Da­ni­el Martins de Bar­ros

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Fa­ce­bo­ok/da­ni­el­bar­rosp­si­qui­a­tra É PSI­QUI­A­TRA

Se não re­a­gir­mos a es­se es­pí­ri­to de vi­o­lên­cia, não du­vi­do que os ca­sos de agres­são in­ter­pes­so­al re­al­men­te au­men­tem.

Ace­na se deu na por­ta de uma escola in­fan­til por es­ses di­as. O pai de um alu­no de cer­ca de dois anos foi bus­car o fi­lho e de­se­le­gan­te­men­te dei­xou a por­ta tra­sei­ra do car­ro aber­ta en­quan­to pe­ga­va a cri­an­ça. Por con­ta dis­so ou­tro pai não pô­de es­ta­ci­o­nar pa­ra tam­bém em­bar­car seu fi­lho, o que deu iní­cio a uma dis­cus­são. O ba­te-bo­ca es­ca­lo­nou pa­ra bri­ga e os pais che­ga­ram às vi­as de fa­to di­an­te das cri­an­ças. “As pes­so­as es­tão fi­can­do mais vi­o­len­tas. O que es­tá acon­te­cen­do com o po­vo?”, per­gun­tou-me a tes­te­mu­nha dos fa­tos, que me con­tou a his­tó­ria.

Na mes­ma se­ma­na sou­be-se do ca­so do me­nor que as­sas­si­nou uma ga­ro­ta au­tis­ta em São Pau­lo e do alu­no que es­fa­que­ou a co­le­ga num co­lé­gio particular de São Ber­nar­do. Acho que a per­gun­ta pro­ce­de. O que es­tá acon­te­cen­do?

De du­as uma: ou es­ta­mos mais aten­tos a es­ses ca­sos de vi­o­lên­cia in­ter­pes­so­al ou eles es­tão de fa­to au­men­tan­do. Sem um le­van­ta­men­to es­ta­tís­ti­co não é pos­sí­vel afir­mar se é uma ou ou­tra coi­sa. Mas mes­mo que as pes­so­as não es­te­jam mais vi­o­len­tas en­tre si há es­sa sen­sa­ção no ar. Creio que ela é re­sul­ta­do de uma vi­são de vi­o­lên­cia que tem ga­nha­do es­pa­ço no ima­gi­ná­rio po­pu­lar.

Um dos fun­da­men­tos da ci­vi­li­za­ção é o aban­do­no do uso da for­ça física pe­los ci­da­dãos, tor­nan­do-a prer­ro­ga­ti­va do Es­ta­do. Pa­ra resolver mi­nhas di­fe­ren­ças com al­guém ou fa­zer pre­va­le­cer mi­nha opi­nião, eu não pos­so sair por aí dis­tri­buin­do so­cos e pon­ta­pés. Mas só abro mão des­se com­por­ta­men­to por­que to­do mun­do tam­bém o faz, trans­fe­rin­do pa­ra o Es­ta­do a ex­clu­si­vi­da­de des­se re­cur­so. A não ser em si­tu­a­ções mui­to ex­cep­ci­o­nais, cla­ro. Por que vo­cê acha que di­zem que a lu­ta é o es­por­te mais an­ti­go do mun­do? Com cer­te­za já ti­nha gen­te dis­pu­tan­do cor­ri­das por aí ou ven­do que jo­ga­va uma pedra mais lon­ge an­tes da in­ven­ção da lu­ta. Mas es­por­te de­pen­de de re­gras e, no al­vo­re­cer da ci­vi­li­za­ção co­mo a co­nhe­ce­mos, a pri­mei­ra coi­sa que fi­ze­mos foi cri­ar re­gras pa­ra bri­gar. Dis­ci­pli­na­mos os em­ba­tes fí­si­cos, mas tam­bém os ou­tros em­ba­tes, re­la­ci­o­na­dos a bens, pro­pri­e­da­de, di­rei­tos, as­sim por di­an­te.

No en­tan­to, quan­do o uso da for­ça pas­sa a ser enal­te­ci­do por fi­gu­ras em po­si­ção de li­de­ran­ça, cres­ce seu ape­lo pa­ra o ci­da­dão. Edu­ar­do Bol­so­na­ro, por exem­plo, deu uma das de­cla­ra­ções mais es­cla­re­ce­do­ras até ho­je pa­ra com­pre­en­são do atu­al go­ver­no ao di­zer que o Brasil de­ve­ria de­sen­vol­ver uma bom­ba nu­cle­ar, pois “se ti­vés­se­mos um po­der bé­li­co mai­or, tal­vez fôs­se­mos le­va­dos mais a sé­rio”. Mais cla­ro, im­pos­sí­vel: res­pei­to se con­quis­ta com for­ça. Es­se é o es­pí­ri­to des­sa épo­ca; es­sa é uma cha­ve in­ter­pre­ta­ti­va pa­ra mui­tos as­pec­tos do no­ti­ciá­rio.

E co­mo se não bas­tas­se es­sa le­gi­ti­ma­ção da vi­o­lên­cia, são cla­ros e abun­dan­tes os si­nais de que o Es­ta­do quer de­vol­ver pa­ra o ci­da­dão a prer­ro­ga­ti­va que era sua (do Es­ta­do). Fa­ci­li­ta­ção do por­te de ar­ma. Am­pli­a­ção de ex­clu­den­tes de ili­ci­tu­de. A for­ça bru­ta es­tá com tu­do.

Ago­ra atin­gi­mos o ápi­ce des­se mo­vi­men­to com as de­cla­ra­ções do ex-pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not. Acho que pou­ca gen­te se deu con­ta da di­men­são e da gra­vi­da­de do que ele dis­se. Quan­do diz tran­qui­la­men­te que che­gou ao seu li­mi­te e, por isso, en­trou ar­ma­do pa­ra ma­tar um mi­nis­tro do STF, sen­do im­pe­di­do não por sua von­ta­de, mas pe­la in­ter­ven­ção di­vi­na for­tui­ta, Ja­not dá a en­ten­der que é ra­zoá­vel op­tar por um ca­mi­nho que mi­na os fun­da­men­tos da mo­der­na ci­vi­li­za­ção. Eu de­ci­di ma­tar. Ten­tei fa­zê-lo. Não deu cer­to por aca­so. Ou se­ja, co­mo segundo ele: “tu­do na vi­da tem li­mi­te”, quan­do tal li­mi­te é atin­gi­do, a pes­soa es­tá au­to­ri­za­da a que­brar o con­tra­to so­ci­al e tomar pa­ra si o uso da for­ça física, fa­zen­do jus­ti­ça com as pró­pri­as mãos. Isso vin­do do ex-che­fe do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, ór­gão que ze­la pe­lo in­te­res­se da so­ci­e­da­de no Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to, é mais do que a le­gi­ti­mi­za­ção da vi­o­lên­cia. É pra­ti­ca­men­te uma de­fe­sa de seu uso.

Não sei se os ca­sos de agres­são in­ter­pes­so­al vêm re­al­men­te au­men­tan­do. Mas se não re­a­gir­mos a es­se es­pí­ri­to de épo­ca, não du­vi­do que re­al­men­te co­me­cem a disparar. E in­fe­liz­men­te se­rá só mais um as­pec­to so­ci­al em que o Brasil es­ta­rá na con­tra­mão do mun­do.

Se não re­a­gir­mos a es­se es­pí­ri­to de épo­ca, não du­vi­do que es­ses ca­sos au­men­tem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.