Re­sis­tên­cia à in­di­ca­ção de Edu­ar­do per­sis­te

Le­van­ta­men­to do ‘Es­ta­do’ apon­ta que 15 se­na­do­res de­cla­ram vo­to a fa­vor de no­me­a­ção pa­ra em­bai­xa­da, mes­mo nú­me­ro de agos­to

O Estado de S. Paulo - - Política - Fer­nan­da Bol­drin Isa­ac de Oli­vei­ra ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Qua­se três me­ses de­pois de ter si­do anun­ci­a­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a in­di­ca­ção do de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP) pa­ra as­su­mir a em­bai­xa­da bra­si­lei­ra nos Es­ta­dos Uni­dos, ain­da não ofi­ci­a­li­za­da pe­lo Exe­cu­ti­vo, es­tá lon­ge de ter os vo­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra ser apro­va­da no Se­na­do. Uma atu­a­li­za­ção de le­van­ta­men­to do Es­ta­do mos­tra que, mes­mo de­pois de fa­zer “cam­pa­nha” na Ca­sa, o fi­lho “03” do pre­si­den­te tem ape­nas 15 dos 41 vo­tos ne­ces­sá­ri­os – mes­mo nú­me­ro re­gis­tra­do em agos­to.

Um ter­ço (27) dos 81 se­na­do­res con­sul­ta­dos pe­lo Es­ta­do dis­se que vai vo­tar con­tra a in­di­ca­ção. Além des­tes, oito afir­ma­ram es­tar in­de­ci­sos e 31 op­ta­ram por não responder. Foi o ca­so do pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP). A as­ses­so­ria do se­na­dor – que tem tra­ba­lha­do pe­la apro­va­ção do de­pu­ta­do – afir­mou que ele aguar­da­rá o re­sul­ta­do da sa­ba­ti­na pa­ra tomar sua de­ci­são.

Na pri­mei­ra edi­ção do pla­car, no iní­cio do agos­to, Al­co­lum­bre in­for­mou que não iria vo­tar, ain­da que o re­gi­men­to per­mi­ta. Na­que­le mo­men­to, o le­van­ta­men­to do Es­ta­do apon­ta­va que ha­via 15 vo­tos de­cla­ra­dos a fa­vor da in­di­ca­ção e 29 con­tra. Ou­tros 36 se­na­do­res não re­ve­la­ram co­mo vo­ta­ri­am – 29 não qui­se­ram responder e 7 se de­cla­ra­ram in­de­ci­sos.

Os números dos dois le­van­ta­men­tos são se­me­lhan­tes – além da po­si­ção de Al­co­lum­bre, a úni­ca

“O de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na- ro (PSL-SP) vai com uma von- ta­de in­do­má­vel de fa­zer um gran­de tra­ba­lho pa­ra se pro­je­tar, in­clu­si­ve, po­li­ti­ca­men­te. (O car­go de em­bai­xa­dor do Brasil nos Es­ta­dos Uni­dos)

É um pos­to de vi­si­bi­li­da­de mui­to for­te.”

mu­dan­ça foi a migração de dois se­na­do­res de­cla­ra­da­men­te con­trá­ri­os pa­ra o gru­po dos que não re­ve­lam o vo­to.

Ca­so se­ja ofi­ci­a­li­za­da a in­di­ca­ção, Edu­ar­do te­rá de ser sa­ba­ti­na­do na Comissão de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e De­fe­sa Na­ci­o­nal do Se­na­do. Os mem­bros da comissão en­tão de­ci­dem, em vo­ta­ção se­cre­ta, se apro­vam ou não a in­di­ca­ção. Uma vez apro­va­do, o no­me do in­di­ca­do é en­ca­mi­nha­do pa­ra apre­ci­a­ção do ple­ná­rio da Ca­sa, tam­bém em vo­ta­ção se­cre­ta. São ne­ces­sá­ri­os ao me­nos 41 vo­tos fa­vo­rá­veis.

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro dis­se, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do pu­bli­ca­da on­tem, que a in­di­ca­ção de Edu­ar­do ain­da não tem

“A ale­ga­ção de que ele é ami­go de (Do­nald) Trump (pre­si­den­te dos EUA) mos­tra uma vi­são com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­da, até por­que boa parte do que diz res­pei­to à po­lí­ti­ca ex­ter­na nor­te-ame­ri­ca­na pas­sa pe­lo Con­gres­so, que tem mai­o­ria de­mo­cra­ta”

da­ta pa­ra ser ofi­ci­a­li­za­da. “Dei­xa pas­sar a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Não tem pres­sa não”, dis­se. Em agos­to, após a di­vul­ga­ção do le­van­ta­men­to do

Es­ta­do, Bol­so­na­ro afir­mou que aguar­da­ria o “mo­men­to cer­to” pa­ra ofi­ci­a­li­zar a in­di­ca­ção. An­te­on­tem, ele mi­ni­mi­zou o fa­to de, ho­je, não ter os vo­tos su­fi­ci­en­tes. “Ele se pre­pa­ra me­lhor pa­ra en­fren­tar a sa­ba­ti­na, ca­so ele man­te­nha a ideia de ir pa­ra lá. Pra mim se­ria in­te­res­san­te.”

Des­de que foi anun­ci­a­da, em 11 de ju­lho – dois di­as de­pois de Edu­ar­do com­ple­tar 35 anos, a ida­de mí­ni­ma pa­ra um brasileiro as­su­mir uma re­pre­sen­ta­ção di­plo­má­ti­ca no ex­te­ri­or –, a in­di­ca­ção do fi­lho do pre­si­den­te pa­ra o car­go mais im­por­tan­te da di­plo­ma­cia bra­si­lei­ra foi al­vo de crí­ti­cas de ad­ver­sá­ri­os, que a clas­si­fi­ca­ram de ne­po­tis­mo e ques­ti­o­na­ram a qua­li­fi­ca­ção téc­ni­ca do de­pu­ta­do. “A ques­tão que de­ve ser pos­ta é se ele es­tá à al­tu­ra de um pos­to que já foi ocu­pa­do por Jo­a­quim Na­bu­co”, dis­se o se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Re­de-AP). “Eu acho que não es­tá. Se ele não fos­se fi­lho do pre­si­den­te, quem co­gi­ta­ria no­meá-lo?”, ques­ti­o­nou.

Ham­búr­guer. Po­li­ci­al fe­de­ral li­cen­ci­a­do, Edu­ar­do es­tá em seu segundo man­da­to na Câ­ma­ra. Quan­do qu­es­ti­o­na­do, ain­da em ju­lho, sobre seus atri­bu­tos pa­ra o car­go, ele des­ta­cou sua atu­a­ção na pre­si­dên­cia da Comissão de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Ca­sa e o fa­to de ter feito in­ter­câm­bio. “Não sou um fi­lho de de­pu­ta­do que es­tá do na­da vin­do a ser al­ça­do a es­sa con­di­ção, tem mui­to tra­ba­lho sen­do feito, sou pre­si­den­te da Comissão de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, te­nho uma vi­vên­cia pe­lo mun­do, já fiz in­ter­câm­bio, já fri­tei ham­búr­guer lá nos Es­ta­dos Uni­dos”, dis­se ele na oca­sião.

No fim de ju­lho, o pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, afir­mou con­si­de­rar Edu­ar­do “um jo­vem bri­lhan­te” e dis­se que es­tá “mui­to fe­liz pe­la in­di­ca­ção”, o que foi vis­to por ali­a­dos co­mo trun­fo. Em agos­to, a con­sul­to­ria le­gis­la­ti­va do Se­na­do ela­bo­rou pa­re­cer afir­man­do que a in­di­ca­ção con­fi­gu­ra­ria ne­po­tis­mo. A Ad­vo­ca­cia do Se­na­do, no en­tan­to, emi­tiu um pa­re­cer téc­ni­co con­trá­rio.

Em bus­ca de vo­tos, Edu­ar­do es­tá em “cam­pa­nha”. Ele tem atra­ves­sa­do o Con­gres­so pa­ra fa­zer um cor­po a cor­po em con­ver­sas pri­va­das com os se­na­do­res e já vi­a­jou du­as ve­zes aos Es­ta­dos Uni­dos – em uma de­las, pa­ra uma “reu­nião sim­bó­li­ca” com Trump.

O te­ma, en­tre­tan­to, ain­da é con­tro­ver­so. O se­na­dor Chi­co Ro­dri­gues (DEM-RR), da ba­se ali­a­da, critica a au­sên­cia de uma ar­ti­cu­la­ção na Ca­sa pa­ra apro­var a in­di­ca­ção. Segundo ele, Edu­ar­do “vai com uma von­ta­de in­do­má­vel de fa­zer um gran­de tra­ba­lho pa­ra se pro­je­tar, in­clu­si­ve, po­li­ti­ca­men­te”. “É um pos­to de vi­si­bi­li­da­de mui­to for­te.”

Já o se­na­dor Hum­ber­to Cos­ta (PT-PE) critica o que cha­ma de mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca em car­go ins­ti­tu­ci­o­nal. “A ale­ga­ção de que ele é ami­go de Trump mos­tra uma vi­são com­ple­ta­men­te equi­vo­ca­da, até por­que boa parte do que diz res­pei­to à po­lí­ti­ca ex­ter­na nor­te ame­ri­ca­na pas­sa pe­lo Con­gres­so, que tem mai­o­ria de­mo­cra­ta”, afir­ma.

Chi­co Ro­dri­gues Se­na­dor (DEM-RR) Hum­ber­to Cos­ta Se­na­dor (PT-PE)

es­ta­dao.com.br/e/em­bai­xa­da NA WEB Pla­car. Co­mo vai vo­tar ca­da se­na­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.