­te quan­to as in­for­ma­ções ex­traí­das dos enor­mes ban­cos de dados di­gi­ta­li­za­dos. Al­guns dos que con­tro­lam es­sas tec­no­lo­gi­as sa­bem co­mo nos con­ven­cer a com­prar de­ter­mi­na­dos pro­du­tos. Ou­tros sa­bem co­mo se em­pol­gar com cer­tas idei­as, gru­pos ou lí­de­res – e de­tes­tam seus ri­vais.

A gran­de iro­nia é que, ao mes­mo tem­po em que ho­je exis­tem in­for­ma­ções mais fa­cil­men­te dis­po­ní­veis do que no pas­sa­do, tam­bém exis­tem mais dú­vi­das e confusão sobre a ve­ra­ci­da­de do que nos che­ga atra­vés dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção e das re­des so­ci­ais. Alan Rus­bin­ger, ex-di­re­tor do jor­nal bri­tâ­ni­co The Gu­ar­di­an, dis­se que “es­ta­mos des­co­brin­do que a so­ci­e­da­de re­al­men­te não po­de fun­ci­o­nar se não con­cor­dar­mos com a di­fe­ren­ça en­tre um even­to re­al e um even­to fal­so. Vo­cê não po­de ter de­ba­tes, leis, tri­bu­nais, go­ver­nan­ça ou ci­ên­cia se não hou­ver acor­do sobre qual é um fa­to re­al e qual não é.”

O debate sobre o que é ver­da­de e o que é uma mentira é tão an­ti­go quan­to a hu­ma­ni­da­de. Dis­cus­sões sobre es­se as­sun­to en­tre fi­ló­so­fos, ci­en­tis­tas, po­lí­ti­cos, jor­na­lis­tas ou, sim­ples­men­te, en­tre pes­so­as com idei­as di­fe­ren­tes são co­muns e fe­ro­zes. Muitas ve­zes, es­ses de­ba­tes, em vez de fo­car na ve­ri­fi­ca­ção dos fa­tos, con­cen­tram-se na des­qua­li­fi­ca­ção de quem os pro­duz. As­sim, ci­en­tis­tas e jor­na­lis­tas são al­vos fre­quen­tes da­que­les que, por in­te­res­ses ou cren­ças, de­fen­dem idei­as ou prá­ti­cas ba­se­a­das em men­ti­ras.

Os ci­en­tis­tas que, por exem­plo, ge­ram dados in­con­tes­tá­veis sobre o aque­ci­men­to glo­bal ou aque­les que aler­tam pa­ra a ne­ces­si­da­de im­pe­ra­ti­va de va­ci­nar cri­an­ças já es­tão acos­tu­ma­dos a ser di­fa­ma­dos por su­as mo­ti­va­ções e in­te­res­ses.

Os jor­na­lis­tas são ví­ti­mas ain­da mais fre­quen­tes des­sas des­qua­li­fi­ca­ções. Embora os ata­ques dos po­de­ro­sos incomodado­s pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção não se­jam no­vos, a hos­ti­li­da­de do pre­si­den­te Do­nald Trump é iné­di­ta. “Es­ses ani­mais da im­pren­sa, sim... são ani­mais. Eles são os pi­o­res se­res hu­ma­nos que al­guém po­de en­con­trar... são pes­so­as ter­ri­vel­men­te de­so­nes­tas”, dis­se ele.

Trump tam­bém po­pu­la­ri­zou a ideia de que os jor­na­lis­tas são “ini­mi­gos do po­vo” que es­pa­lham no­tí­ci­as fal­sas – as famosas fa­ke news. Trump men­ci­o­nou no­tí­ci­as fal­sas no Twit­ter mais de 600 ve­zes e as ci­ta em to­dos os seus dis­cur­sos. O sé­rio é que Trump não ape­nas mi­nou a con­fi­an­ça dos ame­ri­ca­nos em seus mei­os de co­mu­ni­ca­ção, mas sua acu­sa­ção foi bem re­ce­bi­da en­tre os au­to­cra­tas do mun­do. Segundo Arthur Gregg Sulz­ber­ger, exe­cu­ti­vo­che­fe do The New York Ti­mes, “nos úl­ti­mos anos, mais de 50 pri­mei­ros-mi­nis­tros e pre­si­den­tes dos cin­co con­ti­nen­tes usa­ram o ter­mo fa­ke news pa­ra jus­ti­fi­car su­as ações con­tra os mei­os de co­mu­ni­ca­ção”. Sulz­ber­ger re­co­nhe­ce: “Os mei­os de co­mu­ni­ca­ção não são per­fei­tos. Nós co­me­te­mos er­ros. Te­mos pon­tos ce­gos”. No en­tan­to, es­se exe­cu­ti­vo é am­bí­guo ao afir­mar que a mis­são do The New York Ti­mes é bus­car a ver­da­de. No mun­do con­fu­so de ho­je, on­de tu­do pa­re­ce re­la­ti­vo e ne­bu­lo­so, é bom sa­ber que ain­da exis­tem aque­les que apos­tam que a ver­da­de exis­te e po­de ser encontrada. Es­ta po­si­ção é um bom an­tí­do­to con­tra as prá­ti­cas da­que­les que aten­tam con­tra a de­mo­cra­cia e a li­ber­da­de.

Em 1951, Han­nah Arendt es­cre­veu: “O su­jei­to ide­al de um re­gi­me to­ta­li­tá­rio não é o na­zis­ta con­ven­ci­do ou o co­mu­nis­ta com­pro­me­ti­do, são as pes­so­as pa­ra as quais dei­xou de exis­tir a dis­tin­ção en­tre fa­tos e fic­ção, o ver­da­dei­ro e o fal­so”. Mais de seis dé­ca­das de­pois, es­sa des­cri­ção ad­qui­riu va­li­da­de re­no­va­da. É pre­ci­so re­cu­pe­rar a ca­pa­ci­da­de da so­ci­e­da­de de re­co­nhe­cer e des­mas­ca­rar men­ti­ras. É im­pe­ra­ti­vo der­ro­tar aque­les que de­cla­ra­ram gu­er­ra à ver­da­de. /

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.