O triun­fo da po­lí­ti­ca prag­má­ti­ca de Cos­ta

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Mar Ma­rín

Ne­go­ci­a­dor há­bil, for­ja­do nos bas­ti­do­res do po­der e tem­pe­ra­men­tal, António Luís San­tos da Cos­ta te­rá mais uma vez a res­pon­sa­bi­li­da­de de go­ver­nar sem des­mon­tar o “mi­la­gre por­tu­guês”.

Nas­ci­do em Lis­boa em 1961, Cos­ta já fez qua­se tu­do em sua lon­ga carreira po­lí­ti­ca no Par­ti­do So­ci­a­lis­ta (PS), or­ga­ni­za­ção em que ga­nhou es­pa­ço com apoio de dois re­no­ma­dos di­ri­gen­tes: Jor­ge Sam­paio e António Gu­ter­res – atu­al secretário-ge­ral das Na­ções Uni­das.

Sua pri­mei­ra vi­tó­ria em uma elei­ção ge­ral, on­tem, con­fir­ma que ti­nha um pro­je­to de lon­go pra­zo quan­do, em 2015, as­su­miu o co­man­do do país e mu­dou o mapa po­lí­ti­co por­tu­guês ao apro­vei­tar-se da fra­que­za da di­rei­ta pa­ra fe­char um acor­do de es­quer­da – a po­pu­lar “ge­rin­gon­ça” – que o tor­nou pri­mei­ro-mi­nis­tro ape­sar de ter si­do der­ro­ta­do nas elei­ções.

Di­fe­ren­ças apa­ren­te­men­te ir­re­con­ci­liá­veis se­pa­ra­vam os so­ci­a­lis­tas do Par­ti­do Co­mu­nis­ta e do Blo­co de Es­quer­da, mas os três gru­pos se ali­nha­ram pa­ra ti­rar a di­rei­ta do po­der em um país du­ra­men­te afe­ta­do pe­la cri­se econô­mi­ca e pe­la aus­te­ri­da­de im­pos­tas pe­los cre­do­res in­ter­na­ci­o­nais.

Qu­a­tro anos de­pois, Cos­ta tor­nou-se um mo­de­lo in­ve­ja­do pe­la so­ci­al-de­mo­cra­cia eu­ro­peia, além de ser vis­to co­mo o gran­de ar­qui­te­to do “mi­la­gre por­tu­guês” – ele te­rá que tra­ba­lhar duro, no en­tan­to, pa­ra man­ter es­sa ima­gem.

Sua ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca con­tras­ta com seu ca­rá­ter tem­pe­ra­men­tal, sua re­sis­tên­cia às crí­ti­cas e sua fal­ta de em­pa­tia com os ci­da­dãos. Por trás de sua apa­rên­cia cal­ma se es­con­de uma per­so­na­li­da­de for­te que po­de traí-lo mes­mo em pú­bli­co, co­mo acon­te­ceu na sex­ta-fei­ra, em uma ce­rimô­nia de en­cer­ra­men­to de cam­pa­nha.

Na oca­sião, Cos­ta per­deu o con­tro­le quan­do um ido­so o criticou pe­lo epi­só­dio mais sombrio de sua le­gis­la­tu­ra: os in­cên­di­os que dei­xa­ram uma centena de mor­tos em 2017. A acu­sa­ção não era jus­ta, mas a re­a­ção exa­ge­ra­da da Cos­ta fez seus se­gu­ran­ças se en­vol­ve­rem pa­ra se­gu­rá-lo.

Gu­ter­res tam­bém po­de dar um bom re­la­to sobre a tei­mo­sia de Cos­ta: quan­do era pri­mei­ro-mi­nis­tro, te­ve que re­cor­rer ao seu mo­to­ris­ta pa­ra que Cos­ta – en­tão Mi­nis­tro da Jus­ti­ça – aten­des­se o te­le­fo­ne no meio de uma cri­se in­ter­na.

O prag­ma­tis­mo lhe per­mi­tiu li­dar com a ge­rin­gon­ça, fa­zer fren­te ao mo­vi­men­to sin­di­cal – ele não he­si­tou mo­bi­li­zar o Exér­ci­to con­tra uma greve – e con­ci­li­ar as di­fe­ren­ças com seus par­cei­ros e com o pre­si­den­te de Portugal, o con­ser­va­dor Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa.

Ele não po­de­ria ter feito isso sem sua ba­ga­gem po­lí­ti­ca. Cos­ta brin­ca com seus co­la­bo­ra­do­res ao di­zer que “be­beu po­lí­ti­ca no lei­te ma­ter­no”.

Fi­lho de um es­cri­tor e mi­li­tan­te co­mu­nis­ta ori­gi­ná­rio da ex-colô­nia por­tu­gue­sa de Goa, na Ín­dia, pre­so vá­ri­as ve­zes na di­ta­du­ra, e de uma jor­na­lis­ta e sin­di­ca­lis­ta ati­va, aos dez anos es­cre­veu crí­ti­cas te­le­vi­si­vas pa­ra uma re­vis­ta.

Seus ad­ver­sá­ri­os o acu­sam de ser um “ho­mem de Lis­boa”, fo­ca­do na bu­ro­cra­cia do po­der e des­co­nec­ta­do da re­a­li­da­de de Portugal. De fa­to, sua po­pu­la­ri­da­de dis­pa­rou de­pois de ga­nhar o car­go de pre­fei­to de Lis­boa, em 2007. Foi tam­bém sua pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia de pac­to com a es­quer­da. Du­as mai­o­ri­as ab­so­lu­tas na capital (2009 e 2013) o ca­ta­pul­ta­ram à li­de­ran­ça do PS.

Em 2014, as­su­miu a li­de­ran­ça do PS e, um ano de­pois, che­gou ao go­ver­no. Sem ven­cer as elei­ções. O se­gre­do pa­ra sua as­cen­são? Tal­vez es­te­ja em uma de su­as úl­ti­mas men­sa­gens: “Fi­quem cal­mos, não so­mos san­tos mi­la­grei­ros, so­mos um go­ver­no res­pon­sá­vel”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.