‘A CUL­TU­RA TEM DE SER IN­DE­PEN­DEN­TE’

A atriz, que es­treia sé­rie ama­nhã, se emo­ci­o­nou com o apoio à mãe após ata­que de Al­vim

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Aa­triz Fer­nan­da Tor­res, que es­tá na 2.ª tem­po­ra­da da sé­rie Fi­lhos da Pá­tria, se emo­ci­o­nou com o apoio à mãe, Fer­nan­da Mon­te­ne­gro, após ata­que de Ro­ber­to Al­vim, da Fu­nar­te.

Fer­nan­da Tor­res es­tá can­sa­da de re­cla­mar. E isso in­clui quei­xar-se de as­sun­tos co­mo a si­tu­a­ção cul­tu­ral do Brasil, do go­ver­no vi­gen­te, da po­la­ri­za­ção nas re­des e até mes­mo dos ata­ques pro­fe­ri­dos por Ro­ber­to Al­vim, di­re­tor do Cen­tro de Ar­tes Cê­ni­cas da Fu­nar­te, à sua mãe, Fer­nan­da Mon­te­ne­gro. “Es­se ata­que à ma­mãe aca­bou de­sen­ca­de­an­do um mo­men­to de apoio tão bo­ni­to. Apoio a uma mu­lher de 90 anos com uma his­tó­ria im­pres­si­o­nan­te. Fi­ze­mos do li­mão uma li­mo­na­da. Es­se cara (Al­vim) tem uma his­tó­ria louquís­si­ma... Mas ele es­tá na Fu­nar­te, não tem jei­to, não adi­an­ta re­cla­mar”, afir­ma. Pa­ra Fer­nan­da, os pro­ble­mas ci­ta­dos são cí­cli­cos “por­que nun­ca se apren­de com a ex­pe­ri­ên­cia no Brasil”, mas não são ex­clu­si­vi­da­de nos­sa. “A si­tu­a­ção do mun­do pi­o­rou. Eu acho que ele es­tá ho­je pior do que já es­te­ve. Há um sen­ti­men­to apo­ca­líp­ti­co... Mas ali­men­tar es­sas ques­tões só re­cla­man­do não é a so­lu­ção”.

Ago­ra, a atriz, es­cri­to­ra e cro­nis­ta en­tra na pele da des­lum­bra­da Ma­ria Te­re­sa, na se­gun­da tem­po­ra­da de Fi­lhos da Pá­tria. A sé­rie, com tex­to de Bru­no Maz­zeo, re­vi­si­ta o iní­cio da dé­ca­da de 1930, épo­ca de tran­si­ção do País com o iní­cio da era Var­gas. “O tex­to tem uma vi­são crí­ti­ca e apar­ti­dá­ria pa­ra fa­lar das nos­sas ma­ze­las com hu­mor. Dei­xa cla­ros os pro­ble­mas es­tru­tu­rais da nos­sa so­ci­e­da­de”, con­ta sobre a atra­ção, que es­treia ama­nhã na Glo­bo.

Há tem­pos tam­bém na li­te­ra­tu­ra e trabalhand­o em ro­tei­ros, Fer­nan­da en­xer­ga na plu­ra­li­da­de de trabalhos uma for­ma de in­de­pen­dên­cia. “Lá atrás, en­ten­di que eu não po­dia viver es­pe­ran­do con­vi­te. Ca­vo as mi­nhas pró­pri­as coisas, ou eu es­cre­vo um li­vro, ou eu mon­to uma pe­ça”, diz à re­pór­ter Mar­ce­la Pa­es. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da con­ver­sa.

A sé­rie se pas­sa em um mo­men­to de tran­si­ção no País e mui­tos pro­ble­mas são re­tra­ta­dos. En­xer­ga um pa­ra­le­lo com o que acon­te­ce ho­je?

O tex­to do Bru­no é mui­to bom. É um tex­to que tem mui­to hu­mor, que fa­la das nos­sas ma­ze­las com um vi­são crí­ti­ca e apar­ti­dá­ria. Dei­xa cla­ro que são pro­ble­mas es­tru­tu­rais da nos­sa so­ci­e­da­de que nun­ca re­sol­ve­mos. O Brasil so­fre de uma do­en­ça de ze­rar sem­pre tu­do. A gen­te sem­pre tem o Es­ta­do No­vo, a Re­pú­bli­ca No­va, o Cru­za­do No­vo, o Cru­zei­ro No­vo. O “ago­ra vai” es­tá mui­to pre­sen­te na sé­rie. A gen­te nun­ca apren­de ou acu­mu­la ex­pe­ri­ên­cia. Uma es­cra­vi­dão que nun­ca foi re­sol­vi­da, um pa­tri­ar­ca­lis­mo, um pa­tri­mo­ni­a­lis­mo co­mo fun­da­men­to.

O hu­mor aju­da nis­so?

O hu­mor da sé­rie aju­da atra­vés da in­te­li­gên­cia e da graça a ser um es­pe­lho do País. Mas eu acho que tam­bém vo­cê po­de ter isso pe­lo dra­ma. Ti­ve­mos isso em Vale Tu­do, em Ave­ni­da Brasil. Vale Tu­do era atra­vés de um olhar mor­daz pra so­ci­e­da­de, a so­ci­e­da­de se re­co­nhe­cia. A no­ve­la do João Ema­nu­el Car­nei­ro Ave­ni­da Brasil tam­bém era um dra­ma on­de as pes­so­as se re­co­nhe­ci­am. Mas as pes­so­as atualmente es­tão tão vi­o­len­tas, não sei se con­se­gui­ría­mos to­car nes­se pon­to des­se jei­to. Fal­ta jus­ta­men­te hu­mor ho­je em dia.

A Ma­ria Te­re­sa é uma per­so­na­gem que vo­cê ca­rac­te­ri­zou co­mo exem­plo da opi­nião pú­bli­ca ma­ni­pu­lá­vel. Vo­cê en­xer­ga muitas Ma­ria Te­re­sas ho­je em dia? Acho que sem­pre exis­ti­ram Ma­ria Te­re­sas. Ela é uma mu­lher ter­rí­vel. Ela é ra­cis­ta, ma­chis­ta, egoís­ta. Ho­je tam­bém exis­tem aos mon­tes.

Fa­zer co­mé­dia é con­for­tá­vel? Ado­ro fa­zer hu­mor na te­le­vi­são por­que a te­le­vi­são é uma in­dús­tria em que a gen­te tra­ba­lha mui­to pe­sa­do, lon­go. Mas não se­pa­ro a tra­gé­dia da co­mé­dia, sa­be? Os Nor­mais era mais cô­mi­co re­al­men­te, mas com uma vi­são áci­da, punk, do Ale­xan­dre Ma­cha­do e da Fer­nan­da (Young) O Ta­pas e Bei­jos ti­nha um ca­rá­ter de co­mé­dia ro­mân­ti­ca, mas tam­bém uma tra­gé­dia mui­to gran­de na­que­las per­so­na­gens. Acho in­se­pa­rá­vel uma coi­sa da ou­tra.

O que acha ho­je da si­tu­a­ção ge­ral do País?

Acho que a do mun­do pi­o­rou em ge­ral. O mun­do es­tá no pior es­ta­do em que já es­te­ve. Há um sen­ti­men­to apo­ca­líp­ti­co no mun­do to­do.

Mui­ta gen­te na classe ar­tís­ti­ca fa­la em des­mon­te da cul­tu­ra. Isso acon­te­ceu em vá­ri­os mo­men­tos no Brasil, não é só de ago­ra. E exis­tem ques­tões cu­ri­o­sas. O dis­cur­so dos ma­ma­do­res da te­ta não co­me­çou nes­te go­ver­no, co­me­çou an­te­ri­or­men­te. Em de­ter­mi­na­do mo­men­to, cri­ou-se a Lei Rou­a­net e o di­nhei­ro pa­ra cul­tu­ra foi di­re­ci­o­na­do pa­ra isen­ção fis­cal. As em­pre­sas se or­ga­ni­za­ram to­das pa­ra es­se me­ca­nis­mo. Só que tal­vez isso não se­ja bom, por­que a cul­tu­ra fi­ca de­pen­den­te do Es­ta­do. A cul­tu­ra tem que bus­car in­de­pen­dên­cia do Es­ta­do, ou­tros me­ca­nis­mos pa­ra so­bre­vi­ver. Isso é im­por­tan­te. Eu es­tou num mo­men­to que eu não que­ro mais re­cla­mar, en­ten­de?

Re­cla­mar do go­ver­no atu­al?

É. Eu acho que é um go­ver­no le­gi­ti­ma­men­te elei­to. A cul­tu­ra tem que bus­car in­de­pen­dên­cia. É cla­ro que mui­ta a gen­te so­fre num mo­men­to des­ses, mas ao mes­mo tem­po eu sou con­tra re­cla­mar. Isso não quer di­zer que a gen­te não de­va se po­si­ci­o­nar, mas a ação pro­a­ti­va é bus­car in­de­pen­dên­cia. Ali­men­tar es­sas ques­tões só re­cla­man­do não é a so­lu­ção.

Re­cen­te­men­te, o di­re­tor do Cen­tro de Ar­tes Cê­ni­cas da Fu­nar­te, Ro­ber­to Al­vim, es­cre­veu um tex­to cha­man­do sua mãe de “sór­di­da”. Na sua opi­nião, o que mo­ti­va um ata­que des­ses?

Não sei. Mas es­se ata­que à ma­mãe aca­bou de­sen­ca­de­an­do um mo­men­to de apoio tão bo­ni­to. Apoio a uma mu­lher de 90 anos com uma his­tó­ria im­pres­si­o­nan­te, que vi­veu de sua pro­fis­são, pro­fun­da­men­te re­li­gi­o­sa. Fi­lha de ope­rá­rio, ne­ta de gen­te que veio plan­tar ca­fé. Fi­ze­mos do li­mão uma li­mo­na­da. Es­se cara (Al­vim) tem uma his­tó­ria louquís­si­ma... Mas ele es­tá na Fu­nar­te, não tem jei­to, não adi­an­ta re­cla­mar. Ele já fa­lou pa­ra aca­bar com a classe. Não sei bem qual te­a­tro ele quer fa­zer, mas que fa­ça, tu­do bem.

Co­mo foi se ex­pres­sar co­mo es­cri­to­ra ten­do uma carreira de atriz con­so­li­da­da?

É igual a de­bu­tar aos 48 anos. Des­co­bri ou­tro mun­do. Mas a mi­nha es­cri­ta é mui­to li­ga­da à mi­nha vi­da de atriz. Na carreira de atriz vo­cê tra­ba­lha no tex­to do per­so­na­gem. Vo­cê tem que en­ten­der qual é o cer­ne de uma ce­na, por que é que uma ce­na emo­ci­o­na, ou de­ses­pe­ra. Não ve­jo co­mo coisas iso­la­das.

Nas crô­ni­cas tam­bém? Tal­vez a crô­ni­ca se­ja mais separada da atu­a­ção, por­que vo­cê é obri­ga­da a es­cre­ver, vo­cê pas­sa a ter uma prá­ti­ca. Mas a vi­da in­tei­ra eu fui es­cre­ven­do tex­to, ro­tei­ro. Ago­ra vai es­tre­ar na Mos­tra de Cinema de SP O Juí­zo. Es­cre­vi es­se tex­to an­tes do meu pri­mei­ro li­vro. Foi es­se ro­tei­ro que me deu von­ta­de de es­cre­ver fic­ção.

Vem um no­vo li­vro?

Te­nho al­gu­mas idei­as mas ain­da não co­me­cei. Eu adap­tei o Fim (seu pri­mei­ro li­vro) pa­ra uma sé­rie da Glo­bo em 10 ca­pí­tu­los. Tam­bém fa­ço um papel pe­que­no ne­la. Até por­que me dá um pou­co de ner­vo­so fa­zer as coisas que eu es­cre­vo. Tam­bém par­ti­ci­pei ago­ra de uma sa­la de ro­tei­ro com o Lu­cas Pa­raí­so, de uma ou­tra sé­rie da Glo­bo, chamada Bar­ba­dos. É sobre um con­do­mí­nio na Bar­ra da Ti­ju­ca, mas ain­da não tem pers­pec­ti­va de ser fei­ta e tal.

Vo­cê cos­tu­ma es­cre­ver sobre o pro­ces­so de en­ve­lhe­cer. Co­mo é es­se pro­ces­so pra vo­cê? Nor­mal. É mui­to bom en­ve­lhe­cer. Vo­cê fi­ca mais cal­mo, me­nos his­té­ri­co, sa­be? O jo­vem é mui­to an­si­o­so. Quan­do o fu­tu­ro vi­ra pre­sen­te é uma sen­sa­ção mui­to boa. Vo­cê fi­ca me­nos in­se­gu­ro, e, por­tan­to, mais agra­dá­vel no con­ví­vio. Por ou­tro la­do su­as jun­tas já não são as mes­mas, sua pele não é a mes­ma. Se­ria mui­to bom po­der pa­rar nos 40.

Se im­pres­si­o­na com as mu­dan­ças dos pa­ra­dig­mas com­por­ta­men­tais de ho­je?

Sim. Vo­cê co­me­ça a es­tra­nhar o mun­do. Isso atualmente acon­te­ce por­que as coisas mu­da­ram mui­to, a ques­tão das mí­di­as so­ci­ais, a ma­nei­ra co­mo as pes­so­as se com­por­tam, se co­mu­ni­cam.

Ho­je exis­te a dependênci­a das re­des na di­vul­ga­ção e pro­pa­ga­ção de qual­quer coi­sa. Ho­je em dia vo­cê tem que ali­men­tar mi­lhões de ta­ma­go­chis, se­não eles mor­rem. São mi­lhões de pe­que­nos blogs, pe­que­nos ca­nais, vo­cê tem mui­to me­nos con­tro­le do que fa­la e de co­mo aqui­lo vai ser en­ten­di­do. Co­mo tu­do é or­ga­ni­za­do em bo­lhas, vo­cê po­de es­tar sen­do ado­ra­do por uma bo­lha e sen­do odi­a­do por ou­tra bo­lha.

Es­sa ques­tão das bo­lhas a in­co­mo­da?

No co­me­ço eu ti­ve me­do de es­cre­ver. Atualmente, por exem­plo, eu não pos­to em re­de so­ci­al o que eu es­cre­vo nas mi­nhas colunas. Pre­fi­ro es­cre­ver pa­ra aque­las pes­so­as que de fa­to le­em aqui­lo que eu es­cre­vo. A ten­ta­ti­va de ten­tar me co­mu­ni­car com o mun­do não exis­te mais. Não exis­te mais a opi­nião pú­bli­ca. Exis­te o seu gue­to e o que vo­cê po­de fa­zer no seu gue­to. A hora em que eu en­ten­di isso foi uma libertação.

O que vo­cê es­tra­nha nos com­por­ta­men­tos ho­je?

Eu es­tra­nho mui­to a vol­ta a uma mi­li­tân­cia, que é al­go que a mi­nha ge­ra­ção tam­bém pa­rou de ter. O mun­do es­tá mui­to mais aguerrido, mais en­trin­chei­ra­do. Me sin­to defasada nis­so e nes­sas horas vo­cê vai sen­tin­do que en­ve­lhe­ceu, que já não fa­la a lin­gua­gem do seu tem­po. Por ou­tro la­do vo­cê tam­bém não quer fa­lar a lin­gua­gem do seu tem­po.

‘O MUN­DO ES­TÁ MAIS AGUERRIDO. ME SIN­TO DEFASADA’

No seu mais re­cen­te li­vro, A Gló­ria e Cor­te­jo de Hor­ro­res,

vo­cê nar­ra a his­tó­ria de um ator de­ca­den­te. Já te­ve ou tem al­gum me­do nes­se sen­ti­do? De não ser mais chamada pa­ra pa­péis?

Não. Lá atrás eu en­ten­di que eu não po­dia na mi­nha vi­da viver es­pe­ran­do con­vi­te. Há mui­to tem­po eu ca­vo as mi­nhas pró­pri­as coisas. Ou es­cre­vo um li­vro, ou mon­to uma pe­ça. Den­tro da pró­pria Glo­bo, por exem­plo, fui eu quem propôs adap­tar o Fim. Tam­bém pe­di pa­ra o Bru­no Maz­zeo me dar o papel da Ma­ria Te­re­sa. Isso eu ti­ve na mi­nha ca­sa mui­to ce­do, meus pais sem­pre ti­ve­ram es­sa in­de­pen­dên­cia. Mi­nha mãe fa­la que o te­a­tro ho­je em dia a gen­te faz, co­mo ela diz, nas ca­ta­cum­bas.

Co­mo?

Não exis­tem mais com­pa­nhi­as de te­a­tro pro­du­zin­do es­pe­tá­cu­los pa­ra se­ma­na to­da, o te­a­tro é feito de sex­ta a do­min­go. Ao mes­mo tem­po, de re­pen­te, vo­cê vê uma pe­ça co­mo O Sí­si­fo, do Gre­gó­rio Du­vi­vi­er. Ma­ra­vi­lho­sa. É ali mes­mo, na ca­ta­cum­ba, que uma hora vo­cê acer­ta.

BOB WOLFENSON

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.