A in­ter­net e o iso­la­men­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

A in­ter­net é be­né­fi­ca em mui­tos pon­tos, mas não se po­de ser in­gê­nuo. Na re­de, nem tu­do é co­mo pa­re­ce.

Pa­re­ce evi­den­te que a in­ter­net apro­xi­ma e co­nec­ta pes­so­as. Tal afir­ma­ção é qua­se um lu­gar co­mum. No en­tan­to, não é as­sim que os jo­vens bra­si­lei­ros ve­em a re­de. Dois em ca­da três jo­vens acre­di­tam que a in­ter­net au­men­ta a prá­ti­ca de bullying e am­plia o iso­la­men­to, de­tec­tou a pes­qui­sa Ju­ven­tu­des e Co­ne­xões, re­a­li­za­da pe­la Re­de Co­nhe­ci­men­to So­ci­al e pe­lo Ibo­pe In­te­li­gên­cia a pedido da Fun­da­ção Te­lefô­ni­ca Vi­vo. “Mui­to embora te­nha um po­ten­ci­al de con­tri­bui­ção po­si­ti­va, (a in­ter­net) tem dados ne­ga­ti­vos”, diz Ma­ri­sa de Cas­tro Vil­li, di­re­to­ra exe­cu­ti­va da Re­de de Co­nhe­ci­men­to So­ci­al.

In­cluin­do workshops, ofi­ci­nas e gru­pos de dis­cus­são, a pes­qui­sa foi fei­ta ao lon­go de um ano com jo­vens de 15 e 29 anos de to­das as clas­ses so­ci­ais e re­giões do País. O perfil do pú­bli­co en­tre­vis­ta­do foi de jo­vens que ti­ve­ram aces­so à in­ter­net ao me­nos uma vez por se­ma­na nos úl­ti­mos três me­ses.

Em vez de um olhar in­gê­nuo sobre a in­ter­net, a pes­qui­sa iden­ti­fi­cou que os jo­vens per­ce­bem su­as com­ple­xi­da­des e con­tra­di­ções. Na vi­são dos jo­vens, a in­ter­net permite aces­sar con­teú­dos di­ver­sos que que­bram pa­ra­dig­mas e pre­con­cei­tos; aju­da a co­nhe­cer e in­cor­po­rar no­vos com­por­ta­men­tos, co­mo es­ti­los e hob­bi­es; le­gi­ti­ma dis­cur­sos an­tes ex­cluí­dos sobre pa­drão de be­le­za; e permite es­tar, de al­gu­ma for­ma, pró­xi­mo e se ins­pi­rar em pes­so­as famosas.

Ao mes­mo tem­po, segundo os par­ti­ci­pan­tes da pes­qui­sa, a in­ter­net dei­xa o jo­vem per­di­do e con­fu­so di­an­te de tanta in­for­ma­ção; ori­en­ta sobre com­por­ta­men­tos con­si­de­ra­dos pe­ri­go­sos, es­pe­ci­al­men­te pa­ra os mais no­vos; dis­tan­cia os jo­vens de sua pró­pria iden­ti­da­de a par­tir do mo­men­to em que eles co­pi­am o que ve­em nas re­des; e transmite a im­pres­são de que “ter” é mais im­por­tan­te do que “ser”. Nes­ses ele­men­tos, de­li­neia-se to­do um iti­ne­rá­rio edu­ca­ti­vo a ser per­cor­ri­do, de for­ma a con­tra­ba­lan­çar as tendências e efei­tos ne­ga­ti­vos que a in­ter­net pro­duz.

Quan­to ao com­por­ta­men­to, 57% dos jo­vens con­si­de­ram que a in­ter­net agra­va a ocor­rên­cia da an­si­e­da­de. Pa­ra qua­se dois ter­ços (65%), a re­de am­plia a ex­po­si­ção da in­ti­mi­da­de. Es­pe­ci­al­men­te re­le­van­te é o fa­to de que, embora a co­mu­ni­ca­ção se­ja a prin­ci­pal ati­vi­da­de fei­ta pe­los jo­vens no am­bi­en­te on­li­ne – por exem­plo, uti­li­zan­do apli­ca­ti­vos pa­ra con­ver­sa ins­tan­tâ­nea e re­des so­ci­ais –, 60% ava­li­am que a in­ter­net agra­va a sen­sa­ção de iso­la­men­to.

“As ati­vi­da­des dos jo­vens se tornam mui­to in­ten­sas nes­sa área (in­ter­net), o que faz com que eles se iso­lem e de­di­quem mais tem­po vir­tu­al­men­te do que pre­sen­ci­al­men­te, o que traz pre­juí­zos nas re­la­ções so­ci­ais. Isso po­de cau­sar ir­ri­ta­bi­li­da­de, insô­nia, al­te­ra­ções na ali­men­ta­ção e de­pres­são”, ava­lia a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ve­rus­ka Ghen­dov. A res­pei­to da pre­sen­ça na re­de, a mai­o­ria dos en­tre­vis­ta­dos (55%) re­co­nhe­ce gas­tar mais tem­po na in­ter­net do que ini­ci­al­men­te pre­ten­dia.

Há ca­da vez mais a re­co­men­da­ção pa­ra que os pais in­cen­ti­vem os fi­lhos a re­du­zir o tem­po on­li­ne. “Eles pre­ci­sam sa­ber o mo­ti­vo do uso e que ca­da ida­de tem um li­mi­te de tem­po. O ide­al é que o tem­po não se­ja ul­tra­pas­sa­do. Na­da subs­ti­tui as ati­vi­da­des e a pre­sen­ça hu­ma­na”, diz Ghen­dov.

Em re­la­ção à pri­va­ci­da­de, os jo­vens são cons­ci­en­tes de que a in­ter­net não é pro­pri­a­men­te um am­bi­en­te se­gu­ro. Segundo a pes­qui­sa, 78% dos en­tre­vis­ta­dos não se sen­tem con­for­tá­veis em tro­car in­for­ma­ções pes­so­ais com des­co­nhe­ci­dos e 55% evi­tam fa­zer

check-in nos lu­ga­res que fre­quen­tam. Se os dados da pes­qui­sa re­ve­lam uma fa­ce ne­ga­ti­va da in­ter­net, ao mes­mo tem­po eles apon­tam pa­ra uma cres­cen­te ma­tu­ri­da­de do usuá­rio, o que é po­si­ti­vo.

“É a mai­or rua do mun­do. Se a cri­an­ça não tem ma­tu­ri­da­de pa­ra an­dar so­zi­nha na rua, tam­bém não tem pa­ra fi­car so­zi­nha na in­ter­net”, diz Ro­dri­go Nejm, psi­có­lo­go e di­re­tor de edu­ca­ção da Sa­ferNet. Ca­da vez mais pes­qui­sa­do­res vêm aler­tan­do pa­ra a im­por­tân­cia do acom­pa­nha­men­to dos pais sobre a ati­vi­da­de dos fi­lhos na re­de. A in­ter­net é be­né­fi­ca em mui­tos pon­tos, mas se­ria per­ni­ci­o­so ali­men­tar um des­lum­bra­men­to in­gê­nuo. Na re­de, nem tu­do é exa­ta­men­te co­mo pa­re­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.