O ‘Es­ta­do em­pre­sá­rio’

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Ogo­ver­no tem par­ti­ci­pa­ção di­re­ta e in­di­re­ta em 637 em­pre­sas. O de­sa­fio de pro­mo­ver a am­pla de­ses­ta­ti­za­ção pro­me­ti­da é mui­to mai­or do que o pre­vis­to.

O go­ver­no tem par­ti­ci­pa­ção di­re­ta e in­di­re­ta em 637 em­pre­sas, segundo ba­lan­ço di­vul­ga­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia na quin­ta-fei­ra pas­sa­da. Até ago­ra, o go­ver­no, em seus pro­je­tos de pri­va­ti­za­ção, tra­ba­lha­va com o nú­me­ro de 133 es­ta­tais, en­tre con­tro­la­das e sub­si­diá­ri­as. Ou se­ja, o de­sa­fio de pro­mo­ver a am­pla de­ses­ta­ti­za­ção pro­me­ti­da na cam­pa­nha elei­to­ral do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro é mui­to mai­or do que o pre­vis­to – e, a jul­gar pe­la len­ti­dão do pro­ces­so até ago­ra, o go­ver­no po­de­rá ter gran­des di­fi­cul­da­des pa­ra con­du­zir o pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ção a um des­fe­cho óti­mo.

“É um Es­ta­do em­pre­sá­rio”, dis­se o secretário es­pe­ci­al de De­ses­ta­ti­za­ção, De­sin­ves­ti­men­to e Mer­ca­dos, Sa­lim Mat­tar, ao apre­sen­tar o ba­lan­ço. A União tem par­ti­ci­pa­ção mi­no­ri­tá­ria em 43 em­pre­sas. As de­mais com­pa­nhi­as re­la­ci­o­na­das têm o BNDES e o Ban­co do Brasil co­mo só­ci­os.

No ca­so do BNDES, a in­je­ção de re­cur­sos pú­bli­cos em em­pre­sas pri­va­das te­ve co­mo objetivo de­cla­ra­do es­ti­mu­lar o de­sen­vol­vi­men­to de se­to­res en­tão con­si­de­ra­dos es­tra­té­gi­cos. As­sim sur­gi­ram al­gu­mas das com­pa­nhi­as cha­ma­das de “cam­peãs na­ci­o­nais”, famosas nos go­ver­nos pe­tis­tas por re­ce­ber vul­to­sos in­ves­ti­men­tos es­ta­tais pa­ra fa­zer de­las gran­des com­pe­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais e, em con­tra­par­ti­da, ge­rar mui­tos em­pre­gos no Brasil. Co­mo se sa­be, es­sa es­tra­té­gia be­ne­fi­ci­ou ba­si­ca­men­te os con­tro­la­do­res das em­pre­sas.

Sob os mais va­ri­a­dos ar­gu­men­tos, o BNDES en­trou co­mo só­cio não ape­nas de gran­des fri­go­rí­fi­cos, mas de fa­bri­can­tes de papel, cer­ve­ja e ou­tros pro­du­tos de con­su­mo. Se já é di­fí­cil sa­ber em que sen­ti­do em­pre­sas nes­sas áre­as po­dem ser con­si­de­ra­das “es­tra­té­gi­cas” pa­ra me­re­cer in­ves­ti­men­to es­ta­tal, que di­zer en­tão da so­ci­e­da­de en­tre a União e a Bom­bril, em­pre­sa de pro­du­tos de lim­pe­za de cu­jo capital o BNDES de­tém 10%?

“A União tem ação da Bom­bril. Não te­mos ga­ze nos hos­pi­tais, mas te­mos mi­lhões de re­ais em em­pre­sas. Isso é éti­co?”, criticou o secretário Sa­lim Mat­tar. “O Es­ta­do tem em­pre­sas que não faz sen­ti­do ter, es­ta­mos bus­can­do trans­pa­rên­cia pa­ra que a so­ci­e­da­de saiba on­de es­ta­mos in­ves­tin­do o di­nhei­ro do pa­ga­dor de im­pos­tos.”

É ani­ma­dor sa­ber que o go­ver­no es­tá cons­ci­en­te do ab­sur­do da si­tu­a­ção, e que de­ve pas­sar das pa­la­vras à ação. Segundo o secretário Sa­lim Mat­tar, o go­ver­no al­can­çou, en­tre ja­nei­ro e se­tem­bro, a me­ta de US$ 20 bi­lhões em de­ses­ta­ti­za­ções, de­sin­ves­ti­men­tos e ven­das de ati­vos pa­ra es­te ano, mas ad­mi­te que o pro­ces­so es­tá lon­ge do rit­mo ide­al, es­pe­ci­al­men­te di­an­te das gran­des ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, a res­pei­to da di­mi­nui­ção do papel do Es­ta­do co­mo em­pre­sá­rio. Co­mo se re­cor­da, durante a cam­pa­nha elei­to­ral o en­tão as­ses­sor pa­ra as­sun­tos econô­mi­cos do can­di­da­to Bol­so­na­ro pro­me­teu ame­a­lhar R$ 1 tri­lhão com a ven­da ime­di­a­ta de “to­das as es­ta­tais”. Tra­ta­va-se de um exa­ge­ro – pri­mei­ro, por­que nem to­das as es­ta­tais po­dem ou de­vem ser ven­di­das; segundo, por­que, mes­mo na re­mo­ta hi­pó­te­se de con­se­guir se des­fa­zer de to­das as par­ti­ci­pa­ções, o Es­ta­do ar­re­ca­da­ria bem me­nos que o tri­lhão anun­ci­a­do nos pa­lan­ques.

No mun­do re­al, o secretário Sa­lim Mat­tar re­co­nhe­ceu que o pro­ces­so de­man­da am­pla ne­go­ci­a­ção po­lí­ti­ca e res­pei­to a um com­ple­xo con­jun­to de leis, o que tor­na tu­do ain­da mais di­fí­cil. As­sim, o pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ções do go­ver­no Bol­so­na­ro, que pro­me­tia ar­ro­jo e ce­le­ri­da­de, co­me­çou com o anún­cio de ven­da de ape­nas no­ve es­ta­tais, e mes­mo as­sim não se sa­be bem qual se­rá o mo­de­lo nem o cro­no­gra­ma de ven­da nes­ses ca­sos. Sa­be-se ape­nas, co­mo de­cla­rou o secretário Sa­lim Mat­tar, que Pe­tro­brás, Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e Ban­co do Brasil não se­rão ven­di­dos.

É im­por­tan­te sa­li­en­tar que, a des­pei­to das di­fi­cul­da­des do go­ver­no em co­lo­car em prá­ti­ca seus pla­nos de ven­da de es­ta­tais, o sim­ples fa­to de que o te­ma es­te­ja sen­do tra­ta­do ofi­ci­al­men­te co­mo pri­o­ri­da­de é pro­mis­sor. Co­mo lem­brou o secretário Mat­tar, a cri­a­ção de em­pre­sas es­ta­tais sem qual­quer jus­ti­fi­ca­ti­va fere o ar­ti­go 173 da Cons­ti­tui­ção, que diz que “a ex­plo­ra­ção di­re­ta de ati­vi­da­de econô­mi­ca pe­lo Es­ta­do só se­rá per­mi­ti­da quan­do ne­ces­sá­ria aos im­pe­ra­ti­vos da se­gu­ran­ça na­ci­o­nal ou a re­le­van­te in­te­res­se co­le­ti­vo, con­for­me de­fi­ni­dos em lei”. É di­fí­cil ver co­mo “re­le­van­te in­te­res­se co­le­ti­vo” a pro­du­ção de de­ter­gen­tes e pa­lha de aço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.