Aos tran­cos e bar­ran­cos

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informaçõe­s -

Ca­mi­nhar é o mo­do mais sim­ples, eco­ló­gi­co, agra­dá­vel, econô­mi­co e saudável de se des­lo­car. Nas cal­ça­das bra­si­lei­ras, con­tu­do, é tam­bém uma aven­tu­ra, pois “an­dar” tor­na-se sinô­ni­mo de “des­vi­ar”, quan­do não de “tro­pe­çar”. É o que re­ve­la o es­tu­do

Cal­ça­das do Brasil, em­pre­en­di­do pe­lo pro­je­to Mo­bi­li­ze.

Em par­ce­ria com ou­tras ins­ti­tui­ções com­pro­me­ti­das com a mo­bi­li­da­de ur­ba­na, os pes­qui­sa­do­res de­sen­vol­ve­ram uma re­de de cri­té­ri­os de “ca­mi­nha­bi­li­da­de” que po­dem ser re­du­zi­dos a qu­a­tro: i) aces­si­bi­li­da­de, is­to é, a re­gu­la­ri­da­de das cal­ça­das, lar­gu­ra, in­cli­na­ção, obs­tá­cu­los, ram­pas de aces­so, en­tre ou­tros que­si­tos; ii) si­na­li­za­ção, fai­xas, ma­pas e ou­tros ins­tru­men­tos de ori­en­ta­ção; iii) conforto, o que in­clui mo­bi­liá­rio e ar­bo­ri­za­ção, além da qua­li­da­de at­mos­fé­ri­ca e acús­ti­ca; e iv) se­gu­ran­ça, tan­to em re­la­ção ao trá­fe­go quan­to ao cri­me. Ne­nhu­ma das 27 ca­pi­tais do País mos­trou um ní­vel sa­tis­fa­tó­rio.

Pe­los cri­té­ri­os da pes­qui­sa, a mé­dia bra­si­lei­ra foi de 5,7 pon­tos em 10, ao pas­so que o mí­ni­mo acei­tá­vel se­ria a no­ta 8. É uma me­lho­ra em re­la­ção aos 3,47 pon­tos cons­ta­ta­dos em um le­van­ta­men­to de 2012. É pre­ci­so con­si­de­rar, con­tu­do, que, ao con­trá­rio da pes­qui­sa an­te­ri­or, que ava­li­ou to­do ti­po de cal­ça­das, a atu­al se li­mi­tou às cal­ça­das sob res­pon­sa­bi­li­da­de do po­der pú­bli­co, ou se­ja, aque­las que mar­gei­am es­co­las, hos­pi­tais, re­par­ti­ções, ter­mi­nais de trans­por­te, en­tre ou­tros equi­pa­men­tos. Isso re­ve­la du­as coisas: pri­mei­ro, que o po­der pú­bli­co (me­nos as pre­fei­tu­ras do que os Es­ta­dos e a União) cui­da mal de su­as pró­pri­as cal­ça­das; de­pois, que, sen­do as cal­ça­das pú­bli­cas mais mal cui­da­das do que as pri­va­das, a re­a­li­da­de é ain­da pior do que o re­tra­to tra­ça­do pe­la pes­qui­sa.

O re­tra­to em si é bas­tan­te pe­no­so. Mes­mo as ca­pi­tais com mé­di­as altas fi­ca­ram abai­xo da no­ta 7. Só um in­di­ca­dor su­pe­rou o mí­ni­mo de­se­já­vel: “In­cli­na­ção da cal­ça­da” (8,5 pon­tos). De­pois veio “Lar­gu­ra e fai­xa li­vre” (7,31) e “Bar­rei­ras e obs­tá­cu­los” (6,96). É pou­co: pa­vi­men­tos pla­nos, lar­gos e de­sim­pe­di­dos são con­di­ções ne­ces­sá­ri­as, mas não su­fi­ci­en­tes pa­ra uma ca­mi­nha­da de­cen­te. Segundo o es­tu­do, na mai­o­ria dos lo­cais fal­tam ban­cos, es­pa­ços de des­can­so ou abri­gos con­tra a chu­va ou o sol ex­ces­si­vo. Tam­bém fal­tam ram­pas de aces­si­bi­li­da­de, es­sen­ci­ais pa­ra ca­dei­ran­tes ou car­ri­nhos de be­bês, por exem­plo.

Das qu­a­tro ca­te­go­ri­as prin­ci­pais, a mais pre­cá­ria é a si­na­li­za­ção. O in­di­ca­dor “Ma­pas e pla­cas de ori­en­ta­ção”, ruim mes­mo em ci­da­des com cir­cu­la­ção de tu­ris­tas, ob­te­ve mé­dia de 1,92 pon­to. Os “Se­má­fo­ros de pe­des­tres” tam­bém fun­ci­o­nam mal, agra­van­do os ris­cos do trá­fe­go au­to­mo­bi­lís­ti­co. Isso sem fa­lar na de­linquên­cia, ou­tro fa­tor que afasta os bra­si­lei­ros de su­as cal­ça­das. Não à toa, uma pes­qui­sa do Me­trô de São Pau­lo re­ve­lou que ape­nas 60% das vi­a­gens de car­ro per­cor­rem mais que 2,5 km. Ou se­ja: em 40% das ve­zes o car­ro é uti­li­za­do pa­ra per­cur­sos que po­de­ri­am ser feitos a pé. É la­men­tá­vel, por­que mais pe­des­tres nas cal­ça­das sig­ni­fi­ca­ria me­nos car­ros nas ru­as, ou se­ja, me­nos con­ges­ti­o­na­men­tos, aci­den­tes, fu­li­gem e ba­ru­lho, e, ao mes­mo tem­po, mais pes­so­as se exer­ci­tan­do, en­con­tran­do-se e des­fru­tan­do a ar­qui­te­tu­ra lo­cal ou os ser­vi­ços dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais.

Re­ver­ter es­te qua­dro se­rá um tes­te de ci­vi­li­da­de. Afi­nal, as cal­ça­das no Brasil têm um es­ta­tu­to hí­bri­do: são es­pa­ços pú­bli­cos, mas cu­ja ma­nu­ten­ção ca­be ao pro­pri­e­tá­rio do imóvel fron­tei­ri­ço. Na úl­ti­ma dé­ca­da, o País pro­mul­gou a Lei de Mo­bi­li­da­de Ur­ba­na e a Lei de In­clu­são, que es­ta­be­le­cem bons pa­drões de qua­li­da­de e aces­si­bi­li­da­de. O po­der pú­bli­co po­de even­tu­al­men­te as­su­mir pa­ra si a ges­tão de cal­ça­das es­tra­té­gi­cas pa­ra a cir­cu­la­ção da ci­da­de, co­mo a Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo fez com as Ave­ni­das Pau­lis­ta e Fa­ria Li­ma, e po­de tam­bém lan­çar mão de ter­mos de ajus­te de con­du­ta. So­bre­tu­do, de­ve pro­mo­ver cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção e in­cen­ti­vo pa­ra que ca­da pro­pri­e­tá­rio cui­de do seu qui­nhão. Mas an­tes pre­ci­sa ajus­tar sua pró­pria con­du­ta e pro­ver cal­ça­das exem­pla­res. Es­se é o pri­mei­ro pas­so no ca­mi­nho que le­va­rá os bra­si­lei­ros de vol­ta às ru­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.